Tipos de copos para cervejas especiais

Quer degustar suas cervejas preferidas e ter uma experiência completa?

A dica que trago é: tenha uma diversidade de copos. Afinal, eles fazem a diferença na hora da degustação de cerveja. No texto divulgado anteriormente, eu falei sobre essa importância de usar o copo correto na hora da degustação da cerveja.

No texto de hoje, vou falar sobre alguns tipos de copos, seu desenho e qual o estilo de cerveja ideal para degustar nele. Como existe uma infinidade de formato, falarei sobre os principais.

pils.jpg

Pilsner: Intimamente chamado por nós de “tulipa” é o copo ideal para as cervejas pilsen. Com o formato fino embaixo e largo na boca proporciona que o aroma dos lúpulos vá direto para o nariz. É confundida com o copo Lager, mas, o Pilsner tem a boca mais larga.

lager

Lager: É o mais indicado para tomar aquele chopinho. E muitos usam para tomar as pilsen também. É alto e tem forma cilíndrica. Esse formato ajuda na formação e manutenção da espuma e da temperatura.

copos-de-cerveja-1200x520

Weizen: Ideal para as cervejas de trigo alemã, as Weiss. O copo foi pensado para caber todo o líquido das garrafas de 500ml, inclusive as leveduras que ficam no fundo da garrafa, sobrando ainda um espaço para a formação da espuma, que vai ajudar a não deixar que a cerveja esquente tão rápido.

download.jpeg

Pint: Comum nos pubs ingleses e irlandeses, o nome refere-se a uma unidade de medida. Um Pint na Inglaterra equivale a 568 ml, já nos Estado Unidos, 473 ml. Comporta uma grande quantidade de cerveja, por isso, a base é estreita para diminuir a transferência do calor das mãos. Ele é ideal para cervejas de intensidade aromática moderada como: IPA, Stout, English e American Pale Ale.

canecaCaneca ou Mass: os canecões alemães têm um material mais robusto. Não é à toa que nos eventos alemães podem ser observados aqueles brindes feitos com vontade, batendo uma caneca na outra. São usados com frequência por choperias que oferecem maior quantidade de chopp e não tem um estilo específico, aqui o que vale é a quantidade. Algumas cabem até 1 litro.  Por isso, ficam melhor para cervejas que não têm problema tomar em temperatura ambiente.

tumbler.jpg

Tumbler: Ideal para tomar cervejas de trigo belga, as Witbier. Como essas cervejas não formam muito creme, não exigem que o copo tenha uma boca tão fechada. E são bem resistentes.

goblet

– Goblet: Ideal para as belgas, trapistas, que são encorpadas e complexas. Chamado também de Cálices, a borda é larga para que o creme da cerveja não se perca e mantenha o aroma concentrado. Sua haste comprida evita que a mão esquente a cerveja. Alguns ainda possuem uma técnica de entalhe no fundo, formando um ponto de nucleação de dióxido de carbono, que permite a formação constante de espuma.

tulipa

– Tulipa: Ideal para cervejas aromáticas e que possuem bastante creme como as Belgian e Brown Ale, Tripel e Bock. Sua borda larga é virada para fora para facilitar a saída dos aromas. Mas, confesso que sua haste curta me incomoda.

americano

– Americano: Para nós, mineiros, é COPO LAGOINHA. Provavelmente você tem um desse em casa. Ele é sem frescura. Ideal para American Lager. Como é pequeno, a cerveja não fica por muito tempo dentro dele, com isso ela não corre o risco que ficar quente.

caldereta.jpg

Caldereta: Também é mais fácil achar nas casas. Bem versátil devido seu formato, pode ser usado para tomar as lagers claras, Bitter até Porter e Stout. É bom tê-lo que é um coringa.

copopokal

Pokal: seu formato facilita a visualização da transparência do líquido e o pequeno estreitamento na borda retém os aromas. Considerado um copo coringa também, é usado para beber a maioria dos tipos de cerveja, em especial, as carbonatadas, escuras ou claras.

– Dublin: Seu corpo arredondado com bocal mais estreito concentra os aromas, e a curvatura na parte superior ajuda na evolução e estabilidade de espuma. Ideal para cervejas que possuem bastante creme como a Belgian Ale, Bière de Garde e Bock.

Gostou? Eu sou a maníaca do copo. Só não tenho mais porque não tenho mais espaço.

Agora, é só escolher seu estilo preferido, o copo ideal, um tira-gostinho e pronto. Pröst!

Post sobre a limpeza do copo influencia na degustação

Post sobre temperatura ideal da cerveja.

Heineken lança novo rótulo

No dia 21 de março, o grupo Heineken lançou seu mais novo rótulo, a Heineken Silver. A nova cerveja vem com uma proposta mais refrescante e menos amarga, mas mantendo a qualidade da Heineken original.

Ela leva os mesmos ingredientes da original. Porém, para criar seu sabor extra-refrescante, a Heineken Silver teve que ser fabricada usando um processo de água gelado a -1° C. O resultado é uma cerveja premium, mais leve, com menor teor alcoólico (4% de ABV , enquanto a original é 5%), com menos amargor (10 IBU, a original tem 18 IBU) e com menos calorias, sem gordura e zero açúcar.  

O foco da cervejaria são os consumidores que estão na faixa dos 18 aos 34 anos. Esse público prefere cervejas mais refrescantes, menos amargas e com teor alcoólico mais reduzido. Esse é um nicho de mercado que vem crescendo nos últimos anos e, por isso, a Heineken quer assegurar sua presença com esse público também.

A cerveja estará disponível em 19 países como Estados Unidos e alguns países da Europa, entre eles o Reino Unido. Ainda não há informações de quando ou se a Heineken Silver será disponibilizada para o mercado brasileiro. Mas, se consideramos que o Brasil é o maior mercado da marca, podemos ter uma expectativa boa de que ela pode vir a aparecer por aqui também para matarmos a curiosidade.

Heineken lança a primeira cerveja virtual

A Heineken Silver não ficou somente no mundo real, ela também foi inserida no universo metaverso. A marca holandesa lançou a cerveja virtual Silver que passa a estar presente na Decentraland, uma plataforma digital imersiva.

A Heineken Silver é produzida com código binário e, em vez da levedura e do malte, a matéria-prima são os pixéis. A Silver virtual é produzida com lúpulo de código binário, cultivado por agricultores de NPC (non-player character).

A Heineken garantiu seu espaço no universo da realidade virtual em uma ação publicitária que satiriza a intensa busca de outras marcas por não ficar pra trás em nenhuma tendência. Durante o evento, Bram Westenbrink, chefe global da Heineken, explicou o por quê da ação. “É uma proposta que brinca com a própria marca e com outras empresas que estão entrando no metaverso, lançando produtos que são mais apreciados no mundo real”, afirmou.

Ciente de que seus produtos talvez não fossem tão queridos no mundo digital quanto são ao vivo e em cores, Westenbrink aproveitou o evento de estreia para convidar os consumidores a experimentarem a verdadeira Heineken Silver.  “Por enquanto, você não pode provar pixels e bytes. Então, queremos fazer uma brincadeira com isso e lembrar a todos que nada supera o sabor de uma cerveja refrescante. Isso inclui nossa nova Heineken Silver, no mundo real”, disse o executivo.

Fonte: Com informações dos sites da Money Times, da Forbes e da Heineken

Escolas cervejeiras: Escola Alemã

Escolas cervejeiras: Escola Alemã

Antes de falar sobre a Escola Alemã, vamos um pouquinho de história.

Até o século VIII, a produção de cerveja era uma tarefa doméstica de responsabilidade das mulheres. Depois de algum tempo, a responsabilidade foi passada para monges e freiras em monastérios e, com o aumento da demanda, os artesãos passaram a produzi-la também.

Com o crescimento da produção e a escassez de alguns ingredientes primordiais para a população, os governantes alemães decidiram por padronizar a produção da cerveja e proibir o uso de alguns desses ingredientes.  Daí, surge a tal “Lei da pureza alemã – Reinheitsgebot 1516”. Com a criação da lei, a bebida somente seria denominada bier (cerveja em alemão) se fosse produzida apenas com três ingredientes: água, malte e lúpulo. Na época, a levedura não tinha sido descoberta. Essa lei está em vigor até hoje na Alemanha.

O país, é um dos maiores produtores e consumidores de cerveja do mundo, devido a sua posição geográfica e pelo seu clima ideal para cultivo de cevada e lúpulo.

CARACTERÍSTICAS DA ESCOLA ALEMÃ/GERMÂNICA

A Escola Alemã, ou Germânica, é considerada a mais tradicional das existentes. É bem clássica, pois foca nos ingredientes básicos da cerveja. Água, malte, lúpulo e levedura. A maioria de suas cervejas é Lager (baixa fermentação), apesar também de ter as Ale (alta fermentação), como as Weiss (de trigo). Que, na minha opinião, são as melhores cervejas de trigo que já tomei.

Fazem parte da Escola a Alemã os seguintes países: Alemanha, República Tcheca e Áustria.

Características principais: Há um equilíbrio entre os ingredientes. Você não sente nenhum ingrediente se destacando demais, como o doce do malte ou o amargor do lúpulo. Não se admite a adição de frutas ou especiarias, como existe nas cervejas belgas; e as leveduras utilizadas nas cervejas germânicas são de caráter límpido, sem deixar muitos resíduos aromáticos.

Então, se você é desses, que não curte cervejas muito amargas e com aromas e sabores fortes, aposte nas tradicionais cervejas que seguem a escola alemã.

Cervejas Alemãs
Principais cervejarias da Alemanha encontradas por aqui no Brasil.

Aí vai a dica de alguns estilos de cervejas dessa escola, que eu amo!

As três primeiras são as que você mais encontra nas cervejarias alemãs. Quando estive por lá, percebi que a maioria das cervejarias que serve a própria cerveja, servem apenas esses três estilos.

MUNICH HELLES – a cerveja clara, refrescante e leve. em uma relação direta com a Pilsner e é normal que sejam feitas comparações. A Munich Helles é uma Lager que apresenta coloração entre amarela e dourada, ela é mais maltada que as Pilsners e também é mais encorpada. Seus aromas devem ser de grãos e panificação e apresentar um leve amargor do lúpulo que equilibra com o dulçor do malte.

DUNKEL – São versões escuras de alguns tipos de cervejas claras alemãs, produzidas através de maltes tostados. São bem leves e saborosas.

WEIZEN OU WEISS – São as típicas de cervejas de trigo. Graduação alcoólica moderada com o amargor leve ou inexistente. Aroma frutado, geralmente de banana e temperos como o cravo. Existem também as Weizenbock ou Weizendunkel, com uma coloração mais escura e graduação alcoólica elevada.

PILSEN:  São douradas, translúcidas, leves, duradouras e possuem uma espuma cremosa. Possuem sabor seco, com o lúpulo suave e o amargor considerado baixo ou médio. O equilíbrio pode mudar de levemente maltosa até levemente amarga, porém é muito próxima do centro.

MARZEN e OKTOBERFESTBIER – A principal cerveja da Oktoberfest na Alemanha. As suas características é uma cor dourado levemente escuro, corpo cheio e redondo, com toques de biscoito e malte. Com o teor alcoólico um pouco mais elevado.

BOCK – Cerveja escura, pouco amarga, gradação alcoólica de 6,5%- 7%.

VIENNA – Coloração avermelhada, nuances de biscoito e frutas vermelhas, álcool baixo e médio amargor.

KÖLSCH – Produzida com leveduras selecionadas. Cor dourada, geralmente com um amargor leve e aromas florais do lúpulo.

E você, curte essa escola? Eu adoro todos esses estilos!

Alguns exemplos de cervejas mineiras com estilos da Escola Alemã:

Weissbier – Cervejaria Brüder
Oktoberfest – Prussia Bier
Kölsh – Cerveja Confrades
Vienna – Artesamalt
German Pilsen – Krugbier
Dunkel – Cervejaria Antuérpia

Lei da Pureza Alemã – Reinheitsgebot

Em vários posts eu falo sobre a Lei da Pureza Alemã. Afinal, o que é isso? Para que ela surgiu?

A Lei da Pureza Alemã ou Reinheitsgguilherme-ivebot (em alemão) foi uma lei promulgada, em 23 de abril de 1516, pelo duque Guilherme IV da Baviera, na Alemanha. Uma de suas imposições é que a cerveja deveria ser fabricada apenas com os seguintes ingredientes: água, malte de cevada e lúpulo. A levedura de cerveja não era conhecida naquela época.

Historiadores contam alguns motivos que fizeram com essa lei surgisse. Um deles era para garantir a qualidade da bebida, pois, antes da lei, os cervejeiros da época estavam utilizando alguns ingredientes estranhos como fuligem e cal.  Alguns contam que o duque promulgou esta lei depois de uma forte ressaca que teve após beber uma cerveja de má qualidade.

Além de limitar os ingredientes, a lei também controlava os preços da bebida.

Há quem diga que o outro motivpao_0.jpego, para a promulgação da lei, foi para que os cervejeiros não usassem mais trigo e centeio. Como esses cereais estavam sendo muito usados na produção da cerveja, o preço deles começou a aumentar. Como para produzir os pães era necessário esses mesmos cereais, o preço do pão encontrava-se muito alto.

Somente em 1906, depois que a Alemanha foi unificada, que a lei passou a ser adotada em toda o país, já com a inclusão da levedura e admitindobandeira alemanha.jpg o trigo como adjunto. A descoberta da levedura e de sua função só aconteceram no final da década de 1860, por Louis Pasteur.

500 anos depois, a lei encontra-se em vigor até hoje e é uma das únicas de longa data que ainda é utilizada até os dias atuais devido à cultura cervejeira alemã.

Então, é isso. No final das contas, a lei da pureza veio para padronizar as cervejas na Alemanha. Para que todas as cervejarias façam cervejas de qualidade e usem apenas os ingredientes necessário para se produzir uma cerveja, ou seja, a água, o malte, o lúpulo e a levadura. As cervejas que levam somente esses ingredientes falam que seguem a Lei da Pureza Alemã.

Temos que lembrar que não significa que as cervejas feitas dentro dessa Lei são sempre as melhores. Além disso, as cervejas que não são feitas de acordo com a Lei também podem ser ótimas, como exemplo, as cervejas belgas, que usam muitos condimentos além da água, malte, lúpulo e levedura.

Veja a Reinheitsgebot na íntegra:

somente a lei.jpg

Obs: A Lei da Pureza Alemã não foi a primeira relacionada à qualidade da cerveja. Em 1156, em Augsburg (Alemanha), o imperador Barbarossa instituiu a lei chamada de Justitia civitantis Augustecis. De acordo com a lei, se algum taverneiro (garçom) servisse cerveja de má qualidade ou em medida desleal, este seria sujeito a multas e teria seu estoque confiscado e oferecido aos pobres de graça. Este primeiro decreto não regulamentava a produção cervejeira e sim sua qualidade final.

 

Sobre estilos: Stout

Banner - voce sabia - stoutStout

Hoje eu vou falar sobre a minha queridinha, do “cafezin”que eu mais amo: a Stout. Foi o estilo que mais meu paladar aceitou e falou “pronto, essa você vai tomar pro resto da vida!”. Ô trem gostoso, sô!

Porto-inglês

Assim como os outros estilos, o surgimento da Stout tem diferentes versões. Mas, um fator é comum: a Stout deriva da Porter. Alguns falam que surgiu na Irlanda outros, na Inglaterra. A história é que a cerveja do estilo Porter era muito comum nas cidades onde haviam portos. Os trabalhadores portuários, os porters, precisavam de cervejas fortes pra poder aguentar o trabalho pesado. Para isso, foi criado o estilo e nomeado Porter. Uma das versões sobre a Stout é que muitos dos trabalhadores não gostavam do sabor adocicado (característico da Porter), assim foi criado um estilo menos doce, com aroma e sabor mais voltado para o café, usando bastante maltes torrados. Surgindo a Stout.

Muitos perguntam qual a diferença, hoje, entre a Porter e a Stout. Dizem que a diferença está no paladar e no teor alcoólico, que as Porters são mais leves e com menor teor. Porém, é um assunto polêmico. Como não sou profissional, não entrarei nesse detalhe.

Principais características

malte

São cervejas escuras de colarinho bege. Devido aos maltes torrados usados, têm aromas e sabores tostados de café, chocolate, cappuccino, toffe e caramelo. As clássicas não são muito amargas, pois é usada pouca quantidade de lúpulo em sua fabricação. O amargor que ela tem é só para quebrar o gosto do café e do caramelo. E esse amargor vem tanto do lúpulo quanto dos maltes torrados/tostados.

São consideradas cervejas fortes, com teor alcoólico mais elevados, que causam sensação de aquecimento. Por isso, são muito indicadas para o inverno. Mas eu tomo em qualquer dia, faça calor ou faça frio.

Seu teor alcoólico pode variar de acordo com o subestilo, indo de 4,2% a mais de 15%.

irish stoutFalando em subestilos ela tem diversos. Vamos a alguns:

Dry Stout/Irish Stout: A intensidade do sabor torrado é média e o café domina o paladar no fim, dando a ela um final seco. O amargor do lúpulo é marcante.

Sweet Stout/Cream Stout: Utiliza lactose ou chocolate para trazer mais dulçor à cerveja. Por isso, é uma cerveja mais leve que a clássica Stout. Tem gosto de chocolate amargo e café. O final sente o malte torrado e um pouquinho do amargor do lúpulo. Amoooooooo!

oatmeal-stout-recipe-Oatmeal Stout: Como o nome indica, tem adição de aveia (oatmeal) que deixa a cerveja mais cremosa. Apresenta médio amargor. Bastante encorpada! Hummmm!

American Stout: Versão americana do estilo. Ou seja, surra de lúpulo, a tornando uma cerveja mais amarga que os demais subetilos de Stout. O aroma cítrico dos lúpulos americanos equilibra com o malte torrado.

risRussian Imperial Stout (RIS): É a versão hard da Stout. São cervejas mais complexas, com amargor intenso equilibrado com o dulçor. Super encorpada e com alto teor alcoólico. Tem um perfil licoroso, chega a pregar a boca quando bebe. Ahhhh, esse é bom demais também.

Fui super “imparcial” nesse post, né?! 🙂

Se ainda não experimentou, não perca tempo! São todas ótimas!

Bom cafezinho!

 

Sobre estilos: Pilsen

Urquell

O estilo Pilsen foi criado pela primeira vez, em 1842, na República Tcheca, na cidade de Plzen (Pilsen), pela Büger Brauerei, hoje Plzenky Prazdroj. É a famosa e tradicional  Pilsner Urquell, que usa os mesmos ingredientes até os dias de hoje para fabricar sua clássica Bohemian Pilsner. É uma cerveja maravilhosa. Falei sobre ela nesse post que fiz no Instagram

Desde o seu surgimento, é o estilo mais consumido no mundo inteiro. Pode ser chamada de Pilsner também. Elas são do tipo lagers que, como já falei aqui, são de baixa fermentação e portanto mais leves e geralmente menos alcoólicas.

pilsenA Pilsen é uma cerveja bem dourada, com notáveis aromas de lúpulo e um sabor mais acentuado de malte. Elas seguem a Lei da Pureza Alemã, que condiciona a produção da bebida a apenas quatro ingredientes: água, malte, lúpulo e levedura. Ou seja, não pode ter cereais não-maltados como o milho e o arroz. Por isso, podemos perceber que essas cervejas populares aqui do Brasil, que dizem no rótulo ser Pilsen, não são. Elas são, na verdade, American Lager, que têm sabor suave e aroma neutro. Bem diferente das pilsens originais.

Ao longo do tempo, surgiram algumas variações da  Pilsen, que são os subestilos Bohemian Pilsner, German Pilsner e Classic American Pilsner. Em geral, elas são mais amargas, com espuma cremosa e branca.

Bohemian Pilsner, é o estilo original da Pilsen. É uma cerveja de fermentação baixa, com coloração amarelo/dourado e refrescante, tornando-se assim uma das mais pedidas entre todas as outras. Representada por cervejas como a Pilsner Urquell;

German Pilsner, uma versão alemã do estilo, criado em 1870, tornou-se bastante popular após a Segunda Guerra Mundial. Essa é uma cerveja mais amarga, de cor dourada, corpo leve e bastante refrescante. Alguns exemplares incluem a Bitburger, Warsteiner e  Konig Oilsener; e

Classic American Pilsner, uma variação americana da Bohemia Pilsner. Levada aos EUA pelos imigrantes europeus e produzida somente com ingredientes originais da América. Essa é uma cerveja mais clara e brilhante, além de possuir um amargor mais leve e seco.

#TBT: Bardot Brew Pub – Colonia del Sacramento (Uruguai)

20180409_224102O #tbt de hoje viaja para um brewpub em Colonia del Sacramento, uma cidadezinha charmosa do Uruguai.

Eu estou falando do Bardot Brewpub, a primeira cerveja artesanal de Colônia. A gente acha que vai para interior e só vai encontrar bar ou restaurante com as cervejas tradicionais locais e depara com esse paraíso com 15 biqueiras e muito chope artesanal fresquinho e de ótima qualidade.

20180409_224608

20180409_224615

A casa oferece somente chope próprio. A variedade é imensa. A carta conta com 18 estilos diferentes, porém, desses: 6 são sazonais, ou seja, dependendo da época que você for, pode ser que encontre alguns. Eles os chamam de Estación que são a Wizen, Wit, Pumpkin, Imperial Stout, Strong Ale e Honeybeer. Os demais são classificados como Clássicas (Kolsh, Golden, Pale Ale, Scottch, Porter, Bitter…), que custam $200 o pint e $120 meio e Especiais (Dubel, IPA e Stout), que custam $240 pesos o pint e $150 meio, esses são os mesmos preços dos Estación.

20180409_220832.jpg

Além dos chopes, tem vinho, whisky e bebidas de dose.

Para comer, só de sentar eles já te levam uma cesta de pipoca como cortesia da casa. Enquanto isso, vai abrindo seu apetite para o prato que vai pedir.

20180409_221445

As opções também são muitas, ficamos meio perdidos para pedir. Tinha petiscos, massas, pratos, pizza, salada e sanduíches. Pedimos um prato que não entendi até hoje o que é. Veio batatas rústicas, cream cheese, salada e salmão cru.

20180410_002800.jpgGostei muito do lugar, do espaço e de saber que em um lugar tão pequeno já tem cerveja artesanal jorrando!


O ponto turístico é a cidade de Colonia del Sacramento.

20180409_152354

Se estiver em Montevidéu ou Buenos Aires (fica entre as duas cidades), não deixe de ficar pelo menos um dia nessa cidade. Como eu iria de Montevidéu para Buenos Aires, eu parei e fiquei um dia lá. Se você gosta de sossego, fique dois. Tem gente que faz bate e volta das capitais, mas acho que não compensa.

A localização dela a tornou uma das cidades mais visitadas do Uruguai e um patrimônio da UNESCO.20180409_152326

É uma cidade tranquila, que fica às margens do Rio Prata, gostosa de ficar passeando ou mesmo sentar em um restaurante ou um café e relaxar. Nós passamos o dia andando e conhecendo seus pontos turísticos. Parece que transportamos para outra época, pois ela preserva muito bem a arquitetura de quando foi colonizada pelos portugueses e espanhóis, em 1960.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tem ruelas e também ruas bem espaçosas. Todas elas bem arborizadas que torna o clima da cidade ainda mais gostoso, fresquinho. Parece que até os moradores estão descansando, não se ouve barulho, não vê muito movimento, a não ser os turistas passando. Acho que a cidade é tão calma, que até os turistas falam baixo, não agitam muito em respeito à calmaria desse lugar.

Amei, posso mudar para lá quando aposentar e viver até 120 anos. Veja mais fotos:

20180409_155718

#TBT: Peroni Gran Riserva -Altare della Patria (Roma)

pgr-calice-doppio-malto.png

Bora para mais uma cerveja legitimamemente italiana?

O #TBT, dessa vez, traz essa versão especial da Birra Peroni. A Peroni Gran Riserva foi criada, em 1996, para comemorar o 150º aniversário da cervejaria. A Doppio Malte é do tipo bock e, como o nome mesmo diz, leva duplo malte. Essa carga mais alta de malte a torna uma cerveja com sabor mais adocicado com um leve frutado. Seu amargor é médio. E o teor alcoólico é bem fortinho: 6,6%.

Sobre a Birra Peroni eu já falei em outro #TBT. Dê uma olhadinha clicando aqui.


A massa italiana deste #tbt é mais uma delícia típica: Penne ao molho pesto. Ahhhh, tem coisa mais italiana que isso? M ama mia! Este aí, comemos no Vaticano também.

20170530_173045


E o ponto turístico não aparece na TV e em filmes mas, além de lindo e imponente, é um importante monumento que representa uma parte da história da Itália.

20170531_141748

20170531_135619Acho super legal quando um país valoriza os personagens que ajudaram a construir a sua história. E este monumento foi exatamente para isso, de forma exagera, mas… Conhecido como Altare della Patria ou Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II ou ainda Il Vittoriano, esse monumento foi construído homenagem a Vítor Emanuel II da Itália, primeiro rei da Itália unificada e considerado o pai da pátria italiana.

Inaugurado em 1911 e completado em 1935, o monumento foi feito de puro mármore branco, ele se destaca podendo ser visto de vários pontos de Roma, além de ser o único prédio branco em meio aos diversos prédios marrons e clássicos que o rodeiam. Foi apelidado pelos turistas como “Bolo de Casamento” e pelos romanos como “Máquina de Escrever”.

IMG_7241

Além da linda escadaria, o monumento tem fontes, uma enorme estátua de Vítor Emanuel e duas estátuas da deusa Vitória que guiam duas quadrigas. Do lado de fora, ficam dois soldados o tempo inteiro protegendo uma chama eterna que fica exatamente na tumba do soldado desconhecido.

 

Do lado de dentro fica um museu dedicado à unificação da Itália e há um elevador panorâmico que dá acesso ao topo do monumento, onde se pode ter uma visão panorâmica da cidade de Roma.  Não subimos, para ser sincera, porque não estávamos aguentando ver mais nada! Mas dizem que a visão é linda!

20170531_140206

#TBT: Dreher – Coliseu (Roma)

20170529_193305.jpg

A cerveja deste #tbt é mais uma legitima italiana: a Pilsen da Dreher Birra. Fabricada desde 1773, é a primeira cerveja italiana. E que responsabilidade, hein?! É uma cerveja bem leve com o final um pouco amargo. Ideal para ser bebida no dia a dia. Sim, ela também tem milho, porém não é aguada como as daqui. Seus ingredientes são: água, malte de cevada, milho e lúpulo. O seu ABV é 4,7%.

A história dessa cervejaria é meio confusa. Então não entrarei em detalhes. Mas, conclui que ela foi criada em Trieste, na Itália, por uma família de tradição cervejeira, os Dreher, em 1773.

índiceComo a família é de cervejeiros, Anton Dreher, um dos filhos do mestre cervejeiro Franz Anton Dreher (que criou a Dreher),   começou a administrar a cervejaria da família e passou a produzir cerveja também, se não me engano, em Viena (Áustria), em 1841, e tornou-se o primeiro “Lagerbier” do mundo. O primeiro a fabricar uma lager, cerveja de baixa fermentação de alta qualidade.

Desde 1974, a produção e comercialização da cerveja Dreher na Itália é gerenciada pela Heineken Itália SpA, com sede administrativa em Milão .


O prato do dia é o Spaghetti a Carbonara. De tudo que comi no país das massas, essa foi a melhor. Ô trem delícia!

Não lembro o nome do restaurante. Só lembro que ele ficava no Vaticano.


O ponto turístico foi mais um sonho realizado. Símbolo do Império Romano, enfim chegou meu dia de conhecer o Coliseu (Colosseo)!

20170531_095359.jpg

O Coliseu é o maior anfiteatro já construído. Ele foi erguido no centro de Roma, em 70 e 90 d.C (núuu). Estimasse que ele poderia abrigar entre 50 a 80 mil espectadores. O local recebia combates de gladiadores que lutavam entre si e com animais, além de receber espetáculos públicos.

Os primeiros combates disputados para comemorar a conclusão do Coliseu duraram cerca de 100 dias e se estima que, só nesse período, centenas de gladiadores e cerca de 5 mil animais ferozes tombaram mortos.

As apresentações de luta no Coliseu eram gratuitas. Os espectadores se dividiam nas arquibancadas em cinco diferentes setores conforme sua posição social. Os senadores de Roma sentavam bem próximos da arena de combate, as pessoas de baixa renda, por exemplo, ficavam no último piso do estádio. Havia uma entrada exclusiva que dava acesso ao camarote destinado ao imperador romano e seus convidados. Essa tribuna especial ficava num ponto privilegiado do anfiteatro, bem próximo à arena, onde o imperador era reverenciado pelos gladiadores antes dos espetáculos com uma saudação que se tornaria famosa: “Salve, César! Aqueles que vão morrer te saúdam”.

batalha naval.jpg

Sabia que até encenação de batalhas navais eram feitas lá? A arena era inundada parcialmente, através da água vinda de aquedutos, para que as embarcações pudessem flutuar. Depois a água era rapidamente escoada por canais.

Lá você pode alugar um àudio-guia que conta muitas histórias.

 

Embora parcialmente arruinado por causa de danos causados ​​por terremotos e saques, o Coliseu é ainda um símbolo da Roma Imperial. É uma das atrações turísticas mais populares da capital italiana, que recebe em torno de 4 milhões de turistas.

Ao entrar, você fica imaginando “como eles conseguiram, naquela época, construir algo tão complexo e imponente?”. Apesar de ter perseverado bastante coisa, lá você tem que trabalhar com a imaginação. Imaginei aquelas arquibancadas lotadas e, lá no centro, as batalhas “comendo soltas”. Embaixo da arena, tem uns labirintos, onde ficavam os animais e os gladiadores para entrar em cena.

Embaixo tem as fotos das ruínas dos labirintos e depois das arquibancadas. Use a imaginação!

Em 1990, o Coliseu foi reconhecido como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Em 2007, o Coliseu foi inserido entre as novas Sete Maravilhas do Mundo.

Amei conhecer! Amo ver de perto esses lugares que só vemos na TV.

20170531_115141

Felicidade!

#TBT: Birra Baladin – Fórum Romano (Roma)

stout baladin
Stout

#tbt com cerveja artesanal italiana? Vemos por aqui. Essa foi a única cerveja artesanal que tomei na Itália. Não por falta de opção, mas porque meu objetivo lá foi somente para conhecer as cidades, os pontos turísticos, então não me preocupei em procurar cervejarias.

O tempo era corrido, então consegui selecionar uma só, que foi o Open Baladin, bar da Birra Baladin. Como tomamos várias lá, não falarei de uma específica. Todas que tomamos eram deliciosas.

O Open Baladin conta com mais de 200 rótulos de cervejas especiais, dessas, 40 são de produção exclusiva da Baladin. Algumas são servidas em garrafas, outras na torneira, como dizem por lá: “birre alla spina”.

Achei as coisas lá bem carinhas. Mas, vale a pena cada gota bebida e cada batata comida. É um local bem descontraído, muitos jovens, música e fica no centro de Roma.

Ah, o cardápio também é variado. Comemos a batata rústica com molhos especiais.

Vejam as fotos. O local é bem escuro, por isso as fotos não ficaram muito boas.

baladin botelha

A história da Birra Baladin começa em 1986, depois que Teo Musso (fundador), tomou uma cerveja Belga. Ele ficou tão encantado com aquilo, que resolveu abrir um bar, em Piozzo (Turim -Itália), chamado Le Baladin que venderia cervejas especiais, com destaque para as Belgas. Mas ele tinha um grande desafio, pois, Turim é conhecida por produzir um dos melhores vinhos italianos. E o seu desafio era implantar a cultura cervejeira por ali.

logo_baladin.jpg

Teo viajou para a Bélgica, aprendeu a fazer sua cerveja e, em 1996, passou a produzir e comercializar a Birra Baladin. Hoje, é uma das maiores cervejarias artesanais da Itália, que conta com mais de 30 variações de sabor em suas garrafas de formato super diferente.


A comida deste #tbt é mais um prato típico italiano que comemos em Roma. A lendária Lasanha à bolonhesa. Não é muito diferente das que comemos por aqui. Vai uma foto para dar aquela água na boca, acompanhada de uma Nastro Azzurro, cerveja que já falei por aqui.

20170601_232913.jpg


IMG_3233

E o ponto turístico é um local onde os romanos láaa de antigamente, antes de Cristo, usavam para ostentar e, hoje, são ruínas carregadas de história: o Fórum Romano.

Ali, funcionava o principal centro comercial da Roma Imperial. Era no Fórum que aconteciam as cerimônias triunfais e de eleições, onde eram realizados discursos públicos, os processos criminais, os confrontos entre gladiadores, e o centro dos assuntos comerciais. Muitas decisões ali tomadas, afetam até hoje a vida de milhões de pessoas.

O Fórum é enorme, tem que ter muita “perna” para poder conhecer tudo. Eu, sinceramente, não dei conta de ir em tudo. Mesmo porque era bem confuso. Alguns lugares não tinham placas.

20170531_132745.jpg

A história do local começou aproximadamente em 600 a.C. Vários Imperadores passaram por ali, e cada um mandava construir Templos, Basílicas, Arcos para marcar sua passagem. Em 608 d.C. foi construído o último monumento do Fórum Romano. Ou seja, foram 10 séculos de construções.

Os monumentos construídos pelos imperadores se decaíram junto com o Império Romano e se tornaram ruínas. Os mármores e pedras preciosas que restaram foram extraídos, destruindo quase que completamente o local. O Fórum ficou completamente abandonado por muitos anos e, grande parte dos monumentos, ficaram soterrados, que acabou por preservá-los. A grama tomou conta, e acabou virando pasto por alguns anos.

No início do século XIX, foi dado início aos primeiros trabalhos de escavação. Até hoje, arqueólogos ainda descobrem algo por lá. Mais fotos…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Perto dali fica o Palatino, 40 metros acima do Fórum Romano. Lá do alto existem seis mirantes que tornam possível ver vários pontos turísticos de Roma, do Fórum à parte do Vaticano e Coliseu. Muito legal. Mas a história dele é muito extensa. Vou ficar devendo!

Não tenho a história, mas tenho fotos!!! Veja mais aí!

Este slideshow necessita de JavaScript.