A importância do copo na degustação da cerveja

Mas será que tem diferença tomar determinado estilo de cerveja em um copo específico?

copos.jpg

É sobre a importância do copo durante a degustação das cervejas que vou falar hoje.

Muitos acham que é bobagem, frescura etc. Mas a verdade é que o copo que você escolhe para tomar sua cerveja vai influenciar na experiência degustativa que você terá.

Cada estilo de cerveja tem determinadas características específicas. E para que possamos sentir tudo aquilo que cada estilo tem a oferecer, existem diferentes formatos de copos.

copos-de-cerveja-1200x520.jpgO principal fator que define o desenho de cada copo é o aroma. Utilizando o copo com o formato adequado, é possível sentir todo o aroma que aquele estilo oferece. Copos com a boca mais estreitas, como os cilíndricos, concentram os aromas da cerveja em uma área de percepção pequena e por este motivo são indicados para cervejas com aromas suaves como as Pilsen. Copos com a boca mais aberta como cálices, propiciam uma expansão dos aromas, ideal para cervejas aromáticas como as Weiss e Stouts.

Eu sou “cheiradora” de copo mesmo. Adoro sentir aqueles perfumes e sensações que as cervejas nos proporcionam! Uma cerveja que traz aromas que gostamos, no meu caso café, chocolate, ficam até mais prazerosas de tomar.

Além do aroma, outras características dos estilos são realçadas pelo formato do copo, como:

stange-copo

O sabor: O desenho do copo influencia diretamente no sabor da cerveja. A velocidade com que a cerveja atinge a boca quando vem de copos mais retos é maior. Isso, faz com que a cerveja vá diretamente para a parte de trás da língua onde possui maior concentração de receptores de gosto amargo, esse fato faz com que a sensação do gosto amargo dessas cervejas seja intensificada.

oatmeal-stout-recipe-

Copos com bases mais largas, como os de vinho tinto, entregam a cerveja à boca de forma mais lenta, fazendo com que toda a língua seja envolvida pela cerveja, e que todos os gostos sejam percebidos da mesma forma. Isso faz com que a cerveja seja bebida mais lentamente. Ideal para as cervejas mais fortes como Strong Ale.

A espuma: O formato do copo contribui para uma espuma em maior quantidade ou para conservar o gás por mais tempo.

Os copos em formato de cone, por exemplo, dão suporte à espuma e fazem com que ela permanece por mais tempo no copo.

Outra característica dos copos que podem influenciar na experiência degustativa é a haste. Copos com hastes, como as taças, ajudam a preservar a temperatura da cerveja, já que evitam a troca de calor com as mãos.

Enfim, são alguns detalhes que devem ser observados para se ter uma experiência boa ao beber seu estilo preferido. Mas, se não tem o copo certo para tomar aquela cerveja especial, não se acanhe, pegue o que tiver e seja feliz! Bora beber com qualidade. Isso que importa.

Neste post sobre copos (clique aqui), falei sobre os copos ideias para cada estilo.

Post: A limpeza do copo influencia na degustação.

Curiosidades:

– A limpeza do copo também é fundamental para uma boa degustação da cerveja. Resíduos de sabão, poeira e gordura podem prejudicar a formação da espuma, além de contribuir para que surjam aromas e sabores indesejados.

– Deixe o copo secar naturalmente, sem contato com panos. E caso utilize lava louças, certifique-se de que os copos estão em temperatura ambiente para receber a cerveja.

– Alguns estilos têm copos desenhados somente para ele, como é o caso das weissbier e wit.

– Na Bélgica, cada cerveja tem o seu copo próprio. E olha que lá possui mais de 450 cervejas diferentes. Haja prateleira. A cada cerveja servida o copo é trocado. Como recebem muitos turistas cervejeiros, os bares começaram a ter problemas com furtos dos copos. Alguns passaram a ter alarmes nos copos. Um bar adotou um método inusitado. Ao entrar, você tem que deixar o seu sapato na porta, como uma espécie de “resgate”. Que coisa, hein?!

Beer
Copos das cervejas belgas

Brasil tem seu segundo estilo reconhecido como estilo de cerveja brasileiro

Como já sabemos, o Brasil, até alguns dias atrás, tinha apenas um estilo reconhecido como genuinamente brasileiro, o estilo Catharina Sour. Porém, agora temos mais um estilo reconhecido mundialmente como brasileiro: o Brazilian Pale Ale, apelidado por aqui de BR-Ale.

O reconhecimento veio da Brewers Association (BA), através da revisão anual do seu Guia de Estilos de Cerveja 2022 ou, como é conhecido nos Estados Unidos, as Diretrizes de Estilo de Cerveja.

Desde 1979, a BA compila diretrizes e descrições de estilo de cerveja para ajudar cervejeiros, bebedores, organizadores de competições e juízes. Categorizar uma bebida tão complexa como a cerveja é um desafio difícil e complexo e para isso a BA conta com especialistas da indústria cervejeira, análises físicas de cerveja e informações de cervejeiros de todo o mundo como guias para criar esse recurso.

As Diretrizes de Estilo de Cerveja são um produto direto e uma mistura de significado histórico, autenticidade tradicional e popularidade no atual mercado consumidor de cerveja artesanal. Adicionar um estilo ou modificar um estilo de cerveja existente é levado muito a sério e só pode ser feito após extensa consulta especializada, pesquisa e análise de fatores de mercado.

Agora, que você sabe dessa informação, viu que ter um estilo reconhecido não é fácil? Por isso, nós, brasileiros, temos que comemorar! Esse feito entra para a história da cerveja no Brasil. Além disso, é um incentivo a mais para os cervejeiros brasileiros que estão sempre estudando e inovando em suas produções.  

Algumas cervejarias já fabricaram o estilo e colocaram no mercado mesmo antes desse reconhecimento. Espero que, agora, esse estilo possa estar mais presente nos supermercados e torneiras de chope.

Confira a descrição da Brazilan Pale Ale no Guia:

Brazilian Pale Ale – NOVIDADE para 2022

Cor pálida a dourada, alta formação de espuma, com boa duração. A névoa fria é aceitável. Intensidade média-baixa a média de aroma e sabor de malte, com notas de cereais, crosta de pão, sem caramelo. Final levemente doce. Aroma e sabor de lúpulos típicos brasileiros com amargor médio a médio-alto com aromas florais, herbais e/ou levemente cítricos. As características de fermentação têm ésteres tópicos de frutas amarelas presentes em níveis médios a médios-altos. Pode ter um leve tempero que lembra cravo. Corpo médio-baixo a moderado, alta drinkability, final crocante. Geralmente 3,8-5% ABV. SRM 3-7.

Fonte: site Bar do Celso e World Beer Awards

Escolas cervejeiras: Escola Franco-Belga

Agora, vamos aprender um pouco mais sobre a Escola Franco- Belga, em que a maioria chama apenas de Escola Belga. 

Um pouco de história

Durante o Império Romano, na região conhecida como Gália, atualmente França e Bélgica, os habitantes da região já produziam sua própria cerveja, que já era bem diferente das cervejas mais consumidas pelos romanos. 

As cervejas ainda eram produzidas domesticamente. E, com a queda do Império Romano e a ascensão da Igreja, começaram a surgir monastérios por todas as regiões. Estes monastérios foram construídos com cervejarias, que tinha como finalidade atender os próprios monges e também a população local.  (A History of Beer and Brewing  – Ian Spencer Hornsey).

Como aquela região não pertencia ao Império Germânico, seus cervejeiros já tinham o costume de inovar nas receitas e não eram obrigados a fazer uma cerveja que seguia a Lei da Pureza Alemã (onde só podia ter água, malte, levedura e lúpulo). Com isso, ao longo dos anos os monges aprimoraram suas técnicas e faziam cervejas rebuscadas, complexas em questão de aroma, sabor e teor alcoólico. As cervejas podiam ser feitas com cereais, frutas, mel, e outros temperos. A criatividade podia ser usada.

A tradição cervejeira naquela região surgiu quando os monges produziam cervejas para dar de beber aos viajantes, pois a água era imprópria para consumo, o que tornava o processo de fabricação da cerveja perfeito para garantir a qualidade da bebida. Também por ser uma bebida altamente nutritiva, era considerada a bebida dos monges. Nos tempos em que eles tinham que fazer jejum, as cervejas mais encorpadas eram fundamentais e serviam como alimentação deles.

Abadia x Trapista

Rochefort (Abbaye Notre Dame de Saint-Remy in Rochefort)

As cervejas trapistas são cervejas feitas de acordo com as premissas religiosas dos monges beneditinos da Ordem Cisterciense da Estrita Observância, uma congregação católica que obedece à Regra de São Bento – mais conhecida como Ordem Trapista. Em resumo, essa ordem pregava (e ainda prega) uma vida voltada à obediência, ao silêncio e à renúncia, tendo como lema ora et labora (“reza e trabalha”). 

Durante a metade do século XX, as cervejas produzidas pelos monges trapistas começaram a inspirar outros produtores mundo afora. Ao replicar as receitas dos trapistas, esses outros produtores passaram a usar o termo “cerveja estilo trapista” ou “tipo trapista” nos rótulos, mesmo sem nenhum vínculo com a Ordem.

Para que isso não ocorrese mais, em 1962, uma lei da Câmara Belga do Comércio decretou que cerveja trapista seria somente aquela que é produzida por monges cistercienses, e não uma cerveja no estilo trapista. Estas últimas deveriam ser denominadas “Cerveja de Abadia”.

Sendo assim, podemos dizer que:

  • Trapista não é um estilo, e sim uma denominação controlada de origem.
  • Para ser considerada Trapista, a cerveja precisa ser fabricada em um dos mosteiros da Ordem Trapista, seguindo estritamente determinados preceitos como: a cerveja deve ser fabricada dentro das paredes do mosteiro trapista pelos próprios monges ou sob a sua supervisão; a cervejaria deve ser subordinada ao mosteiro e deve ter uma cultura empresarial condizente ao projeto de vida monástica; a cervejaria é quase filantrópica, sem fins lucrativos. Os recursos são para o sustento dos monges e para a preservação da abadia. O dinheiro que sobra é usado para causas sociais ou doado para pessoas carentes. A cerveja trapista é de uma qualidade impecável, que é controlada permanentemente. Há um selo de denominação de origem, para fins de identificação.
  • Cervejas que não são fabricadas nos mosteiros da Ordem Trapista, mas seguem os métodos de fabricação similares e acompanham a linha de estilos considerados, são denominadas Cervejas de Abadia. Podem inclusive conter tal designação no rótulo.
  • Toda cerveja Trapista é de Abadia, mas nem toda cerveja de Abadia é Trapista.

Existem mais de 170 mosteiros trapistas no mundo, porém, apenas 11 deles têm o certificado da autêntica cerveja trapista e podem chamar sua cerveja de Trapista.

Uma curiosidade é que a La Trappe, umas das mais tradicionais cerveja Trapistas é conhecida tanto por ser da Escola Belga, que muitos acham que ela fica na Bélgica. Mas, ela fica na Holanda! 

Os onze monastérios estão assim distribuídos:

  • seis na Bélgica: Rochefort (Namur), Achel, Orval, Westmalle, Vleteren Oester (Westvleteren, Chimay; sendo as principais cervejas Dubbel, Tripel, Quadrupel, Belgian Ale,
  • dois na Holanda – Abadia de Koningshoeven – cerveja La Trappe, Abdij Maria Toevlucht (em Klein-Zundert)
  • uma na Áustria – Engelszell
  • uma na Itália – Abadia das Três Fontes (Roma)
  • uma na Inglaterra – Mount St Bernard Abbey (Tynt Meadow)
  • uma nos Estados Unidos – St. Joseph’s Abbey (Spencer- Massachusetts) – Única fora da Europa.

Bélgica: Uma história a parte

Estão inclusos os seguintes países na Escola Franco-Belga: Bélgica, Norte da França e Holanda.

Mesmo em um território tão pequeno, a Bélgica se destaca dentre os três países, reconhecida como o “paraíso cervejeiro”. Talvez, por isso, denominem apenas como Escola Belga. São mais de mil cervejarias espalhadas por todo o país – muitas delas com centenas de anos de existência. Por lá, a cerveja é tão levada a sério que, a maioria das cervejarias só servem as cervejas no copo da própria cervejaria da qual você pediu. Por exemplo, se você pedir uma cerveja da Orval, se não tiver o copo da Orval disponível naquele momento, eles não te servem a cerveja. Você tem que escolher outra cerveja que tiver com o copo disponível. Para eles, cerveja é uma tradição, tanto que a Unesco declarou a cultura cervejeira belga como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Uma cervejaria belga famosa é a Delirium, famosa cerveja do elefantinho cor de rosa. O bar da cervejaria, o Delirium Café, que fica em Bruxelas, conta com uma carta com mais de dois mil rótulos de cervejas. Por isso, ele foi parar no “Guinness Book of Records” como o bar com mais cervejas do mundo. 

cervejas belgas

CARACTERÍSTICAS DA ESCOLA FRANCO-BELGA

O destaque dessa escola é a criatividade. Produzem estilos diferentes de cervejas especiais, como as fermentadas em barris de carvalho, as feitas com várias especiarias frutas, sementes, flores e leveduras selvagens. Além disso, existe, ainda cervejas feitas pelo método de champenoise e até algumas parecidas com vinho.

Totalmente diferente da Escola Alemã, que não permite sair do comum.

O maior segredo das belgas é a levedura, que são responsáveis pelos distintos sabores e aromas das cervejas. 

Características principais: O adocicado é o que mais se destaca nas cervejas dessa escola. Elas costumam ser mais encorpadas, super aromáticas, têm sabores complexos e com toque de frutas ou especiarias. Geralmente, são mais maltadas e alcoólicas. Devem ser tomadas devagar para a percepção do sofisticado e complexo sabores. 

Devido à essa complexidade, na maioria das vezes, eu não consigo tomar aos montes dessas cervejas. Mas, eu adoro!

Então, se você é desses, que gosta de experimentar o diferente, gosta de diversificar, de descobrir novas sensações, aposte nas cervejas que seguem essa ecola.

Exemplo de alguns estilos de cervejas dessa escola:

Belgian Blonde Ale: São mais claras e menos amargas, complexas, perfumadas e muito cremosas. Há uma grande harmonia entre seu teor alcoólico, sua presença de lúpulo e de malte.

Belgian Dark Strong Ale: As cervejas desse estilo são mais maltadas, mais escuras e menos frutadas, porém com um aroma complexo, com notas de malte e frutas como a ameixa, figo ou uva-passa. São cervejas de espuma densa e persistente.

Belgian Dubbel: Seu nome foi dado em função dela ser bem mais forte que as tradicionais Ale consumidas nos mosteiros da época. A presença do malte é marcante, com toques de nozes e chocolate em seu sabor, de pouco amargor e com a cor variando do cobre ao marrom. Seu aroma tem notas de frutas não-cítricas, como a banana.

Belgian Trippel: Se comparadas às Belgian Dubbel, as Belgian Tripel são ainda mais fortes, embora mais claras e mais amargas, ainda que mais frutadas. Geralmente são cítricas, com notas de cravo e baunilha.

Belgian Quadruppel: Pertencem ao estilo Belgian Specialty Ale, portanto não podem ser consideradas um estilo de cerveja, apesar de aparecerem nesta descrição por terem se tornado bastante populares. São muito maltadas, bastante alcoólicas, atingem em média 10% de teor alcoólico, a presença do lúpulo é pouco notada.

Belgian Witbier: É a de trigo deles. Um pouco diferente das cervejas de trigo alemãs, já que geralmente usam trigo não maltado em sua receita, que também é adicionada de algumas especiarias como coentro e pimenta da Jamaica, casca de laranja. São bem claras e turvas, por não serem filtradas. São cervejas muito refrescantes por serem cítricas. Eu adoro essa! Ótima pedida em dias quentes.

Belgian Lambic: São produzidas através da fermentação espontânea que consiste em expor a própria cerveja a leveduras selvagens e consequentemente a bactérias. Estas cervejas apresentam componentes com um forte carácter ácido.

Dica Mineira de cervejas que seguem a Escola Franco-Belga:

Belgian Blond Ale: Frei Galdi da Cervejaria Fürst
Belgian Pale Ale: Belgian da Cervejaria Athos
Belgian Dubbel e Quadrupel: Cervejaria Wäls
Belgian Tripel: Inocência da Krugbier
Witbier: Toekan da Abadia das Gerais
Bière de Garde: Saint Hilaire da Uaimií

Dicas internacionais:

Fonte: Site Vem do Malte / Site Revista Deguste

Cervejas oficiais da Oktoberfest: Märzen e Festbier

Sabemos que a Oktoberfest é o maior evento da cerveja do mundo. Por isso, hoje, vim falar das cervejas oficiais da Oktoberfest de Munique.

Resumindo a história da Oktoberfest: Em 12 de outubro de 1810, o príncipe Ludwig von Bayern se casou com a princesa Therese von Sachsen-Hildburghausen e convidou a cidade inteira para a festa. A festa durou uma semana. Foi um sucesso tão grande, que passou a ser comandada pela população da cidade de Munique e se tornou anual. Se quiser saber mais sobre a história, eu contei aqui Oktoberfest.

Märzenbier

Voltando mais especificamente para a cerveja, em 1872, o verão muito quente, deixou os cervejeiros na mão, em Munique. A cerveja lager e a cerveja de verão (Sommerbier), reservadas para o festival, foram todas bebidas antes das comemorações chegarem ao fim. Com isso, a Cervejaria Spaten teve a ideia de comprar cerveja de outra cervejaria para revender. Assim, ela comprou a Märzenbier da Cervejaria Franziskaner-Leist e levou para vender no evento. Ela foi comercializada com o nome Märzen-Oktoberfest. A cerveja chamou tanta atenção, que todas as outras cervejarias passaram a comercializá-la e ela virou a cerveja oficial do Oktoberfest.

Por isso, as Märzen passaram a ser chamadas de Oktoberfest ou, para as cervejarias oficiais, Oktoberfestbier. Detalhe que somente as seis cervejarias oficiais do evento têm a permissão de usar a nomenclatura Oktoberfestbier. Por isso, as demais só usam Oktoberfest ou Märzen.

As únicas sei cervejarias que podem vender cerveja na Oktoberfest de Munique são essas: Hofbräuhaus, Augustiner, Paulaner, Hacker-Pschorr, Spaten e Löwenbrau. As cervejas têm que ser produzidas em Munique.

Esse estilo pode ser fabricado no mundo todo, desde que chamem apenas de Oktoberfest ou Märzen.

Festbier: Fim do reinado da Märzenbier

Somente em 1990, a Oktoberfest passa a ter outra cerveja oficial: a Festbier

Paulaner Oktoberfestbier

Em meados da década de 1970, a cervejaria Paulaner, uma das seis cervejarias oficiais, desenvolveu uma versão da Oktoberfestbier mais suave, que não deixava de ser maltada, mas de cor dourada, sendo mais leve e mais fácil de beber que a tradicional Märzen. O objetivo era criar uma cerveja que pudesse ser mais consumida durante a Oktoberfest.

Na década de 1990, a inovação da Paulaner caiu no gosto popular e tornou-se regra. Assim, essa Oktoberfestbier, mais leve, passou a ser a cerveja oficial do evento e todos os cervejeiros passaram a produzi-la. A partir dessa década, a cerveja passou a ser chamada de Festbier. Ou seja, um novo estilo foi criado, conhecido também como Wiesn, representando a moderna cerveja alemã. Hoje, diversas cervejarias do mundo produzem Festbier.

Portanto a Festbier também pode ser chamada de Oktoberfest ou Oktoberfestbier (pelas cervejarias oficiais).

Características da Festbioer segundo o BJCP: Uma Lager alemã suave, limpa e clara com um sabor maltado moderadamente forte e um caráter lupulado de pouca expressão. Habilmente equilibrada a intensidade e a drinkability, com uma impressão de paladar e impressão final que estimulam beber. Exibe sabores elegantes de maltes alemães, sem ser demasiadamente pesados ou cheios.

Concluímos então que, o estilo Märzen é diferente do estilo Festbier. Não devem ser confundidos. A Festbier é menos intensa e menos tostada que a Märzen. Porém, os dois podem ser chamados de Oktoberfest por esses motivos que citei.

Um pouco mais de história: Porque Märzen?

Em 1539, foi decretada a Bayerische Brauordnung (a lei Brauordnung da Baviera) que instituiu que as cervejas só poderiam ser produzidas entre os dias de São Miguel (29 de setembro) e São Jorge (23 de abril). Ou seja, a cerveja só poderia ser produzida nas estações mais frias, no outono e no inverno (do hemisfério norte). Isso se deu porque, durante as estações mais quentes, o tempo seco, junto com o intenso calor das cervejarias, estava causando muitos incêndios no local. Além disso, as cervejas feitas durante o verão, não tinham a mesma qualidade, já que, naquela época, não havia refrigeradores.

Como os meses de março e abril eram os últimos meses permitidos para a fabricação da cerveja, em março, as cervejarias começavam a produzir cervejas para serem estocadas. Daí, surgiu o nome Märzen, “de março” em alemão, Märzenbier – Cerveja de março. Naquela época, as cervejas demoravam 6 meses para ficarem prontas. Por isso, essas cervejas de março/abril só eram consumidas em outubro.

Como os cervejeiros não iriam poder fabricar mais cervejas depois daquele mês, eles utilizavam todo o estoque de malte e lúpulo que tinham. Por isso, a Märzen é um estilo de cerveja com coloração mais escura, encorpada, com um teor alcoólico alto.

De acordo com o livro, Historic German & Austrian Beers for the Home Brewer, de Andreas Krennmair, é possível calcular, pelos fatos históricos da época, que a cerveja tinha 16% de teor alcoólico.

Características da Märzenbier de acordo com o BJCP: Uma maltada Amber Lager alemã, elegante, com um sabor de malte limpo, rico, com notas de pão, tostado, amargor restrito e um final seco que incentiva outro gole. A impressão geral de malte é suave, elegante e complexa, com um rico retrogosto que nunca é enjoativo ou pesado.

Extra

Sabia que os Biergarten surgiram por causa da lei que proibiu a fabricação de cerveja?

Quando surgiu a Lei de 1539, que proibiu a fabricação de cerveja a partir de abril, os cervejeiros tiveram que usar a criatividade para descobrir como manter aquelas cervejas que foram fabricadas até abril.

Assim, os mestres cervejeiros alemães descobriram que o processo de fermentação era de qualidade muito superior em temperaturas mais frias, porém, naquela época, não havia refrigeradores. Com isso, as cervejarias cavaram grandes porões para manter o abastecimento durante a temporada proibida. Nesses porões, eles colocavam gelo nos barris para refrigerar.

Em cima desses porões, eles plantavam castanheiros de folhas largas que proporcionavam a proteção perfeita do sol, e o cascalho também ajudava a manter a área fresca. Aproveitando a afinidade do homem com as árvores, as cervejarias começaram a criar áreas de parque com caminhos de cascalho e mesas de piquenique. Assim, surgiram os Biergarten, traduzindo: Jardim da Cerveja.

Em 1812, Maximilian I, então rei da Baviera, autorizou as cervejarias locais a comercializarem seus produtos diretamente aos consumidores, em áreas ao ar livre, entre junho e setembro, oficializando, assim, a existência dos Biergarten.  

O restaurante Hirschgarten em Munique é conhecido por seu Biergarten, provavelmente o maior do mundo com capacidade para 8000 pessoas, foi fundado em 1791.

Pröst!

Sobre estilos: Stout

Banner - voce sabia - stoutStout

Hoje eu vou falar sobre a minha queridinha, do “cafezin”que eu mais amo: a Stout. Foi o estilo que mais meu paladar aceitou e falou “pronto, essa você vai tomar pro resto da vida!”. Ô trem gostoso, sô!

Porto-inglês

Assim como os outros estilos, o surgimento da Stout tem diferentes versões. Mas, um fator é comum: a Stout deriva da Porter. Alguns falam que surgiu na Irlanda outros, na Inglaterra. A história é que a cerveja do estilo Porter era muito comum nas cidades onde haviam portos. Os trabalhadores portuários, os porters, precisavam de cervejas fortes pra poder aguentar o trabalho pesado. Para isso, foi criado o estilo e nomeado Porter. Uma das versões sobre a Stout é que muitos dos trabalhadores não gostavam do sabor adocicado (característico da Porter), assim foi criado um estilo menos doce, com aroma e sabor mais voltado para o café, usando bastante maltes torrados. Surgindo a Stout.

Muitos perguntam qual a diferença, hoje, entre a Porter e a Stout. Dizem que a diferença está no paladar e no teor alcoólico, que as Porters são mais leves e com menor teor. Porém, é um assunto polêmico. Como não sou profissional, não entrarei nesse detalhe.

Principais características

malte

São cervejas escuras de colarinho bege. Devido aos maltes torrados usados, têm aromas e sabores tostados de café, chocolate, cappuccino, toffe e caramelo. As clássicas não são muito amargas, pois é usada pouca quantidade de lúpulo em sua fabricação. O amargor que ela tem é só para quebrar o gosto do café e do caramelo. E esse amargor vem tanto do lúpulo quanto dos maltes torrados/tostados.

São consideradas cervejas fortes, com teor alcoólico mais elevados, que causam sensação de aquecimento. Por isso, são muito indicadas para o inverno. Mas eu tomo em qualquer dia, faça calor ou faça frio.

Seu teor alcoólico pode variar de acordo com o subestilo, indo de 4,2% a mais de 15%.

irish stoutFalando em subestilos ela tem diversos. Vamos a alguns:

Dry Stout/Irish Stout: A intensidade do sabor torrado é média e o café domina o paladar no fim, dando a ela um final seco. O amargor do lúpulo é marcante.

Sweet Stout/Cream Stout: Utiliza lactose ou chocolate para trazer mais dulçor à cerveja. Por isso, é uma cerveja mais leve que a clássica Stout. Tem gosto de chocolate amargo e café. O final sente o malte torrado e um pouquinho do amargor do lúpulo. Amoooooooo!

oatmeal-stout-recipe-Oatmeal Stout: Como o nome indica, tem adição de aveia (oatmeal) que deixa a cerveja mais cremosa. Apresenta médio amargor. Bastante encorpada! Hummmm!

American Stout: Versão americana do estilo. Ou seja, surra de lúpulo, a tornando uma cerveja mais amarga que os demais subetilos de Stout. O aroma cítrico dos lúpulos americanos equilibra com o malte torrado.

risRussian Imperial Stout (RIS): É a versão hard da Stout. São cervejas mais complexas, com amargor intenso equilibrado com o dulçor. Super encorpada e com alto teor alcoólico. Tem um perfil licoroso, chega a pregar a boca quando bebe. Ahhhh, esse é bom demais também.

Fui super “imparcial” nesse post, né?! 🙂

Se ainda não experimentou, não perca tempo! São todas ótimas!

Bom cafezinho!

 

Sobre estilos: Pale ale

1487876879_blog3

A Pale Ale é um dos estilos de cerveja mais antigos do mundo. Surgiu na Inglaterra, por volta do ano 1640, onde ela continua sendo super popular.

Em sua fabricação, utiliza-se leveduras Ale, que trabalham em temperaturas mais altas que as Lager, sendo de alta fermentação.

ubk10270-daredevil-pale-aleA expressão Pale Ale é utilizada para indicar uma cerveja pálida. Pois, quando ela surgiu, era uma cerveja mais clara. Porém, com o passar do tempo, foi surgindo variação no estilo e em sua coloração, indo do dourado ao acobreado. Mas, o nome se manteve.

Suas principais características: Além da variação na tonalidade, as Pale Ale tem aroma terroso e herbal. Pode ganhar um sabor que remete ao caramelo. As notas frutadas também podem ser sentidas em algumas.

Quanto ao amargor, ele vai de médio a alto. Já quanto ao dulçor, varia de médio a baixo.

Se quiser começar a sair da cervejas mais leves, como pilsen e weiss, e começar a tomar as cervejas um pouco mais amargas, aposte na Pale Ale.

Como é um estilo versátil , harmoniza com diversos pratos e combina com qualquer clima. É um estilo que não tem erro. Eu adoro me perder nas Pales.

Fica a dica!

E como pronuncia “Pale Ale”? A forma certa de falar é “peioueiou”, mas fale como quiser, vão entender de qualquer forma.

beer_318844

Esse estilo possui diversos sub estilos. Vou falar sobre alguns:

English Pale Ale: costumam ter coloração dourada ao cobre, com notas herbáceas e terrosas de lúpulos ingleses. O amargor é médio, com forte presença de lúpulo no sabor. O corpo é médio a alto e possui notas de malte no sabor e aroma que podem lembrar caramelo.

apaAmerican Pale Ale: são caracterizadas pelos aromas cítricos e florais, provenientes das variedades americanas de lúpulo. Seu corpo, amargor e sabor de lúpulo são médios. O malte fica em segundo plano. O aroma frutado proveniente da levedura deve estar presente.

Belgian Pale Ale: A versão belga desse estilo de cerveja, com coloração clara e sabor leve e equilibrado.

irish

India Pale Ale: A popular IPA, é a queridinha devido a adição maior de lúpulo em sua composição, o que garante uma intensidade de amargor no sabor. Farei um post especial sobre ela.

É sub estilo demais, cada uma mais gostoso que o outro. Aos poucos a gente vai tomando e aprendendo um pouco mais!

Cheer!

Sobre estilos: Weiss (Trigo)

kit-graos-para-cerveja-artesanal-weiss-trigo-para-20l.jpg

Aqui, no Brasil, a conhecemos como cerveja de trigo, mas podem ser chamadas também de Weiss/Weizen ou Weissbier/Weizenbier. Pode usar qualquer um desses nomes pois, em alemão, weizen significa trigo e weiss branco.  São assim que elas são conhecidas na Alemanha, país onde ela é tradicionalíssima, mais precisamente na região da Bavaria. Que, aliás, tem como costume tomar cervejas de trigo no café da manhã.

índice

De acordo com as leis alemãs, para serem consideradas cervejas de trigo, a receita deve apresentar, no mínimo, 50% de malte de trigo e o restante de malte de cevada. Além do lúpulo e da levedura apenas.

A cor dela varia de amarelo claro a âmbar claro. A maioria delas são mais turvas e esbranquiçadas porque não são filtradas. Normalmente, elas têm a nomenclatura “hefe” na frente (hefe-weissbier), que são feitas para serem apreciadas com o fermento. Devido a esse fermento, o copo para tomá-la tem que ser diferenciado (como esse ao lado – grande com a parte de cima larga), de forma que, durante a degustação, dê para misturar o fermento que deposita no fundo do copo.

As cervejas de trigo tradicionais têm sabor frutado, lembrando banana, além do sabor e aroma que se assemelham ao cravo ou noz moscada. São mais adocicadas e muito pouco amarga (com o IBU de 8 a 15). Possuem um teor alcoólico mais leve, entre 5% a 6%. Por isso, muitos que estão começando no mundo das artesanais começam com ela. É fácil de tomar. E comigo não foi diferente. Foi o primeiro estilo artesanal que tomei.

As minhas preferidas são hefe-weissbier alemãs! Essas podem tomar de olho fechado.

Variações do estilo10514450743326.jpg

Witbier ou Wheat – Cervejas de trigo típicas da Bélgica. São ainda mais refrescantes que as alemãs, levam em sua composição cascas de laranja e especiarias como coentro, a tornando mais cítrica. “Wit” em flamenco quer dizer branco, numa analogia semelhante à usada na Weissbier. São mais amareladas.

American Wheat Beer – Cervejas de trigo americana. Não lembra a alemã. Tem um sabor maltado do grão de trigo e lúpulo americano ou nobre, normalmente com notas cítricas e florais.

dunkel-bt-drf

Dunkel Weizen – Cervejas de trigo feita com maltes torrados, por isso são escuras. Além das notas de banana e cravo, tem um maltado mais intenso lembrando achocolatado.

Weizenbock – Uma Dunkel Weizen mais forte, mais alcoólica e potente, com aromas intensos de frutas escuras, como ameixa, e frutas passas. É bem adocicada e encorpada.71xEYU0ojdL._SL1500_

Berliner Weisse – Cerveja de trigo ácida, seca e leve, com bastante gás carbônico. São mais clarinhas.

Deu água na boca, né!?

Dicas de cervejas para beber no outono

la-vem-o-outono

O dia 20 de março marcou a chegada do Outono aqui no Brasil. Uma estação de transição entre o verão e o inverno, considerada por muitos como um tempo de mudança. Nessa estação, as noites são gradativamente mais longas que os dias à medida que a estação avança, há uma redução gradativa das temperaturas e a diminuição da umidade do ar.

Pensando nessa alteração climática, convidei a sommelière de cerveja, Jaque Oliveira, para falar um pouco sobre os estilos de cervejas que combinam com nosso outono.

Fala aí, Jaque:

Voce sabia - OutonoCostumamos relacionar a cerveja com os dias de muito sol e calor. Mas, o friozinho do outono também combina, e muito, com uma boa cerveja artesanal. Basta saber escolher para apreciar sua bebida favorita também nos dias de temperatura mais baixa.

Quanto aos estilos ideias, penso que é relativo. Tem gente que toma RIS no calor e não se importa porque é um estilo de cerveja que a pessoa gosta muito. Eu tomo IPA e não me importo se é verão ou inverno, pois é meu estilo preferido.

stoutMas tenho minha sugestão para o outono: A Stout. Dentro deste estilo é possível encontrar desde cervejas Irish Stout, até cervejas muito alcoólicas, amargas e licorosas.  São várias opções para a pessoa eleger a sua preferida.

As Stouts são cervejas de alta fermentação (tipo ALE), produzida com bastante malte torrado (ou cevada tostada), de sabor tostado, além de uma cor muito escura, que é a característica mais marcante desse estilo.

Indico ela porque, no outono, eu acredito que as cervejas devem ser de graduação alcoólica intermediária e maltes tostados. A Stout cabe muito bem dentro do clima ameno do Outono. E, sensorialmente falando, uma cerveja mais “quente” trará uma experiência mais agradável ao nosso copo.

Quanto às marcas de Stout, não podemos deixar de falar da Guinness. Sem sombra de dúvidas a cerveja mais clássica e a mais consumida do mundo do estilo e que acredito ser mais palatável para o público em geral. Tem a Lohn Bier Carvoeira também, que é uma Imperial Stout densa, complexa com notas amadeiradas e aroma de baunilha.

Porém, Minas Gerais tem cervejas maravilhosas neste estilo e a sua mão como:

  • Falke Villa Rica;
  • Albanos Irish Dry Stout;
  • Uaimií Chico Rei que ganhou prêmio no Concurso do Festival Brasileiro da Cerveja.

E para finalizar uma importada que vale a pena experimentar: Young’s Double Chocolate Stout!

guinness lohn falkie  irish dry stout2 uaimii2 chocolate

Em relação à harmonização, penso que não devemos amarrar como regra obrigatória as harmonizações.  Sugiro que a pessoa faça experiências sensoriais para descobrir suas preferências.

Mas, aí vão minhas dicas de harmonização com Stout.
Sobremesas com chocolate : brownies, um petit gateau ou torta de chocolate;
Sobremesas com frutas: como cheesecake com calda de frutas vermelhas;
Queijos como o gorgonzola, o gouda maturado ou o parmesão.

Aventure-se nesse estilo!

No Instagram: https://www.instagram.com/p/BvecF4mluFe/

Sobre a Jaque:

Jaqueline de Oliveira Silva começou nessa aventura cervejeira, em 2011, ao reencontrar o amigo Marco Falcone (dono da Falke Bier), em 2011, quando foi apresentada ao mundo da cerveja especial. Segundo ela, foi realmente amor à primeira vista. A partir de 2013, passou a trabalhar somente com o mercado de cerveja especial, atuando em redes sociais, eventos, assessorias e na coordenação da Academia Sommelier de Cerveja (A.S.C), hoje, Escola Mineira de Sommelieria, onde me formei como sommelière.

Hoje, Jaque é CEO da Escola Mineira de Sommelieria, que forma duas turmas por ano de sommelier. Além disso, trabalha com eventos e assessorias ligados ao mercado de cerveja.

E o currículo da Jaque não para por aí não, respirem fundo que tem mais!

– Pós-Graduada em Gestão Estratégica da Informação pela UFMG
– Gestora de Redes Sociais
– Diplomada Sommelier de Cerveja pela Academia Sommelier de Cerveja
– Membro da CONFECE – 1ª Confraria Feminina da Cerveja
(“Se você imaginar que este movimento começou há 12 anos, quando o mercado ainda era praticamente masculino e tinha pouquíssimas cervejas, vai entender a importância da Confece. Nossa festa se tornou um evento no calendário cervejeiro nacional, além de ser uma festa linda que se propõe a divulgar a cultura cervejeira”, Jaque.)
– Participou do Coletivo ELA (Empoderar, Libertar, Agir) – Grupo que surgiu, em 2016, da união de mulheres cervejeiras do Brasil inteiro ligadas ao mundo da cerveja, que reuniu 65 cervejeiras artesanais para produzir uma cerveja a fim de chamar a atenção para o machismo presente no segmento.
– Membro das Minas Cervejeiras – Um grupo de mulheres que fazem cerveja, mandam muito bem e se juntaram para trocar ideias, encontrar e fazer acontecer neste mercado da cerveja. 

“Já tenho história para contar no mercado da cerveja e experiências incríveis!”, Jaque.

Então é isso, gente! Espero que tenham gostado da convidada dessa estação e suas dicas.

Aproveitem essas dicas, aproveitem o outono e suas peculiaridades.
E, Jaque, muito obrigada pela disponibilidade!