#TBT: Birra Baladin – Fórum Romano (Roma)

stout baladin
Stout

#tbt com cerveja artesanal italiana? Vemos por aqui. Essa foi a única cerveja artesanal que tomei na Itália. Não por falta de opção, mas porque meu objetivo lá foi somente para conhecer as cidades, os pontos turísticos, então não me preocupei em procurar cervejarias.

O tempo era corrido, então consegui selecionar uma só, que foi o Open Baladin, bar da Birra Baladin. Como tomamos várias lá, não falarei de uma específica. Todas que tomamos eram deliciosas.

O Open Baladin conta com mais de 200 rótulos de cervejas especiais, dessas, 40 são de produção exclusiva da Baladin. Algumas são servidas em garrafas, outras na torneira, como dizem por lá: “birre alla spina”.

Achei as coisas lá bem carinhas. Mas, vale a pena cada gota bebida e cada batata comida. É um local bem descontraído, muitos jovens, música e fica no centro de Roma.

Ah, o cardápio também é variado. Comemos a batata rústica com molhos especiais.

Vejam as fotos. O local é bem escuro, por isso as fotos não ficaram muito boas.

baladin botelha

A história da Birra Baladin começa em 1986, depois que Teo Musso (fundador), tomou uma cerveja Belga. Ele ficou tão encantado com aquilo, que resolveu abrir um bar, em Piozzo (Turim -Itália), chamado Le Baladin que venderia cervejas especiais, com destaque para as Belgas. Mas ele tinha um grande desafio, pois, Turim é conhecida por produzir um dos melhores vinhos italianos. E o seu desafio era implantar a cultura cervejeira por ali.

logo_baladin.jpg

Teo viajou para a Bélgica, aprendeu a fazer sua cerveja e, em 1996, passou a produzir e comercializar a Birra Baladin. Hoje, é uma das maiores cervejarias artesanais da Itália, que conta com mais de 30 variações de sabor em suas garrafas de formato super diferente.


A comida deste #tbt é mais um prato típico italiano que comemos em Roma. A lendária Lasanha à bolonhesa. Não é muito diferente das que comemos por aqui. Vai uma foto para dar aquela água na boca, acompanhada de uma Nastro Azzurro, cerveja que já falei por aqui.

20170601_232913.jpg


IMG_3233

E o ponto turístico é um local onde os romanos láaa de antigamente, antes de Cristo, usavam para ostentar e, hoje, são ruínas carregadas de história: o Fórum Romano.

Ali, funcionava o principal centro comercial da Roma Imperial. Era no Fórum que aconteciam as cerimônias triunfais e de eleições, onde eram realizados discursos públicos, os processos criminais, os confrontos entre gladiadores, e o centro dos assuntos comerciais. Muitas decisões ali tomadas, afetam até hoje a vida de milhões de pessoas.

O Fórum é enorme, tem que ter muita “perna” para poder conhecer tudo. Eu, sinceramente, não dei conta de ir em tudo. Mesmo porque era bem confuso. Alguns lugares não tinham placas.

20170531_132745.jpg

A história do local começou aproximadamente em 600 a.C. Vários Imperadores passaram por ali, e cada um mandava construir Templos, Basílicas, Arcos para marcar sua passagem. Em 608 d.C. foi construído o último monumento do Fórum Romano. Ou seja, foram 10 séculos de construções.

Os monumentos construídos pelos imperadores se decaíram junto com o Império Romano e se tornaram ruínas. Os mármores e pedras preciosas que restaram foram extraídos, destruindo quase que completamente o local. O Fórum ficou completamente abandonado por muitos anos e, grande parte dos monumentos, ficaram soterrados, que acabou por preservá-los. A grama tomou conta, e acabou virando pasto por alguns anos.

No início do século XIX, foi dado início aos primeiros trabalhos de escavação. Até hoje, arqueólogos ainda descobrem algo por lá. Mais fotos…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Perto dali fica o Palatino, 40 metros acima do Fórum Romano. Lá do alto existem seis mirantes que tornam possível ver vários pontos turísticos de Roma, do Fórum à parte do Vaticano e Coliseu. Muito legal. Mas a história dele é muito extensa. Vou ficar devendo!

Não tenho a história, mas tenho fotos!!! Veja mais aí!

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Birra Moretti – Gôndolas (Veneza)

O #tbt de hoje é com mais uma tradicionalíssima na Itália: a Pilsen da Birra Moretti. É uma cerveja super-fácil de tomar. Leve e de excelente qualidade. Quem me dera eu as cervejas comuns daqui fossem assim. Refrescante, bem equilibrada, com o amargor na medida. De boa com seus 4.6% de ABV.

barA Birra Moretti teve sua primeira cerveja fabricada para venda, por Luigi Moretti, em 1860, na cidade de Udine na Itália. Somente em 1990, a cerveja deixou de ser local e passou a ser distribuída em toda Itália. Em 1996, foi comprada pela Heineken. Depois disso, a Birra Moretti passou a ser exportada para mais de 40 países em todo o mundo. Por isso, de vez em quando, ela surge nas prateleiras de supermercados aqui de BH.

 

MORETTI_baffo_twitter_avatar_2_400x400

Curiosidade sobre a logomarca: O original bigode de Birra Moretti. “Um dia, em 1942, o sobrinho de Luigi Moretti, o fundador da cervejaria, saindo para o almoço viu um homem de aparência agradável sentado a uma mesa na Trattoria Boschetti em Udine. Havia algo único naquele homem. Ele de alguma forma estava incorporando os valores reais de sua cerveja: autenticidade, tradição, genuinidade. Eventualmente, o Sr. Moretti foi até ele e perguntou se ele poderia tirar uma foto dele. Quando perguntaram ao homem o que ele queria em troca, a única coisa que ele pediu foi outra cerveja Moretti. Desde aquele dia, a imagem desse homem está em todos os rótulos da Moretti, lembrando-nos de onde viemos e para quem nós preparamos nossa cerveja.” – Birra Moretti. Desde então, eles usam a palavra e a imagem do bigode (baffo em italiano) como marca registrada da Moretti.


Essa, nós bebemos no Corner Pub. Um pub que encontramos bem escondido nas ruelas de Dorsoduro, em Veneza. Além de ter uma imensa variedade de vinhos, que inclusive pedi um para experimentar, tem um menu bem diversificado com as deliciosas massas da Itália, como essa lasanha que comemos!

Este slideshow necessita de JavaScript.


20170525_184257.jpg

A atração turística deste #tbt são as gôndolas de Veneza, que sempre remetem ao romantismo e às belezas arquitetônicas da cidade.

Mesmo eu não sendo nada romântica, resolvi fazer o tal passeio. Não achei tanta graça assim, fora que eles “rancam seu coro” de tão caro que é uma voltinha pelos rios da ilha. Mas fui, porque ir à Veneza e não andar de gôndola é a mesma coisa que ir à Paris e não ver a Torre Eifel. O que me deixou mais empolgada no passeio é que, dali, tínhamos acesso “por dentro” de Veneza, conseguíamos ver lugares que não veríamos andando a pé. É legal. Mas não é aquela coisa de “noooooossssaaa é a coisa mais linda do mundo” como dizem por aí. É diferente.

Vamos para algumas curiosidades. Talvez seja mais interessante! Antigamente, a gôndola era utilizada para o transporte dos moradores da ilha. Porém, hoje em dia, é quase usada somente para o passeio de turista.20170525_155008.jpg

No passeio, como falei, a gente passa em partes que não daria para ver a pé, passamos por algumas casas que têm algum significado, ou que pertenciam a algumas pessoas importantes como Marco Polo (viajante mais famoso de todos os tempos).  E o gondoleiro nos apresentava e contava um pouco da história.

Por falar em gondoleiro, durante o percurso eles ficam conversando entre eles, você não entende um “a”. Pesquisei e vi que realmente eles têm um dialeto próprio. Ieu, hein! Ahhh…E para conseguir a licença para ser gondoleiro não é fácil. São várias etapas, desde curso para aprender sobre a história da cidade várias etapas até concurso público. Fora as manobras radicais que você tem certeza que vai bater. Mas não batem.

IMG_2530

As gôndolas são todas ornamentadas. As pinturas são bonitas.  Alguns alugam gôndola com “sanfoneiro” e cantores que tocam aquelas músicas típicas italianas: “Io sooole miiio”. É engraçado. Mas aí já é demais pra mim. Alguns gondoleiros cantam também. Mas aí eu acho que depende da vontade dele…rs. O que pegamos tinha preguiça até de falar. Mas tá bom. Bom que a gente observou mais.

Então é isso. Romântico ou não. Vai pra Veneza? Não pule esta etapa da vida e se jogue nesta miniviagem cultural. Vou deixar mais fontinhas aí pra vocês.

Este slideshow necessita de JavaScript.