Cientistas brasileiros criam cerveja especial para quem tem diabetes

O produto tem a possibilidade de consumo diário por pessoas pré-diabéticas (uma unidade) e diabéticas (duas unidades)

A Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) assinou um contrato de licenciamento para comercializar uma cerveja com efeitos medicinais para pessoas com diabetes.

cerveja - diabéticos - Rosemary

Foto: AEN

O produto considerado inovador é resultado de uma pesquisa desenvolvida no Laboratório de Biotecnologia e Ciências Biomédicas (Biomed), do campus do Centro de Desenvolvimento Educacional e Tecnológico de Guarapuava (Cedeteg).

Cerveja com benefícios

Depois de cinco anos de estudos, os resultados demonstram benefícios para a saúde humana.

Na composição da cerveja estão presentes bioativos do alecrim-do-campo, tipo de planta nativa da América do Sul. A planta se encontra geralmente em países como Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Esses bioativos auxiliam na redução da glicemia (nível de açúcar no sangue) e do nível de gordura no sangue. Além disso promove a diminuição de danos renais e hepáticos.

A bebida terá produção e distribuição em larga escala pela Cervejaria Heimdall. A fabricante de bebidas artesanais atua principalmente no mercado cervejeiro da região Centro-Sul do Paraná.

O licenciamento consiste na transferência de tecnologia para a empresa e envolve, ainda, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR) e a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Unicentro (FAU).

Reconhecimento

De acordo com o professor Carlos Ricardo Maneck Malfatti, biomédico responsável pela pesquisa, o licenciamento é uma forma de incentivo à ciência.

“Essa ação reforça a importância da tríplice hélice entre academia, governo e mercado. Nesse cenário, as universidades desenvolvem as pesquisas, o setor público promove o fomento às pesquisas e o empresário contribui para o desenvolvimento econômico”, afirma o professor.

Doutor em Bioquímica, ele destaca o potencial de retorno financeiro para a universidade, a partir do direito de uso e comercialização de produtos e serviços que resultam de pesquisas científicas. “Quando o mercado comercializa os resultados de estudos acadêmicos, as instituições de ensino superior conquistam mais recursos para produzir novas tecnologias e inovações”, diz Malfatti.

A equipe responsável pela pesquisa é composta por estudantes de graduação e pós-graduação, entre alunos de iniciação científica e dos cursos de mestrado e doutorado dos programas de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas e em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação da Unicentro; além do Programa de Pós-graduação em Promoção da Saúde do Centro Universitário Guairacá (UniGuairacá), de Guarapuava.

A cerveja

A cerveja será comercializada com o nome de Rosemary, tradução do inglês para alecrim.

Ela segue o estilo herbal beer, com um sabor levemente frutado e com graduação alcoólica de 4.3%, a mistura do extrato de alecrim com as cascas de limão deixam essa Witbier ainda mais refrescante.

A recomendação de consumo para clientes pré-diabéticos é de uma unidade ao dia, enquanto para os já diabéticos é um pouco maior, podendo serem consumidas duas unidades do produto diariamente para o combate à diabetes.

Por fim, além dos benefícios para a saúde, a cerveja possui aroma e sabor agradáveis.

Fonte: http://www.canalrural.com.br e @heimdallcervejaria

Dicas de harmonização de cervejas com pratos de Natal

Se ainda não decidiu a ceia para o natal, olha eu aqui quebrando seu galho, mais uma vez!

Hoje, vou dar dicas de pratos e cervejas que vão harmonizar com sua ceia de natal.

Alguns pratos são bem clássicos em nosso natal e a cerveja também é presença garantida. Então, porque não fazer com que os dois combinem, tornando a noite de Natal ainda mais agradável e prazerosa?

Se você ainda não sabe, cerveja combina tanto com pratos salgados quanto com os doces, por isso, você pode fazer um menu completo harmonizado.

Lembrando que as harmonizações podem ser feitas por:

• Semelhança – quando buscamos equilíbrio entre características semelhantes do prato com a bebida;

• Contraste – quando buscamos contrastar elementos do prato com a bebida (e vice-versa), como forma de realçar características de ambos;

• Corte – quando a harmonização busca cortar um dos elementos do prato (ex.: gordura, dulçor, etc.).

Então vamos ao que interessa:

Antes de começar a ceia, já vou falar do símbolo maior do Natal que é o Panetone, ame ou odeie ele estará presente.

Panetone tradicional (com frutas secas e cristalizadas) : Fica ótimo com a Belgian Strong Golden Ale, que têm características fortes, muito frutadas, com bastante lúpulo, ou seja, amargor e alto teor alcoólico.

-Dica Mineira de Strong Golden Ale: Heart of Gold (Cervejaria Küd).

Entradas

– Mix de castanhas, nozes, amendoim e pistaches: Como é um, prato leve, o ideal é que combine com uma cerveja leve como Pilsen ou Kölsh

    – Dica Mineira Pilsen: Lager (Prussia Bier) / Dica Mineira Kölsh: Klara (Cervejaria Confrades)

– Damascos e frutas secas: Harmoniza com Saison, por serem cervejas refrescante, cítrica, com equilíbrio entre doçura e amargor.

    – Dica Mineira Saison: Brett Saison (Cervejaria Ouropretana)

– Porção de frios com azeitona, salame e queijos mais gordurosos: Esse prato pede cervejas mais fortes, que acabam por cortar o amargo do queijo ou então complementam o sabor do salame. O amargor da IPA faz esse trabalho. O sabor forte desses alimentos pode anular o sabor de uma Pilsen, por isso, não é recomendada cerveja leve com esse prato.

    – Dica Mineira American IPA: Mangabeiras (Cervejaria Astúcia)

Pratos Principais

– Peru de Natal assado: Harmoniza com Tripel. O perfil adocicado e as notas condimentadas dos temperos do peru encontram equilíbrio e harmonia no sabor aromático, levemente maltado e amargo das cervejas do estilo Tripel. Segundo a sommelière de cervejas da Krug Bier, Fabiana Bontempo, “rótulos desse estilo são mais complexos, trazem notas de frutas amarelas, toques picantes e possuem alto teor alcoólico (de 8% a 10%), mas, ainda assim, podem ser refrescantes e fáceis de beber junto com pratos natalinos.”.

    – Dica Mineira Tripel: Inocência (Krug Bier)

 

– Tender assado: Harmoniza com Amber Lager devido às notas de caramelo toffee e amargor moderado. As carnes defumadas como o Tender possuem sabor marcante e harmonizam bem com cervejas com notas que remetem a caramelo.

   – Dica Mineira: Amber Lager (Lagoon Beer)

– Bacalhoada ou outros pratos com Frutos do Mar: Harmoniza com Weiss ou Witbier. Por serem pratos leves, vão combinar com cervejas leves e condimentadas.

  – Dica Mineira Witbier: Witbier (Cervejaria Breedom) / Dica Mineira Weiss:: Weiss (Cervejaria Bruder)  

– Lagarto assado com batatas: Harmoniza com uma Dark Lager. Como o lagarto é uma carne de boi leve e com pouca gordura, vai combinar com a Dark Lager que é uma cerveja leve, porém, as presenças das notas tostadas vão realçar com o sabor da crosta que forma em cima da carne e com o molho.

    – Dica Mineira Dark Lager: Black Piano (Läut Beer)

Sobremesas

Rabanada: Harmoniza com Quadrupel. A complexidade de sabores desse estilo fica mais realçado, diminuindo um pouco a doçura da rabanada. Além disso, o alto teor alcoólico desta cerveja equilibra a doçura e quebra a gordura da sobremesa.

  – Dica Mineira Quadrupel: Quadruppel 4 (Cervejaria Wäls).

Pavê de chocolate: Harmoniza com Dry Stout. Cervejas que puxam para maltes mais tostados, que remetem a aromas e sabores de chocolate e café combinam com esse prato. O amargor dos maltes tostados vão quebrar o adocicado do pavê e ao mesmo tempo vai complementar os aromas e sabores de chocolate.

  – Dica Mineira Dry Stout: Dry Stout Cacau (Cervejaria Slod)

Retrato dos consumidores de cervejas 2022

Resultados da 3ª edição da pesquisa, organizada pelo podcast Surra de Lúpulo, já podem ser baixados gratuitamente

O quão valioso é para um mercado conhecer o hábito de consumo de seu público? Sem a pretensão de achar respostas definitivas, mas com o objetivo de colaborar com as tomadas de decisão do setor cervejeiro nacional e provocar reflexões, os criadores do podcast Surra de Lúpulo, Ludmyla Almeida (do perfil @IPAcondriaca) e Leandro Bulkool, promovem desde 2020 a pesquisa Retrato dos consumidores de cervejas. A 3ª edição, que acaba de ser divulgada, quebrou recordes e recebeu 4.388 respostas, mais do que o dobro das 2023 do ano anterior, de todos os estados do Brasil.

A pesquisa aconteceu durante o mês de agosto e contou com dois questionários — um para as pessoas que bebem exclusivamente cervejas populares (como Brahma e Heineken) e outro para quem também bebe as artesanais —, que abordaram temas como perfil demográfico, ocasiões de consumo, local de compra e gasto mensal.

No geral, entre as pessoas que bebem tanto cervejas comuns quanto artesanais, a pesquisa aponta que a decisão de compra é principalmente motivada pelo estilo, seguido pela relação custo-benefício, pelo preço e por indicações de amigos.

Em relação ao estilo, o que me chamou atenção nessa pesquisa é que a IPA virou de vez a queridinha dos brasileiros. De acordo com a pesquisa, a IPA aparece em primeiro lugar com folga entre os estilos mais bebidos, com 71,70%. O segundo estilo mais consumido, a Pilsen, vem bem depois com 32,60%, seguido da APA com 29,79%.

A pesquisa confirma que a cerveja é conhecida por ser uma bebida social. O maior percentual de consumo é entre amigos, independentemente do sexo do respondente, chegando a 85%. Os homens tendem a tomar mais cerveja sozinhos (61%) do que as mulheres (50%).

Sobre a ocasião de consumo, quanto mais “especial”, mais pessoas optam por beber cerveja artesanal, assim como em aniversários e jantares românticos. Porém, em eventos esportivos, shows, boates e churrascos, a opção mais marcada foi “tanto faz”. 

Para a compra, os locais preferidos são bares ou lojas especializadas, seguidos pelos supermercados. Os brewpubs e fábricas aparecem como a terceira opção. Aqui, há uma inversão com relação à pesquisa de 2021, onde os supermercados apareciam em primeiro lugar, seguidos dos bares e lojas. Os brewpubs seguiam em terceiro.

Para Ludmyla Almeida, além de tentar entender quem são os consumidores de cerveja, a pesquisa procurou mapear quais são os gargalos que merecem investimento do mercado para ampliar a base de consumo das artesanais. “Nós investimos muitos esforços para alcançar um espectro mais amplo de pessoas. Como resultado, trouxemos alguns insights, como o principal motivo apontado para o não consumo de artesanais ser a falta de informação sobre o produto (39,72%), e não o preço (24,82%); o fato de homens e mulheres preferirem os mesmo elevada do público, já que 58,13% dos consumidores têm entre 36 e 55 anos; e o alto nível de escolaridade deste consumidor (68,01% têm superior completo, sendo que 31,69% dessas pessoas também são pós-graduadas)”, explica Ludmyla, que desde 2017 produz conteúdo digital focado em cerveja no perfil do Instagram @IPAcondrica.

Já Leandro Bulkool ressalta a importância de analisar os dados apresentados pela pesquisa, mas principalmente debatê-los em busca de uma função prática para o crescimento do mercado. “Os dados mostram que temos avanços consideráveis, porém a cerveja artesanal ainda constitui um universo majoritariamente masculino (73,56%), branco (77,98%) e cada vez menos jovem. A longo prazo isso pode ser preocupante. Existe muita margem de crescimento se usarem estratégias mais inclusivas”, conclui Leandro.

Além dos dois idealizadores, a pesquisa Retrato dos consumidores de cervejas 2022 teve em seu corpo técnico Lucas Fernandes, mestre em estatística pela UnB (2013) e sommelier de cervejas pelo Science of Beer (2022); Guilherme Oliveira, bacharel em sistemas de informação; e Roberto “Bob” Fonseca, jornalista, idealizador e realizador da pesquisa Melhores do Ano na Cerveja por 10 anos. Além disso, a pesquisa contou com os seguintes apoios: MyTapp, Bier Held, Fermenta Pessoas e Lamas Brewshop.

Os resultados podem ser baixados pelo link: https://bit.ly/3FiTZsY

Países com as cervejas mais caras do mundo. Vai encarar?

Imagem: Freepik

Quem acompanhou as notícias dos últimos dias, ficou de queixo caído quando foi divulgado o valor da cerveja no país que sedia a Copa do Mundo, o Catar.

Quem foi para a Copa do Mundo no Catar teve que preparar o bolso para gastar um bom dinheiro para comemorar com cerveja. De acordo com os jornalistas que foram para a cidade cobrir o evento, o valor da Budweiser de 500ml é nada mais nada menos que R$ 75.

Antes de falar sobre os países com as cervejas mais caras do mundo, que tal entender o por que desse alto valor?

Cerveja no Catar

Getty Images

No Catar, o consumo de álcool é legal para não-muçulmanos com mais de 21 anos, mas é estritamente regulamentado. Moradores do país podem comprar em loja autorizada, mas os visitantes não. Esses podem beber na maioria dos hotéis internacionais e bares licenciados, a preços altíssimos já que o governo aplica imposto de 100% na importação do produto.

O único ponto de distribuição no país é controlado por uma companhia estatal que concentra todo álcool importado do país. Além desse controle pesado, se a pessoa for encontrada bêbada ou bebendo pode ser presa. Isso, porque a religião islâmica coloca a cerveja e derivados como um hábito que não deve ser seguido. Ou seja, o governo tenta dificultar ao máximo o consumo de bebida.

Voltando ao assunto…

A empresa de comparação de produtos HelloSafe Brasil, realizou uma pesquisa para saber o preço médio de uma garrafa de 330 ml (long neck) da cerveja Heineken em supermercados e lojas de bebidas em 77 países, considerando a cotação do dólar de R$ 5,06.

O levantamento foi divulgada no dia 9 de novembro de 2022, e confirmou que o Catar é o país que tem as cervejas mais caras do mundo. O valor de uma garrafa de 330ml lá custa R$ 34,76. Já o preço médio de uma garrafa de cerveja de 330 ml no Brasil é de R$ 6,00. Nessa pesquisa, o Brasil ocupou a 46ª posição no preço da cerveja.

Ainda de acordo com a pesquisa, a cerveja mais barata do mundo está na Hungria, com uma garrafa saindo por R$ 3,33. Eu estive lá e posso afirmar que as cervejas lá são realmente baratas. Para se ter uma ideia, uma lata de 500ml de Paulaner, não saia mais que 1 Euro (R$ 5,50 – 500ml). Aqui, essa mesma lata sai a R$ 19,90!

Uma observação importante que se pode tirar dessa pesquisa é que, apesar da diferença de renda, alguns países europeus praticam preços próximos aos brasileiros. A Alemanha está apenas uma posição acima do Brasil, no 45º lugar. Lá a cerveja custa R$ 6,02. Imediatamente após o Brasil, vem a Itália, em 47º lugar, com R$ 5,97.

Agora, é olhar para essa pesquisa e pensar: será que vale a pena conhecer esses países? 🙂

Ranking dos 10 países com as cervejas mais caras

Fontes: Folha de São Paulo, Forbes e Poder 360

Cervejaria BrewDog anuncia “antipatrocínio” à Copa do Mundo no Catar

Iniciativa da empresa chama a atenção para as violações de direitos humanos cometidas pelo governo do Catar

Aproveitando a proximidade da Copa do Mundo FIFA 2022, a cervejaria escocesa BrewDog foi na contramão do mercado publicitário e anunciou o “antipatrocínio” do Mundial. A empresa utiliza o palavrão (em inglês) “f…” para se referir à competição.

A iniciativa contempla redes socias e mídia off, como outdoors e propagandas em pontos de ônibus. O CEO da BrewDog, James Watt, utilizou seu perfil no LinkedIn para publicar um manifesto explicando os motivos que levaram a marca ao antipatrocínio.

Para ele, o Catar foi escolhido como sede da Copa, ainda na era-Blatter, “na base do suborno” feito “em escala industrial”.

“Para sermos claros, amamos futebol, mas não amamos corrupção, abusos e morte”, destaca o texto.

A BrewDog argumenta que o futebol deveria ser “para todos”, situação que não ocorreria no país-sede da Copa.

“Mas no Catar, a homossexualidade é ilegal, açoitamento é uma forma aceita de punição e está tudo bem que 6.500 trabalhadores tenham morrido construindo estádios”, acrescenta a cervejaria.

A empresa anunciou que o todos os lucros obtidos com a venda da cerveja Lost Lager, durante o período da Copa do Mundo do Catar, serão destinados a iniciativas de combate aos abusos contra os direitos humanos.

A cervejaria, que administra mais de 80 pubs em todo o Reino Unido e outras dezenas pelo mundo, transmitirá partidas para os clientes ao longo do campeonato e tem promovido suas fan zones como “o lugar perfeito para curtir a Copa do Mundo de Futebol deste ano”. Em resposta a perguntas sobre seu plano de protestar e exibir a Copa do Mundo, a BrewDog disse que não queria impedir que os fãs assistissem.

“A corrupção não deve impedir isso. Além do mais, quanto mais futebol mostramos, mais Lost será vendida, mais dinheiro vai para a caridade”, declarou no Twitter .

Campanha antipatrocínio da Brewdog é dissimulada de acordo com sindicato britânico

A marca escocesa autodenominada uma empresa “punk” tem sido ela mesma um alvo de diferentes controvérsias desde seu lançamento em 2008 devido às suas táticas de choque e batalhas legais.

Na mais recente a BrewDog pediu desculpas depois de ser atingida por uma série de alegações sobre sua própria cultura no local de trabalho, após ex-funcionários alegarem que o rápido crescimento da empresa envolveu assédio cortes em saúde e segurança, comprometendo seus valores e criando um ambiente de trabalho “tóxico”.

O sindicato britânico Unite declarou que a campanha anti-Qatar da marca de cerveja artesanal foi “dissimulada” e distrair os clientes do fato de que a BrewDog é um dos piores empregadores da indústria cervejeira quando se trata de fazer a coisa certa pelos trabalhadores.

Fontes: MKT Esportivo e Catalisi

Festival Internacional de Cerveja e Cultura promove Congresso Técnico

Lúpulo brasileiro será a grande estrela

Belo Horizonte, conhecida como polo das cervejas artesanais, agora será conhecida também como a capital produtora do lúpulo brasileiro. Por isso, o FICC (Festival Internacional de Cerveja e Cultura), que há sete anos promove o evento cervejeiro de grande porte, sendo um dos mais importantes do estado, vai realizar neste mês, o Congresso Cervejeiro FICC.

Entre os dias 11 a 14 de novembro, alguns dos principais nomes do mercado cervejeiro estarão reunidos para debaterem afinidades, sinergias e desafios do mercado. O Congresso é aberto a pessoas de todo o Brasil, sejam cervejeiros, sommelieres, pessoas ligadas ao turismo, empreendedorismo, inovação, associados do Sindbebidas, Abracerva e Sindicerv, gastrônomos, jornalistas, organizadores de eventos, enfim, será um evento bem abrangente.

O Congresso Cervejeiro FICC será composto por mesas redondas, palestras, visitas técnicas, Podcast, beertour e vai trazer as várias temáticas do mercado cervejeiro, e mais do que isso, incluir BH na Rota Nacional de Produtores de Lúpulo. Para isso, foi firmada uma parceria entre o evento, a Associação Brasileira dos Produtores de Lúpulo – APROLUPOLU e a mais nova Fazenda Cervejeira, localizada dentro de BH, sendo a única fazenda cervejeira urbana do Mundo e já produzindo lúpulo. Até bem pouco tempo atrás, não se cogitava a produção de lúpulo em BH.

O evento vai contar com uma programação intensa. A festa de encerramento do Congresso irá abranger o público além dos congressistas.

Foto: Cintia Magalhães / http://www.bsfotografias.com.br

Programação:

Sexta-feira, 11 de novembro

19h – Credenciamento para os participantes, cerimonia solene de abertura, Coquetel com show da banda Moshlab e Dj Mateus Nunes só no vinil.

Local: Sindbebidas (FIEMG) – Avenida Do Contorno, 4456, Stª Efigênia.

Sábado, 12 de novembro

9h – 1º Painel – O Lúpulo no Brasil

Palestrantes:
– Dr. Gabriel Cássia Fortuna (RJ), Diretor Técnico da APROLUPOLO – Tema: Qualidade x Produtividade
– DuanCeola, Professor da Escola Cervejeira de Malte de Blumenau (SC) – Tema: Técnicas de Lupulagem (sc)
– Herman Wigmam (SP), Presidente da APROLUPOLO– Tema: Produção e Panorama Geral do cultivo da planta no Brasil
– Gabriel Purri (MG), Diretor da empresa Mundo Hop – Desafios do Plantio em Escala
– José Felipe Carneiro (MG), Fundador da Fazenda Cervejeira de BH – Tema: Case da Fazenda Cervejeira (1ª Fazenda cervejeira urbana do Mundoi)

14 h – 2º Painel – ABRACERVA

Palestrantes:
– Gilberto Tarantino (SP) Presidente da ABRACERVA – Desafios e Contribuições da ABRACERVA
– Fabrício Faria Almeida (MG) Fazenda Terezinha e a Cervejaria Zalaz como Turismo Rural
– Bia Amorim(SP) Sommeliera – A construção da escola brasileira de cervejas
– Leandro Sequelle (SP) GrajaBeer – Diversidade no meio Cervejeiro
– Priscila Colares (MG) Sommeliere – Consumo Responsável
– Lucas Lima (RJ) – Gerente de Consumo Responsável da AMBEV

HAPPY HOUR  com Welcome BEER no Stadt Jever

Domingo, dia 13 de novembro

9h – 3º Painel –Tendências, Tecnologia e Intercambio Internacional

Palestrantes:
– Gustavo Koala(MG) – Cervejaria Koala San Brew – Tema: Largers Tchecas e suas produções fiéis como um dos principais focos na Koala San Brew
– Tomãs Kopecky (CZ) Ceo da empresa CHEOPS – Um revisão sobre os métodos e processos de sanitização com foco nos barris e na tecnologia das máquinas da empresa CHEOPS
– Tomãs Kincl (CZ) – Ingredientes nativos, processos e suas peculiaridades na fabricação de cervejas Tchecas.

14h – 4º Painel – Cerveja em Libras – Acesso ao universo cervejeiro em Libras

Palestrantes:
– Professor Marcos Roberto Oliveira Beer Sommelier pela Science of Beer Institute, homebrewer, mentor do projeto em Libras “Setembro Azul” juntamente com a cervejaria Bezy de Brasília e também mentor do projeto Experiência dos Sentidos e o responsável do perfil@cervejaartesanalemlibras.
– Fernando Pachecoé surdo, Assistente de Faturamento, Sommelier de cerveja pela Science of Beer Institute, home brewer, Instrutor de libras com Ensino Superior Incompleto – Administração. Produtor do Projeto “Somos diferentes de você?” e “Precisamos do dia do Surdo?” Auxiliar Surdo do perfil @cervejaartesanalemlibras e consultor e Sommelier Surdo na cervejaria Captain Brew.

15h30 – Sarau

Apresentação do Sarau Todos estão surdos – tem como atração a poesia, performance e contação de histórias dentro do espectro da identidade e cultura da comunidade surdo brasileira.

16h – 5º Painel – Ferramenta de Marketingno Mundo Cervejeiro

Palestrantes -formato Podcast Surra de Lúpulo com Ludmyla Almeida (RJ)- Ipacondriaca e Leandro Bulkkol (RJ) convidam: Stef Monteiro, Sommeliere e Digital Influencer (SP) e Estácio Rodrigues, Sommelier e sócio do Instituto da Cerveja.

BEER TUR – DA PAMPULHA À SAVASSI 

Segunda-feira, 14 de novembro

9h – Visita técnica guiada na Fazenda Cervejeira comDiretorTécnico e o Presidente da APROLÚPULO, Gabriel Cássia Fortuna e Hermanus Wigman

12H –Almoço INCLUSO

14h – Festa de encerramento. Show com as bandas Ca$h e FiccBeer Band com Rodrigo Santos (Ex-Barão Vermelho), Leo Lachini (Ex-guitarrista do Tianastácia) e Glauco Mendes (baterista da banda Lagum) DJGustavo Castro, drinks especiais, intervenções circenses e espaço Kids

Sobre o FICC

O Festival Internacional de Cerveja e Cultura nasceu em 2015 com objetivo de fomentar a cultura e a indústria cervejeira no estado e no Brasil.

Os números:

§  São 7 anos
§  9 edições
§  Mais de 100 mil pessoas que passaram pelo FICC
§  Mais de 200 cervejarias participantes
§  Mais de 500 artistas escalados
§  20 palestrantes de 3 países diferentes
§  Mais de 30 dias na imersão do mundo da cerveja
§  Mais de 1000 profissionais envolvidos
§  Mais de 500 rótulos de cervejas
§  Mais de 15 toneladas de alimentos arrecadados

Números dessa edição:

§  20 palestrantes, 4 estados representados, 2 palestrantes internacionais, 1 podcast, 1 visita técnica, 2 mesas redondas, 1 beertour, 3 bandas, 2 dj, 10 cervejarias envolvidas

Serviço:

Congresso FICC (Festival Internacional de Cerveja e Cultura)
Data: de 11 a 14 de novembro
Onde: Sede da Fiemg (Av. do Contorno, 4456 – 4º andar)
Informações: (31) 9965325589 , @festivalficc
Inscrições / ingressos: http://eventos.gofree.co/FICC2022

INGRESSOS

Opção 1: COMBO FICC 2022 • Congresso com direito a solenidade de abertura com festa open BEER e show da banda Moshlab + Dj – 11/11 • Painéis temáticos nos dias 12 e 13/11 com welcome beer (1 chope) no Stadt Jever. • Visita técnica Guiada na Fazenda Cervejeira + Almoço e 1 Chope 500ml – dia 14/11 • Festa de encerramento na Fazenda Cervejeira com shows do Rodrigo Santos ex Barão Vermelho, banda Cash e Dj Gustavo Castro. R$ 350,00

Opção 2: Congresso com direito a solenidade de abertura com festa open BEER e show da banda Moshlab + Dj Mateus Nunes – 11/11 Painéis temáticos nos dias 12 e 13/11 com welcomebeer (1chope) no Stadt Jever – R$220,00

Opção 3: Visita técnica guiada na Fazenda Cervejeira + Almoço e 1 Chope 500ml – dia 14/11 – R$ 100,00

Opção 4: Festa de encerramento na Fazenda Cervejeira com shows do Rodrigo Santos ex Barão Vermelho, banda Cash e Dj Gustavo Castro – R$ 70,00

Outras informações no https://www.instagram.com/festivalficc/

Minas Gerais conquista 20 medalhas no Brasil Beer Cup 2022

No dia 27 de outubro, o concurso Brasil Beer Cup anunciou as cervejas medalhistas de sua terceira edição (2022) em Florianópolis. O julgamento ocorreu entre os dias 24 a 26 de outubro.

Foram avaliadas quase 2 mil amostras de cervejas às cegas. Ao todo, 325 cervejarias, de 19 Estados brasileiros, além de países como Alemanha, Argentina, Bélgica, Chile e Uruguai, enviaram suas amostras. Para o julgamento, o concurso contou com 70 jurados nacionais e internacionais.

As cervejas com maiores pontuações foram elegíveis à premiação e medalhas.

Foram mais de 100 medalhas distribuídas. Minas Gerais, como sempre, fazendo se presente nos concursos cervejeiros, faturou 20 medalhas entre ouro, prata e bronze. O destaque ficou para a Cervejaria Albanos e para a Colt Brew Cervejaria que ganharam três medalhas de prata cada.

Cervejarias mineiras medalhistas (por estilo) e suas cervejas vencedoras:

Albanos (Belo Horizonte): 3 Pratas: Brown Ale, Pale Ale (English Pale Ale) e 1870 (Historical Beer)

Antuérpia (Juiz de Fora): Bronze Nikita (Imperial Stout) e Ouro Dunkel (Schwarzbier)

Armadillo Brewery (Corinto): Ouro Armadillo Atta (Imperial Red Ale)

Brüder (Ipatinga): Bronze Alma Cevada (American Lager)

Caraça Cervejaria (Catas Altas): Ouro Pub Dark Lager e Sport Lager (American Light Lager)

Colt Brew Cervejaria (Nova Lima): 3 Prata: Tio Sun (Summer Ale), Billy The Kilt (Scottisch Ale) e Apaloosa (Strong Pale Ale )

Fürst (Formiga): Bronze Catalina Weisse (Weizen), Prata Charlote (Schwarzbier)

Hauk (Mário Campos): Ouro Golden Chopp Hauk

Jaca Bier (Juiz de Fora): Ouro English IPA

Jairo’s Bier (Betim): Bronze Jairo’s Fest (Marzen)

Krug Bier (Nova Lima): Ouro German Pils

Libertè (Paracatu): Bronze Inocente (Wheat Beer)

Mills Brewery (Belo Horizonte): Ouro Bedrock (American IPA)

Cervejaria do Ano

Além das melhores cervjeas por estilo, o concurso premiou as melhores cervejarias do ano no Brasil. A premiação seguiu o critério de maior número e pontuação de medalhas, como o esquema a seguir:

Medalha de Ouro: 10 pontos;
Medalha de Prata: 6 pontos;
Medalha de Bronze: 3 pontos.

Para fins de classificação, a premiação de cervejaria do ano, é considerada o volume de produção mensal:

Cervejaria de Pequeno Porte: até 30.000 litros mensais
Cervejaria de Médio Porte: de 30.001 a 200.000 litros mensais
Cervejaria de Grande Porte: a partir de 200.001 litros mensais

Premiadas Brasil Beer Cup 2022:

Cervejaria do Ano de Grande Porte – Cerveja Blumenau
Cervejaria do Ano de Médio Porte – Bodebrown
Cervejaria do Ano de Pequeno Porte – Cervejaria Cathedral

The Best of Show

A premiação por estilo se deu em medalhas de ouro, prata e bronze. E as cervejas com medalhas de ouro foram julgadas no The Best of Show (melhores cervejas do concurso) em três categorias de acordo com a inscrição no formulário das cervejarias participantes: Comercial, Experimental e Inovação.

As cervejas The Best of Show do Brasil Beer Cup 2022:

The Best of Show Experimental – Ábrette Sésamo #1 Cervejaria: Juguetes Perdidos (Argentina/ Buenos Aires) Estilo: Wild Beer

The Best of Show Comercial – Sommer Weiss Cervejaria: Metzgerbier (Brasil/ Paraná) Estilo: German-Style Leichtes Weizen

The Best of Show Inovação – Belgard Catharina Sour sem Álcool Cervejaria: Cervejaria Belgard (Brasil/ Santa Catarina) Estilo: Non-Alcohol Malt Beverage Descrição da inovação: Uma versão da Catharina Sour com 0,5% ABV e com adição de polpa de maracujá, morango e amora.

Premiação Cerveja Caseira

Este ano, mais uma vez a competição deu espaço para a cerveja caseira, com a adição da categoria Brazilian, além da Catharina Sour. Sendo avaliadas em rodadas especiais pelos mesmos juízes que julgaram a categoria comercial. A premiação não considera medalhas, são selecionadas as melhores sem ordem de colocação. Foram selecionadas as melhores cervejas no estilo Catharina Sour e nos estilos Brazilian Beer.

Estilo: Catharina Sour (3 cervejas premiadas):

Aurora – Catharina Sour with acerola and cashew, de Guilherme Martins Grosseli (São Paulo)
Catharina Sour Caju 75 – Cerveja Catharina Sour de Caju e Cumaru, de Heitor José Maretti (São Paulo)
#OMNGDMEM – O mundo não gosta das meninas e mulheres, de Rodrigo Rocha (Rio de Janeiro)

Os estilos Brazilian Beer consideram:

Brazilian Beer com frutas, Brazilian Beer com ervas e especiarias, Brazilian Beer com madeira, Brazilian Beer com levedura, malte e/ou lúpulo brasileiro (apenas 2 cervejas foram selecionadas pelos juízes). As vencedoras:

Bella. Estilo: Brazilian Beer com madeira – Cerveja envelhecida em barril de castanheira que previamente continha cachaça, sem torrefação. Cervejeiro: André Mendes Piol (Espírito Santo)

Consagrada 3Way Brazilian Pepper Saison. Estilo: Brazilian Beer com ervas e especiarias – Belgian Saison style base. (Standard, Pale), with a blend of Brazilian peppers. Black pepper and white pepper, macerated. Cervejeiro: Vander Eduardo Teixeira (Mato Grosso)

É a segunda vez que Guilherme Martins Grosseli ganha na categoria caseira, na última edição venceu com uma Catharina Sour.

Para acessar o quadro completo de medalhas, acesse este link.

Como guardar a sua cerveja especial

depositphotos_72786421-stock-photo-shopping-cart-with-crates-beer-e1534215504820.jpg

Se você está achando que só vinho tem particularidades para ser armazenado, “erooou”!

Se a cerveja que você comprou é cerveja especial, tome cuidado com seu armazenamento, pois, dependendo de como você guardar, pode ter uma surpresa desagradável ao abrir.

Armazenamento no estoque

item-20

Se você é igual a mim, a “loka da prateleira cheia”, é importante saber que as garrafas devem ser armazenadas em pé. Isso, porque, quando elas estão em pé, a quantidade de líquido que entra em contato com o oxigênio é menor (somente o gargalo), já quando ela está deitada, a área com oxigênio é maior (praticamente toda a lateral fica com ar). Quanto maior é o contato do líquido com o oxigênio maior é a probabilidade de oxidação da cerveja. A oxidação causa sabores indesejados, como gosto de papelão. Além disso, a garrafa deitada proporciona o contato do líquido com o material da tampa, acelerando sua deterioração e trazendo aquele sabor metálico.

Atenção! Até mesmo aquelas garrafas com rolhas devem ser armazenadas em pé. Lembre-se, você está guardando cerveja, não vinho.

Além disso, o local onde for guardada deve ter sombra, pois a incidência de luz pode modificar o sabor da cerveja. Isso ocorre porque o lúpulo, ingrediente responsável pelo amargor da bebida, é muito sensível a luz. Se a cerveja ficar exposta aos raios ultravioletas ou iluminação artificial, pode ocorrer reações químicas que liberarão radicais livres, modificando o sabor da bebida, além de provocar outros problemas como oxidação e envelhecimento da cerveja.

As garrafas da cor marrom tendem a diminuir os efeitos da luz. Falei sobre isso em “O recipiente influencia na cerveja “. Mas, mesmo a garrafa marrom dando uma forcinha, é bom evitar a exposição à luz.

Além disso, evite armazenar em locais quentes. Pois, o calor também deteriora e envelhece a cerveja. O ideal é colocá-la direto na geladeira, mas, se não for possível, escolha um local mais fresco (entre 13ºC a 15°C).

Em relação ao tempo de armazenamento, sabemos que a maioria das cervejas especiais, por não ter conservantes devem ser consumidas frescas. Pois, com o tempo ela perde suas características de aroma e sabor. Portanto, mesmo que a validade esteja longe, é bom que ela seja consumida o quanto antes.

Algumas cervejas, conhecidas como Cerveja de Guarda, podem ser armazenadas por anos, pois, com o tempo, a modificação nas suas características trazem novas e ótimas sensações para aquela cerveja. Mas, são alguns estilos específicos que aceitam esse longo armazenamento, sobre isso eu falei em Cerveja de Guarda – Sabe o que é?.

estoque de cerveja
Parte do meu estoque em 2019

Armazenamento na geladeira

cervejeiros_armazenar.jpgDa mesma forma como no estoque da dispensa, a cerveja, na geladeira, deve ser armazenada em pé. Pelos mesmos motivos expostos acima.

Além disso, devem ser observados alguns detalhes como: evitar colocar a cerveja em pé na porta da geladeira, já que o abre-fecha sujeita a cerveja a alterações de temperatura e luz; evitar  mudanças bruscas, como gelar a cerveja direto no freezer. Como a temperatura abaixa demais, a cerveja pode ficar “choca”, sem gás.

Uma outra coisa que eu aprendi que a gente aprende errado é quando dizem que depois que a cerveja estiver gelada, se deixar ela esquentar de novo, ela fica “choca”. Mas não tem nada disso! Já fiz isso com algumas cervejas que estavam geladas mas que eu não ia tomar mais. Deixei esquentar em um local com temperatura ambiente e, quando eu resolvi beber, gelei ela novamente e não deu nenhuma alteração no sabor nem no aroma.

Quanto à temperatura ideal para servir uma cerveja, eu já falei em Temperatura ideal da cerveja

Em relação ao tempo de armazenamento, sabemos que a maioria das cervejas especiais, por não ter conservantes devem ser consumidas frescas. Pois, com o tempo ela perde suas características de aroma e sabor. Portanto, mesmo que a validade esteja longe, é bom que ela seja consumida o quanto antes.

Coloque essas dicas em prática e veja como a sua experiência pode ser ainda melhor com nossas queridas artesanais!

Saúde!

A temperatura ideal da cerveja

Vamos para mais uma cultura cervejeira nossa que deve ser revista? chopp gelado

Hoje, falarei sobre algo que escutamos desde cedo, principalmente nas propagandas de cerveja: “Cerveja tem que ser estupidamente gelada.”.

A primeira coisa que temos que saber é que a cerveja estupidamente gelada não é de jeito nenhum a temperatura ideal para as cervejas especiais. Pois, nossas papilas gustativas, quando extremamente resfriadas, sofrem uma espécie de anestesia, fazendo com que pouco se sinta os gostos e diferencie sensações no paladar. Então, quanto mais gelada, menos sentimos seu sabor. Ou seja, os valores negativos, não devem ser usados de jeito nenhum. Já que fazem perder todo sabor e até mesmo o aroma da cerveja.

termometroPortanto, se você quer sentir melhor os sabores e aromas da cerveja que você vai tomar, é bom você ficar atento à temperatura dela.

Cada estilo de cerveja tem o resfriamento adequado para que suas características não sejam perdidas (veja aqui sobre estilos). Por isso, ao tomar uma cerveja com a sua temperatura ideal, você perceberá que seu sabor irá ficar mais realçado e você terá uma melhor experiência n ahora da degustação.

Alguns rótulos já vêm indicando a temperatura ideal para aquela cerveja. Portanto, tente respeitar essa indicação.

Então, aí vão algumas faixas de temperaturas e quais os estilos ideias:

  • 2°C a 4°C – São consideradas temperaturas muito geladas, mas não extremas. Ideais para cervejas mais refrescantes como as Pilsner, Witbier, Helles, Kölsh e cervejas sem álcool.
  • 5° C a 7°C – São consideradas bem geladas. Recomendadas para as cervejas mais alcoólicas e complexas, geralmente mais amargas ou com o ABV acima de 6%, como as IPA , Stout, Bock, Weiss e Tripel.
  • 8°C a 12°C – São consideradas geladas. Ideais para as Lagers escuras, Pale Ale, Amber Ale.
  • 12°C a 16°C – Consideradas “temperatura ambiente”. Ideias para cervejas do tipo Ale, mais alcoólicas e licorosa como as Russian Imperial Stout, a maioria das Belgas (incluindo as, Stong Ale, Trapistas, Quadrupel) e as Bocks mais fortes como Eisbock e a Doppelbock.

Em alguns casos, as cervejeiras/geladeiras não aumentam tanto a temperatura. Quando é assim, se a temperatura ideal for mais elevada, recomendo tirar da geladeira antes e esperar um pouco para que ela chegue na temperatura ideal, assim você possa servir. Te garanto que faz toda a diferença.

cerveja-gelada

Agora, se a cerveja for essas industrializadas como Skol, Brhama, Original, Itaipava, pode tomar extremamente gelada, pois o intuito delas não é de proporcionar diferentes sensações, mas apenas refrescar.

Não é fácil controlar a temperatura exata da cerveja. Mas é bom saber que as menos alcoólicas são ideais mais geladas e as mais alcoólicas e complexas, menos geladas.

Em relação àqueles copos/canecas congelados, se for para beber cervejas especiais, fuja deles! Pois, além de tirar o sabor e aromas da cerveja, eles a deixa aguada. Na caneca congelada encontramos partículas de gelo que, em contato com o líquido, se transforma em água. Aí complica, né?!

Agora, se for para beber cerveja comum, manda brasa!

Outback Steakhouse traz o tradicional chopp na caneca congelada para  campanha da marca - Acontecendo Aqui

Tomar longneck no bico causa inchaço!

Você sabia que tomar longneck ou lata direto do bico faz a barriga inchar?

De acordo com os especialistas, os gases presentes dentro das embalagens, sejam latas ou garrafas de cerveja, precisam ser liberados para o ambiente. Porém, se você bebe sua cerveja direto da garrafa ou da lata, ela não vai perder esses gases. Com isso, você os ingere, o que causa o inchaço abdominal e uma sensação ruim de empanzinamento.

Agora, se você colocar a cerveja no copo, ela vai formar o colarinho. Essa espuma vai quebrar as moléculas de gás carbônico, fazendo com que a cerveja chegue sem esse gás ao seu estômago.

Além disso, tomar cerveja no copo ideal, com dois dedos de espuma, vai possibilitar que você sinta todos os aromas que ela pode te proporcionar. E o sabor também não será alterado por conta dos gases que não foram liberados.

Clique aqui para saber mais sobre copos ideias.

Clique aqui para saber mais sobre a importância da espuma.

Eu sei que tomar cerveja direto no bico, principalmente da longneck, é um prazer a parte. Mas, a dica foi dada. Seja feliz!