Cervejaria BrewDog anuncia “antipatrocínio” à Copa do Mundo no Catar

Iniciativa da empresa chama a atenção para as violações de direitos humanos cometidas pelo governo do Catar

Aproveitando a proximidade da Copa do Mundo FIFA 2022, a cervejaria escocesa BrewDog foi na contramão do mercado publicitário e anunciou o “antipatrocínio” do Mundial. A empresa utiliza o palavrão (em inglês) “f…” para se referir à competição.

A iniciativa contempla redes socias e mídia off, como outdoors e propagandas em pontos de ônibus. O CEO da BrewDog, James Watt, utilizou seu perfil no LinkedIn para publicar um manifesto explicando os motivos que levaram a marca ao antipatrocínio.

Para ele, o Catar foi escolhido como sede da Copa, ainda na era-Blatter, “na base do suborno” feito “em escala industrial”.

“Para sermos claros, amamos futebol, mas não amamos corrupção, abusos e morte”, destaca o texto.

A BrewDog argumenta que o futebol deveria ser “para todos”, situação que não ocorreria no país-sede da Copa.

“Mas no Catar, a homossexualidade é ilegal, açoitamento é uma forma aceita de punição e está tudo bem que 6.500 trabalhadores tenham morrido construindo estádios”, acrescenta a cervejaria.

A empresa anunciou que o todos os lucros obtidos com a venda da cerveja Lost Lager, durante o período da Copa do Mundo do Catar, serão destinados a iniciativas de combate aos abusos contra os direitos humanos.

A cervejaria, que administra mais de 80 pubs em todo o Reino Unido e outras dezenas pelo mundo, transmitirá partidas para os clientes ao longo do campeonato e tem promovido suas fan zones como “o lugar perfeito para curtir a Copa do Mundo de Futebol deste ano”. Em resposta a perguntas sobre seu plano de protestar e exibir a Copa do Mundo, a BrewDog disse que não queria impedir que os fãs assistissem.

“A corrupção não deve impedir isso. Além do mais, quanto mais futebol mostramos, mais Lost será vendida, mais dinheiro vai para a caridade”, declarou no Twitter .

Campanha antipatrocínio da Brewdog é dissimulada de acordo com sindicato britânico

A marca escocesa autodenominada uma empresa “punk” tem sido ela mesma um alvo de diferentes controvérsias desde seu lançamento em 2008 devido às suas táticas de choque e batalhas legais.

Na mais recente a BrewDog pediu desculpas depois de ser atingida por uma série de alegações sobre sua própria cultura no local de trabalho, após ex-funcionários alegarem que o rápido crescimento da empresa envolveu assédio cortes em saúde e segurança, comprometendo seus valores e criando um ambiente de trabalho “tóxico”.

O sindicato britânico Unite declarou que a campanha anti-Qatar da marca de cerveja artesanal foi “dissimulada” e distrair os clientes do fato de que a BrewDog é um dos piores empregadores da indústria cervejeira quando se trata de fazer a coisa certa pelos trabalhadores.

Fontes: MKT Esportivo e Catalisi

Festival Internacional de Cerveja e Cultura promove Congresso Técnico

Lúpulo brasileiro será a grande estrela

Belo Horizonte, conhecida como polo das cervejas artesanais, agora será conhecida também como a capital produtora do lúpulo brasileiro. Por isso, o FICC (Festival Internacional de Cerveja e Cultura), que há sete anos promove o evento cervejeiro de grande porte, sendo um dos mais importantes do estado, vai realizar neste mês, o Congresso Cervejeiro FICC.

Entre os dias 11 a 14 de novembro, alguns dos principais nomes do mercado cervejeiro estarão reunidos para debaterem afinidades, sinergias e desafios do mercado. O Congresso é aberto a pessoas de todo o Brasil, sejam cervejeiros, sommelieres, pessoas ligadas ao turismo, empreendedorismo, inovação, associados do Sindbebidas, Abracerva e Sindicerv, gastrônomos, jornalistas, organizadores de eventos, enfim, será um evento bem abrangente.

O Congresso Cervejeiro FICC será composto por mesas redondas, palestras, visitas técnicas, Podcast, beertour e vai trazer as várias temáticas do mercado cervejeiro, e mais do que isso, incluir BH na Rota Nacional de Produtores de Lúpulo. Para isso, foi firmada uma parceria entre o evento, a Associação Brasileira dos Produtores de Lúpulo – APROLUPOLU e a mais nova Fazenda Cervejeira, localizada dentro de BH, sendo a única fazenda cervejeira urbana do Mundo e já produzindo lúpulo. Até bem pouco tempo atrás, não se cogitava a produção de lúpulo em BH.

O evento vai contar com uma programação intensa. A festa de encerramento do Congresso irá abranger o público além dos congressistas.

Foto: Cintia Magalhães / http://www.bsfotografias.com.br

Programação:

Sexta-feira, 11 de novembro

19h – Credenciamento para os participantes, cerimonia solene de abertura, Coquetel com show da banda Moshlab e Dj Mateus Nunes só no vinil.

Local: Sindbebidas (FIEMG) – Avenida Do Contorno, 4456, Stª Efigênia.

Sábado, 12 de novembro

9h – 1º Painel – O Lúpulo no Brasil

Palestrantes:
– Dr. Gabriel Cássia Fortuna (RJ), Diretor Técnico da APROLUPOLO – Tema: Qualidade x Produtividade
– DuanCeola, Professor da Escola Cervejeira de Malte de Blumenau (SC) – Tema: Técnicas de Lupulagem (sc)
– Herman Wigmam (SP), Presidente da APROLUPOLO– Tema: Produção e Panorama Geral do cultivo da planta no Brasil
– Gabriel Purri (MG), Diretor da empresa Mundo Hop – Desafios do Plantio em Escala
– José Felipe Carneiro (MG), Fundador da Fazenda Cervejeira de BH – Tema: Case da Fazenda Cervejeira (1ª Fazenda cervejeira urbana do Mundoi)

14 h – 2º Painel – ABRACERVA

Palestrantes:
– Gilberto Tarantino (SP) Presidente da ABRACERVA – Desafios e Contribuições da ABRACERVA
– Fabrício Faria Almeida (MG) Fazenda Terezinha e a Cervejaria Zalaz como Turismo Rural
– Bia Amorim(SP) Sommeliera – A construção da escola brasileira de cervejas
– Leandro Sequelle (SP) GrajaBeer – Diversidade no meio Cervejeiro
– Priscila Colares (MG) Sommeliere – Consumo Responsável
– Lucas Lima (RJ) – Gerente de Consumo Responsável da AMBEV

HAPPY HOUR  com Welcome BEER no Stadt Jever

Domingo, dia 13 de novembro

9h – 3º Painel –Tendências, Tecnologia e Intercambio Internacional

Palestrantes:
– Gustavo Koala(MG) – Cervejaria Koala San Brew – Tema: Largers Tchecas e suas produções fiéis como um dos principais focos na Koala San Brew
– Tomãs Kopecky (CZ) Ceo da empresa CHEOPS – Um revisão sobre os métodos e processos de sanitização com foco nos barris e na tecnologia das máquinas da empresa CHEOPS
– Tomãs Kincl (CZ) – Ingredientes nativos, processos e suas peculiaridades na fabricação de cervejas Tchecas.

14h – 4º Painel – Cerveja em Libras – Acesso ao universo cervejeiro em Libras

Palestrantes:
– Professor Marcos Roberto Oliveira Beer Sommelier pela Science of Beer Institute, homebrewer, mentor do projeto em Libras “Setembro Azul” juntamente com a cervejaria Bezy de Brasília e também mentor do projeto Experiência dos Sentidos e o responsável do perfil@cervejaartesanalemlibras.
– Fernando Pachecoé surdo, Assistente de Faturamento, Sommelier de cerveja pela Science of Beer Institute, home brewer, Instrutor de libras com Ensino Superior Incompleto – Administração. Produtor do Projeto “Somos diferentes de você?” e “Precisamos do dia do Surdo?” Auxiliar Surdo do perfil @cervejaartesanalemlibras e consultor e Sommelier Surdo na cervejaria Captain Brew.

15h30 – Sarau

Apresentação do Sarau Todos estão surdos – tem como atração a poesia, performance e contação de histórias dentro do espectro da identidade e cultura da comunidade surdo brasileira.

16h – 5º Painel – Ferramenta de Marketingno Mundo Cervejeiro

Palestrantes -formato Podcast Surra de Lúpulo com Ludmyla Almeida (RJ)- Ipacondriaca e Leandro Bulkkol (RJ) convidam: Stef Monteiro, Sommeliere e Digital Influencer (SP) e Estácio Rodrigues, Sommelier e sócio do Instituto da Cerveja.

BEER TUR – DA PAMPULHA À SAVASSI 

Segunda-feira, 14 de novembro

9h – Visita técnica guiada na Fazenda Cervejeira comDiretorTécnico e o Presidente da APROLÚPULO, Gabriel Cássia Fortuna e Hermanus Wigman

12H –Almoço INCLUSO

14h – Festa de encerramento. Show com as bandas Ca$h e FiccBeer Band com Rodrigo Santos (Ex-Barão Vermelho), Leo Lachini (Ex-guitarrista do Tianastácia) e Glauco Mendes (baterista da banda Lagum) DJGustavo Castro, drinks especiais, intervenções circenses e espaço Kids

Sobre o FICC

O Festival Internacional de Cerveja e Cultura nasceu em 2015 com objetivo de fomentar a cultura e a indústria cervejeira no estado e no Brasil.

Os números:

§  São 7 anos
§  9 edições
§  Mais de 100 mil pessoas que passaram pelo FICC
§  Mais de 200 cervejarias participantes
§  Mais de 500 artistas escalados
§  20 palestrantes de 3 países diferentes
§  Mais de 30 dias na imersão do mundo da cerveja
§  Mais de 1000 profissionais envolvidos
§  Mais de 500 rótulos de cervejas
§  Mais de 15 toneladas de alimentos arrecadados

Números dessa edição:

§  20 palestrantes, 4 estados representados, 2 palestrantes internacionais, 1 podcast, 1 visita técnica, 2 mesas redondas, 1 beertour, 3 bandas, 2 dj, 10 cervejarias envolvidas

Serviço:

Congresso FICC (Festival Internacional de Cerveja e Cultura)
Data: de 11 a 14 de novembro
Onde: Sede da Fiemg (Av. do Contorno, 4456 – 4º andar)
Informações: (31) 9965325589 , @festivalficc
Inscrições / ingressos: http://eventos.gofree.co/FICC2022

INGRESSOS

Opção 1: COMBO FICC 2022 • Congresso com direito a solenidade de abertura com festa open BEER e show da banda Moshlab + Dj – 11/11 • Painéis temáticos nos dias 12 e 13/11 com welcome beer (1 chope) no Stadt Jever. • Visita técnica Guiada na Fazenda Cervejeira + Almoço e 1 Chope 500ml – dia 14/11 • Festa de encerramento na Fazenda Cervejeira com shows do Rodrigo Santos ex Barão Vermelho, banda Cash e Dj Gustavo Castro. R$ 350,00

Opção 2: Congresso com direito a solenidade de abertura com festa open BEER e show da banda Moshlab + Dj Mateus Nunes – 11/11 Painéis temáticos nos dias 12 e 13/11 com welcomebeer (1chope) no Stadt Jever – R$220,00

Opção 3: Visita técnica guiada na Fazenda Cervejeira + Almoço e 1 Chope 500ml – dia 14/11 – R$ 100,00

Opção 4: Festa de encerramento na Fazenda Cervejeira com shows do Rodrigo Santos ex Barão Vermelho, banda Cash e Dj Gustavo Castro – R$ 70,00

Outras informações no https://www.instagram.com/festivalficc/

Brasil leva 43 medalhas na Copa Cervezas de America 2022

A Saison Pitaya, da cervejaria paranaense Água do Monge, foi eleita a melhor cerveja do ano, e a Königs Bier, de Santa Catarina, é a melhor cervejaria brasileira e a segunda melhor desta edição da Copa

Os organizadores da Copa Cervezas de América anunciaram, no dia 29 de outubro, em Valdivia, no Chile, as cervejas medalhistas da sua nona edição. O Brasil fez bonito e trará para casa nada menos do que 43 medalhas, das 127 distribuídas, além de ter a melhor cerveja da competição (Best of Show), a Saison Pitaya, da cervejaria paranaense Água do Monge. Entre as cervejarias, o destaque ficou com a Königs Bier, de Santa Catarina, que ganhou dois ouros e uma prata, sagrando-se a melhor cervejaria brasileira do ano e a segunda melhor entre todos os competidores. A lista com todas as cervejas premiadas pode ser vista no site: www.copacervezasdeamerica.com/pt

 O pódio brasileiro na competição é composto também pelas cervejarias Kairós, também de Santa Catarina, com um ouro e duas pratas, e a Devaneio do Velhaco, do Rio Grande do Sul, que terminou com uma medalha de cada.

A Copa Cervezas de América 2022 analisou no total 1720 amostras e a grande final  premiou 51 estilos com 127 medalhas, sendo 35 de ouro, 49 de prata e 43 de bronze.

 Diego Masiero, criador da produtora Matinê Cervejeira e integrante da equipe organizadora da Copa Cervezas de América 2022, avaliou positivamente a presença brasileira na competição. “O Brasil pode assumir um papel de protagonismo no cenário latino-americano cervejeiro, somos uma potência e mostramos uma evolução constante, mesmo após o duro período que passamos durante a pandemia. Fico feliz de vermos cervejarias de diversas regiões medalhando”, resume Diego.

Já Daniel Trivelli, presidente da Copa Cervezas de América, fez uma avaliação geral do evento. “O que vimos durante a Semana Cervecera de Los Ríos e por toda a jornada desta Copa foi incrível. Tivemos uma verdadeira maratona para julgar todas as mostras e ficamos muito contentes com o nível que encontramos. Também tivemos ricos momentos de troca com diversas aulas, rodas de negócios e muita cerveja boa. Vejo que podemos contribuir para o legado de Valdivia e com o fortalecimento do mercado latino-americano”, reforça Daniel.

 O projeto é financiado pelo “Fondo de Innovación para la Competitividad (FIC) del Gobierno Regional de los Ríos y su Consejo Regional” e conta com o apoio de Hop France, Fermentis e Maltexco.

LISTA DE CERVEJAS BRASILEIRAS QUE GANHARAM MEDALHAS NA CCA 2022

 Best of Show

  • OURO – SAISON PITAYA: Água do Monge Cervejaria, Guarapuava, Paraná, Brasil

 Aged And Specialty Beer

  • BRONZE – LENHADOR BÁLTICO: Colaborativa com Devaneio do Velhaco

 Belgian Style Ale

  • OURO – QUADRUPEL 277: 277 Craft Beer, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil

 Belgian Style Witbier

  • OURO – RENDEIRAS WITBIER: Cervejaria Kairós, Florianópolis, SC, Brasil
  • PRATA – BROWE! WITBIER: Cervejaria BROWe, São José dos Campos, São Paulo, Brasil
  • BRONZE – BERGGREN WITBIER: Cervejaria Berggren, Nova Odessa, São Paulo, Brasil

 British Imperial Stout

  • PRATA – ST. PATRICK’S IMPERIAL STOUT: Brew Center, Ipeúna, São Paulo, Brasil
  • BRONZE – DAORAVIDA RESIST, DRINKERS FOR UKRAINE: Cervejas Daoravida, Campinas, São Paulo, Brasil

British Style Brown Ale & Porter

  • PRATA – FAROESTE BEER – EMMA BLACKBERRY: Faroeste Beer, Itajaí,  Santa Catarina, Brasil

British Style Strong

  • OURO – INSANA BLEND 2017: Cervejaria insana, Palmas, Paraná, Brasil
  • PRATA – HUFBRÄU BARLEY WINE: Öluns Cervejaria, Cunha Porã, Santa Catarina, Brasil

Catharina Sour

  • PRATA – CATHARINA SOUR – CAJU E PITANGA: Cervejaria UNIKA, Rancho Queimado, Santa Catarina, Brasil
  • BRONZE – CATHARINA SOUR – MORANGO E GOIABA: Cervejaria UNIKA, Rancho Queimado, Santa Catarina, Brasil

Classic Style Stout

  • BRONZE – DAMA STOUT: DAMA BIER, Piracicaba, São Paulo, Brasil

Coffee Beer

  • PRATA – CATHARINA SOUR – CLEMENULES COM CAFÉ: Cervejaria UNIKA, Rancho Queimado, Santa Catarina, Brasil

European Amber Lager

  • BRONZE – BROWE! VIENNA LAGER: Cervejaria BROWe, São José dos Campos, São Paulo, Brasil

European Dark Lager

  • OURO – KÖNIGS BOCK: Cervejaria Königs Bier, Jaraguá do Sul, Santa Catarina, Brasil
  • PRATA – NAUFRAGADOS BALTIC PORTER: Cervejaria Kairós, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
  • BRONZE – FURST – CHARLOTE DARK LAGER: Cervejaria Furst, Formiga, Minas Gerais, Brasil

European Pale Lagers

  • OURO – CUSTOM BOCK: Öluns Cervejaria, Cunha Porã, Santa Catarina, Brasil

European Style Sour Ale

  • PRATA – SENHORINHA: Cervejaria Kairós, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
  • BRONZE – CANOA QUEBRADA: 277 Craft Beer, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil

Field Spice and Cocoa Beer

  • PRATA – BRETT SAISON: Hop Bros Cervejaria, Maceió, Alagoas, Brasil

German Style Wheat Beer

  • BRONZE – KARSTEN WEIZENBOCK: Cervejaria Karsten, Jaraguá do Sul, Santa Catarina, Brasil

Hazy India Pale Ale

  • PRATA – RODÍNIA: Devaneio do Velhaco, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Herb and Spice

  • PRATA – KÖNIGS CATHARINA SOUR MAÇÃ E CANELA: Cervejaria Königs Bier, Jaraguá do Sul, Santa Catarina, Brasil

Honey and Non-Alcoholic Beer

  • BRONZE – AL FERO SEM ÁLCOOL: Al Fero Birrificio, Nova Trento, Santa Catarina, Brasil

International Pilseners

  • PRATA – DAMA PILSEN: DAMA BIER, Piracicaba, São Paulo, Brasil

Irish Red Ale

  • PRATA – DENKER – IRISH RED ALE: Cervejaria Denker, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • BRONZE – FURST SIR LOXLEY RED ALE: Cervejaria Furst, Formiga, Minas Gerais, Brasil

New World Hoppy Beer

  • PRATA – BRAGANTINA RED IPA: Cervejaria Bragantina, Bragança Paulista, São Paulo, Brasil
  • BRONZE – DISTRITO – OLD REDDY: Suricato Ales, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

New World Pale Ales

  • OURO – NEBLINA FLUTUANTE: Ruradélica Ales, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
  • BRONZE – CÉU: Ruradélica Ales, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

North American HYBRID BEER

  • PRATA – THOR BELGIAN IPA: ØL Beer Cervejas Especiais, São José dos Pinhais, Paraná, Brasil

North American Sour Ale

  • PRATA – MASTERPIECE VAN GOGH: Masterpiece, Niterói, RJ, Brasil
  • BRONZE – ESCARLATE: Devaneio do Velhaco, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

North American Dark Ale

  • PRATA – DENKER – IMPERIAL STOUT: Cervejaria Denker, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Pilsener Style Beer

  • OURO – SAFIRA: Devaneio do Velhaco, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
  • PRATA – MERECIDA: Opa Bier, Joinville, Santa Catarina, Brasil

Saison

  • OURO – SAISON PITAYA: Água do Monge Cervejaria, Guarapuava, Paraná, Brasil
  • PRATA – SAISON CHARDONNAY: Água do Monge Cervejaria, Guarapuava, Paraná, Brasil

Smoked Beer

  • OURO – KÖNIGS BIER DEFUMADA: Cervejaria Königs Bier, Jaraguá do Sul, Santa Catarina, Brasil

Wood and Barrel Aged Sours Beers

  • BRONZE – ZUMBI REPUBLIC BARREL AGED: Caatinga Rocks, Murici, Alagoas, Brasil
SERVIÇO

Resultados da Grande Final da Copa Cervezas de América 2022
Site: https://www.copacervezasdeamerica.com/pt
Texto produzido por Saulo Campos (www.lumocomunica.com.br).

Minas Gerais conquista 20 medalhas no Brasil Beer Cup 2022

No dia 27 de outubro, o concurso Brasil Beer Cup anunciou as cervejas medalhistas de sua terceira edição (2022) em Florianópolis. O julgamento ocorreu entre os dias 24 a 26 de outubro.

Foram avaliadas quase 2 mil amostras de cervejas às cegas. Ao todo, 325 cervejarias, de 19 Estados brasileiros, além de países como Alemanha, Argentina, Bélgica, Chile e Uruguai, enviaram suas amostras. Para o julgamento, o concurso contou com 70 jurados nacionais e internacionais.

As cervejas com maiores pontuações foram elegíveis à premiação e medalhas.

Foram mais de 100 medalhas distribuídas. Minas Gerais, como sempre, fazendo se presente nos concursos cervejeiros, faturou 20 medalhas entre ouro, prata e bronze. O destaque ficou para a Cervejaria Albanos e para a Colt Brew Cervejaria que ganharam três medalhas de prata cada.

Cervejarias mineiras medalhistas (por estilo) e suas cervejas vencedoras:

Albanos (Belo Horizonte): 3 Pratas: Brown Ale, Pale Ale (English Pale Ale) e 1870 (Historical Beer)

Antuérpia (Juiz de Fora): Bronze Nikita (Imperial Stout) e Ouro Dunkel (Schwarzbier)

Armadillo Brewery (Corinto): Ouro Armadillo Atta (Imperial Red Ale)

Brüder (Ipatinga): Bronze Alma Cevada (American Lager)

Caraça Cervejaria (Catas Altas): Ouro Pub Dark Lager e Sport Lager (American Light Lager)

Colt Brew Cervejaria (Nova Lima): 3 Prata: Tio Sun (Summer Ale), Billy The Kilt (Scottisch Ale) e Apaloosa (Strong Pale Ale )

Fürst (Formiga): Bronze Catalina Weisse (Weizen), Prata Charlote (Schwarzbier)

Hauk (Mário Campos): Ouro Golden Chopp Hauk

Jaca Bier (Juiz de Fora): Ouro English IPA

Jairo’s Bier (Betim): Bronze Jairo’s Fest (Marzen)

Krug Bier (Nova Lima): Ouro German Pils

Libertè (Paracatu): Bronze Inocente (Wheat Beer)

Mills Brewery (Belo Horizonte): Ouro Bedrock (American IPA)

Cervejaria do Ano

Além das melhores cervjeas por estilo, o concurso premiou as melhores cervejarias do ano no Brasil. A premiação seguiu o critério de maior número e pontuação de medalhas, como o esquema a seguir:

Medalha de Ouro: 10 pontos;
Medalha de Prata: 6 pontos;
Medalha de Bronze: 3 pontos.

Para fins de classificação, a premiação de cervejaria do ano, é considerada o volume de produção mensal:

Cervejaria de Pequeno Porte: até 30.000 litros mensais
Cervejaria de Médio Porte: de 30.001 a 200.000 litros mensais
Cervejaria de Grande Porte: a partir de 200.001 litros mensais

Premiadas Brasil Beer Cup 2022:

Cervejaria do Ano de Grande Porte – Cerveja Blumenau
Cervejaria do Ano de Médio Porte – Bodebrown
Cervejaria do Ano de Pequeno Porte – Cervejaria Cathedral

The Best of Show

A premiação por estilo se deu em medalhas de ouro, prata e bronze. E as cervejas com medalhas de ouro foram julgadas no The Best of Show (melhores cervejas do concurso) em três categorias de acordo com a inscrição no formulário das cervejarias participantes: Comercial, Experimental e Inovação.

As cervejas The Best of Show do Brasil Beer Cup 2022:

The Best of Show Experimental – Ábrette Sésamo #1 Cervejaria: Juguetes Perdidos (Argentina/ Buenos Aires) Estilo: Wild Beer

The Best of Show Comercial – Sommer Weiss Cervejaria: Metzgerbier (Brasil/ Paraná) Estilo: German-Style Leichtes Weizen

The Best of Show Inovação – Belgard Catharina Sour sem Álcool Cervejaria: Cervejaria Belgard (Brasil/ Santa Catarina) Estilo: Non-Alcohol Malt Beverage Descrição da inovação: Uma versão da Catharina Sour com 0,5% ABV e com adição de polpa de maracujá, morango e amora.

Premiação Cerveja Caseira

Este ano, mais uma vez a competição deu espaço para a cerveja caseira, com a adição da categoria Brazilian, além da Catharina Sour. Sendo avaliadas em rodadas especiais pelos mesmos juízes que julgaram a categoria comercial. A premiação não considera medalhas, são selecionadas as melhores sem ordem de colocação. Foram selecionadas as melhores cervejas no estilo Catharina Sour e nos estilos Brazilian Beer.

Estilo: Catharina Sour (3 cervejas premiadas):

Aurora – Catharina Sour with acerola and cashew, de Guilherme Martins Grosseli (São Paulo)
Catharina Sour Caju 75 – Cerveja Catharina Sour de Caju e Cumaru, de Heitor José Maretti (São Paulo)
#OMNGDMEM – O mundo não gosta das meninas e mulheres, de Rodrigo Rocha (Rio de Janeiro)

Os estilos Brazilian Beer consideram:

Brazilian Beer com frutas, Brazilian Beer com ervas e especiarias, Brazilian Beer com madeira, Brazilian Beer com levedura, malte e/ou lúpulo brasileiro (apenas 2 cervejas foram selecionadas pelos juízes). As vencedoras:

Bella. Estilo: Brazilian Beer com madeira – Cerveja envelhecida em barril de castanheira que previamente continha cachaça, sem torrefação. Cervejeiro: André Mendes Piol (Espírito Santo)

Consagrada 3Way Brazilian Pepper Saison. Estilo: Brazilian Beer com ervas e especiarias – Belgian Saison style base. (Standard, Pale), with a blend of Brazilian peppers. Black pepper and white pepper, macerated. Cervejeiro: Vander Eduardo Teixeira (Mato Grosso)

É a segunda vez que Guilherme Martins Grosseli ganha na categoria caseira, na última edição venceu com uma Catharina Sour.

Para acessar o quadro completo de medalhas, acesse este link.

Krug Bier é escalada para a Copa

Cervejaria será a bebida oficial do evento CarnaCopa

Foto: Romano Comunicação


A Copa do Mundo é um dos eventos esportivos mais esperados e festejados do mundo. A cada 4 anos, o mundo inteiro se reúne para vibrar pelos times dos países, num misto de amor, competição e festa. Para assistir à Copa do Qatar, os mineiros vão contar com um super evento temático, que une duas paixões dos brasileiros, o Carnaval e a Copa, na Carnacopa. E, claro, a Krug Bier, a primeira cervejaria artesanal de Minas Gerais, já está escalada para esta festa, como a marca de cerveja oficial.

Será uma experiência diferente, em um lugar inédito a céu aberto, em um rooftop com vista para a Serra do Curral e uma cenografia especial. A programação engloba todos os jogos do Brasil, até a final da Copa, rumo ao Hexa. Com uma estrutura completa para a transmissão dos jogos, dois super painéis de LED, espaço coberto por tenda, um palco 360º com um programação de shows e diversos atrativos de interação para o público vivenciar o melhor da Carnacopa. Aniversariantes terão condições especiais para curtir o evento.

A estreia será no dia 24 de novembro, das 14h às 2h, para o jogo Brasil x Sérvia, que será às 16h.
Local: Rooftop do Só Marcas Auto Shopping, Contagem – MG (Av. Babita Camargos, 1295).

As atrações serão o grupo +5521 (@somos5521), Du Monteiro, Deixa Falar e Dj Caio Aguiar.

Programação:

DIA 24/11

1° jogo – dia 24/11 – quinta
Brasil x Sérvia 16h
Evento de 14h às 2H

DIA 28/11

2° jogo – dia 28/11 – segunda
Brasil x Suíça 13h
Evento de 12h às 00h

DIA 02/12
3° jogo – dia 02/12 – sexta
Brasil x Camarões 16h
Evento de 14h às 2h

Informações e ingressos pelo Sympla. Clique aqui.
Instagram:  https://www.instagram.com/carnacopabh/

Tomar longneck no bico causa inchaço!

Você sabia que tomar longneck ou lata direto do bico faz a barriga inchar?

De acordo com os especialistas, os gases presentes dentro das embalagens, sejam latas ou garrafas de cerveja, precisam ser liberados para o ambiente. Porém, se você bebe sua cerveja direto da garrafa ou da lata, ela não vai perder esses gases. Com isso, você os ingere, o que causa o inchaço abdominal e uma sensação ruim de empanzinamento.

Agora, se você colocar a cerveja no copo, ela vai formar o colarinho. Essa espuma vai quebrar as moléculas de gás carbônico, fazendo com que a cerveja chegue sem esse gás ao seu estômago.

Além disso, tomar cerveja no copo ideal, com dois dedos de espuma, vai possibilitar que você sinta todos os aromas que ela pode te proporcionar. E o sabor também não será alterado por conta dos gases que não foram liberados.

Clique aqui para saber mais sobre copos ideias.

Clique aqui para saber mais sobre a importância da espuma.

Eu sei que tomar cerveja direto no bico, principalmente da longneck, é um prazer a parte. Mas, a dica foi dada. Seja feliz!

Oktoberfest Blumenau: Você tem que ir!

20181012_213056

Eu tanto desejei ir ao Oktoberfest Blumenau que minha hora chegou!

Antes de começar, uma dica: se você puder, vá fora do feriado de outubro. Além de conseguir passagens mais baratas, e hotéis disponíveis, com certeza a festa estará um pouco mais vazia e transitável.

Fui em 2018, e foi minha primeira vez. Achei muitooooo lotado em determinado horário. Espero voltar, sim! Mas, fora do final de semana do feriado. Só para você ter uma ideia, no sábado, dia 13 de outubro, passaram mais de 70 mil pessoas por lá. É gente pra caramba!!!

Minha experiência

20181012_215414

Eu amei cada pedaço que eu pisei, cada banda que escutei, cada comida que comi, cada cerveja que tomei, cada detalhe que eu vi.

A estrutura

A festa acontece dentro do Parque Vila Germânica, que já é uma Alemanha a parte. Dá vontade de morar lá dentro. No parque, tem algumas casinhas de estilo alemão, onde funcionam algumas lanchonetes com comidas típicas, algumas cervejarias com chopes e lojas com souvenir como: camisas, canecas, tirantes, chaveiros, abridores etc.

20181013_164001

20181013_182941

20181013_120134-e1539701089461.jpg

Segura mais essa dica: Antes de mais nada, se não tiver levado a sua caneca, compre uma lá (ou no centro) e um tirante, você vai precisar. Ah, pode entrar com canecas! Os chopes são servidos em copos de plástico e a probabilidade de alguém esbarrar e seu copo cair é de 90%. Com a caneca, você segura firme na alça e pode passar um trator, que sua cerveja vai no máximo respingar no chão. Vai por mim! E o tirante serviu para quando eu não queria ficar segurando a caneca vazia.

Outra dica: perto dessas casinhas do lado de fora do pavilhão (atrás do Bier Vila) tem banheiro com fila menor. Foi um achado da vida!

Dica exclusiva: Quer tomar alguma cerveja diferente, importada? Vai atrás do Bier Vila, tem uma janela onde eles vendem cervejas de garrafa. Fui lá só para tomar a Weihenstephaner. Que delícia! Foram 30 minutos de longos goles e pura felicidade sendo desengarrafada!

Voltando para o evento… Além desta parte externa com o pátio e as casinhas, o espaço conta com um parque de diversões do lado de fora, com acesso livre, onde as crianças e os adultos podem se jogar!

Além disso, a Vila conta com três enoooormes pavilhões + o espaço exclusivo da Eisenbahn (patrocinadora oficial do evento naquele ano), que além de vender somente os chopes da marca, tem a presença de mais uma convidada (nesse ano foi a Baden Baden, que tambpem faz parte do Grupo Heinken). Além das cervejas, tem o espaço das comidas e palco onde acontecem shows, o desafio do serrote (em que uma dupla tem que conseguir em menos tempo serrar um toco) e o desafio do chope de metro (que ganha quem acabar o chope – zero alcoól – de metro primeiro). Nos outros três pavilhões, acontecem também os shows principais, e as demais cervejarias da festa se dividem entre eles. Todos contam com banheiro.

Dica: Evite o banheiro do Pavilhão 1. É insuportável!

Ahhh, o banheiro. Pensa naquela vontade de fazer xixi… Não deixe ela chegar depois das 23 horas. É fato que você não vai aguentar. A minha única reclamação do evento é essa. Depois das 23h, as filas dos banheiros são enoooormes. Para você ter ideia, no primeiro dia, não fui ao banheiro. Mas eu sou E.T. pra isso, consigo beber litros e não ir ao banheiro, para compensar o marido que vai a cada meio copo…rs

Outra dica de banheiro: Na entrada , tem um container. A fila dele é menor. Vai por mim!

20181012_214428

20181013_191952.jpg

O que mais amei, além da decoração espetacular, foi ver muitas pessoas entrando no clima da Oktoberfest. Com as roupas típicas, e aquele clima mais fresquinho te dá uma sensação boa de estar na Alemanha. Eu amo lugares que fazem questão de valorizar a cultura local. Não sei se é porque aqui, em Minas, não tem isso, de festas que represente a cultura local, mas é lindo ver toda aquela gente vestida a caráter (dava para ver quem era turista e quem não era). Todos fazendo os passinhos iguaizinhos e cantando todas as músicas, seja em alemão ou em alemonês (alemão+português), cantavam tudo!! E você vê na cara deles a felicidade de estar ali vivendo aquele momento em família ou entre amigos. Tem de tudo, idoso, adulto, jovem, criança, bebê. Ninguém pode ficar de fora, não! É uma tradição que passa por gerações.

Outro momento cultural do evento é o desfile que acontece na XV de novembro e acaba na Vila, toda quarta-feira à noite e aos sábados à tarde. Se chover ele é cancelado. E advinha minha sorte??? Lógico que choveu e não teve. Mas, se isso acontecer, não fique triste! No dia do cancelamento, acontece um mini desfile dentro dos pavilhões. É lindo! E tome mais surra de cultura local. Cada bloco fazendo sua dança, cantando sua música, é sensacional. Esse mini desfile já me arrepiou, imagina se eu visse o desfile original que acontece na rua. Eu mudaria pra lá!

Os shows

Acontecem shows o tempo inteiro em todos os pavilhões. Algumas bandas cantam músicas mais conhecidas brasileiras, mas todas tocam as clássicas da Oktoberfest tipo a “Ein prosit”, “Um barril de chope, é muito pouco pra nós” (essa eu dormi cantando, de tanto ouvir), “Jetzt Geht’s Los”, “Cuida bem da tua marreca”, “Zig-zag, zig-zag, Hoi hoi hoi” e por aí vai. Interagem com a galera, fazem passinhos é uma delícia tudo. Dá vontade de sair pulando junto.

20181013_225219

Para comer

As comidas presentes são as típicas alemãs. Não perdi a oportunidade, já que estava me sentindo na Alemanha. Comi o tradicional salsichão com mostarda, batata recheada com linguiça Blumenau, PRETZEL (que eu mais amo. Aliás, fiquei uma hora na fila para comer meu Pretzel giga – outro ponto negativo – a fila do Pretzel. Se gosta, já chega indo pra fila) e Hambúrguer com carne de Pato e Onion rings. Queria ter comido mais, mas não cabia…rs

20181013_204335

Para beber

Além dos chopes da Eisenbahn, estavam presentes diversas opções de cerveja artesanal. Cada uma mais gostosa que a outra. Todas com valor fixo de R$11, exceto pilsen que era R$8, eu acho. Não bebi pilsen, céloko, tanta coisa diferente pra beber. Deixei a pilsen para quando chegasse em BH!

Bebi chope de todas as cervejarias presentes. TODAS! Mas tive muito tempo para isso. Cerveja América, Antídoto Cervejaria, Eisenbahn, Bierland, Cerveja Blumenau, Das Bier Cervejaria, Hemmer’s Bier, Wunder Bier. Não vou destacar nenhuma aqui, porque gostei de todas que bebi.

Dica valiosa: Se você não gosta de local muitoooo abarrotado, tente ir mais cedo, contando que você possa sair até umas 23h30. A festa vai até às 5h, mas, depois das 23h30 tudo fica impraticável: andar, comer, beber, ir ao banheiro, calor. Mas não é por falta de organização não. É porque fica cheio mesmo. Mas, se você não importa. Se joga!

Outra dica: Se puder ir no final de semana fora do feriado, melhor ainda, aí acho que você pode até desconsiderar essa dica de antes das 23h30. Mas, não sei, pois, fui no feriado. Só tenho a visão de quem foi no feriado. Veja esta foto abaixo que fiz 00h da sexta-feira!

20181013_005846

E tome dica: Se você for da balada, à tarde, no Tunga Choperia, na rua XV de novembro, em frente a Havan, fica cheio de jovens fazendo o esquenta para o Oktoberfest. Como se precisasse, né? Mas é um Oktober (carnaval) a parte!

Esquenta-do-TUNGA-CHOPERIA
Foto de 2015. Quando fui, em 2018, choveu muito no sábado e não tinha quase ninguém.

Tente aproveitar o máximo que você conseguir de tudo. Eu voltei com a coluna e pernas doloridas de tanto que andei (impossível achar lugar para sentar) e de tanto que aproveitei cada segundo desse feriado. Amei e já quero voltar!

Eu queria falar muito mais sobre todas as minhas impressões sobre o Oktoberfest Blumenau. Mas já começa a ficar cansativo para quem lê. Qualquer dúvida, pode me perguntar no Instagram @cervejeirauai que, se eu souber, respondo.

Pröst!!! E até breve Blumenau!!!

EISNENBAH

A Eisenbahn não é mais a cervejaria oficial da Oktoberfest Blumenau. O edital de licitação que fazia da marca a cervejaria oficial originalmente encerrou na edição de 2020.

A marca era a cervejaria oficial da Oktoberfest desde 2015. 

Oktoberfest 2022

A Oktoberfest de Blumenau vai acontecer entre os dia 5 e 23 de outubro de 2022.

Neste ano,  a Ambev foi anunciada como a cervejaria oficial da 37ª Edição da Oktoberfest Blumenau. Ela foi a única cervejaria que participou da licitação. Inclusive já comunicou que a Spaten foi a marca escolhida para representar a companhia durante a Oktoberfest.

Porém, não vai faltar opções.

Porém, não vai faltar opções.

Porém, não vai faltar opções. Ao todo, serão nada mais, nada menos, que 128 opções de cervejas de 17 cervejarias à disposição.

São desde tradicionais, como Bierland, Schornstein e Cerveja Blumenau, a novidades como Balbúrdia, Berghain, Borck, Segredos do Malte e Oma’s Haus, que integram um inédito consórcio de microcervejarias.

Além deles, a Ambev levará a Spaten (Alemanha), Patagonia (Argentina), Hoegaarden (Bélgica), Goose (EUA) e Colorado (Ribeirão Preto, São Paulo).

Todas as cervejas com preços pré-estabelecidos:

  • Pilsen – R$ 14
  • Especial – R$ 16
  • Superespecial – R$ 20

Para quem for, bom festejo!!

Cervejarias argentinas são destaques na Copa Libertadores da Cerveja

No dia 10 de setembro, foram divulgadas as cervejarias vencedoras da 10ª Edição do South Beer Cup, conhecida também como a Copa Libertadores da Cerveja. A edição, que foi realizada em Ribeirão Preto (SP), contou com a participação de diversas cervejarias da América do Sul, sendo que somente cervejas premiadas podem ser inscritas. Ou seja, é uma premiação para a melhor entre as melhores.

A argentina Charlone Cervecería foi o principal destaque desta edição. Foi a única marca a conquistar duas medalhas de ouro na premiação, sendo considerada a principal cervejaria do evento, ganhando a medalha de ouro. O segundo lugar ficou com a também argentina, Jabalina Brewing Company, que faturou um ouro e uma prata.

Mas, o Brasil não ficou de fora desse pódio. A medalha de bronze ficou com a Walfänger, uma marca de Ribeirão Preto que faturou um ouro e uma prata.

Além da Walfänger, outras cinco cervejarias brasileiras conquistaram medalhas de ouro nesta edição da South Beer Cup. Foram elas: Bierbaum, Libertastes, Alright Brewery Co, Narcose e Louvada.

A Libertastes é a única mineira medalhista entre as cinco. Já tomei as duas medalhistas deles, excelentes cervejas. A DediProsa (Strong Scoth Ale) ganhou bronze e a Oncotô (Wheatwine) ganhou ouro. Para saber mais sobre elas, clique ai e veja minha análise: Oncotô e DediProsa

As cervejarias argentinas superaram as brasileiras no número de ouros conquistados na competição sul-americana, foram 8 a 6. E o Equador faturou outros dois ouros.

Em função da pandemia do coronavirus, a South Beer Cup não acontecia desde 2019. Nessa retomada, a competição sul-americana fez parte da programação do Craft Beer Ribeirão, organizado pelo Polo Cervejeiro de Ribeirão Preto.

A programação, além da disputa sul americana, também contou com a realização de um festival de cervejas artesanais, do 1º Meeting da Cerveja Artesanal e da 1ª edição da Copa Paulista de Cerveja Artesanal.

Confira quais foram a cervejas medalhistas de ouro na South Beer Cup:

Wood And Barrel Aged Beer: Celebration Barrel Aged #7, Juguetes Perdidos (Argentina)

Stout Family: Imperial Stout, Drakkar Brewpub (Argentina)

Celebration Sour Ale, Gose, Berliner Weisse: Que Gose!, Two Barrel Brewery (Equador)

Smoked Beer and Historical Beer: Bierbaum Doppelbock Defumada, Cervejaria Bierbaum (SC)

Session IPA and IPL: Sativa Session IPA, Brewhousemdp (Argentina)

Other Strong Beers: Dediprosa, Cervejaria Libertastes (MG)

Fruit, Fieldd, Chocolate, Coffee, Chili, Herb and Spice and Honey: Mangobiche, Jabalina Brewing Company (Argentina)

European Lagers and International Pilsener/Light Lager: Walfänger Helles, Walfänger (SP)

British Dark Beers and Porter Family: Over the Moon: Alright Brewery CO (PR)

Bitter, Irish Red Ale and Scottish Ale: La Gordo, Charlone Cervecería (Argentina)

Belgin and French Origin Ale Styles: Cervejaria Narcose Belgian Nr. 10, Cervejaria Narcose (RS)

APA, Hazy Pale Ale, Int. Pale Ale and Summer Ale: Cwrw haf, Jones/Jenkins (Argentina)

American Lagers, Cream Ale, American Wheat and Blond Ale: Louvada HoLager, Cervejaria Louvada (MT)

American Hoppy Beers (Red, Black, Imperial, Experimental), and International IPA: Terrorista, Charlone Cerveceria (Argentina)

American and European Ambeer and Dark Lager: Thor, Wir Konnen (Argentina)

All Origin Hybrid/Mixed Lagers and Ales: Fandango (Chicha), Quiteña (Equador)

Fonte: Guia da Cerveja

Número de cervejarias no Brasil aumenta 12%

Se alguém tinha dúvida, acho que agora não tem mais: o Brasil é um país cervejeiro! E quem confirma isso são os dados do “Anuário da Cerveja 2021”, divulgado, em 31 de agosto de 2022, pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

De acordo com o levantamento, o país possui 1.549 cervejarias. Com isso, houve um aumento de 12% em relação ao anuário do ano passado, referente à 2020. Só em 2021, foram registradas 200 novas cervejarias e outras 34 cancelaram os registros, o que representa uma expansão de 166 novas empresas no mercado cervejeiro no País.

“A gente está falando do Brasil como o terceiro maior produtor da bebida do mundo, ficando atrás apenas da China e dos EUA”, disse Carla Crippa, vice-presidente de assuntos corporativos da Ambev e do Sindicerv. O país é o terceiro maior produtor de cerveja no mundo, atrás da China e dos Estados Unidos, e em 2021, o volume de vendas atingiu o patamar de 14.3 bilhões de litros, de acordo com o levantamento realizado para a entidade da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International.

Lembrando que a “cervejaria cigana” ou contract brewing, aquelas cervejarias que produzem suas cervejas na fábrica de outra, não constam nesses dados, pois não são estabelecimentos passíveis de registro no Mapa, tendo em vista que não possuem estrutura própria de fabricação, de maneira que somente as cervejarias com fábrica própria constam das estatísticas apresentadas.

Ainda segundo o Anuário, a maior parte das cervejarias brasileiras encontra-se nas regiões Sul e Sudeste, somando 1.329 estabelecimentos. Isso, representa 85,8% do total de cervejarias do Brasil. São Paulo lidera em número de cervejarias registradas novamente, com 340, seguido do Rio Grande do Sul, com 285, Santa Catarina, com 195, e Minas Gerais, com 189 cervejarias registradas. Uma observação é que Santa Catarina e Minas Gerais inverteram a posição em relação ao anuário de 2020.  Antes, MG  estava na terceira posição com 178, e SC na quarta posição com 175.

Uma curiosidade em Minas é que a cidade de Juiz de Fora passou a capital mineira, Belo Horizonte, em números de cervejaria, com 16 estabelecimentos, uma a mais que BH. Nova Lima, que fica a 20km de BH, continua sendo o principal polo cervejeiro de Minas, com 22 cervejaria. A cidade é a quarta com mais cervejarias no Brasil, fica atrás somente das capitais São Paulo (51), Porto Alegre (43) e Curitiba (25).

A região Norte continua sendo a região com menos registros de cervejarias, com 1,9%. Porém, foi a que apresentou o maior aumento percentual no número de produtos, com evolução em 20,8%. Nessa região, foram abertas cinco novas cervejarias sendo duas em Rondônia (200%) e uma nos estados do Acre, Tocantins e Pará. Apenas dois estados tiveram redução no número de cervejarias em relação a 2020: o Rio Grande do Norte, que passou de 20 para 19 estabelecimentos, e o Amazonas, que reduziu de cinco para quatro cervejarias.

O Anuário da Cerveja 2021 revela ainda que em 672 municípios brasileiros há pelo menos uma cervejaria, o que representa um aumento da dispersão em 10,3% se comparado a 2020.

Com relação aos produtos, em 2021, o total de novos produtos registrados teve crescimento em 5,2%, em relação a 2020, totalizando 1.178 a mais. Atualmente, o Brasil possui 35.741 produtos em cervejaria e o estado de São Paulo lidera a lista com 10.104 produtos. A média brasileira é de 23,1 registros de produtos por estabelecimento.

O levantamento mostra ainda a densidade de cervejarias por habitantes. Santa Catarina tem o maior indicador, com um estabelecimento para cada 37.633 habitantes. Em nível nacional, o Brasil tem uma cervejaria registrada para cada 137.713 habitantes. “A nossa cadeia produtiva é extensa, ela vai do campo ao copo. Representa 2% do PIB, uma massa salarial de R$ 27 bilhões por ano, uma geração de tributos da ordem de R$ 25 bilhões. O setor é resiliente, passou bem pela pandemia, com percalços pontuais”, afirmou Luiz Nicolaewsky, superintendente do Sindicerv (Sindicato Nacional da Cerveja).

Quanto à exportação e à importação, o anuário aponta que houve um aumento de 66 milhões de quilos do volume exportado em relação ao ano anterior, representando um faturamento de mais de US$ 131,5 milhões. A América do Sul corresponde a 99% das vendas, tendo o Paraguai como principal destino, seguido por Bolívia, Chile, Argentina e Uruguai.

Em dez anos, as exportações brasileiras tiveram um aumento de 200% no volume, saindo de 80.331.760 quilos em 2011 e chegando a 241.116.776 quilos, em 2021.

Já a importação brasileira de cerveja reduziu 58,7% nesse período, de 44.607.806 kg em 2011 para 18.406.249 kg, em 2021. Ao todo, o Brasil exportou para 71 países em 2021 e importou de 27 países.

Clique aqui para acessar o Anuário completo.

O Mapa é o órgão responsável por registrar e autorizar as cervejarias a funcionarem, considerando a atividade e linha de produção, bem como a capacidade técnica e condições higiênico sanitárias. Todos os estabelecimentos produtores, padronizadores, engarrafadores, atacadistas, exportadores e importadores devem ser registrados, assim como todas as bebidas produzidas no país. O certificado de registro tem validade de 10 anos.

O Sindicerv é o Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (SINDICERV), fundado em 1948, representa os interesses das empresas responsáveis por mais de 80% da fabricação de cerveja no Brasil.

Brasil tem 5 cervejas premiadas na etapa mundial do World Beer Awards

No dia 25 de agosto, em Londres, na Inglaterra, o World Beer Awards revelou as cervejas vencedoras da competição em 2022.  Foram 3.200 cervejas de mais de 50 países inscritos na premiação deste ano. Ao todo, as cervejas foram julgadas em 10 categorias com suas subdivisões. Além da qualidade do sabor, o design do rótulo também foi julgado.

Antes de chegar nessa etapa, as cervejarias passam por uma competição local, onde as cervejas participantes de cada país competem entre si. São divulgadas as medalhistas de ouro, prata e bronze, porém, somente as que ganharam a medalha de ouro se classificam para a etapa mundial.

Aqui, eu falei sobre as medalhistas brasileiras na etapa local, divulgado no início de agosto.

As medalhistas de ouro de cada país competem na segunda rodada, ou seja, na etapa mundial, pelo título de Melhor do Mundo em seus respectivos estilos.

O reconhecimento através da premiação traz benefícios para as cervejas, como figurar na publicação anual da World’s Best Beers, além do direito de usar o selo de medalhista em seu material de divulgação.

O Brasil recebeu cinco medalhas. Dessas, uma veio para Minas Gerais.

Confira as brasileiras que ganharam a medalha de Melhores do Mundo 2022:
Melhor Belgian Dubbel: Wäls Dubbel
Melhor No & Low Alcohol IPA: Campinas IPA Zero
Melhor Pale Beer Amber: Stannis Red Sönja
Melhor Bière De Garde & Saison: Noi Davolo
Melhor Catharina Sour: Caju e Pitanga, da Unika