Cervejaria Slod comemora 4 anos com festa para o público

Localizada no polo das cervejas artesanais, no Jardim Canadá, a Cervejaria Slod vai comemorar 4 anos no próximo dia 08 de outubro, em sua fábrica. Os sócios Christian Ayres e Rauzer Pereira estão muito felizes com os resultados que a cervejaria alcançou nesses primeiros 4 anos, mesmo com tantos desafios, como a pandemia, fechamento dos bares e restaurantes por tanto tempo, períodos de recordes de chuvas,  guerra, sem falar do mercado extremante competitivo.

Para Rauzer, o crescimento da cervejaria foi gradual e de maneira sustentável. “Crescemos sem loucuras e com os pês no chão, focamos 24 horas de nosso tempo na qualidade e no compromisso com nossos clientes. Resistimos a grandes dificuldades nesses 4 anos, agora queremos agradecer e comemorar com nossos amigos, clientes e principalmente nossos parceiros comerciais”, afirma Rauzer.

Uma grande estrutura está sendo montada para essa comemoração, na porta da fábrica da cervejaria. Serão muitas atrações, muita gastronomia, muita música boa conduzida pelas bandas Lurex, Made in Anos 80 e Big Jack. Todos os 10 chopes da Slod serão servidos em 4 estações que estarão à disposição dos convidados. A festa terá ainda espaço kids e será pet friendly, além de um estacionamento exclusivo para motociclista e suas diversas tribos.

Os ingressos poderão ser adquiridos pelo Sympla e de brinde você ganha uma caneca de 473ml de acrílico personalizada.

Garanta seu ingresso pois eles são limitados: https://www.sympla.com.br/evento/slod-4-anos/1695219

Te espero lá!

Serviço:
Festa de 4 anos da Slod
Data: 08 de outubro (sábado)
Local: Fábrica – Rua Niágara, 1147 – Jardim Canadá
Horário: das 14h às 22h

Sobre a Slod

Fundada em 2018, a Slod tem como missão trabalhar com insumos de qualidade e procedência, com foco total na produção com muita qualidade e segurança, em todos os processos de fabricação.Aliás,a qualidade e a grande obsessão dessa micro cervejaria artesanal, desde sua criação.

“Somos hoje uma micro cervejaria artesanal premium, acreditamos que nossa missão é a verdade e a paixão que colocamos em cada produto que fabricamos e principalmente o trato e a credibilidade que conseguimos gerar em nossos parceiros comerciais.”, afirma Rauzer.

Com 10 rótulos nas prateleiras, as campeãs de venda são a Pilsen, IPA e a American Wheat – Lemon, essa em especial feita de modo extremamente artesanal usando a casca de limão siciliano, descascados um a um para a produção da Lemon. Mas ainda tem a APA, Pale Ale – Extra Special Bitter, NEIPA, Dry Stout Cacau, Amber Lager, Session IPA e a Double IPA , sendo essas duas últimas lançadas recentemente.

Cervejarias argentinas são destaques na Copa Libertadores da Cerveja

No dia 10 de setembro, foram divulgadas as cervejarias vencedoras da 10ª Edição do South Beer Cup, conhecida também como a Copa Libertadores da Cerveja. A edição, que foi realizada em Ribeirão Preto (SP), contou com a participação de diversas cervejarias da América do Sul, sendo que somente cervejas premiadas podem ser inscritas. Ou seja, é uma premiação para a melhor entre as melhores.

A argentina Charlone Cervecería foi o principal destaque desta edição. Foi a única marca a conquistar duas medalhas de ouro na premiação, sendo considerada a principal cervejaria do evento, ganhando a medalha de ouro. O segundo lugar ficou com a também argentina, Jabalina Brewing Company, que faturou um ouro e uma prata.

Mas, o Brasil não ficou de fora desse pódio. A medalha de bronze ficou com a Walfänger, uma marca de Ribeirão Preto que faturou um ouro e uma prata.

Além da Walfänger, outras cinco cervejarias brasileiras conquistaram medalhas de ouro nesta edição da South Beer Cup. Foram elas: Bierbaum, Libertastes, Alright Brewery Co, Narcose e Louvada.

A Libertastes é a única mineira medalhista entre as cinco. Já tomei as duas medalhistas deles, excelentes cervejas. A DediProsa (Strong Scoth Ale) ganhou bronze e a Oncotô (Wheatwine) ganhou ouro. Para saber mais sobre elas, clique ai e veja minha análise: Oncotô e DediProsa

As cervejarias argentinas superaram as brasileiras no número de ouros conquistados na competição sul-americana, foram 8 a 6. E o Equador faturou outros dois ouros.

Em função da pandemia do coronavirus, a South Beer Cup não acontecia desde 2019. Nessa retomada, a competição sul-americana fez parte da programação do Craft Beer Ribeirão, organizado pelo Polo Cervejeiro de Ribeirão Preto.

A programação, além da disputa sul americana, também contou com a realização de um festival de cervejas artesanais, do 1º Meeting da Cerveja Artesanal e da 1ª edição da Copa Paulista de Cerveja Artesanal.

Confira quais foram a cervejas medalhistas de ouro na South Beer Cup:

Wood And Barrel Aged Beer: Celebration Barrel Aged #7, Juguetes Perdidos (Argentina)

Stout Family: Imperial Stout, Drakkar Brewpub (Argentina)

Celebration Sour Ale, Gose, Berliner Weisse: Que Gose!, Two Barrel Brewery (Equador)

Smoked Beer and Historical Beer: Bierbaum Doppelbock Defumada, Cervejaria Bierbaum (SC)

Session IPA and IPL: Sativa Session IPA, Brewhousemdp (Argentina)

Other Strong Beers: Dediprosa, Cervejaria Libertastes (MG)

Fruit, Fieldd, Chocolate, Coffee, Chili, Herb and Spice and Honey: Mangobiche, Jabalina Brewing Company (Argentina)

European Lagers and International Pilsener/Light Lager: Walfänger Helles, Walfänger (SP)

British Dark Beers and Porter Family: Over the Moon: Alright Brewery CO (PR)

Bitter, Irish Red Ale and Scottish Ale: La Gordo, Charlone Cervecería (Argentina)

Belgin and French Origin Ale Styles: Cervejaria Narcose Belgian Nr. 10, Cervejaria Narcose (RS)

APA, Hazy Pale Ale, Int. Pale Ale and Summer Ale: Cwrw haf, Jones/Jenkins (Argentina)

American Lagers, Cream Ale, American Wheat and Blond Ale: Louvada HoLager, Cervejaria Louvada (MT)

American Hoppy Beers (Red, Black, Imperial, Experimental), and International IPA: Terrorista, Charlone Cerveceria (Argentina)

American and European Ambeer and Dark Lager: Thor, Wir Konnen (Argentina)

All Origin Hybrid/Mixed Lagers and Ales: Fandango (Chicha), Quiteña (Equador)

Fonte: Guia da Cerveja

Sextou! Cervejarias e destilarias investem cada vez mais em e-commerce

E-commerce para comprar bebida alcoólica já faz parte do dia a dia do consumidor

O crescimento do mercado virtual de cervejas artesanais foi bastante acelerado durante a pandemia do Covid 19. Muitos queriam tomar cerveja especial, porém, além do bares que estavam fechados, achavam-se poucas opções para compra dessas cervejas de forma remota. Com isso, muitas cervejarias, lojas especializadas e supermercados viram essa oportunidade e implantaram sites e lojas virtuais para a venda de seus produtos.

O e-commerce é uma tendência em vários segmentos de mercado e no de bebida alcoólica não é diferente. As vendas online de bebidas tiveram um boom durante a quarentena. A mudança de hábito do consumidor elevou em até 800% o volume de pedidos em empresas de e-commerce e delivery, comparando dados de 2019 com 2020, ano que começou o isolamento. Com isso, muitas marcas passaram a investir nessa forma de relacionamento com o público, estruturando suas lojas online, que será mais uma fonte de renda, além de poder expandir o mercado das cervejarias para todo o Brasil.

É o caso da cervejaria Capim Branco que estreou seus sites para a venda da Cerveja Lagoon (https://lojalagoon.com.br ) e seu destilado o gin Noveau (https://nouveaugin.com.br/) . “Percebemos o crescimento nas vendas pela internet e por isso, resolvemos melhorar esses canais e criar um para cada bebida”, fala Thiago Carneiro, gerente comercial das marcas. A previsão da cervejaria é que haja a expansão das vendas para outros rótulos e souvenires de diversas marcas, já que a Capim Branco produz cervejas e destilados para diferentes marcas dentro de sua planta. A proposta é que os sites sejam um grande portal de venda de bebidas artesanais e Premium de Minas Gerais.

Assim como a Capim Branco, diversos sites passaram a vender não só de forma local, mas para todo o território nacional, com segurança e facilidade, além de aceitar diversas formas de pagamento para melhorar ainda mais a vida do amante da bebida.  Hoje em dia, difícil conhecer alguém que não tenha comprado cervejas ou destilados pela internet.

E você? Já comprou a sua cervejinha para “sextar” no conforto de casa?

Brasil tem 5 cervejas premiadas na etapa mundial do World Beer Awards

No dia 25 de agosto, em Londres, na Inglaterra, o World Beer Awards revelou as cervejas vencedoras da competição em 2022.  Foram 3.200 cervejas de mais de 50 países inscritos na premiação deste ano. Ao todo, as cervejas foram julgadas em 10 categorias com suas subdivisões. Além da qualidade do sabor, o design do rótulo também foi julgado.

Antes de chegar nessa etapa, as cervejarias passam por uma competição local, onde as cervejas participantes de cada país competem entre si. São divulgadas as medalhistas de ouro, prata e bronze, porém, somente as que ganharam a medalha de ouro se classificam para a etapa mundial.

Aqui, eu falei sobre as medalhistas brasileiras na etapa local, divulgado no início de agosto.

As medalhistas de ouro de cada país competem na segunda rodada, ou seja, na etapa mundial, pelo título de Melhor do Mundo em seus respectivos estilos.

O reconhecimento através da premiação traz benefícios para as cervejas, como figurar na publicação anual da World’s Best Beers, além do direito de usar o selo de medalhista em seu material de divulgação.

O Brasil recebeu cinco medalhas. Dessas, uma veio para Minas Gerais.

Confira as brasileiras que ganharam a medalha de Melhores do Mundo 2022:
Melhor Belgian Dubbel: Wäls Dubbel
Melhor No & Low Alcohol IPA: Campinas IPA Zero
Melhor Pale Beer Amber: Stannis Red Sönja
Melhor Bière De Garde & Saison: Noi Davolo
Melhor Catharina Sour: Caju e Pitanga, da Unika

Cervejas trapistas: cervejas feitas por monges

Você sabia que existem cervejas feitas por monges?

Pois é. Essas, são as Cervejas Trapistas: produzidas e supervisionadas por monges da Ordem Trapista e fabricadas na própria Abadia/Mosteiro. Muitas das cervejarias possuem funcionários que não são monges, mas há sempre a supervisão de um monge dentro da cervejaria.

Os trapistas são monges que dedicam suas vidas à oração e ao trabalho, em uma vida comunitária.

Uma pequena parte do que os monges e freiras produzem em suas abadias é para uso próprio. A maior parte é destinada à venda. Os trapistas (monges) e trapistinos (freiras) usam os rendimentos para financiar as necessidades de suas comunidades religiosas. Qualquer coisa extra é dada a terceiros. Dessa forma, eles apoiam projetos em países em desenvolvimento e obras de caridade, enfim, oferecem ajuda a quem precisa.

E com a cerveja que eles fabricam e vendem não é diferente. Não pode ter fins lucrativos. Sim, eles também bebem!

Dos mais de 170 mosteiros trapistas existentes no mundo, somente treze são autorizados a marcar suas cervejas com o selo de autenticidade trapista, o Authentic Trappist Product (ATP), garantindo a origem monástica de sua produção.

Como um mosteiro recebe autorização para usar o selo?

Para poder usar o selo em um de seus produtos Trappist®, a abadia deve atender a estes três critérios rigorosos:

– Todos os produtos devem ser feitos nas imediações da abadia;
– A produção deve ser realizada sob a supervisão dos monges ou freiras;
– Os lucros devem ser destinados às necessidades da comunidade monástica, para fins de solidariedade dentro da Ordem Trapista, ou para projetos de desenvolvimento e obras de caridade. Ou seja, não pode ser um empreendimento lucrativo. A renda deve cobrir os custos de vida dos monges e o que sobrar deve ser doado.

Imagem ITA

Essa licença tem duração de cinco anos e pode ser renovada.

Uma observação importante é que todas as abadias trapistas têm o direito exclusivo de uso da marca Trappist®. Porém, o selo ATP só foi concedido para treze. Esse selo não só tem origem monástica, mas também garante que foi produzido de acordo com as rígidas diretrizes estabelecidas pelo Associação Trapista Internacional

Onde estão e quais são as Cervejas Trapistas autorizadas?

Todas estão na Europa. Veja como elas estão distribuídas:
– Seis na Bélgica: Trappistes Rochefort (Cidade de Namur), Achel (Limburg), Orval (Florenville), Westmalle (Westmalle), Westvleteren (Westvleteren) e Chimay (Hainaut);
– Dois na Holanda:  La Trappe (Tilburg) e Zundert (Zundert);
– Um na Áustria: Stift Engelszell (Engelhartszell an der Donau);
– Um na Itália: Tre Fontane (Roma);
– Um na Inglaterra: Mount St. Bernard Abbey (Tynt Meadow);
– Um na Espanha: Cardenã (Burgos);
– Um na França: Mont des Cats (Godewaersvelde).

Nos Estados Unidos, tinha a St. Joseph’s Abbey (Spencer- Massachusetts), única fora da Europa. Porém, ela fechou as portas em maio deste ano (2022).

Uma observação interessante é que outros produtos também podem se qualificar para receber o selo como: pães, queijos, licores e artefatos religiosos.

Imagem: Philip Rowlands 

A mais antiga cervejaria trapista é a Trappistes Rochefort, produzida desde o ano de 1595, dentro da Abadia de Notre-Dame de Saint-Rémy, próxima a vila de Rochefort, na Bélgica. Suas cervejas são o ápice de aroma e sabor, sendo suas receitas secretas e a entrada de visitantes na fábrica não é permitida. Porém, é possível conhecer o mosteiro, experimentar e comprar cervejas locais e souvenirs.

Como surgiu essa ideia de dar um selo para as cervejas?

A partir da segunda metade do século XX, as cervejas trapistas ganharam fama e começaram a inspirar outros produtores mundo afora, que passaram a colocar em seus rótulos “Estilo Trapista”, mesmo não tendo nenhum vínculo com a Ordem Trapista.

Em 1998, oito mosteiros trapistas se uniram e fundaram a International Trappist Association (ITA) – Associação Trapista Internacional, para evitar que empresas comerciais não-trapistas abusassem do nome Trappist (trapista). Com isso, essa associação privada criou o logotipo “Authentic Trappist Product“, para identificar as cervejas que pertencem à associação.

Hoje, a ITA conta com dezenove abadias trapistas em todo o mundo.

Uma lei da Câmara Belga do Comércio decretou que: “Cerveja Trapista é somente aquela que é produzida por monges Cistercienses, e não uma cerveja no estilo Trapista, a qual deve ser denominada cerveja de Abadia”.

Cerveja de Abadia

Com isso, surgiu o conceito Cerveja de Abadia ou cerveja do tipo Abadia (Abbey Beer).

Elas devem carregar a tradição vinda dos mosteiros, mas podem ser produzidas tanto por mosteiros e abadias que não pertencem à Ordem Trapista, quanto por empresas sem ligação com uma determinada ordem religiosa, e nem precisam mencionar um mosteiro específico.

Ou seja, podem ser consideradas Cervejas de Abadia as que são:
– Produzida por um mosteiro/abadia não trapista; ou
– Produzida por uma cervejaria comercial sob um acordo com um mosteiro existente; ou
–  Leve no rótulo o nome de uma abadia extinta ou fictícia por um cervejeiro comercial; ou
– Tenha uma marca vagamente monástica, sem mencionar especificamente o mosteiro, por um cervejeiro comercial.

As mais conhecidas são: Maredsous, Leffe e St. Bernardus.

Atenção! Trapistas e de Abadia não são estilos de cerveja!

Os nomes funcionam mais como referência e uma denominação ligada à tradição cervejeira oriunda dos monastérios.

E tem mais: Toda Cerveja Trapista é de Abadia, mas, nem toda cerveja de Abadia é Trapista.

Os estilos fabricados mais comuns, tanto para Trapistas quanto de Abadia são: Dubbel, Tripel, Quadruppel, Blond Ale, Bock, Belgian Pale Ale, Strong Dark Ale, dentre outros.

São cervejas complexas, de muita personalidade e muitas delas têm um alto teor alcoólico. Eu amo!

Fonte: www-trappist-be

Cervejaria lendária belga adota rótulos após 75 anos

Cervejaria trapista belga Westvleteren passa a rotular suas garrafas pela primeira vez em 75 anos para atender demandas do mercado de cerveja

A cervejaria do mosteiro Westvleteren, localizada na Bélgica, cujas cervejas lendárias são produzidas por monges trapistas na abadia de Sint-Sixtus passará a rotular suas garrafas pela primeira vez em 75 anos.

Por mais de 75 anos, a cervejaria, que produz três das famosas cervejas trapistas da Bélgica, em homenagem à ordem ou dos monges que administram a abadia apresentou as suas garrafas sem rótulo e agora está mudando isso.

A produção da Westvleteren já possuiu rótulos até pouco tempo depois da segunda guerra mundial, quando suas cervejas passaram a ser produzidas de forma licenciada na cervejaria Saint Bernardus. Ainda nesta época a Westvleteren decidiu por não utilizar mais rótulos, concentrando todas informações na tampa da garrafa.

Mesmo quando os monges retomaram toda a produção para dentro dos muros da abada em 1992 as garrafas foram mantidas sem rótulo sendo vendidas no portão do monastério.

Os novos rótulos permitem que os consumidores diferenciem as quatro variedades de forma simples e rápida, porém um dos grandes pontos sobre a Westvleteren é sua exclusividade com os monges produzindo cerveja de forma bastante limitada e limitando também as suas vendas que ocorrem quase que exclusivamente no próprio mosteiro.

Os rótulos conterão todos os tipos de requisitos legais – valores energéticos, ingredientes em três idiomas e um código QR que vincula ainda mais informações que anteriormente os consumidores não tinham acesso.

Rótulo da Westvleteren é uma demanda de mercado pedida por seus consumidores

A gama completa de informações presentes no rótulo, não são exigidas legalmente, mas a cervejaria decidiu por adicioná-los devido a demanda dos consumidores.

Foto:  Francois Lenoir/Reuters

Os monges optaram por um design de etiqueta único, bastante próximo da aparência familiar. Os rótulos representam imagens estilizadas das tampas das garrafas. Existem três versões de rótulos, uma para cada uma das três cervejas trapistas da Abadia de Westvleteren diferenciadas por cores.

 “Estamos respondendo à demanda de muitos de nossos consumidores com esses rótulos. É simplesmente uma tendência no mundo da comida se comunicar muito abertamente. Nós também nos tornamos mais sensíveis a isso. Muitas vezes vejo alguns irmãos aqui analisando uma caixa ou um pacote.” explicou o Irmão Godfried, prior da abadia ao site belga Brussel Times.

A cervejaria destacou que está deixando para trás uma tradição para obter algo melhor em troca e de alguma forma progredir.

“Além disso, mantemos a aparência. Quando as garrafas estão na caixa, os rótulos são colocados de forma que não possam ser vistos, mas apenas as garrafas clássicas e escuras com o anel distintivo com a inscrição em relevo cerveja trapista.”

Cervejas trapistas. O que são?

Trapistas são Abadias – uma comunidade monástica cristã, originalmente católica – que produzem cervejas há muito tempo e seus monges vivem uma rotina de trabalho e oração.

Atualmente, existem apenas 13 cervejarias que podem estampar o selo trapista.

Existem mosteiros trapistas em todo o mundo. E apesar de não terem o selo, o modelo trapista está muito relacionado com a forma de produção e venda.

Para saber mais sobre elas, acesse esse resenha que fiz: Cervejas Trapistas

Fonte: Site Catalise

Minas Gerais recebe 19 medalhas em um dos principais concursos cervejeiros

No dia 6 de agosto, um dos mais importantes concursos cervejeiros, o World Beer Awards, divulgou as cervejas premiadas na etapa nacional. Essa primeira fase, elege as melhores cervejas em cada país participante. Depois de divulgada as campeãs nacionais, acontece a segunda etapa da competição, que é realizada em Londres, quando as ganhadoras de cada país competem entre elas pelo título de melhores do mundo.  

Nessa primeira fase, 120 cervejas brasileiras ganharam medalhas. Foram 35 medalhas de ouro, 37 de prata e 48 de bronze. Um dos destaques foi a cervejaria St. Patrick’s, de  Ipeúna (SP), com cinco ouros, duas pratas e duas bronzes.

Como sempre, as cervejarias de Minas Gerais estão presentes nessa lista importantíssima para o meio cervejeiro. Ao todo, foram 19 cervejas premiadas. Destaque para a Wäls que trouxe nove medalhas e a Albanos que ganhou cinco.

Confira abaixo as mineiras vencedoras. Logo em seguida, inclui a lista feita pelo Beer Art com todas as medalhistas do Brasil.

OURO (4)
Albanos Brown Ale
Breedom Session IPA
Wäls Dubbel
Wäls Quadruppel

PRATA (5)

Breedom Lager (categoria International Lager)
Capapreta Euphoria Juice IPA 7%
Capapreta Session IPA
Laut Montesa Pilsen Premium Beer (categoria International Lager)
Wäls 42 (categoria Belgian Strong Ale)

BRONZE (10)

Albanos Dry Stout
Albanos Life Lager (categoria International Lager)
Albanos Pumpkin (categoria Herb & Spice)
Albanos Session IPA
Wäls Belgian Witte (categoria Belgian Style Witbier)
Wäls Fruit Lambic (categoria Flavoured Wild/Sour Beer)
Wäls Hopcorn IPA (categoria American Style IPA)
Wäls Petroleum (categoria Imperial Stout)
Wäls Session Haze (categoria Session IPA)
Wäls Trippel

Lista completa com todas as cervejarias brasileiras:

OURO (35 premiadas, em ordem alfabética)
Albanos Brown Ale
Ashby American Pale Ale
Baden Baden Cristal (categoria International Lager)
Breedom Session IPA
Búzios Manguinhos (categoria Dark Lager)
Campinas IPA Zero 0,3%
Colorado Guanabara (categoria Wood Aged)
Dom Haus Coconut Fondant
Eisenbahn Unfiltered (categoria Amber/Dark Kellerbier and Rotbier/Red Lager)
Flamingo Beer & Co. Witbier
Fredericia Bock
Goose Island Brewhouse São Paulo American Style Wheat
Goose Island Brewhouse São Paulo Yellow Line (categoria Seasonal)
Avós Imperial Baltic Coffee Reserva 2022 – Imperial Baltic Porter With Catucaí 24/137 Coffee
Avós Imperial Baltic Negroni Special Edition Imperial Baltic Porter With Negroni (categoria Experimental)
Leopoldina Italian Grape Ale
Leopoldina Tripel
Lohn Bier Carvoeira (categoria Herb & Spice)
Masterpiece Van Gogh (categoria Flavoured Wild/Sour Beer)
Noi Avena (categoria Belgian Style Blonde)
Noi Bárbara (categoria Barley Wine)
Noi Diavolo (categoria Belgian Strong Ale)
Noi Fiorella (categoria American Style IPA)
Paulistânia Marco Zero (categoria Classic Pilsener)
St. Patrick’s Barley Wine
St. Patrick’s Dry Stout
St. Patrick’s Hoppy Lager
St. Patrick’s Irish Car Bomb (categoria Imperial Stout)
St. Patrick’s Old Ale
Stannis Mamma Sour (categoria Oud Bruin)
Stannis Red Sönja (categoria Pale Beer / Amber)
Stannis Scarlett Flanders
Unika Catharina Sour – Caju e Pitanga
Wäls Dubbel
Wäls Quadruppel

PRATA (37 premiadas, em ordem alfabética)

Ashby Weiss (categoria Strong Wheat Beer)
Baden Baden Witbier 0%
Baltic Base Baltic Porter
Breedom Lager (categoria International Lager)
Capapreta Euphoria Juice IPA 7%
Capapreta Session IPA
Campinas Amber Ale
Campinas Session IPA Todo Dia
Colorado Black Indica (categoria Black IPA*)
Colorado Demoiselle (categoria Flavoured Stout/Porter)
Colorado Indica (categoria English Style IPA e outras)
Colorado Ithaca (categoria Imperial Stout)
Colorado Smoked Porter
Dom Haus Dom Hanks (categoria Session IPA)
Dom Haus Framboise Fondant (categoria Fruit & Vegetable)
Eisenbahn Weizen Bier (categoria Bavarian Style Hefeweiss)
Fiducanso Oak Aged
Hausen Bier Dunkel (categoria Dark Lager)
Insana Blend Pinhão 2017
Laut Montesa Pilsen Premium Beer (categoria International Lager)
Leopoldina Italian Grape Ale Rose
Lohn Bier Todanossa (categoria Brazilian Pale Ale)
Louvada Hop Lager
Louvada IPA Gf (categoria Gluten-free)
Paulistânia Laralima (categoria American Style Wheat Beer)
Quinkas Douglas (categoria Stout)
Quinta Do Malte Qm (categoria American Style IPA)
St. Patrick’s American IPA
St. Patrick’s Pilsen (categoria International Lager)
Salles Bier Lord Imperial IPA (categoria English Style IPA e outras)
Salles Bier Labuta American Pale Ale (categoria American Style IPA)
Stannis Brigit Ale (categoria American Style Pale Ale)
Stannis Rouge Nammu (categoria Fruit & Vegetable)
Stannis Wild Wanda (categoria Flavoured Wild/Sour Beer)
Villa Alemã Lager (categoria International Lager)
Xaraés Premium Lager (categoria Classic Pilsener)
Wäls 42 (categoria Belgian Strong Ale)

BRONZE (48 premiadas, em ordem alfabética)

Albanos Dry Stout
Albanos Life Lager (categoria International Lager)
Albanos Pumpkin (categoria Herb & Spice)
Albanos Session IPA
Al Fero Birrificio Baron De Charlach (categoria Fruit & Vegetable)
Ashby British Strong Ale (categoria Bitter over 5.5%)
Ashby Puro Malte (categoria International Lager)
Baden Baden Golden (categoria Herb & Spice)
Baden Baden IPA (categoria American Style IPA)
Bohemia Puro Malte (categoria International Lager)
Bohemia Reserva (categoria Strong Ale)
Brahma Chopp (categoria International Lager)
Brahma Duplo Malte (categoria International Lager
Búzios Aretê (categoria Session IPA)
Búzios Ferradura (categoria Belgian Style Strong)
Colorado Appia (categoria Honey & Maple Syrup)
Colorado Cauim (categoria International Lager)
Colorado Kuya (categoria Specialty)
Colorado Ribeirão Lager (categoria Classic Pilsener)
Colorado Vixnu Imperial IPA 9,5%
Dom Haus Billy’S Milkshake (categoria English Style IPA e outras)
Dom Haus Dom Lennon Hazy (categoria American Style Pale Ale)
Eisenbahn IPA (categoria American Style IPA)
Flamingo Beer & Co. Lager (categoria Classic Pilsener)
Goose Island Brewhouse São Paulo Memory Lane (categoria Seasonal: Maibock/Helles Bock)
Hausen Bier Weiss
Insana Red Ale
Leopoldina Barley Wine (categoria Wood Aged)
Louvada Low (categoria Light Lager)
Loveland American Wheat
Masterpiece Catharina Sour With Jabuticaba (categoria Fruit & Vegetable)
Pink Small Small Lager With Blackberry And Red Dragon Fruit (categoria Flavoured Lage)
Salles Bier Danube Vienna Lager 5,4%
St. Patrick’s Acid Trip (categoria Catharina Sour)
St. Patrick’s Coffee IPA
Skol Pilsen (categoria International Lager)
Skol Puro Malte (categoria International Lager)
Stannis Ororo Dunkel (categoria Dark Lager)
Stannis St. Paddys (categoria Flavoured Stout/Porter)
Stannis Super Nina (categoria Hoppy Pilsener)
Steudel Cervejas Especiais – Rl Oktoberfest – Maerzen
Wäls Belgian Witte (categoria Belgian Style Witbier)
Wäls Fruit Lambic (categoria Flavoured Wild/Sour Beer)
Wäls Hopcorn IPA (categoria American Style IPA)
Wäls Petroleum (categoria Imperial Stout)
Wäls Session Haze (categoria Session IPA)
Wäls Trippel
Xaraés Oatmeal Stout

Mr. Hoppy Beer & Burger Prado: chope, burger e música boa!

A Dica de Onde Beber Artesanal de hoje tem chope, tem drink, tem petisco, tem hambúrguer e tem música boa. Precisa de mais alguma coisa?

O Mr. Hoppy Beer & Burger Prado está localizado em um bairro tradicional e boêmio de BH. O esquema da casa é “pagou – levou”, para, assim, conseguir praticar preços mais acessíveis. São poucos garçons, que estão ali apenas para fazer a entrega dos pedidos de comidas. O cliente deve ir até o balcão e, no caso da cerveja, pagar e já levar, e, no caso da comida, pagar e levar uma plaquinha para que seja identificado pelo garçom que a entregará.

Tudo funciona e os pedidos saem bem rápido.

O local

A casa é bem grande, tem a capacidade para 100 pessoas. São vários espaços que se interligam, tanto do lado de dentro quanto na calçada, espaços abertos e fechados. Todos ambientes com decorações descontraídas, com som ambiente ou ao vivo tocando o melhor do rock ou blues.

Para beber

São oito torneiras com diversos estilos de chope artesanal mineiro. No dia que fui tinha Pilsen da Verace, IPA e Session IPA da Cervejaria BH, English Pale Ale e a APA da Cervejaria Küd e American Wheat e Amber Lager da Slod. Tomei alguns e gostei de todos, muito fresquinhos e na temperatura certa. Os valores variam de R$8 a R$17 de 330ml e R$10 a R$20 os de 440ml.

Além de chope a casa está com uma parceria com o Gin Vanfall e oferece um drink muito gostoso o Vanfall Fizz (R$15). Além dele, têm outros drinks com gin e vodka.  Com valores de R$13 a R$25.

Gin Vanfall – Vanfall Frizz

Para comer

O cardápio é enxuto. Contém petiscos com opções de batatas fritas com diferentes coberturas, Onion Rings e várias opções de hambúrgueres. E para sobremesa, Churros.

Nós fomos de: Rustic Fries (Batatas Rusticas – R$15)

Rustic Fries

The Lord of Onion Rings (Anéis de cebola empanados com molho barbecue – R$ 14);

 Classic Salad Burger (Pão, hambúrguer de carne ou vegetariano, maionese, rúcula, cebola roxa, tomate e queijo mozzarella – R$14)

Hoppy Melt (Pão, hambúrguer de carne ou vegetariano, maionese, cheddar derretido coberto por cubos de bacon crocante – R$16).

Barbie Kill (Pão, hambúrguer de carne ou vegetariano, maionese, queijo mozzarella, molho barbecue secreto coberto com cebola crispy – R$16) .

Mini Churros Dona Florinda (Porção de mini churros recheados com doce de leite – R$17)

Os valores dos comes vai de R$10 a R$19.

Se liga na programação de julho:
Terça – Pilsen (330ml) e french fries por 12 conto.
Quarta – Noite da Sorte – Ganhe um jogo da nossa equipe e pague chope pequeno/leva o grande
Quinta – Ouça o toque do sino!! Sino tocou, rodada dupla (Pilsen) durante 30min. Noite toda!!
Sexta – Rodada dupla do drink Vanfall até 21h – música ao vivo
Sábado – Qualquer chope 330ml em dobro até as 19hs música ao vivo
Domingo – Festival de Batata 12 conto (com molho e a rústica)

Atenção! Dias de jogos (Cruzeiro e Atlético) rodada dupla de Pilsen durante toda partida!
O local também faz reservas para aniversários e confraternizações. Levando pelo menos 10 pessoas mediante a reserva ganha 2L de Pilsen.

Adorei conhecer essa unidade (eles contam com outra no bairro Sion, que ainda não conheço. Com certeza, voltarei mais vezes. Com um ambiente gostoso, música ao vivo, atendimento excelente, chope fresco e tira-gostos rápidos não tem como não gostar.

Mr. Hoppy Beer & Burger – Prado
Avenida Francisca Sá, 430
Bairro Prado – Belo Horizonte/MG
Funcionamento: Terça a domingo, a partir das 17h
Instagram: @mrhoppybhprado

Cerveja no Inverno?

O inverno chegou de vez! E, para beber, do que a gente lembra?

stout

Antes da revolução das cervejas artesanais, a gente lembrava do vinho sim. Mas, graças aos nossos mestres cervejeiros e suas mil e uma possibilidade de criação, hoje, podemos encontrar no mercado diversificados estilos de cerveja para espantar de vez esse frio.

Para mim, qualquer cerveja pode ser tomada em qualquer época do ano, mas, temos que concordar que algumas têm determinadas características que combinam mais com o frio. São cervejas mais encorpadas, com sabores e aromas mais intensos e com teor alcoólico mais elevado, pois trazem uma sensação de aquecimento.

Exemplos de estilos que dão uma esquentada são:  Russian Imperial Stout (RIS), Porter, Dubbel, Tripel, Bock, Weizenbock, Barley Wine, Scott Ale etc (Veja aqui sobre mais estilos). Amo todos esses estilos!

Todas eles harmonizam muito bem com as comidas típicas de inverno como queijos, fondues, carne assada, chocolate e massas, que ficam excepcionais juntos!

Pra dar água na boca, vai aí 10 dicas de cervejas mineiras para o inverno, em ordem de teor alcoólico:

(estilo) Oatmeal Stout – (nome) Obsidiana – (cervejaria) Pederosa Craft: Uma cerveja cremosa com notas de café e chocolate amargo. Sua cor preta e opaca lembra a pedra que lhe dá nome. A utilização massiva de aveia confere uma textura cremosa e aveludada, enquanto os maltes torrados imprimem notas de café e chocolate amargo. Uma combinação interessante com brownies e dias frios. ABV: 5,5%

Dry Stout – Dry Stout Cacau – Cervejaria Slod: Uma autêntica cerveja inglesa dry stout. É escura, leve, corpo seco e amargor equilibrado. Sua espuma é aveludada com notas de café, cacau, e amadeirado, extraídos  de nibs de cacau de ótima qualidade. ABV: 6%

Brown Porter – Jack Porter – Cervejaria Artéza: Cor escura, sabor e aroma levemente amadeirado, resultado de maturação em lascas de carvalho francês e de adição de whisky Jack Daniel’s. ABV: 6,5%

Stout – Black Czar – Cervejaria Velho Brasa: Possui uma coloração escura, elaborada com maltes especiais torrados e achocolatados e tem a adição de quatro lúpulos especiais. Tem uma espuma deliciosamente cremosa além de ser bastante encorpada. ABV: 7,0%

Baltic Porter Barrel Aged – Bourbon Ale – Colab. Astúcia, Rhara, Dos Reis e Soho:  Cerveja escura, forte, com creme bege consistente e cremoso. Envelhecida 1 ano em barril de carvalho americano usado para envelhecer Bourbon, apresenta aromas e sabores complexos como coco, ameixa e melaço de cana, decorrentes dos maltes especiais e do envelhecimento em barril de Bourbon. Apresenta corpo médio, textura macia e leve acidez. ABV: 7,1 % IBU: 39 

Belgian Strong Ale Dubbel – Dubbel – Wäls: De aparência castanha escura, espuma densa e duradoura. Aroma de frutas secas com notas de especiarias e maltes especiais. Paladar com persistência do torrado, levemente picante e bastante seca. Refermentado na garrafa. ABV: 7,5% 

Tripel – Inocência – Krug Bier: Esta cerveja de estilo Belgian Tripel tem aroma completo de fenóis que remetem a cravo e canela. Apresenta um fundo de frutas amarelas que fazem com que ela tenha um baixo amargor e ótimo drinkability. No entanto, apesar de parecer leve, sua alta concentração de álcool pode levar o indivíduo a agir de forma nefasta e trazer várias consequências. ABV: 8,0% / IBU: 27

 

Cascadian Dark Ale – Plata o Plomo – Plata o Plomo é uma ale negra, alcoólica e amarga que tem em sua receita generosas doses de lúpulos americanos. Uma cerveja potente pra quem não tem medo de chumbo grosso!
ABV: 8,0% IBU: 80

Doppelbock – Desbravator – Zé Mundinho! – Prussiabier. Uma , clássico estilo alemão, com uma rica variedade de maltes que trazem no aroma notas lembrando rapadura e cramelo. Uma cerveja encorpada, alcoólica e pouco amarga, ideal para os dias de inverno! ABV: 8,1% IBU: 20

Russian Imperial Stout – Kremlin – Cervejaria Antuérpia: Cerveja forte e escura e densa, com alto nível de lupulagem. Elaborada com seis maltes especiais, que lhe conferem notas de chocolate, toffee, café, além de um toque de carvalho. ABV: 11% IBU: 62

Cerveja saudável: Unesp cria 1ª bebida com baixo teor alcoólico e isotônica do Brasil 

Produto desenvolvido durante pesquisa de doutorado é capaz de evitar a desidratação, repor nutrientes e retardar o envelhecimento de células

Pesquisadores da Unesp desenvolveram a primeira cerveja Pilsen de baixo teor alcoólico e isotônica do Brasil. A bebida saudável e puro malte pode evitar a desidratação e repor nutrientes importantes para o corpo, permitindo que ela seja indicada para consumo durante a prática de exercícios físicos. Sem exigir aumento nos custos de produção, a nova cerveja tem outra vantagem em relação aos produtos isotônicos encontrados no mercado: ela contém substâncias antioxidantes naturais com potencial de retardar o envelhecimento das células. Mais de 120 litros da bebida já foram produzidos e, nos testes realizados com voluntários, a novidade teve a mesma aceitação de produtos já consolidados.

A nova bebida, que foi patenteada pela Agência Unesp de Inovação (AUIN), é simples, barata e viável de ser fabricada por qualquer cervejaria que tenha uma estrutura tradicional, sem a necessidade de investimentos extras. A cerveja saudável foi desenvolvida por Deborah Oliveira De Fusco, durante seu doutorado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFar) da Unesp, em Araraquara. Ela explica que os ingredientes da receita (malte, lúpulo, levedura, água, sódio e potássio) passam pelo mesmo processo de fabricação das cervejas alcoólicas, mas a diferença é que sua fermentação é interrompida no segundo dia após a adição das leveduras, o que controla o teor alcoólico, deixando-o em torno de 0,2%.

Amostra da cerveja produzida pelos cientistas da Unesp. Foto: Deborah Oliveira De Fusco

Para que a bebida também fosse caracterizada como isotônica, em atendimento à resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), os cientistas adicionaram sódio e potássio ao final do processo de maturação. Com isso, segundo os especialistas, a bebida também pode ser indicada para atividades físicas que duram mais de uma hora, já que nesses casos tomar apenas água já não é mais suficiente para hidratar o atleta, tornando necessária a suplementação. “Muitos produtos isotônicos que estão no mercado contam com adição de várias substâncias artificiais, como corantes e conservantes, por exemplo. Pessoas que buscam um estilo de vida mais natural não querem consumir esse tipo de bebida”, lembra o professor Gustavo Henrique de Almeida Teixeira, docente da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp, em Jaboticabal, e orientador do estudo que resultou na nova cerveja.

Vários testes, avaliações de qualidade e análises sensoriais foram desenvolvidos ao longo de quase quatro anos de pesquisa. Em uma dessas etapas, 115 voluntários, envolvendo desde consumidores de cerveja até possíveis compradores do produto, participaram dos testes sensoriais. Sem contato entre os participantes, as avaliações foram realizadas em ambientes controlados e isolados. Além da cerveja produzida na Unesp, os provadores beberam outras duas cervejas sem álcool das marcas mais vendidas no Estado de São Paulo e, após as degustações, anotaram suas opiniões em formulários. Foram avaliados tanto os aspectos visuais quanto os de sabor. “O resultado da análise sensorial foi extremamente satisfatório, pois os consumidores não mostraram preferência por nenhuma das bebidas, indicando que nós atingimos um bom nível de aceitação de sabor “, ressalta o professor Gustavo.

Os testes também revelaram que a adição de sódio e potássio na fórmula da bebida não influenciou o paladar dos voluntários:  “A Pilsen já é uma cerveja que o brasileiro aceita e conhece muito bem, porém os integrantes dos testes não identificaram que uma daquelas cervejas era isotônica. Então, a adição dos sais não prejudicou o sabor, o que foi um grande desafio, já que quanto menos álcool a cerveja tem, maior é a dificuldade de torná-la saborosa”, comemora Deborah. 

f-m18_u51_25102021160717_alta

Nova cerveja desenvolvida na Unesp poderá auxiliar na hidratação e na reposição de nutrientes de quem pratica atividades físicas. Foto: Canva

Dentre os muitos segmentos da indústria cervejeira, o mercado da bebida “sem álcool” tem crescido nos últimos anos, principalmente devido às restrições estabelecidas pelas leis de trânsito e à busca por um estilo de vida mais saudável. Deborah, que fez parte de sua pesquisa na Itália, conta que o consumo de cerveja sem álcool vem aumentando na Europa e nos Estados Unidos e isso também vem ocorrendo no Brasil. “Na Europa, por exemplo, é comum atletas terem o hábito de tomar cerveja sem álcool depois da prática de atividades físicas. Existem vários produtos deste tipo. As pessoas estão mais conscientes do risco do álcool e buscando um estilo de vida saudável. Em países como a Espanha e os Estados Unidos, o segmento já é reconhecido e consolidado, representando até 18% do mercado total de cerveja. Entre 2011 e 2016, houve crescimento de 20% nesse mercado mundial e há previsão de que este ano cresça mais 24%”, relata a pesquisadora.

Financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), o desenvolvimento da inovação contou com o apoio do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Unesp, em São José do Rio Preto, e da Faculdade de Tecnologia de Jaboticabal. Agora, os pesquisadores buscam empresas interessadas na produção da cerveja em larga escala. “Há muitas dificuldades, mas acreditamos que seja possível. A qualidade do segmento de cerveja sem álcool no Brasil vem melhorando”, afirma o professor Gustavo. “Temos condições de desenvolver dentro do país uma cerveja de baixo teor alcoólico e isotônica de qualidade, sem precisar adaptar nenhum tipo de instalação”, conclui a pesquisadora.

foto-4-m18_u51_25102021160856

Imagem mostra a preparação de fermento para a produção da cerveja. Foto: Deborah Oliveira De Fusco

Legislação – No Brasil, desde 2016 o Superior Tribunal de Justiça (STJ) proibiu que cervejas denominadas “sem álcool” sejam rotuladas nestes termos, já que elas podem conter até 0,5% de teor alcoólico. A justiça considerou que o consumidor estaria sendo enganado e a denominação poderia colocar em risco pessoas que tomam medicamentos e não podem consumir esse tipo de bebida. 

Sobre a AUIN – A Agência Unesp de Inovação realiza estudos de viabilidade das invenções dos pesquisadores da Universidade, atua na proteção do patrimônio intelectual e nos trâmites necessários para gestão de patentes. Assim, o órgão é responsável por negociar parcerias e transferir tecnologia da universidade para os setores empresariais e sociais por meio de licenciamentos.

A AUIN também incentiva e apoia o empreendedorismo universitário, estimulando a criação de novos os negócios, empresas filhas, startups e spin-offs, além de produtos, serviços e soluções que em seu processo de construção e execução possam beneficiar tanto a Unesp como a sociedade. Se você deseja comunicar sua invenção e solicitar um pedido de patente, bem como conhecer todos os detalhes sobre o trabalho da Agência, acesse o site da entidade clicando neste link.


Por Eduardo Sotto Mayor, da Fontes Comunicação Científica, para a Agência Unesp de Inovação