Um passeio pela Igreja Memorial com a Schöfferhofer Dunkel

Hoje, tem lembrança com essa Hefeweizen Dunkel,  fabricada pela Schöfferhofer Weizenbier GmbH. Uma cerveja de trigo de cor escura devido o uso dos maltes tostados. É suave com aroma tostado e condimentado. O sabor tem o caráter mais maltado, com a presença do caramelado, frutado, banana, cravo, chocolate e um amargor leve no final. Eu adoro Dunkel, juntou com Hefeweizen, fechou!

A cervejaria Schöfferhofer Weizen foi a logo schoffeprimeira cerveja de trigo na Alemanha a ser fabricada fora da Baviera. Localizada em Frankfurt, hoje, ela é a principal cervejaria de lá. Fundada em 1870, seu nome é uma homenagem à Peter Schöffer, alemão que ao lado de Johannes Gutenberg foi o inventor da moderna tipografia.


O ponto turístico é a igreja Kaiser Wilhelm Gedächtniskirche (Igreja Memorial Imperador Guilherme), conhecida como Gedächtniskirche, localizada em Berlim, no Kurfürstendamm. Construída entre 1891 a 95 e destruída após um incêndio provocado por um ataque aéreo durante a Segunda Guerra Mundial.

Depois do ataque, sobrou somente o hall de entrada e uma torre danificada, que foram mantidos para lembrar a destruição causada pela guerra (a prefeitura queria derrubá-la, mas a população, sob protesto, não permitiu).

20170520_114014

Em seu interior, existe um memorial da guerra. Além de fotos e maquetes mostrando como a igreja era e objetos da própria igreja, como a imagem de Cristo sem os braços (danificada por uma bomba).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entre 1957 e 1963, foi construída uma nova igreja ao lado da ruína. Ela foi construída em formato octogonal e com uma torre para o sino. Nós não entramos nela porque havia uma fila bem grande. Dizem que é muito bonita, com paredes feitas com vidro azul, a luz externa passa pelos vidros, dando um ar azulado lá dentro (tirei uma foto da internet).

Além da nova igreja, em seu entorno, tem alguns monumentos, uma fonte e esse espaço (fotos abaixo), que penso ser uma homenagem aos mortos neste bombardeio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Berliner Pilsen – Berliner Fernsehturm

berliner pilsnerO TBT de hoje é essa Berliner Pilsner (no rótulo, o urso – símbolo de Berlim) uma German Pilsner produzida por Berliner Kindl Schultheiss Brauerei. É uma cerveja típica alemã, porém, com aquele amargorzinho no final típica das cervejas com garrafa verde.

Nessa resenha, eu vim confirmar o que muitos dizem. Sim, a cerveja na Alemanha é servida em temperatura ambiente. Tudo bem que a temperatura por lá, na maioria das vezes é gelada, mas e o verão, que é bem quente?

Nós estivemos lá no meio de maio (transição do primavera para o verão), e já estava quentinho. E, mesmo as cervejas estando em geladeiras, elas permanecem em temperatura ambiente. Não é nem fresquinha, é como se tivesse tirado da prateleira do supermercado. Se você reparar bem, todas as cervejas que eu posto de lá, nenhuma está geladinha. Talvez porque, para eles, aquela temperatura ali de maio não era tão quente.

Nessa foto abaixo, a cerveja tinha acabado de ser entregue para a gente. É exatamente assim que eles bebem cerveja lá, a garrafa não tem nenhum suorzinho, aquele mesmo, que brilha nossos olhos por aqui.

Berliner Pilsner - Cervejeira uai
Berliner Pilsner com currywurst e batata frita

Quando o moço nos entregou essa cerveja, Thiago pegou na garrafa, olhou e pediu para que ele a trocasse. Ele pegou outra, também de dentro da geladeira, e entregou. É claro que ela estava exatamente do mesmo jeito da outra. E, é claro que o moço não entendeu nada.

Para se ter uma ideia da temperatura, a garrafa mais gelada que eu tomei é como se você colocasse uma longneck na geladeira comum e pegasse 15 minutos depois. Já as cervejas em barril (chope) são as que são servidas fresquinhas, um pouco mais geladinhas. Bem pouco!

Eles estão tão acostumados com essa temperatura da cerveja que pegam cerveja de engradado a venda e já saem tomando. Vi alguns guardando a cerveja na mochila, entrando no metro e, ao descer, abria a cerveja denovo e continuava bebendo. Temperatura ambiente não é o problema para eles.

Ao longo dos dias em que estávamos lá, fomos nos acostumando com essa temperatura. Mas, detalhe, todas que bebemos, inclusive as de 1 euro, eram de excelente qualidade. Relamente a temperatura era o que menos importava.

Voltando na foto

O local da foto é o Curry 61. Tem vários desses fast foods espalhados por Berlim que servem basicamente a mesma comida. Esse é um dos mais populares da cidade. A maioria, come-se em pé mesmo. Achei “interessante” foi a mesa/lixeira. Em cima você coloca a comida, come, e, logo embaixo, já é a lixeira. Já joga fora para o próximo. É como se você comesse em cima de uma lixeira de shopping..rs

A comida servida são as típicas alemãs, que foi a nossa primeira refeição ao chegar em Berlim. Não poderia ter sido outra. Comemos o tradicional Currywurst, que é basicamente salsicha com catchup (o deles é especial da casa) e curry com pimenta do reino. Um pouco picante, mesmo não gostando de nada picante, foi tranquilo de comer. E para acompanhar: Pomes Frites (batata frita). Que delícia! Großer appetit!

Ponto Turístico:

Torre de TV de Berlim

Depois de comer, fomos para um dos principais pontos turístico da cidade: a Berliner Fernsehturm ou Torre de TV de Berlim: a construção mais alta da Alemanha, localizada na Alexanderplatz, no centro da cidade. Ela é tão alta que dá para vê-la em diversos pontos de Berlim. Usávamos ela como referência para voltar para o hotel, pois nosso hotel era próximo.

 Para entrar, segurança total. Tivemos que passar por detectores de metal, abriram nossa mochila e só assim pudemos entrar. Melhor assim! 🙂

São 147 andares. O elevador vai da base ao topo em 40 segundos. Que loucura! De lá dá pra ver muito de Berlim, que é plana. Dá para avistar diversos pontos turísticos que são mapeados e apontados lá da torre. Além disso, tem o restaurante que fica em uma plataforma giratória, ele roda lentamente para que você possa avistar toda cidade.

Quando fomos, não tinha filas. Mas, dependendo da época, acho bom acessar o site antes e comprar o ingresso. São vários tipos de entrada, por isso, é bom ler com atenção o site deles.

Alguns pontos turísticos que ficam próximo à Torre:

Prefeitura de Berlim
Marienkirche – Igreja de Santa Maria
Fonte de Netuno com 10 metros de altura e 4 mulheres ao seu redor representando os rios da região.

#TBT: Bitburger – Museu Madame Tussauds (Berlim)

20170520_011040-e1512954984383.jpg

O #tbt de hoje é com essa tradicional cerveja da Alemanha, a Bitburger. Tomamos essa Premium Pils, uma german pilsner fabricada a partir de selecionadas cevadas de março e lúpulos igualmente selecionados.  Uma cerveja leve, fácil de tomar, em que o amargor equilibra muito bem com o malte, não tendo um que se destaca mais. Uma autentica cerveja alemã. Essa mata sede!

Álcool: 4,8%

bitburger-logo.jpgA Bitburger é uma grande cervejaria alemã, fundada em 1817, na cidade de Bitburg. É a terceira cerveja mais vendida no país. Em 2015, produziram cerca de 710 milhões de litros de cerveja e bebidas sem álcool.

Hoje, eles têm diversos estilos tradicionais na Alemanha como Pilsen, Bock, Radler, 0,0%, além de refrigerantes e cidra.

Curiosidade: A Bitburger, patrocinadora oficial da Seleção Alemã de Futebol

20170520_010647-e1512955567733.jpg


gambrinus.jpgNós bebemos essa em um restaurante chamado Gambrinus Deutsche Küche ( Gabrinus Culinária alemã). É um restaurante de comidas típicas alemãs. O local é bem aconchegante, meio escuro (como todos que fomos). Mas se preferir, tem mesas do lado de fora. Era um dos poucos que estavam abertos e que serviam comida naquele nosso horário de sempre: 22h – 23h.

Fomos atendidos parece que pelo dono, um homem asiático (rs), que ironia. Aí você pensa: um lugar cujo dono tem os olhos puxadinhos vai nos servir comida tradicional alemã?!

20170520_012138.jpgEscolhemos um prato de sopa de carne com legumes. Meu Deus, que delícia! Eu queria ter lambido o prato :), mas… E não dava pra pedir outro, estava mais do que satisfeita. Foi uma das melhores e mais diferente comida típica que comi por lá.

Dizem que os asiáticos compraram o restaurante de um alemão mas não mantiveram a qualidade. Mas, com eu não entendo de culinária alemã, para mim estava ótimo!

O lugar fica numa pracinha na Krausnickstr. 1, 10115, Mitte, Berlim. Recomendo demais.


O ponto turístico é o Museu de Cera Madame Tussauds. É um famoso museu que possui a maior coleção de figuras de cera de celebridades. A sede principal do museu está em Londres, mas também existem 13 filiais e uma delas está em Berlim.

anne frank
Anne Frank

angelina jolieNele, encontramos personalidades de diversas áreas como política, religião, esportes, música, personagens de filmes e as estrelas de Hollywood. Além da perfeição dos detalhes e rostos, o que me chamou a atenção foi o boneco de Hitler. Ele é o único que fica isolado, dá pra vê-lo apenas através de uma janela. É bem protegido com câmeras em volta pois é proibido tirar foto. Li que, na inauguração, ele era protegido apenas por uma corda. E, um dos primeiros visitantes, ao entrar, pulou na estátua e decapitou Hitler. Não em protesto, foi uma aposta que o homem fez com seus amigos, em um bar, na noite anterior. Depois disso, resolveram blindá-lo.

IMG_5017

E como estamos em Berlim, nada mais justo que encontrarmos com figuras de diversas personalidades alemãs: como a chanceler Angela Merkel,  o físico Albert Einstein, os compositores Bach e Beethoven (no local toca músicas deles), Anne Frank (sobrevivente do Holocaustro),  Karl Marx, jogadores de futebol da seleção. Além dessas personalidades, o muro de Berlim também está lá. Nele, você pode simular que está derrubando o muro. Ao entrar na cabine, começa um barulho de marreta, assim como o que os moradores de Berlim ouviram por muito tempo, durante a queda do muro.

É muito interessante ver essas personalidades e o quanto são parecidos. Quando fomos estava tendo um especial do filme Stars Wars. Divertimos bastante.

Mais fotos:

#TBT: Tyskie Gronie – Campo de Concentração de Sachsenhausen

O #tbt de hoje é com essa cerveja polonesa, a Tyskie Gronie. Sim!! Nem só de vodka vivem os poloneses. Para termos uma ideia, a Polônia é o terceiro maior produtor em hectolitros de cerveja da Europa, atrás apenas da Alemanha e do Reino Unido. Quanto ao consumo médio per capita, ela está na 18ª posição do ranking mundial.

20170518_181439

A Tyskie Gronie é uma Premium American Lager,  feita com água, malte, lúpulo e leveduras. É uma cerveja clara, bem gostosa e equilibrada, com um leve amargor no final. Teor alcoólico: 5.6%

Ela é produzida pela Tyskie Brewery, uma das mais antigas cervejarias polonesas. Fundada em 1629 pela família Promnice em Tychy, sul da Polônia. Hoje, é a maior cervejaria do país, e é 100% controlada pela gigante SAB Miller.


Essa, nós tomamos em uma lanchonete turca chamada Café Handana, que tem de tudo, desde café, cerveja até prato feito e pizza. Para comer, nós escolhemos um enorme e delicioso Dürüm Döner. Vem com salada e muita carne no recheio, tipo kebab. A carne é tirada daquele espeto grande, giratório, vertical, com um montão de carnes ‘amontoadas’ assando de fora para dentro.

O lugar é bem sossegado, com mesas na rua o no interior. E o lanche, que é feito na hora, saiu bem rápido.


IMG_4805E o ponto turístico deste #tbt é um tanto quanto pesado: o Campo de Concentração Sachsenhausen. Construído na cidade de Oranienburg, em Brandemburgo, a 35 km de Berlim. Você gosta de história como eu? Está preparado para o textão? Senta ai e vambora!

O campo entrou em operação em 1936, três anos depois da chegada de Hitler ao poder e funcionou até 1945 sob o regime nazista. Ele é um dos mais antigos campos de concentração da Alemanha nazista. O maior é o campo de Auschwitz, que fica na Polônia (estima-se que 1,6 milhão de pessoas morreram nele).

O campo de concentração de Sachsenhausen (lê saquisenrrauzen) era usado para confinar ou liquidar em massa opositores políticos, judeus, ciganos, homossexuais, testemunhas de Jeová, professores universitários (contra o nazismo) e, posteriormente, milhares de prisioneiros de guerra.

Todo mundo deveria um dia ter a oportunidade de ir em um campo de concentração. É um aprendizado para a vida, é muito mais do que aquilo que a gente estuda no colégio. Aprendemos onde o preconceito pode chegar. Enfim, é de arrepiar!

20170518_104810

Ele fica perto de Berlim, é bem acessível.

Pegamos um metrô e, uma hora depois, estávamos na cidade de Oranienburg, cidadezinha gostosa. De lá pegamos um ônibus que passa na porta da estação e deixa na porta do campo. O ônibus demorou para chegar, po20170518_115107r isso, é bom saber os horários de partida dele. E leva uns 10 minutos para chegar no campo. Ao chegar, vamos em uma casa onde paga pelo guia (baratinho), tinha o presencial e o áudio-guia. Optamos pelo último, que além de te deixar livre, tinha em português!!! Ufa! \0/

A entrada é gratuita.

Logo no início, tem uma maquete gigante mostrando todos os locais do campo.

Em seguida, fomos para a entrada do campo. O caminho é de arrepiar, pois o áudio vai falando que por ali passavam os caminhões com centenas de prisioneiros, alguns, ficavam pelo caminho. Ai, você já tenta imaginar o que passava na cabeça daquelas pessoas durante este trajeto. Que triste!

Antes de entrar na área do campo, eu comecei a me sentir mal, e olha que eu não sou desse tipo, que passa mal e nem tinha visto nada ainda. É uma sensação ruim, parece que todo aquele sentimento de sofrimento, mesmo depois de 70 anos, continua ali. A respiração começou a ficar curta, comecei a arrepiar, ter calafrios e ficar estranha. Sentei num banco que tem antes do portão e esperei aquele “trem” ruim passar.

Depois desse portão, tem um espaço grande com alguns monumentos em homenagens aos mortos que são cuidados pelos seus familiares e, durante esse percurso, o áudio-guia apresenta depoimentos de sobreviventes, cartas lidas de pessoas que morreram. Foi o passeio mais realista que já fui na vida. É de arrepiar. Como existem pessoas para fazer aquilo tudo?!  Pra que isso? Arrepio só de lembrar.

Além desse espaço, antes de entrar no campo, têm museus que contam a história do lugar e mostram a forma como viviam os prisioneiros. Pra mim, umas das piores sensações foi uma sala que tem a imagem de alguns prisioneiros, em um tecido transparente, que movimenta enquanto você passa, por causa do vento que você mesmo faz. Você anda entre eles e eles ficam olhando no seu olho. Fora os livros com fotos de algumas covardias que eram feitas e de alguns milhares de corpos. Não dá pra ficar olhando tudo. É muito pesado.

20170518_134307

Enfim, passamos pelo portão principal, com o escrito  “Arbeit Macht Frei” (o trabalho te fará livre).  Aí, nos deparamos com aquele gigantesco espaço de tortura. Era tudo muito bem montado, bem pensado, parece um fábrica de torturar e matar pessoas. Os muros tinha cercas elétricas com placas falando para não ultrapassar. O áudio conta que muitos, por não aguentar tanto sofrimento, acabavam se jogando contra as cercas elétricas e morrendo.

IMG_4807IMG_4813

Cerca de 200 mil pessoas passaram por ali e 100 mil morreram de fome, por doenças adquiridas, trabalhos forçados, resultados de experiências médicas ou executadas a tiros ou nas câmaras de gás. E não eram só homens, tinham milhares de mulheres e crianças. Todos que ali entravam, perdiam suas identidades, eram chamados por números e tinham que usar o famoso uniforme listrado.

Uniformes
Uniforme dos prisioneiros

A minha vontade é de contar sobre cada espaço que vi, cada sala que entrei. Mas, é muito grande mesmo.

Teve lugar que nem fomos, pois não aguentávamos mais andar e não tem nenhum lugar para sentar. Durante todo o percurso, cada lugar que entrávamos passava um filme na minha cabeça, como se eu estivesse vendo tudo aquilo acontecer, pois o áudio conta detalhes de cada local. E eu tentava reconstruir tudo na cabeça. Eu cheguei a ter a sensação de um guarda na torre me olhando. Credo!

Enfim, saí de lá cansada, arrasada, triste, não querendo nem olhar para trás. Sem vontade de fazer mais nada no dia. Mas, Berlim nos aguardava. De lá fomos visitar partes do muro de Berlim e o Memorial do Muro, que contei aqui: Muro de Berlim.

Fiquem aí com mais fotos, que acho que dá para ter uma ideia do quanto eu saí horrorizada deste lugar de atrocidades.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A propósito, o campo comandado pelos nazistas acabou quando os soviéticos invadiram a Alemanha, derrotando os nazistas.

Sem esperanças, os nazistas ordenaram a evacuação dos prisioneiros na famosa Marcha da Morte, onde os incapacitados de caminhar foram mortos a tiros.

O restante dos prisioneiros foram liberados pelos soviéticos e então, Sachsenhausen tornou-se prisão para os nazistas sob o comando dos soviéticos.

#TBT: Bayreuther Brauhaus – Coluna Vitória/Siegessäule (Berlim)

Bayreuther BrauhausBayreuther-Hell-05l

O #tbt de hoje é com a Hell – estilo Munich Helles da Bayreuther Brauhaus. Ela é uma cerveja mais leve, um pouco doce e com médio amargor. É uma cerveja deliciosa para se tomar no dia a dia.

O estilo Munich Helles ou apenas Helles foi criado em Munique, em 1895, na cervejaria Spaten, para competir com as cervejas estilo Pilsner que começou a dominar o território mundial. Ela é uma cerveja lager com bastante presença de malte, mas não é doce demais.

Bayreuther_Brauhaus_Logo

A Bayreuther Brauhaus é fabricada pela Bayreuther Bierbrauerei AG, uma cervejaria da cidade de Bayreuth, situada no norte do estado da Baviera, na Alemanha. Começou sua produção em 1857.

Desde aquela época, até os dias de hoje, suas cervejas são fabricadas de acordo com a Lei da Pureza da Baviera, com os quatro ingredientes permitidos: água, malte, lúpulo e fermento, criando cervejas saborosas e honestas.


FCMagnet

Essa, nós tomamos no FC Magnet Bar, em Berlim. É um bar bacana, com tema esportivo.

A parte de dentro não é muito confortável, pois as cadeiras são de plástico duro, parecendo de estádio e as mesas batem no joelho. Além do balcão, tem uma pequena arquibancada para as pessoas sentarem e interagirem, quando não tem jogo. Mas, quando tem jogo, fica lotada de gente sentada/em pé assistindo. Não se preocupam muito com mesa, já que lá não tem nada para comer. Em compensação há uma grande variedade de cervejas.

Eu iria comentar sobre a forma como eles lavam o copo, mas…deixa pra lá! 🙂

Abaixo, coloquei algumas fotos que vocês vão perceber como o lugar é bem escuro, assim como a maioria dos que fomos na Alemanha.

Sentar do lado de fora parece ser mais confortável.

Enfim, é um lugar com gente jovem, turmas que vão para beber e conversar. Lá transmite jogos das ligas e da seleção alemã. Em dias de jogos, eles viram todas as cadeiras para o telão, fica parecendo um mini estádio mesmo, além da arquibancada que já falei.

Este slideshow necessita de JavaScript.


O ponto turístico é a Coluna Vitória ou Siegessäule ou Obelisco da Vitória, localizada em Berlim, no meio do parque Tiergarten, numa rotatória que se chama Grosser Stern, que significa Estrela Grande, por ela dar acesso a cinco ruas.

20170520_171619

Ela foi concluída em 1873 para comemorar as vitórias militares do Reino da Prússia sobre o Império Austríaco, Reino da Dinamarca e França entre 1864 e 1871.

A coluna foi erguida no Reichstag e, em 1937, ela foi transportada para o seu local atual.

IMG_5328

Hoje ela tem 66,89 metros de altura. Em seu topo foi colocada uma estátua de Vitória, de bronze, com 5 metros e 35 toneladas, que simboliza a deusa da vitória militar. Em 2010 e 11, a estátua e outras partes da construção foram cobertas com folhas de ouro. 😊

Para aqueles que têm fôlego e não têm fobia, em seu interior, além de um museu com miniaturas de vários monumentos de outros países, há uma escadaria estreita de 285 degraus que leva ao seu topo. O ingresso é barato. Chegando lá, tem uma plataforma de observação que tem uma vista impressionante de Berlim, com muito verde (veja as fotos abaixo).

No dia em que estivemos lá, estava tendo uma corrida feminina da Avon.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Miniaturas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Stiftungsbräu – Berliner Dom (Berlim)

O #TBT desta semana é com essa Helles Vollbier – da Stiftungsbräu. Cerveja suave e refrescante, fabricada na Alemanha, com maltes e lúpulo de qualidade e, claro, de acordo com a Lei de Pureza da Baviera de 1516 (apenas água, malte, lúpulos e levedura). O sabor das cervejas alemãs são bem parecidas, o que muda é uma ser mais amarga que a outra no final.

Essa cerveja é fabricada há 32logo5 anos, na cidade Erding, localizada na Baviera, na Alemanha. Foi comprada pela cervejaria ERDINGER Weißbräu, em 1991, para garantir a arte centenária de fabricação de cerveja em Bierstadt Erding.

Essa nós tomamos em um pub/restaurante Käse König que achamos ao rodar por Mitte. Fica próximo à Torre de TV. O local é muito gostoso, e optamos por sentar no biergarten deles e tomar uma observando o movimento.

Falando nisso, lembrei que todos os biergartens que fomos, em Berlim, eram muito empoeirados (mesas, bancos…). Mas não parecia ser falta de limpeza, pois colocava meu celular em cima da mesa, não dava 10 minutos ele já estava coberto de poeira também. Não sei se estava tendo algo diferente por lá ou se era poluição mesmo, sei que durante nossa estadia por lá meu nariz ficava muito seco. 😦


O ponto turístico do #tbt é a maravilhosa catedral de Berlim: a Berliner Dom (Catedral de Berlim).

20170519_133351

O que mais chama atenção nela, além do tamanho (114 metros de comprimento e 116 metros de altura), são suas cúpulas coloridas verdes, deixando a paisagem ainda mais linda. Ela se localiza às margens do rio Spree, na Ilha dos Museus.

A Berliner Dom foi construída entre 1894 e 1905. Teve uma parte destruída na Segunda Guerra e foi reconstruída.

Dentro dela, é um espetáculo à parte. É maravilhosa com tudo muito decorado. Nela encontra-se o maior órgão de tubos da Alemanha, com mais de 7.200 tubos. Além disso, lá está mais de noventa tumbas e sarcófagos, incluindo as do rei Friedrich I e da rainha Sophie Charlotte, que são super trabalhadas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se você tiver fôlego, pode subir na cúpula da catedral. São 270 degraus. Mas, compensa! A vista lá de cima é linda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Brauhaus Südstern – Muro de Berlim

O #tbt de hoje foi no exagero alemão!

A cervejaria da vez é Brauhaus Südstern.

Fomos ao bar da cervejaria onde fica a fábrica para tomar direto da fonte. Ao pedir a cerveja, houve um mal-entendido. Eu pedi uma Weiss e Thiago uma Dunkel. Quando a gente olha para o lado, vem o garçom com uma jarra de 1,5L de cada!! E como lá só serve chope fresco, não filtrado, direto do tanque, não tinha como voltar atrás e bebemos como os alemães. As cervejas estavam ótimas, mas não deu para experimentar outras por motivos óbvios

O copo era tão pesado que eu precisei segurar com as duas mãos, e olha a força que eu faço. O aroma e sabor não precisa de comentários. Padrão alemão de qualidade.

O bar/fábrica da Brauhaus Südstern fica um pouco afastada do centro turístico, num bairro tranquilo. É uma cervejaria, biergarten e restaurante. O biergarten fica de frente para um parque do bairro. Mas, como estava frio este dia, optamos por ficar na parte de dentro.

bhs_innen

20170519_001758

Dentro é um lugar bem rústico, todo de tijolinho a mostra e mesas de madeira. Você se sente no interior, e é bem escuro. Precisei da luz do celular para olhar o cardápio. Falando em cardápio, para variar, chegamos tarde (22h!!) e a cozinha já estava fechada. Mas eu estava de boa, já que eu comi uma padaria inteira tomando 1,5L de cerveja de trigo.

Lá também tem uma pequena área com um chão de vidro, onde é possível observar os tanques de produção de cerveja no porão. Há visita guiada durante o dia.

Super recomendo sair um pouco da área turística para visitar um lugar frequentado pelos nativos. Pröst!


muro-de-berlim

O ponto turístico é o Muro de Berlim, que dispensa apresentações.  Mas não custa fazer um breve resumo: Construído pela Alemanha Oriental para separar a Berlim Ocidental, não comunista, da Berlim Oriental (consequentemente separar as Alemanhas), começou a ser construído em 13 de agosto de 1961, passou por modificações até os anos 1980, e foi derrubado em 1989.

Checkpoint Charlie
Homens vestidos de soldados, no posto, para tirar fotos

Em 1945, quando termina a Segunda Guerra Mundial, Berlim se divide entre domínio soviético do lado oriental e domínio americano, inglês e francês do lado ocidental. Com a divisão, decidem construir o muro, em 61.

Ainda existe uma réplica da cabine “Checkpoint Charlie”, no mesmo lugar da original. É um posto militar na fronteira entre Berlim Ocidental e Oriental, na época em que existia o muro e a cidade era dividida. As autoridades da Alemanha Ocidental construíram este posto para controlar a passagem de membros das Forças Aliadas e diplomatas estrangeiros entre a Alemanha Ocidental e a Alemanha Oriental.

Na mesma rua encontra-se o Checkpoint Charlie Museu, que exibe fotos e documentos sobre fugas e tentativas de fugas da época.

IMG_5017

Em novembro de 1989, alemães armados com pás, picaretas, marretas e até tratores  derrubavam aquela cortina de ferro. Alguns relatam que ouviram por muito tempo o barulho “tec-tec” das marretas batendo. Inclusive, no Museu Madame Tussauds, de Berlim (foto ao lado), tem uma parte que você pode simular que está derrubando o muro. E quando você entra na cabine, começa aquele mesmo barulho, que dizem ser o que ouviam durante a queda! Lá também tem o “boneco” de Hitler, blindado, e é proibido tirar foto dele.

833571_189790

Por onde passou o muro, ainda existem as marcas por todo o chão, seja nas calçadas ou asfalto.

Em alguns pontos da cidade ainda existem partes do muro. Alguns com algumas artes, outros com a cor original.

O trecho do muro de Berlim na Potsdamer Platz têm partes cobertas de chicletes, que são pregadas por quem passa por ali. Situação polêmica, pois alguns acham desrespeito com o patrimônio e outros acham que é uma forma de protesto contra o muro. Não deixam limpar para não danificar a pintura dele. Fotos abaixo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Onde fica o muro original com a maior extensão, também fica a Topografia do Terror, que é um museu (parte a céu aberto, parte fechado) que mostra os horrores praticados pelos nazistas. Através de fotos, jornais, documentos e áudios é contada a história desde a chegada ao poder pelos nazistas até sua queda. Inclusive como ficou a cidade depois.

A parte aberta foi feita no meio de ruínas demolidas após a guerra, para termos noção de como realmente ficou a cidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na verdade, eram dois muros, uma barreira de 150 quilômetros e outra com mais de 1.350 quilômetros, separando as duas Alemanhas. Tudo para impedir a circulação da população de um território ao outro. Entre as barreiras tinha outra grande estrutura, chamada de “Faixa da morte”. Nessa parte, havia torres de observação munidas de militares armados, soldados fazendo a segurança pelo chão, com ordem para atirar, cercas elétricas, explosivos, piso com espinhos, armadilhas anti-veículos e cães ferozes.

infografico_muro_berlim_tv
Infográfico: ocaisdamemoria.com

Números daqueles que tentaram passar para o lado capitalista: 5000 conseguiram passar / 136 morreram / 200 feridos / 300 presos

Para os mais curiosos, o Estadão fez um material muito bom e explicativo sobre o Muro:  http://infograficos.estadao.com.br/especiais/muro-de-berlim/

História e mais história! Como é bom aprender.

Curiosidade

Mesmo 30 anos depois da reunificação do país, o Leste e o Oeste não têm o mesmo padrão de desenvolvimento econômico e o mesmo nível de renda. Uma pesquisa feita pelo Instituto de Berlim para População e Desenvolvimento, em 2015, aponta que há diferenças nos salários, nas convicções religiosas, na estrutura (até no valor dos imóveis), no nível de educação e no comportamento da população.

O estilo de vida imposto pelo antigo regime comunista prejudicaram uma verdadeira integração do país. O leste continua ultrapassado. Segundo os autores do estudo,  ainda deverá levar mais uma geração para que a Alemanha possa crescer em conjunto.

muro ocupado

#TBT: Warsteiner – Portão de Brandenburgo (Berlim)

O #tbt de hoje é com essa cerveja tipicamente Alemã, a Pilsen da Warsteiner. Fabricada de acordo com a Lei da Pureza, à base de cevada, lúpulo, levedura e água. Uma cerveja refrescante,  com sabor equilibrado entre o doce do malte e o amargor do lúpulo. Com 4,8%  de teor alcoólico. É ótima!

     

A Warsteiner é uma cervejaria alemã, que existe desde 1753, na cidade de mesmo nome. Começou com uma simples fábrica local de cerveja artesanal, que se tornou uma das maiores fábricas de cerveja em propriedade privada da Alemanha.

E, para comer, pedimos Currywurst, um prato de fast-food alemão, vende em todas as esquinas. Ele consiste basicamente em salsicha de porco, temperada com ketchup e curry.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é 20170519_135844.jpg


♦ O  ponto turístico do #tbt de hoje é o Portão de Brandemburgo (Brandenburger Tor), em Berlim. Um dos cartões postais mais conhecido da Alemanha, que fica no cruzamento da avenida Unter den Linden e Ebertstraße. Construído entre 1788 e 1791, ordenado pelo rei da Prússia Friedrich Wilhelm II como um símbolo de paz. Era um de vários portões usados para entrar na cidade.

Em seu topo fica a quadriga, carruagem conduzida por quatro cavalos e originalmente guiada por Eirene – a  deusa da paz.

O portão “participou” de diversos momentos históricos do país, como a segunda guerra, a divisão de Berlim quando o muro foi construído.

Veículos e pedestres podiam atravessar o portão livremente até agosto de 1961, quando o muro de Berlim foi construído, e o acesso ao portão foi bloqueado. O muro passava em frente ao portão e somente os soldados da Alemanha Oriental que faziam a patrulha do muro podiam se aproximar do portão.  Em função disto o portão de Brandenburgo virou símbolo da divisão de Berlim e da Alemanha. Esta situação durou quase 30 anos e somente depois da queda do muro de Berlim em novembro de 1989 é que o portão foi reaberto, virando o símbolo da unificação alemã

Hoje, o portão é fechado para transito de carros,  além disso, ele é palco de grandes comemorações.

Quando fomos, ele estava cercado. Por isso, esse monte de gente na lateral. Vale a pena a visita nesse monumento gigantesco e histórico.

20170518_165501

#TBT: Hofbräuhaus – Berlim

Munchner hell

O #tbt de Berlim de hoje vai ser com essa delícia. E como não amar, tomando direto da fonte? Ela é a Hofbräu München Hell, que tomei na HB de Berlim. É uma cerveja super suave e refrescante. O que a diferencia das pilsners é que ela é mais maltada. O lúpulo aparece de maneira sutil trazendo um leve amargor, com o propósito de equilibrar o dulçor. Com a drinkability bem alta, dá pra tomar muitos desse humilde copo de 1 litro.

ABV: 5,1%

4C_NEGATIV

A Hofbräuhaus München foi fundada em 1589 pelo Duque William V da Baviera para evitar ter que comprar cerveja da baixa Saxônia, sendo de uso exclusivo do Duque. Apenas em 1828, a cervejaria foi aberta ao público. A marca registrada HB é a mais antiga marca de cerveja em Munique. Em 1879, o antigo diretor da cervejaria, Johann Nepomuk Staubwasser, registrou pela primeira vez a marca Hofbräuhaus.

O restaurante HB Berlim

Quando você entra no restaurante, sua “ficha cai” que você está na Alemanha. Lá os garçons estão vestidos com roupas típicas alemãs. Isso não é comum, viu. Lá as pessoas se vestem como em qualquer lugar,rs. Eles fazem você se sentir em uma festa do interior da Alemanha. Além de estarem a carater, os garçons são superatenciosos e alegres (não muito comum também), te dão dicas de cerveja e pratos se pedir.

Em falar em comida, comemos esse prato aí. Eu preferia nem descrever, basta olhar a foto para ver que delícia que era e bem farto pra dois. o Krosse Riesenhaxe: um típico joelho de porco com salada de repolho e molho picante, com  bolinhos de batatas. Essa batata é bem diferente, na textura e no sabor! Ô trem bom, sô!

20170517_210633

Além da Müchner Hell, bebemos a Dunkel e uma sazonal, que esqueci o nome. 😦

No dia que fomos, estava tendo músicas típicas com uma banda superanimada, que tocou até Michel Teló. “Nossa..nossa, assim você me mata”. E o mais engraçado eram eles cantando com sotaques. Alguns que estavam sentados, até arriscaram levantar e fazer uns passinhos. Bem animado!

20170517_203921

De tempos em tempos eles cantam a clássica música deles de brindar em que todos levantam e começam a cantar: “Ein Prosit, ein Prosit der gemütlichkeit!” (Um brinde, um brinde à alegria!). Aí começam a brindar batendo FORTE seus canecões nos canecões das pessoas próximas. É de arrepiar! Aí eu entendi porque esses canecões têm que ser grossos e resistentes..rs. Eles brindam com vontade, detalhe: olhando no olho!

Outra coisa que achei interessante por lá é o espaço em que eles guardam, com cadeados e numeração, algumas canecas (que eles chamam de Mass), como se fossem joias. Essas canecas são passadas de geração para geração, são heranças de famílias tradicionais da cidade, que somente quem pertence a essas famílias têm o direito de usarem. Quando eles vão lá, já têm a caneca separadinha. Ésó levar a chave, abrir e pegar a sua caneca. Bacana, né?!

20170517_204012

A decoração é totalmente alemã, claro! Com aqueles mesões de madeira compartilhados e tudo muito bonito e organizado usando as cores de Munique (azul e branco). 

Eu amei a experiência. Mais uma HB pra lista: Munique, Berlim e Belo Horizonte…


Além das cervejas, eu sempre trago um ponto turístico nos meus #TBTs. Como a HB é um ponto turístico em si, vou deixar aqui como ponto a Alexanderplatz, que fica ao lado da HB.

A praça é uma das mais conhecidas de Berlim e mega movimentada. Lá, você vê de tudo, adolescente conversando e bebendo, idosos passeando, turistas admirando a movimentação do local e artistas de rua.

Esse movimento todo se dá devido às diversas linha de metrô que passam por lá e às diversas lojas, conveniências, lanchonetes e shopping localizado ao redor.

#TBT: Beck’s – Piazzale Michelangelo (Florença)

becks

Não é uma cerveja italiana mas, como eu bebi ela lá, vou falar dela aqui.

Essa é uma excelente e bem feitinha tradicional cerveja alemã. Do estilo Premium American Lager, é uma cerveja leve, de sabor suave e refrescante. É um pouquinho amarga no final.  Essa dá pra beber aos montes.  Olha o teor alcoólico aí: 4.8% ABV .

Becks_Logo.jpgA Beck’s é uma cervejaria alemã, fundada em 27 de junho de 1873, na cidade de Bremen,  pelo mestre cervejeiro Heinrich Beck, o engenheiro Lüder Rutenberg e Thomas Bay. Com três ano de existência, fizeram uma grande inovação para a época, adotaram a garrafa verde, para que a luz não alterasse o sabor da cerveja. Antes, assim como as demais cervejarias, usavam garrafas de cor âmbar.

varias-becks.jpg

A chave que aparece nos rótulos da cerveja representa a “Key of Bremen”, ou seja, chave da cidade de Bremen.

Ela é vendida em mais de 90 países. Em 2002, foi vendida para o grupo belga Interbrew que por sua vez, em 2004, foi fundida com a AmBev para criar a InBev.

Hoje, a Beck’s é a quinta cerveja mais bebida da Alemanha e patrocina o clube de futebol alemão Sportverein Werder Bremen desde 1983.


IMG_2965O prato do dia é esse Spaghetti al Pomodoro que comemos em La Grotta di Leo Ristorante, um restaurante super aconchegante em Florença. Apesar do cardápio gigante, a gente precisava comer um macarrão da Itália, oras!  A birra (cerveja) servida lá era o chopp da Peroni, leve para encaram um pratinho de espaguete e depois andar quilômetros. Parece pouco mas o prato é bem fundinho.

 


20170528_183901

O ponto turístico deste #tbt é a Piazzale (Praça) Michelangelo, considerada a melhor vista panorâmica de Florença, ela fica bem no alto da cidade e, para chegar lá, só Deus sabe…rs

Alguns ônibus chegam lá. Mas, como somos aventureiros, fomos a pé. Não perdemos nada por isso, apesar de cansativo, pois é só morro, morro, morro, fora que estava quente demais, durante o caminho, foi possível ver várias paisagens lindas.

Antes de começar subir ladeira a cima, passamos pela Basilica di Santa Maria Novella. Uma Igreja linda feita de mármore verde e branco. Ela foi construída entre 1279 e 1357 e hoje tem a única fachada original entre todas as igrejas de Florença. Dizem que por dentro ela é linda. Mas não entramos, pois tinha muito chão para andarmos.

20170528_173201.jpg

c3a0b830f4b2ce7b1e936f0bc6f894b5

No caminho para a Praça Michelangelo, passamos pelo Giardino delle Rose (Jardim da Rosa), há cerca de 350 tipos de rosas e uma área verde muito bem conservada, onde muitas pessoas aproveitam para sentar, descansar, namorar, fazer piquenique etc.

Ao chegar na Praça Michelangelo, vimos aquela vista maravilhosa, que fez tudo valer a pena. Só as fotos vão poder descrever isso. A praça em si é sem graça. Tem a réplica em bronze do David de Michelangelo, algumas barracas de souvenir, bebidas e comidas e um restaurante. Mas a barraca destaque é a que tem jatinhos de água saindo…rs. Estava quente demais, Thiago parou por lá por alguns minutos.

Veja mais fotos desse passeio delícia!

Este slideshow necessita de JavaScript.