#TBT: Amber Lager Patagonia – La Bombonera (Buenos Aires)

tbt patagoniaO #tbt de hoje é com uma cerveja que tomei na casa do Boca Juniors, em Buenos Aires: a Patagônia Amber Lager, fácil de achar no Brasil, já que é da Ambev.

Seu sabor é equilibrado entre o malte e lúpulo. Os maltes tostados a deixam com um aroma sutil de caramelo. É uma cerveja bem leve de tomar, com um amargor bem suave no final. Mas, atenção, contém cereais não maltados (famigerados milhos).

Sobre a Patagônia eu já falei nesse post.


empanada

 

Prato do dia não poderia ser diferente. Uma empanada que comi no mesmo estádio. Legítima empanada argentina, deliciosa e bem recheada. Lá, o bar fica aberto para comer e beber cerveja sem frescura.

 


O ponto turístico é claro que é um dos principais e mais visitados de Buenos Aires a La Bombonera, estádio onde um dos principais times da Argentina, o Boca Junior, joga e onde a sua torcida faz seu espetáculo à parte.

20180413_121615

Por fora não dá para ter ideia do que é o estádio. Realmente, como o apelido carinhoso diz: é uma caixa de bombom a “La Bombonera”.

la bomboneraÉ claro que fui com meu manto lindo e sagrado do Cruzeiro!

O Estádio do Boca Juniors foi inaugurado em 1940, no bairro La Boca, daí vem o nome do time. Foi construído em uma área pequena, com isso, o projeto foi feito para que o estádio crescesse pra cima, com arquibancadas bem altas e íngremes, que fazem um D em volta do campo.

20180413_135829

Esse formato faz com que, em dias de jogos, o estádio vire um caldeirão. Jogadores que passam por lá dizem ser ensurdecedor. Não dá para ouvir nada a não ser a torcida deles, que viram a camisa 12, um jogador a mais. Por isso, é muito difícil ganhar do Boca lá. A capacidade é para 49.000 torcedores.

20180413_130448

20180413_130524

Durante a visita a gente tem acesso às arquibancadas que ficam embaixo, pertinho do campo. Creio que eu não ia querer ir nas de cima. Olha a altura!

cruzeiro

20180413_132535

O guia nos leva, também, onde fica a ‘geral’ e a famosa “La 12”, uma das mais temidas torcidas organizadas do mundo.

20180413_131618

Quando sai um gol, todos da torcida correm em direção ao campo, formando a famosa avalanche. Essa parte fica bem colada no gramado. Jogadores adversários devem sofrer nesse estádio.

20180413_131814

Enquanto caminhamos, o guia vai contado, com muito orgulho, a história do time e mostra o camarote do Maradona. Sim, ele é torcedor fanático do time e é proprietário vitalício de um camarote. Por isso, nem vem com essa história de Maradona x Pelé que lá não cola.

20180413_135702

Depois de visitar o campo e a arquibancada, a gente passa pelos vestiários.

A parte dos donos da casa é puro luxo. Grama sintética para aquecimento, salsa de massagem, Gatorade à vontade etc

20180413_134050boca juniors

Já o vestiário dos visitantes, não tem nada.

20180413_133040

E eles ainda são obrigados a passarem por um corredor cheio de frases de impacto, de jogadores como: Pelé, Zico, Romário, Messi e Iniesta.

20180413_132807

Detalhe que o vestiário fica exatamente em baixo daquela parte onde falei que fica a “geral”, que pula e grita o tempo todo. A acústica do estádio dobra o volume. Imagina o inferno. Eu nem entraria em campo. “Cagada”! Bem inteligente da parte deles colocar torcida mais barulhenta em cima da cabeça do time adversário. Já a torcida visitante fica lá no alto, bem distante do campo, para que suas vozes não cheguem lá embaixo. Eita, povo esperto!

Amo futebol, se deixar, falarei sobre esse passeio por horas.

20180413_134754

Depois desse tour, você pode se dirigir para a lanchonete do estádio.

20180413_140253

cerveza

Ou pode voltar para o Museu da Paixão Boquense, onde conta a vitoriosa história de mais de 100 anos do time, com destaque para seus títulos e principais jogadores, taças e exposição de peças e vestuários antigos.

Sem Título-2

O que mais gostei do museu foi a sala de cinema de 360 graus. Ele simula como se você fosse um jogador do Boca. A câmera faz você se sentir entrando em campo, aparecem vários fotógrafos, e te coloca dentro do campo. A torcida começa a cantar, na mesma altura de um dia de jogo. É ensurdecedor mesmo. Mostra a torcida enlouquecida, depois conta um pouco sobre o que é ser boquense ou xeneize (como se apelidaram). É de arrepiar e encher os olhos d’água vendo aquilo tudo. É muito bom!

Amei cada canto. Só pedem para ter cuidado no entorno do estádio, pois o bairro é de periferia. Então câmeras e celulares devem estar sempre guardados. Não vi nada diferente. Mas tomei cuidado!

20180413_135439Eles têm tanto orgulho de suas origens que tem uma maquete em miniatura do bairro.

Lá fora tem uma loja de souvenir do Boca e, na porta, têm estátuas do Maradona (já falei da ligação dele com o Boca) com Palermo (maior goleador da história xeneize com 235 gol. Aposentou em 2010).

20180413_145633

20180413_145728

Além de Tevez e Riquelme, que têm o Boca como time do coração e são ídolos por lá – o 1º ainda joga pelo Boca, o 2º aposentou em 2015 no Argentinos Jr., clube onde começou.  E tem a estátua do Messi (que não tem ligação nenhuma com o Boca. Mas é ídolo na Argentina.

estaruas jogadores

Experiência incrível do início ao fim. Goste ou não de futebol, conheça essa história e essa paixão dos hermanos. É muito interessante e apaixonante. Porém, eu continuo Cruzeiro. 🙂

#TBT: Otro Mundo Brewing – San Telmo (Buenos Aires)

outro mundo

O #tbt de hoje é com a Nut Brown Ale da Otro Mundo Brewing Company, uma cervejaria artesanal da Argentina.

É uma autentica Brown Ale, com aroma de chocolate amargo e tons de caramelo. Seu sabor é leve, adocicado. Sente a presença dos de maltes tostados e frutas secas, dai vem o “nut”. O final, tem um toque amadeirado e pouco amarga, o suficiente para deixá-la equilibrada. Achei uma cerveja artesanal boa.

outromundo logo

A Otro Mundo foi fundada em 2004. Hoje, sua produção está concentrada na província de Santa Fe, Argentina. Seu propósito é fabricar cervejas com as melhores matérias-primas e com os métodos mais cuidadosos e naturais, para proporcionar uma experiência única de cerveja. Um universo de bebidas complexas, cheias de aromas, cores e sabores.

O nome Otro Mundo tem a intenção de passar para os consumidores que existe outro mundo da cerveja, que a cerveja não é o que elas estão acostumadas a beber.

Hoje, eles fabricam diversos estilos: Golden Ale, Strong Red Ale, Nut Brown Ale e IPA.

CERVEZA OTROMUNDO


havanna

O prato do dia é um clássico argentino: o alfajor. Nada mais justo que comer o mais famoso, o que encontra em quase toda esquina de Buenos Aires: o Havanna.

Experimentei diversos sabores na cafeteria da própria Havanna, acompanhados de um bom café. A cafeteira, independentemente de onde esteja, está sempre lotada. Mas vale a pena esperar. É tudo muito gostoso. Apesar que comi alfajores melhores em Montevidéu.

cafe havanna


O ponto turístico de hoje é San Telmo, um dos bairros mais antigos de Buenos Aires, com ruas de pedras com ares de cidade do interior.

20180413_163022

Por ali a gente acha a famosa estátua da Mafalda, que está lá desde agosto de 2009. Ela foi feita em homenagem ao criador do quadrinho, Joaquín Salvador Lavado Tejón, o célebre Quino, que viveu no bairro por algum tempo. Em 2014, quando Mafalda completou 50 anos de existência, ela ganhou a companhia de dois de seus melhores amigos: Susanita e Manolito.

mafalda

Dependendo do dia, tem fila para tirar foto com ela. Quando fui, estava tranquilo.

No caminho, também tem a estátua de Isidoro Cañones, criado por Dante Quinterno em 1935. Típico representante do “playboy” portenho, esperto e picareta, mas também carismático.

san telmo

Além dessas e outras estátuas espalhadas, têm algumas cervejarias artesanais (que estavam fechadas quando fui), e se tiver com tempo, pare na praça, sente e esqueça que existe relógio.

20180413_163731

Se preferir, entre no Mercado Central que dá para comer algumas coisinhas e tomar umas cervejas fresquinhas. O lugar tem mais de 120 anos e vende de tudo.

mercado san telmo

Tem muita opção no bairro. Basta escolher o que mais lhe agrada e relaxe!

 

 

#TBT: Taberna Odin – Jardim Japones (Buenos Aires)

O #tbt de hoje, não vai ser de uma cerveja de Buenos Aires, mas de um lugar muito louco que conheci, que tinha cerveja especial do mundo inteiro: O Taberna Odin.

20180414_225111

Esse é o tipo de lugar que você sabe como chegar, mas não sabe como sair. Ou você lembra como chegou e não lembra como saiu. Nó!

É uma cervejaria artesanal em Palermo, Buenos Aires. É uma casa badalada, lotada, com rock no talo e pessoas tomando cerveja aos montes.

taberna odin

O lugar é bem escuro, percebe-se pelas fotos. Com decoração bem diferente, com caveiras, cabeça de touro, paredes descascadas… tudo bem bizarro, mas que faziam sentido.

A casa tem uma grande variedade de cervejas artesanais. São mais de 150 rótulos de cervejas importadas, em lata ou garrafa. Além das 13 biqueiras com chopes locais e importados como Warsteiner e Adnams.

taberna odin

Nós tomamos alguns chopes locais e algumas importadas.

cerveza importada

Além disso, a casa joga pesado na divulgação da Jagermeister. E tem outras bebidas como uísque, licores e destilados.

Jägermeister

Para comer, a variedade também é grande. Tem pizza, hambúrgueres, nachos, tira-gostos e batatas de todo jeito. Não comemos lá, pois eu estava super incomodada com os homens que dividiam a mesa com a gente. Fumavam um cigarro atrás do outro. E eu já tinha perdido meu olfato por causa deles.

20180415_001406

A casa é ótima. Voltaria lá fácil. A única coisa que me incomodou foi isso, poder fumar dentro da casa. Saímos defumados. E como a casa estava lotada, não dava para trocar de mesa.


O ponto turístico deste #tbt é o Jardim Japonês. Para mim, um dos lugares mais bonitos que fui em Buenos Aires.

jardin japones

20180414_101827

Que paz! Será que no Japão é assim?

20180414_103851

O Jardim Japonês foi construído, em 1967, com a ajuda da comunidade japonesa de Buenos Aires para a visita do príncipe Akihito e da princesa Michiko.

Localizado no bairro Palermo, o jardim contém um prédio no qual funcionam um centro de atividades culturais, um restaurante, um viveiro (onde é possível comprar bonsais) e uma tenda de artigos japonês variados.

20180414_112854

O espaço externo (que é a atração principal) é muito arborizado, tem muito verde, um lago com peixes grande e coloridos, que podem ser alimentados, além de espaço para meditação.

jardim japones

As pontes para atravessar o lago dão um charme à parte. E dali saem ótimas fotos. Tiramos umas 70…rs.

20180414_110019

É cada detalhe! Inclusive, pelo caminho, foram espalhadas caixas de som com músicas relaxantes. Tudo é lindo e muito bem cuidado.

20180414_100307

O parque é perfeito para quem quer fazer um passeio, admirando a paisagem e descansando do agito da cidade. Passamos uma manhã de paz!

20180414_101644

20180414_102949

20180414_102113

 

Ovelha Negra: Primeiro brewpub em São João del-Rei

Hoje, o Onde Beber Artesanal volta para o interior de Minas para dar uma dica muito legal.

são joão del rei

A dica é o primeiro e único brewpub de São João del-Rei: o brewpub da Cervejaria Ovelha Negra.

cervejaria ovelha negra

A Ovelha Negra é uma micro-cervejaria artesanal com uma produção máxima de 300 litros mensal. Comandada por três mulheres, que se juntaram para fazer o diferente, “descomplicado e fora dos padrões”, como elas mesmas dizem.

O local: O espaço é pequeno, porém aconchegante.  A dica, então, é chegar cedo, pois são poucas mesas espalhadas pelo salão, além das banquetas para sentar no balcão.

20190919_221438

20190919_220717

A decoração é 100% cervejeira e roqueira, com quadros e porta-copos espalhados pelas paredes. Um destaque para a parede de trás do balcão, linda, com muitos lúpulos. Já a parte do rock, fica no corredor que leva aos banheiros. Com desenho de vinis clássicos.

cervejas internacionais

20190920_000426

Como deve ser um brewpub, ali fica a fábrica da cervejaria, com paredes de vidro para podermos ver a fábrica. Como fui à noite, não estava funcionando. Achei bacana esse modo de expor a fábrica.

O cantor fica posicionado em frente à fábrica. Ótimo fundo, não é mesmo?

20190919_220647

20190919_221421

Para beber: o brewpub serve chopes artesanais próprios através de quatro biqueiras. Quando estive por lá, estavam plugados: Pilsen, Witbier, Stout e IPA. Como são produzidos mensalmente, pode ser que mudem as opções de acordo com a disponibilidade da fábrica.

20190920_000955

ovelha negra cervejaria

Além dos chopes próprios, a casa conta com um grande acervo de cervejas artesanais em garrafa. São rótulos nacionais e internacionais. Me surpreendeu, já que é difícil achar tantas opções assim em cidades do interior. Brilharam! Para quem não é da cerveja, tem outras bebidas alcoólicas também.

20190919_221100.jpg

Para comer: Têm opções para muitos gostos. O cardápio conta com hambúrgueres, tira-gostos (mineiro e alemão), porção de carne e sobremesa. Nós fomos de petiscos. Pedimos linguiça mineira com molho da casa e batatas rústicas com ervas.

20190919_230532

20190919_224710.jpg

Adorei conhecer a casa, que fica no coração de São João del-Rei, de muito fácil acesso.

Voltarei com certeza!

Ovelha Negra Cervejaria
Rua Getúlio Vargas, 145 – Centro
São João del-Rei – MG
Instagram: @ovelhanegracervejaria

#TBT: Cerveza Imperial – Puente de la Mujer

cerveza imperial

O #tbt é mais uma tradicional em Buenos Aires, a Lager da Cerveza Imperial. É uma cerveja leve. Não tem nada que se destaca em seu aroma e nem eu seu sabor. E, como manda o estilo, é pouco encorpa.

Apesar de ela não ser artesanal, achei ela boa de tomar. Não é “complexo de vira-lata”, mas ela é melhor que as nossas de milho. Não tem aquele gosto ruim, enjoativo.

Prova que ela é levinha é seu IBU que é 15. Já seu teor alcoólico é 5,5% .

cerveza imperial

A Cerveza Imperial é uma cerveja com raiz argentina, fabricada na cidade de Santa Fe, e em Luján , província de Buenos Aires, pela Cervecería Santa Fe, cuja proprietária é a Compañía de Cervecerías Unidos (CCU) Argentina.

A Cerveza Imperial surgiu em 1953, quando a Quilmes criou a Imperial Quilmes, superior à Cristal.

Com a venda da Quilmes para a Ambev, uma das exigências do Estado para aceitar a venda era que a multinacional separasse algumas marcas, incluindo a Imperial.

Em 2007, ela foi comprada pela CCU Argentina, a empresa que produz a cerveja Imperial hoje em dia. No momento, são feitos seis estilos: Weissbier, Cream Stout, Amber Lager, APA, IPA e a Lager.

Cerveza Imperial

Mais detalhes: www.cervezaimperial.com.ar


20180411_144056.jpg

O prato de hoje, foi meu primeiro almoço em Buenos Aires. Como estávamos na correria de uma capital, resolvemos entrar em uma galeria para ver se tinha algo para comer. Nos deparemos com a Deliceto, que é uma espécie de lanchonete/restaurante fast food.

O lugar não é bom para quem come com os olhos, rs. Eles deixam tudo que têm disponível à mostra, os pratos prontos, tortas, bolos, salgados. Você escolhe o que quer, aí se for quente, só esquentam. Se não, só entregam. E ó esquema é, pagou, pagou, vazou!

Escolhi essa massa que estava muito gostosa. Amo qualquer coisa que tem creme branco, queria outro, mas tinha pressa! Era molho branco com presunto e champion. Ah, e o preço é muito bom!

deliceto


O ponto turístico é mais um clássico de Buenos Aires: a Puente de la Mujer, onde tomei a Imperial.

20180410_183810

É uma ponte de pedestre giratória com um dos mecanismos de giro maiores do mundo. Ela abre para a passagem das embarcações à vela que navegam pelos diques do Puerto Madero.

20180410_183830

A obra foi feita na Espanha, doada à cidade e inaugurada em 2001.  Seu design moderno foi inspirado na imagem de um casal dançando tango. O mastro representa o homem e a silhueta curva simboliza a mulher.

A ponte fica em Puerto Madero, um dos bairros mais chique de Buenos Aires.

20180410_213706

Uma curiosidade do bairro é que ele homenageia as mulheres, dando nome de mulheres a diversas ruas e avenidas importantes. E a ponte é o desfecho dessa homenagem: Ponte da Mulher.

A qualquer hora ela é linda para ficar admirando. Por isso, recomendo ir de tardinha. Você consegue vê-la, imponente, dividindo o lado moderno e o tradicional do bairro. E, à noite, ela fica iluminada. Lindona também!

20180410_215941

Falei um pouco sobre o bairro aqui: Puerto Madero

#TBT: On Tap Craft Beer – Escuela Presidente Roca (Buenas Aires)

No #tbt de hoje eu não vou falar de uma cerveja mas de uma cervejaria em Buenos Aires muito descolada e com chope artesanal para mais de metro!

on tap 1

É a On Tap Craft Beer, uma cervejaria que oferece 20 rótulos de cervejas artesanais a maioria da argentina e uma ou outra de fora. A On Tap tem dez, eu disse 10, unidades espalhadas por Buenos Aires. É coisa demais. Eu fui na de Palermo.

on tap craft beer

O local é pequeno, tem mesas dentro, cadeiras no balcão e mesas do lado de fora. Além de um mesão central compartilhada, onde tem um telão com futebol passando.

O público é bem jovem e animado. E, como na maioria dos pubs de Buenos Aires, eles têm o esquema de Happy Hour. Em um intervalo de tempo, os chopes ficam mais baratos. Assim, a casa fica lotada!

on tap buneos aires

O esquema lá é pagou, pegou a ficha e retirou no balcão. Talvez para não perderem o controle já que a casa fica cheia e muita gente em pé do lado de dentro e de fora.

Quando chegamos não tinha mais mesa, sentamos no balcão mesmo, por isso é bom chegar cedo.

on tap 3

Com esse tanto de torneira, ficamos perdidos sem saber qual pedir. Todos têm o mesmo valor, só varia se é uma pint (pinta como eles dizem) ou meia pint. Experimentamos diversos chopes. Eu dou um destaque para a Red Daniel’s, da cervejaria Duke, uma Irish Red Ale feita com Jack Daniel’s. Uma delícia superalcoólica. Gostosa demais! Eu não sou fã de whisky, mas o aroma e o gostinho amadeirado desse chope me conquistou. Queria trazer, mas só tinha on tap. Ah, lá tem drinks também, mas não experimentei nenhum.

cervezas

Para comer, nós pedimos frango frito com molho de cerveja e de ervas. Estava gostoso, mas, uma coisa que me incomodou em Buenos Aires é a falta de sal na comida. Tive que tacar sal no frango, porque nem o molho o salgava. Fora isso, estava bom. Além de petiscos, eles servem hambúrgueres com batata frita.

on tap 2

Se tiver indo para Buenos Aires, essa casa é uma parada obrigatória. Coloca aí no roteiro e conheça mais das cervejas locais!

Para saber mais: http://www.ontap.com.ar


O Ponto Turístico que escolhi é só uma passada para tirar foto mesmo.

escuela presidente roca2

Quem passa em frente, nem imagina que ali seja uma escola. Mas é sim, nesse templo grego habita uma escola pública primária. A Escuela Presidente Roca foi inaugurada em 1903, como parte de uma ação estatal contra o analfabetismo.

escuela presidente roca

Ela fica ao lado do Teatro Colón. Então é quase uma passagem obrigatória. Vale a pena parar para tirar uma foto.

E os uniformes “a la Chiquititas” que por ali transitam? 🙂

chiquititas

#TBT: Bis Bier – Ruínas de Colonia del Sacramento

bis bier

A cerveja do #tbt de hoje é uma cerveja que ganhei do pessoal da Bis Bier quando estive no Uruguai.

Essa é a Blonde Ale deles, muito bem-feita, certinha e gostosa. Tem aroma de malte suave e notas frutadas. No sabor, também sente o maltado, frutado, mais adocicadinha. Tem um leve amargor que equilibra o doce do malte. É uma cerveja bem refrescante, levinha, fácil de tomar.

Sobre a cervejaria eu já falei aqui. Bis Bier


O prato de hoje é muito típico uruguaio: o Chivito. Ele pode ser comido como lanche, feito com pão, ou no almoço assim, como comemos.

20180409_164128

Pedimos com salada. Veio maionese, salada, batata frita e o chivito, que é carne, coberta com presunto, mussarela e ovo.

De entrada, como de costume no Uruguai, nos levaram uma cestinha com mini pães com um molho. É muito gostoso. Dá vontade de comer tudo, mas tem que guardar o estômago para o almoço.

20180409_163138

Tudo muito bom.

Comemos isso no Restaurant Don Pedro, que fica no centro histórico de Colonia. Um lugar muito gostoso!

20180409_162958

20180409_163359


O ponto turístico são as ruínas de Colonia del Sacramento. Ficam bem no Centro Histórico.

20180409_162033

Uma parte das ruínas é onde fica do Convento de S. Francisco Xavier e Farol.

O convento franciscano foi construído entre 1683 e 1704, dedicado a S. Francisco Xavier. Sofreu um incêndio no final do século XVIII, quando foi parcialmente destruído. Eles mantêm ainda parte dessas ruínas.

20180409_162031

Em 1857, foi levantado nessas ruínas um farol que ainda funciona. Subimos lá no topo dele. Do alto, a vista é linda! Dá para ver boa parte da cidade e do Rio da Prata. E quanta árvore, hein? Que beleza de cidade. Falei sobre ela no post passado. Dê uma olhadinha aqui.

20180409_162128

A outra parte das ruínas é conhecida como Fortificações de Colônia.

No século XVIII, os portugueses cercaram a cidade com uma muralha. A fortaleza tinha uma única entrada, o portão de armas, decorado com o brasão português. A muralha foi demolida em meados do século seguinte.

20180409_153331

20180409_153813

20180409_154122

Manter essas ruínas, dá um charme a mais à cidade. Deixa ela com mais cara de cidade histórica.

#TBT: Zillertal- Chivito – Rio de la Plata (Montevidéu)

 

lembra-stella.jpg

No #tbt de hoje não vou falar de uma artesanal, mas, quem vai ou foi em Montevidéu com certeza tomou ou vai tomar dessa.

A Zillertal pode ser encontrada em todos os bares, restaurantes, venda e supermercados em Montevidéu. Pra mim, ela é a Stella Artois do Uruguai. O sabor e aroma são bem parecidos. No aroma, destaca-se o lúpulo mas também percebe-se aroma de malte e o metálico. No sabor, destaca o amargor do lúpulo que persiste. É uma cerveja gostosa de tomar, leve e refrescante.

Ela é uma Premium American Lager, com 5,5% de teor alcoólico. Acha ela de 330ml e 970ml. Das populares de lá, é a melhorzinha. Já falei da Patrícia aqui.

zillertalA Zillertal foi lançada em dezembro de 1990. Seu nome faz referência ao vale do rio Ziller em Tirol, na Áustria. Seus ingredientes incluem malte de cevada, adjuntos, lúpulo e aditivos químicos. 😦

Ela é fabricada pela FNC (Fábricas Nacionales de Cerveza S.A), a maior fabricante de bebidas do Uruguai que, desde 2007, faz parte da gigante AB-Inbev.

fnc

Sua história começa em 1886, quando Conrado Niding inaugurou sucessivamente as cervejarias La Popular, A Vapor e La Montevideana. Durante as décadas seguintes, uma sucessão de vendas, compras e fusões foram dando volume ao negócio. Mas só em 1932, numa reação contra a crise mundial iniciada em 1929, é que a empresa ganhou o atual nome através da unificação de várias operações.


20180404_170357.jpg

Para manter a linha do popular, o prato típico deste TBT é um dos mais populares do Uruguai: o Chivito

O Chivito é um sanduíche à base de filé de carne macio feito na chapa. Normalmente, é servido em tamanho gigante e vem acompanhado de presunto (jamón), mussarela, bacon (pancetta), alface (lechuga), fatias de tomate e ovo cozido com maionese, além de uma porção de batatas fritas ou salada de batatas (ensalada rusa). Porém, há variações. Cada restaurante tem seu tipo especial de Chivito.

Não é nada diet, mas eu não estava pensando nisso. É gostoso demais. Depois que comi, não conseguia nem andar…rs

Comemos o chivito em um local bem famoso em Montevidéu, a Chiviteria Marcos, que tem diversas opções de chivito e outras cositas mas.

Não lembro qual eu pedi, mas pela foto e pela minha cara de felicidade era o melhor! 🙂


O ponto turístico do TBT também é algo bem popular no Uruguai o Rio da Prata (Rio de la Plata). Criado pelo desague das águas dos rios Paraná e Uruguai e do oceano, formando sobre a costa atlântica da América do Sul uma muesca triangular de 290 quilômetros de largura.

20180404_143716

Em Montevidéu, ele é bem grande, parece até praia. Sua orla, lá chamada de Rambla, fica lotada no final da tarde e finais de semana. Famílias, casais, turma de amigos vão para as Ramblas, que tem visto para o Rio para distrair, divertir, conversar, alguns velejam, pesacam e, quando tem sol, até pegam uma prainha (eles chamam o rio de praia). Sempre com o inseparável mate debaixo do braço. Já falei um pouco sobre isso aqui, no post sobre o Letreiro Montevideo.

O rio está em quase toda parte de Montevidéu, é muito bonito! Navegamos por ele quando fomos de Colonia del Sacramento (Uruguai) para Buenos Aires (Argentina). Aliás, ele separa os dois países.

Até o próximo tbt de Montevidéu!

#TBT: Schöfferhofer – Fortaleza General Artigas (Montevidéu)

20180409_000940.jpg

A cerveja do #tbt de hoje é essa clássica alemã que tomei em um pub em Montevideu.

É a Heffeweizen sem filtrar da Schöfferhofer.   Uma típica cerveja de trigo, equilibrada e refrescante. De coloração alaranjada, aparência turva e espuma de boa formação.

Tem aromas e sabores característicos de uma Weizen: frutado, banana, cravo e um leve cítrico.

A cerveja Schöfferhofer é uma das principais cervejas na Alemanha. A origem do seu nome se deve a uma homenagem ao alemão Peter Schöffer que junto com Johannes Gutenberg foi o inventor da moderna tipografia. Sobre ela, já falei em um TBT de Berlim. Sobre a Schöfferhofer


O Ponto Turístico é a Fortaleza General Artigas, popularmente conhecida como Fortaleza del Cerro ou Fuerte del Cerro, localizado em Montevidéu, no Uruguai.

20180407_125715

Em posição dominante sobre o monte mais elevado da região, a 132 metros acima do nível do mar, tinha como função defender a população e o porto de Montevidéu. É a última fortificação espanhola construída no Uruguai.

20180407_140339

20180407_130334

Ela foi construída de 1809 a 1811. Em Em 1882, a fortificação passou a ser chamada de Fortaleza General Artigas, em homenagem a José Gervasio Artigas (1764-1850), herói da independência do país.

Atualmente abriga um museu de armamentos (Museo Militar Fortaleza General Artigas) e uma exposição sobre a história militar do Uruguai.

Durante o passeio pelos quartos do Forte, tem muitas imagens e textos que contam um pouco da história do Uruguai, da conquista do Rio da Prata e do General Artigas. Além disso, tem espaços com exibição de armas antigas e uniformes de guerra. É bem legal para quem gosta de história. O Brasil aparece em diversas momentos da história do Uruguai.

Do lado de fora, como está no ponto mais alto da cidade, tem-se uma vista panorâmica de toda a cidade. Bem legal.

20180407_134316

E um pouco mais embaixo tem mais um daqueles letreiros M O N T E V I D E O, onde você consegue tirar ótimas fotos.

20180407_141027

Até o próximo passeio!

#TBT: Cervecería Schneider – Fonte dos Cadeados (Montevidéu)

No #tbt de hoje, trago uma cerschneiderveja com nome alemão, nascida na argentina, que eu tomei no Uruguai. Am? É isso mesmo. Pena que não é artesanal, mas já que bebi, vou falar dela aqui.

Essa é a Lager da Cervecería Schneider. Uma cerveja clara e refrescante. Seu sabor é comum, sem muito destaque, assim como o aroma. Ela está um pouquinho acima das industrializadas brasileiras. Bem levinha como uma American Standard Lager deve ser. Seus ingredientes: água, malte de cevada, lúpulo e cereais não-maltados.
———————————————————————————————
Cerveza-Schneider-logotipoA cervejaria foi criada por Don Otto Schneider, um mestre cervejeiro alemão, de família tradicional cervejeira, que se mudou para Santa Fé, na Argentina, em 1906, e passou a trabalhar no ramo cervejeiro. Anos depois, em 1932, Otto fundou sua própria empresa, a Schneider Brewery, e criou a receita da “Cerveja Schneider”.

A marca hoje disputa a terceira posição do mercado argentino de cervejas, no qual concorrem cerca de 17 marcas reconhecidas.

A Schneider produz dois estilos apenas: a lager e a stout.

373522
A Schneider Weisse, da Alemanha, tem alguma ligação com essa. Mas não consegui entender direito. Talvez sejam aqueles parentescos distantes.
shc————————————-
fonte dos cadeadosO ponto turístico é a Fonte dos Cadeados, ou Fuente de los Candados, em Montevidéu.

Contam que ela foi uma simples fonte que o dono de um restaurante mandou construir em frente ao seu estabelecimento para a decoração do local e, por uma questão de segurança, colocou uma grade de proteção em volta. Com o passar do tempo, as pessoas que passavam por ali começaram a colocar cadeados nela, lembrando vários pontos turístico do mundo. Até que chegou na imagem que temos hoje: um amontoado de cadeados, que deu um “tchan” para a fonte e a tornou uma atração turística da cidade.

Apesar dela ficar na principal avenida do centro de Montevidéu (av. 18 de julho), dá pra gente tirar algumas fotos. Passa gente o tempo todo, pessoas que estão trabalhando, não turistas. Sorte a sua se conseguir tirar uma foto sem um “trança-trança” atrás.

Na placa da fonte tem os seguintes dizeres: “A lenda desta jovem fonte diz que se você colocar um cadeado com as iniciais de duas pessoas que se amam elas aqui voltarão e seu amor viverá para sempre”.

20180405_130023.jpg

Antes que me perguntem… não, eu e Thiago não colocamos cadeados na fonte. Não somos nada supersticiosos, pelo contrário, a gente acha que algumas coisas podem até acontecer ao contrário (rs). O que a gente fez foi beber cerveja em frente a fonte. Vai que acontece algo mais legal ainda.. 🙂

20180405_130324
É tanto cadeado que nem sei se cabe mais, mas, se você acredita nessas coisas, e está passando por lá, vale a pena parar para algumas fotos e colocar seu cadeado, ou não.

Foi o que a gente fez, parou, tirou foto e bora andar!

Saúde!

schneider cerveza