Dicas de cervejas para beber na Primavera

A primavera esta aí e, com ela, chegaram os dias mais longos e coloridos. Não sei vocês, mas esse clima me deixa mais animada e com uma vontade danada de abrir aquela cerveja no fim do dia.

Para facilitar sua vida, trouxe aqui OITO dicas de cervejas mineiras que combinam com essa estação deliciosa!

Anota ai:
–  Abaporu – Cervejaria Verace – Estilo Catharina Sour: leve, refrescante, ácida e leva frutas.
– Lemon – Slod – Estilo American Wheat: Refrescante, cítrica e aromática.
– Áustria Hefe Weizen – Krugbier – Estilo Weiss (Cerveja de Trigo): refrescante, pouco amarga, com aroma remetendo ao cravo e banana.
–  Sapiens – Rupbeer – Estilo American Pale Ale (APA): equilibrada e com médio amargor.
– Session Citra – Wäls – Estilo Session IPA: leve, porém com a presença do lúpulo trazendo notas cítricas marcantes.
– Rancor – Krugbier – Estilo India Pale Ale (IPA): Aromática, refrescante, lupulada e amarga.
– Newbie – Prussia Bier – Estilo New England IPA: superaromática, frutada e alcoólica.
– Monasterium – Falke Bier – Estilo Tripel: intensa, encorpada, frutada e alcoólica.

Mas, como sei que a maioria dessas cervejas não se acha em todo o Brasil, convidei a sommelière, Carol Jandoso*, para dar umas dicas gerais de cervejas ideais para se tomar na primavera!

Confira!

carol

As estações do ano influenciam muito nos nossos hábitos. Aquela sopinha de legumes do inverno já não parece tão apropriada para os dias ensolarados como os que estamos vivendo e aquela Imperial Stout deliciosa, com a chegada da primavera, está dando espaço para cervejas mais leves e refrescantes.

Essa sazonalidade não é de hoje. Os Bávaros têm orgulho de dizer que a cerveja é item indispensável em sua alimentação diária e que a única coisa que muda com o tempo é o tipo de cerveja escolhida, dependendo da estação, claro. No verão, as Weizenbier estão por todas as partes, espalhando seus aromas frescos de banana e cravo e refrescando o paladar com sua efervecência. O outono traz cervejas um pouco mais escuras e levemente mais potentes. Com a diminuição das temperaturas há um aumento no teor alcoólico, no início do inverno, os Bávaros escolhem Bocks para a ceia de Natal e nos dias mais frios embalam as noites com densas Doppelbocks. Agora, na primavera, é época das cervejas de outubro, as Oktoberfest.

A primavera chega renovando as coisas e trazendo com ela as Maibocks, uma bock clara, cerveja um pouco mais sequinha que as bocks escuras e que podem apresentar um perfil de lúpulo floral delicado e sútil.

Como pensar em primavera sem lembrar de flores e frutas aromáticas? É quase uma sinestesia, um cheiro colorido.

Historicamente os cervejeiros foram adaptando suas levas para oferecer o produto sensorialmente mais adequado para as condições climáticas, e por sua vez as condições climáticas influenciavam nas características sensoriais do produto. Temos como exemplo disso as Lambics que tradicionalmente são produzidas durante o inverno para consumo na primavera e no verão. As temperaturas amenas no início do inverno permitem a fermentação espontânea mais controlada, gerando uma cerveja mais agradável. Se o Master Blender for bom, o cervejeiro responsável pelas combinações de diferentes levas de Lambic para atingir a combinação perfeita, teremos uma cerveja refrescante e muito propícia para os dias mais quentes da primavera.

Agora vamos ao que interessa! Depois de todo esse papo de história da cerveja já estou com sede!

É com a acidez das Lambics que gostaria de começar as minhas indicações. Uma Fruit Lambic, como uma Kriek (cerejas), por exemplo, é uma ótima acompanhante para degustar com um chocolate branco, limpando o paladar e complementando o chocolate, dando a sensação de uma trufa de frutas vermelhas.

Ainda na temática “azedinhas” temos o primeiro estilo brasileiro, as Catharinas Sour, que são cervejas ácidas que levam frutas aqui das terrinhas tupiniquins. Uma boa cerveja desse estilo é capaz de acompanhar um queijo brie, neutralizando um pouco a gordura e a fruta escolhida funcionará como uma geleia, tipicamente servida junto ao queijo.

Mas nem só de acidez se vive uma primavera. Se você não abre mão de um IPA pode se aventurar tanto no mundo das Session IPAs, versões mais contidas de seu estilo original, quanto pode enveredar nos caminhos das ultra-aromáticas New Englands. Nessa categoria, encontramos cervejas tão cheirosas que muitas vezes, de olhos fechados, fica complicado identificar se é um suco de frutas tropicais ou uma cerveja. Aqui, só devemos tomar cuidado com o teor alcoólico, às vezes, uma cerveja muito potente, pode ser difícil de degustar nos dias mais quentes.

Pra finalizar, gostaria de dizer para que deixe sua imaginação fluir e seja levado pelos mais diversos estilos e sensações, faça suas apostas e avaliações. Para isso, vou deixar mais algumas dicas:

– Se está buscando acidez e refrescância, fora as Lambics e as Catharinas, aposte por exemplo em uma Gose, salgadinha e azedinha.

– Se as notas cítricas e resinosas te agradam mais, aposte em Session IPAs, Americans IPAs, White IPAs, NEs, APAs.

– Se você for um fã incondicional da escola Belga, pode escolher passar um momento ao lado de uma boa Saison, Blonde Ale ou Belgian Pale Ale, com suas inconfundíveis notas de condimentos e frutas.

– A Escola Alemã também é uma ótima opção quando estamos falando de cervejas leves. Estilos como Kölsch, German Pils, Bohemian Pilsner e Münich Helles são boas opções para a nossa primavera.

– Se você é um amante das cervejas de trigo, pode continuar degustando da sua Weiss em seu copão e, se quiser variar, pode apostar em uma Witbier ou American Wheat Beer e adicionar citricidade e um pouquinho mais de refrescância.

É isso! Lembre-se de se permitir testar e escolher seus estilos prediletos e não deixe de me contar como foi a experiência!

* Carol, além de Sommelière, é Bióloga e Mestre em Estilos. Nascida em Piracicaba, já trabalhou com produção de cervejas, treinou equipes de diversos bares e restaurantes, promoveu cursos e degustações guiadas e viajou por mais de 20 países, sempre buscando novas experiências e sabores que a fermentação pode oferecer. Veio para BH recentemente em busca de conhecer a cena cervejeira do que chamam de “a Bélgica brasileira”. Confira seu insta: @carolsommelier!

Espero que tenham gostado e aprendido um pouco mais sobre este vasto mundo das cervejas artesanais. 

Você sabe o que é cervejaria cigana?

Antes de começar a falar sobre o que é uma cervejaria cigana é preciso saber que para comercializar uma cerveja artesanal é preciso que a fábrica onde é produzida a cerveja seja registrada no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Só depois do cadastro, da inspeção e da aprovação do MAPA, que a fábrica obtém o registro e a cervejaria pode começar a vender suas cervejas. Cada produto também tem que ser registrado. Ou seja, se a cerveja que você está tomando não consta esse registro no rótulo, ela não tem autorização para ser vendida.

Algumas cervejarias optam por não ter uma fábrica própria, já que, para produzir em uma cervejaria de terceiros, o investimento inicial é mais baixo do que abrir uma cervejaria com fábrica própria com todos os equipamentos, construções e burocracias envolvidos.

Aí entra o nosso assunto, a cervejaria cigana. O termo “cervejaria cigana” faz referência ao estilo de vida cigano, que não tem morada fixa e sempre está viajando por cidades distintas.

Uma cervejaria cigana é aquela que abre a empresa, registra a marca e usa o espaço de outras cervejarias para a produção da cerveja. Ou seja, uma cigana não tem fábrica própria, aluga o espaço de outra, produz suas próprias receitas em uma grande quantidade e, como aquela terceirizada já tem todos os equipamentos inspecionados e autorizados pelo MAPA, ela pode comercializar o seu próprio produto com o registro do MAPA da terceirizada.

Muitos cervejeiros utilizam da forma cigana como o primeiro passo para deixar de ser caseiro e ir em direção de ter a sua própria cervejaria. Além de ter um custo menor, ele pode produzir em diferentes cervejarias, trocar experiências e até mesmo fazer cervejas colaborativas com outras cervejarias, por isso, muitos preferem usar o nome de cervejaria “colaborativas” ou “associadas”.

É importante que essas cervejarias, que estejam com espaços ociosos, abram as portas para as ciganas. Todos ganham: as cervejarias com fábrica própria fica com seu equipamento trabalhando com capacidade máxima, além de aumentar a renda e investir mais na fábrica; as ciganas que passam a ter suas cervejas comercializadas; o mercado que vê o aumento da concorrência e movimentação com diversas cervejarias para ofertar; e os consumidores que passam a ter um amplo leque de variedades e estilos de cervejas para escolher.

Cervejaria Capim Branco

Um exemplo que temos em Minas Gerais é a Cervejaria Capim Branco que surgiu em 2006 como Cervejaria Artesamalt, uma das mais antigas do estado, localizada em Capim Branco. Em 2020, sentiram a necessidade de separar a razão social da empresa. Assim, a Cervejaria Capim Branco passou a ser uma fábrica para produção de cervejas ciganas e a Artesamalt continuou a ser uma marca própria de cerveja. Além disso, surgiu outra marca: a Lagoon Beer (que falarei a seguir).

A Cervejaria Capim Branco é voltada para produção cigana de cerveja. Além de cerveja, também é produzido gin, vodka, sidra e bebidas mistas na fábrica.

A fábrica conta com 50 tanques fermentadores, com capacidade para produzir 2 mil litros por dia. Além dos tanques fermentadores, a cervejaria conta com uma destilaria e dezenas de barris de madeira para maturação.

Tanques fermentadores

Destilaria

Barris de maturação

Hoje, 70 empresas produzem seus produtos ali de forma cigana. São centenas de rótulos espalhados pelo mercado, não só mineiro, mas de todo o país. Então, quando você vir lá no rótulo as informações de que a bebida foi produzida na Zona Rural BR-040 ou Capim Branco, foi fabricada lá. Eu vejo vários.

A convite da Cervejaria Capim Branco, Lagoon Beer e Gin Nouveau, através da assessoria Primeiro Plano Comunicação, fui convidada para conhecer a nova planta fabril da cervejaria, além dos produtos e lançamentos da cervejaria e do gin deste ano em primeira mão.

Que estrutura! Tudo muito organizado. Fiquei de boca aberta com o espaço, com a quantidade de tanque e todos funcionando a todo vapor, com cervejas de diversas cervejaria que conheço. O tour foi guiado pelo mestre cervejeiro (não é mestre do local), Carlos Henrique Vasconselos, que explicou o funcionamento e nos mostrou todo o espaço. A destilaria, os tanques, o espaço onde envasa (garrafa e lata), rotulação e o estoque.

Além disso, pude tomar direto do tanque algumas cervejas. Que experiência deliciosa!

Lagoon Beer e Gin Noveau

A Lagoon Beer é uma marca muito nova no mercado. Chegou em 2020, no comando dos jovens sócios Greg Pinheiro e Allan Coelho, que chegaram com ideias inovadoras e criaram a nova marca na Cervejaria Capim Branco, para romperem barreiras. Já chegaram com cinco rótulos, sendo eles: Pilsen Triple Malt, Lager, Amber Lager, Session IPA e IPA. Todos excelentes! Essas com link são as que fiz minha análise no Instagram, confira aí.

Todas as cervejas podem ser encontrada no e-commerce da cervejaria (www.beba.delivery), nos supermercados Verdemar, em BH, com preços super honestos. Eles prometem estar presentes em outras grandes redes. Vamos aguardar!

Além da Lagoon, eles investiram também na criação de um gin, e lançaram o Gin Nouveau London Dry, com capacidade para 950 ml, bem mais que a oferta do mercado que varia entre 700 e 750 ml, porém, com preço similar. A nova receita é exclusiva e foi desenvolvida com 18 botânicos selecionados que criam uma harmonia de sabor, com destaque para as ervas de Provence, com forte influência mediterrânea e provenientes da França onde o movimento Art-Nouveau teve seu berço. Mesmo com essa carga de ingredientes, o sabor é equilibrado.

Um destaque para o rótulo tanto da cerveja quanto do gin. Ficaram lindos!!

Cervejarias criadas por mulheres

As mulheres estão cada vez mais presentes no universo das cervejas artesanais.

Temos marcado presença tanto como apreciadoras quanto à frente da produção, divulgação e em todas as áreas do mercado cervejeiro.

Quando o assunto é consumo, de acordo com uma pesquisa feita pelo MindMiners, 57% das mulheres brasileiras consomem bebidas alcoólicas, sendo que 72% consomem cerveja. 

Quando o assunto é o mercado profissional, sabemos que ainda temos muito para caminhar. Segundo o 1º Censo das Cervejarias Independentes Brasileiras (2019), do DataSebrae, cerca de 89% das cervejarias nacionais são comandadas por homens, contra 11% comandadas por mulheres.

Mesmo com uma participação discreta nesse ramo de atuação, algumas mulheres têm tentado mudar essa realidade. Aqui, eu listo oito cervejarias fundadas por mulheres e que, com certeza, vão inspirar outras a fazer o mesmo.

Atenção! Além dessas oito, a seguir, mencionei mais um monte de cervejarias criadas por mulheres. Então, siga até o final para não perder nenhuma!

1 – Cervejaria Lokira

Criada em 2019, em Belo Horizonte, por Ana Flávia Gomes Lopes e Flaviana Guimarães. A cervejaria tem como um dos objetivos promover a democratização do mercado e do universo cervejeiro no geral.

2 – Cerveja Benedita

Criada por três mulheres periféricas de São Paulo, Melissa Miranda, Eneide e Márcia Martins, a Cerveja Benedita tem como slogan “Feita por elas para Todos”.

3 – Cervejaria Dádiva

A Cervejaria Dádiva foi criada em 2014, em Várzea Paulista,  por Luiza Lugli Tolosa. A cervejaria produz inúmeras cervejas especiais. De acordo com a Dádiva, eles criam com ingredientes novos cervejas inovadoras.

4 – Maria Bravura Cervejas Especiais

Criada em 2016, em Paraguaçu Paulista, pela psicóloga Maria. A cervejaria apresenta receitas diferentes e caseiras de cervejas artesanais.

5 – Cerveja Macuco

A Macuco é uma cervejaria independente criada por Mica e Nanda, em 2016, na cidade de Porto Alegre. A cervejaria preza pelo fortalecimento da identidade brasileira, principalmente nas receitas das cervejas que levam ingredientes selecionados como frutas nacionais. 

6 – Japas Cervejaria

Um trio de mulheres nipônicas, Maíra Kimura, Yumi Shimada e Fernanda Ueno, são responsáveis pela cervejaria que resgata as origens japonesas e busca representar a união entre o Brasil e o Japão através de cervejas com sabores e aromas diferentes.

7 – Cervejaria Teresense

Inaugurada em 2019, no Espirito Santo, a Cervejaria Teresense foi criada pela engenheira e mestre-cervejeira Luana Hoffmann. A cervejaria traz receitas próprias e um jeito especial de preparar cerveja artesanal: aliando a paixão, matéria prima de qualidade e tecnologia.

8 – Femme Cerveja Artesanal

Diretamente da Paraíba, a Femme Cerveja Artesanal é uma cervejaria criada em 2017 por Ranny de Sousa. Que também é quem elabora todas as receitas das cervejas.

Fonte: o Guia da Cozinha

Muito mais cervejarias criadas por mulheres!

Depois que fiz esse texto e publiquei o post “8 Cervejarias criadas por mulheres” no Instagram pedindo que indicassem mais cervejarias, recebi várias indicações de cervejarias criadas por mulheres que eu não havia citado.

Com isso, resolvi revisar esse texto e incluir todas as cervejarias mencionadas.

No total, consegui reunir dezenas de cervejarias criadas por mulheres, além dessas oito. Li sobre todas e vou te contar, tem cada história!

Sei que tem muito mais, mas, fiquei feliz demais pela repercussão do post e pela ajuda de todos.

Para organizar a lista, separei por estado e indiquei a cidade e o @ de cada cervejaria. Assim, você vai poder procurar saber sobre cada uma, além disso, vai poder procurar por elas para consumir seja online ou quando for em suas respectivas cidades.

Caso saiba de alguma que não esteja nessa lista, me manda por direct no www.instagram.com/cervejeirauai para que eu possa atualizá-la.

Aí vão as outras 43 cervejarias criadas por mulheres:

Para ver o post parte dois, clique aqui.

Minas Gerais
@cervejalibertaria  (Viçosa)
@castrocervejaria (Uberlândia)
@trioracervejaria (Uberlândia)
@pandega_beer  (São Domingos do Prata)
@cervejariamagia (Belo Horizonte)
@cervejariaaldeiadamata (Serra da Canastra)
@cervejariarhara (Belo Horizonte)
@cervejariaonix (Capim Branco)
@cervejariaflorestaelfica (Catas Altas)
@cerveja_serafina (Belo Horizonte)
@cervejariaempirica (Montes Claros)
@ovelhanegracervejaria (São João del-Rei)
@cervejariapelizer (Araguari)
@hop.makers (Divinópolis)
@cervejarialiberteoficial (Paracatu)
@alavrasnovense (Lavras Novas)

São Paulo
@blondine.oficial (Itupeva)
@saobernardocervejaria (São Bernardo)

Rio de Janeiro
@adcraftbeer (Nova Friburgo)
@cervejadamulherguerreira (Rio de Janeiro)

Espirito Santo
@cervejariagrecco (Venda Nova do Imigrante)

Rio Grande do Sul
@daluzcervejaria (Porto Alegre)
@cervejasapatista (Porto Alegre)  
@staunenbier (Porto Alegre)
@hildegard_cervejas  (Porto Alegre)
@cervejainsurreicao (São Francisco de Paula)
@zingarabirra (Porto Alegre)
@muttbrewery (Porto Alegre)
@sinapses.conexoes (Porto Alegre)
@mataleaooriginal (Santa Maria)

Santa Catarina
@cervejacevademina (Florianópolis) 
@ballenabrewery (Florianópolis) 
@maltescraftbeer (Florianópolis)
@penhascocervejaria (Penha) 

Paraná
@lavelkra (Matinhos)

Goiás
@cervejariasaobento (Alto Paraíso)

Bahia
@proacervejaria (Lauro de Freitas)
@cervejarosaroja (Salvador)
@brabahcervejaria (Salvador)

Acre
@seringalbier (Rio Branco)

Maranhão
@cervejariaquadra66 (São Luis)

Alagoas
@pareacervejaria (Maceió)

Paraíba
@birrificio55 (João Pessoa)

Ouro Preto e suas riquezas acompanhadas de muitas cervejas artesanais

Gosta de bater perna e conhecer muitos pontos turístico?

Ouro Preto é o lugar certo. É a cidade histórica mineira que mais tem lugares para se conhecer. Em cada esquina é um aprendizado. Então, se planeje, prepare-se e se perca na cidade.

Quantos dias ficar: Para conseguir visitar tudo, eu diria que três dias é o ideal. Mas, caso você tenha menos tempo, como eu fui (fiquei por 2 dias), foque nos principais que não vai se arrepender.

A antiga capital do estado é riquíssima em história, com isso, atrai muitos turistas. Então, prepare-se, em qualquer ponto turístico que for vai ter muitos turistas curiosos como você querendo saber de tudo e tirar foto de tudo. A cidade é mega movimentada, muito carro, muita gente, afinal, além de turística, Ouro Preto também é uma cidade universitária.

Então, prepare uma roupa bem leve e o TÊNIS, pois os morros da cidade são bem caprichado e mata qualquer atleta de plantão. E, se está pensando em rodar de carro, sem chance, não é fácil achar lugar para parar em todos os locais. Então, deixe o carro em um lugar central e fé na sua canela. Bora!

Espera ai! Antes, não posso deixar de falar que, no caminho para Ouro Preto já tem uma parada obrigatória. O Museu Jeca Tatu, que fica na estrada, em Itabirito. É um museu de quinquilharia. Tem tudo que imagina, desde latinha antiga de cerveja à máquina de escrever.

Museu Jeca Tatu

Além da atração cultural, conta também com uma lanchonete com o famoso pastel de angu, em vários sabores, e um delicioso cafezinho mineiro. Não deixe de comer o pastel. É delicioso.

Ainda tem uma área externa coberta, onde podem ser realizados eventos e um cinema (que foi reformado pelo Luciano Huck, através do quadro Quinquilharia, do Caldeirão do Huck). Além disso, na porta do museu, fica uma Jardineira Biblioteca, o monumento do Cristo Redentor, entre muitas curiosidades. As placas na estrada indicam o Pastel de Angu.

Voltando para Ouro Preto… seus conjuntos arquitetônicos do estilo barroco bem preservados é de ficar paralisado. Não à toa, foi a primeira cidade declarada como Patrimônio Cultural da Humanidade em 1980, pela UNESCO.

O que fazer:

– Praça Tiradentes. Comece por ela, já que, aqui, concentram restaurantes, cafés e alguns pontos turísticos de Ouro Preto. Também há diversos guias se oferecendo para fazer os passeios. Eu fiz o meu próprio roteiro, então não precisei de nenhum guia.

Praça Tiradentes

No centro da praça, fica o monumento a Tiradentes, instalado em 1894. Trata-se de uma homenagem ao sacrifício do alferes na Inconfidência Mineira.

Ali, também fica o Museu da Inconfidência, antiga sede da Casa da Câmara e a Cadeia de Vila Rica. No museu, encontra diversos artigos referentes à Inconfidência Mineira, importante movimento para Minas Gerais e o Brasil.

Observação: Todos os pontos turísticos (museus, igrejas) cobram para entrar. Mas, o valor é bem simbólico.

– Igreja Nossa Senhora do Carmo. Fica atrás do museu. É uma das obras do arquiteto Aleijadinho. Anexo ao terreno, fica o Museu do Oratório, que expõe grande variedade de peças religiosas.

– Feira do Largo de Coimbra. Descendo, próximo à praça e em frente para a Igreja de São Francisco de Assis, está essa famosa feirinha. Por lá, você encontrará grande variedade de peças de artesanato local, especialmente em pedra sabão.

– Igreja de São Francisco de Assis. Uma das obras mais importantes de Aleijadinho, essa Igreja está entre as mais visitadas de Ouro Preto e é um grande símbolo do barroco e rococó mineiro. Além de Aleijadinho, a Igreja conta também com trabalhos de Mestre Ataíde. Não entrei. Mas, dizem que é linda. Já estava cansada, tanto que, aqui, encerrei meus passeios desse dia (começamos as visitas à tarde).

– Mina do Chico Rei. Começamos a manhã nessa Mina. Tem algumas Minas em Ouro Preto. Como as visitas são muito semelhantes, escolhi ir nessa. A visita é guiada por uma escavação subterrânea onde o personagem real conhecido como Chico Rei, trazido do Congo como escravo trabalhou explorando-a até comprar sua carta de alforria e, depois, comprou a própria mina, durante o ciclo do ouro no Brasil Colonial.

Durante a visita, é contada muita história daquela época. Muito interessante. Só não indico para quem tem fobia de lugar fechado. Chega uma parte que é bem estreita e dá uma agonia.

– Casa do Aleijadinho. Perto da Minas, fica uma casa escrito “Casa do Aleijadinho”. É uma casa da época do Aleijadinho, que está quase toda preservada na originalidade. A certeza que se tem até hoje é que o sobrado serviu de moradia aos pais do artista. Não existe nada que comprove que ele nasceu ou viveu ali.

Não tem muita coisa interessante, mas, destaco a cachaça que vendem lá. A melhor cachaça que já tomei na minha vida. Tem fama internacional. É vendida em diversas garrafas, inclusive de pedra. Pode experimentar, é servida geladinha, muito boa. Trouxemos uma garrafinha de 330ml, pois é bem cara! Mas, compensa.

– Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar. Muito grande. Erguida no início dos anos 1700, é uma das mais luxuosas da cidade. A ornamentação da igreja leva mais de 400 kg de ouro e 400 kg de prata, fora as centenas de anjos esculpidos. Ao entrar, o ouro já reluz! Estima-se que a igreja esteja entre as que mais receberam ouro em sua decoração em Minas Gerais e no Brasil.

– Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Escravos adeptos ao catolicismo construíram essa igreja no final dos anos 1700 e inícios dos 1800. Por isso, também é conhecida como Rosário dos Pretos. O destaque dela é pela fachada que é curva.

Igreja Nossa Senhora do Rosário – Foto por: Ane Souz

Onde beber: À noite, a cidade acalma. Os bares ficam espalhados entre o centro e os bairros. Claro que só escolhi lugar com cerveja artesanal e já falei sobre esses dois lugares aqui na minha coluna “Onde Beber Artesanal”. Detalhe que você encontra a Ouropretana por toda cidade, em vários bares, lojas e restaurantes. Então é super fácil achá-la.

Vamos para as minhas dicas.

– Loja da Fábrica Ouropretana: É um bar com um espaço aconchegante e confortável. Além de muitos tira-gostos gostosos a casa conta com diversos estilos de cerveja própria e algumas convidadas. E agora eles também estão com gin próprio. Eu já falei tudo sobre o Loja da Fábrica Ouropretana aqui.

– Latitude 20º: Outro bar com cerveja artesanal própria é o Latitude 20º. É um bar supersimples, com petiscos gostosos, caseiros, e várias biqueiras com cerveja própria e convidadas. Fora a vista que é maravilhosa. Também já falei da Latitude 20 aqui.

– Republica Cervejaria: Essa eu não conheci porque ainda não existia quando fui. Mas, já quero conhecer.  Foi inaugurada em fevereiro de 2020. É a primeira tap house multimarcas e steak bar da cidade. São 30 torneiras com chopes de MG e do Brasil. Além de cervejas premiadas, eles oferecem boa gastronomia e música de qualidade.

As cervejas artesanais locais: Ouropretana, Latitude 20º, Thoruna Beer, Fuzessy Bier e Cervejaria Acadêmica.

Para almoçar:

– O Passo Pizza Jazz. A comida aqui é maravilhosa. Quer conhecer a culinária mineira, vai com fé. Mas, é bem salgadinho os preços dos pratos. As imagens falam mais que qualquer palavra.

Passo Pizza Jazz

Espero que tenha gostado de mais essas dicas de tudo o que fazer em mais um interior mineiro.

Tap House Cervejaria Pampulha: excelência do atendimento ao chope

A dica do Onde Beber Artesanal de hoje é o Tap House da Cervejaria Pampulha.

bairro ouro preto

A casa, como o nome já diz, pertence à Cervejaria Pampulha.

O lugar: É um conjunto de espaço muito aconchegante e super agradável de tomar uma de leve, ver o movimento local e descontrair com os amigos e a família. São 3 ambientes. Internamente são dois andares, com uma decoração moderna, luzes baixas que tornam o ambiente ainda mais gostoso e intimista.

20200201_192331

20200201_191922

E o lado externo, conta com mesas que ficam em uma pracinha que compartilha o ambiente com demais estabelecimentos gastronômicos (comida japonesa, pizzaria, sorveteria, sanduicheria e açaí).

20200201_192252

O atendimento é de primeira. O prato e o chope chegam rápidos e, se precisar de alguma dica, pode pedir que será super bem atendido.

tap house cervejaria pampulha

Para beber: O Tap House conta com 10 torneiras de chope. Cinco são chopes da casa. E as outras cinco são chopes de parceiros e convidados. Os nomes das cervejas da Cervejaria Pampulha fazem referências à Pampulha e Belo Horizonte: 18km – que é a extensão da Lagoa da Pampulha (ESB), Jacaré da Lagoa (IPA), 1943 (Brown Ale), Capivara da Noite (Dry Stout), Lagoa Pils (Pilsen), Marco Zero (Pale Ale) e Jacarezinho (Session IPA). Os valores variam de $7 a $28 (de 300ml a 1 litro).

tap

Eu tomei a Lagoa Pils e a 1943. Muito gostosas e super bem-feitas. A brown então, do jeito que eu gosto, com aquele aroma e sabor de malte torrado, delícia! Ah, lá enche growler também.

cervejaria pampulha

Para comer: A casa oferece pratos exclusivos e petiscos mineiro “raiz”, todos pensados para harmonizar com os estilos dos chopes. Têm opções de entradas como bolinho de tilápia, pastel de angu, brusqueta de queijo, e petiscos como batata recheada ao forno, carne de panela, brochete, filet com fritas. Os valores variam de $12 a $48,90.

batata com bacon

cervejeira uai

Em alguns dias tem música ao vivo.

Amei conhecer e voltarei com certeza! Aproveito para agradecer ao Bruno, um dos donos, pela excelente recepção.

Tap House da Cervejaria Pampulha
Rua Zilah Correia de Araújo,  13 – bairro Ouro Preto
Belo Horizonte – MG
www.cervejariapampulha.com.br
@cervejariapampulha

Onde Beber: Tomando Krug Bier no bar exclusivo da cervejaria em BH

Atenção: Estabelecimento Fechado Permanentemente. Hoje, o bar da Krug funciona na Savassi e chama Estação Krug.

A dica de Onde Beber Artesanal de hoje é uma casa já tradicional em BH. Aberta em 2009, a Choperia Krug Bier Major Lopes, é a casa da Cervejaria Krug Bier na capital.

20191230_202104

O local: Excelente lugar para happy hour, por lá encontram-se muitos jovens curtindo o fim do dia com os amigos, adultos, casais e famílias aproveitando a noite.

choperia kurg bier

O espaço é bem grande. Tem a parte interna e a varanda, que é o local mais concorrido. A decoração é bem bacana, super Krug Bier…rs

krug

choperia bh

Para beber: São diversas torneiras jorrando chopes da Krug Bier.

A diversidade no cardápio é bem grande: Cristal (chope tradicional, leve, puro e cristalino), Krug 20 (pilsen com sabor mais intenso), Export (chop encorpado, com sabor de malte e nível de amargor mais elevado), Golden Ale (sabor frutado e amargor baixo), Dunkel (escuro e com uma leve nota de café. Sabor intenso e amargos baixo), Weizen (feito em parte com trigo maltado e sabor marcante de cravo e banana) e o Chope Especial – que era a IPA no dia (mais amarga, com aroma e sabor marcante).

Quando fui, só tinha o Pilsen, Kurg 20 e IPA. Mas, como já conheço todos os estilos do cardápio, posso falar que são todos excelentes. Peça qualquer um de olho fechado. Qualidade nota 1000!

chope kurg bier

Os chopes são vendidos nos tamanhos Tulipa (R$8,00), Caneca (R$13,00) e Canecão (R$15,00). Com exceção do Chopp Especial, que possui preços diferenciados Tulipa (R$13,00), Caneca (R$17,00) e Canecão (R$21,00).

Para quem não é da cerveja têm diversas opções alcoólicas.

Para comer: o cardápio tem uma variedade boa, para muitos gostos.  Têm Entradas (como pasteizinhos), Petiscos (como picanha com fritas), Pratos à la carte que servem 2 pessoas (como filé de tilápia), Especialidades Alemãs (como joelho de porco), sanduíches e sobremesas. Ufa! Os valores variam entre: R$15 a R$95.

file com fritas

A casa tem muitas promoções bem convidativas durante a semana, alguns dias têm músicas ao vivo, fora algumas festinhas diferentes aos finais de semana. A programação é extensa e eclética, por isso, é bom ficar atento às redes sociais deles.

Eu gosto bastante da casa, pois me sinto muito à vontade. O atendimento é ótimo.

chope

Só tem dois pontos negativos: o banheiro fica no 2º andar. É super desconfortável ter que subir aquela escada para chegar ao banheiro. O outro ponto, foi em relação à última vez que fui, pode ser que tenha sido somente esse dia, mas havia apenas 3 tipos de chopes disponíveis, no final da noite só tinham dois (Cristal e Kurg 20, ou seja, só pilsen). Sugiro ter mais opções, por motivos óbvios.

Recomendo e voltaria, porém, conferiria antes para saber se todos ou a maioria dos chopes estão disponíveis no dia. 😉

Pega mais essa dica ai e seja feliz, com chope de qualidade!

Krug Bier Major Lopes
Rua Major Lopes, 172 – São Pedro

Belo Horizonte – MG
Instagram: @krugmajor

Stahlberg Bier Haus: Uma casa alemã com sotaque mineiro

Atenção: Estabelecimento Fechado Permanentemente

A dica do Onde Beber Artesanal aterrissa em mais uma casa alemã em BH: a Stahlberg Bier Haus.

20191130_205747

Com personalidade, ela une o que tem de melhor na Alemanha e em Minas. Sich wundern, uai!

Já começa pelo nome que significa montanha de ferro em alemão.
O local: A casa tem um bom espaço e ambientes variados. O ambiente externo é ideal para quem curte “tomar uma” vendo o movimento da rua e o interno é mais intimista, mais escuro. Tem a parte que têm mesas em frente à banda que está se apresentando e tem uma parte mais para trás, escondidinha.

20191130_205921

Alguns dias a casa conta com música ao vivo. Quando fomos estava rolando um voz e violão de um músico muito bom que cantava o melhor do pop e rock internacional.

Quanto ao público, é bem diversificado. Casais, turmas, famílias…

stahlberg bier

A decoração é 100% cervejeira. Amei.

stahlberg

O que me levou lá? A variedade de chopes e a comida alemã, que amo!
Para beber: São nada mais nada menos que 20 torneiras jorrando do melhor chope artesanal, dos mais diversos estilos e marcas. São chopes nacionais e importados plugados. A casa tem uma parceria com a cervejaria Erdinger, que possibilita oferecer três estilos importados, sendo dois exclusivos em Minas Gerais. Infelizmente, no dia que fui, tinha acabado o chope da Erdinger. Mas os outros que pedi estavam ótimos.

bier

Os valores de 300 ml variam entre R$5 (Pilsen da casa) e R$19 (IPA – Capa Preta). As de 473 ml variam entre R$10 e R$26. A casa enche growler também. Além de chope, têm outras bebidas.

Achei muito legal as torneiras serem personalizadas com um objeto diferente, no lugar da tradicional alavanca. Tem de tudo: carro, carranca, chifre, carrinho, caveira, moedor de pimenta, microfone etc.

chopeira

Veja aí algumas que bebemos:

chopes

Além disso, têm algumas garrafas.
Para comer: Os petiscos, como falei, envolvem as culinárias alemã e mineira, bem exclusivo e criativo, que harmonizam com as cervejas disponíveis. São diversos os pratos, parecem todos deliciosos. Vão de petiscos (fritas, salsichas, chucrute…) a grelhados (joelho de porco, bife chorizo, marrecada…), além de acompanhamentos e sobremesas. Os valores vão de R$28,00 a R$86,00.

20191130_211842

Foi difícil escolher. Mas fomos de Tiras fritas de joelho de porco defumado com molho especial e cerveja escura; Oktoberfest (dupla de salsichões cozidos acompanhados de chucrute-repolho fermentado – e mostarda); e Croquete do Alemão (croquete de carne de porco com mostarda de maracujá).

petiscos

Tudo delicioso. Infelizmente, não coube a sobremesa. 😦

Eu adorei tudo. A casa, a comida e a cerveja. Só melhoraria um pouco o atendimento. Pois os chopes demoravam para chegar. Talvez pode ser que no dia a casa estava mais cheia. Nada que me impeça de voltar. Voltarei com certeza!

20191130_211353

cervejeira uai
Pegue mais essa dica e pröst!
Stahlberg Bier Haus
Av. Aggeo Pio Sobrinho, 187 – Buritis
Belo Horizonte – MG
Instagram: @stahlbergbierhaus

50 Tons de Malte: Diversidade artesanal em Tiradentes

A dica de Onde Beber Artesanal para o trem em Tiradentes para gente descobrir mais um lugar imperdível em pleno interior mineiro.

tiradentes

Que Tiradentes é uma cidade gostosa e incrível de passar um final de semana ou feriado a gente já sabe. Mas, que lá podemos achar uma infinidade de cervejas artesanais, ah, isso é novidade!

Por isso, a dica é o 50 Tons de Malte, um bar/pub que fica em uma rua tranquila de Tiradentes, apesar de ficar bem pertinho da praça principal. É uma paz.

20190921_150841

O local: Um lugar para toda a família. Apesar de estar em uma cidade histórica, achei grande. Com uma decoração que mistura o rústico com o moderno, é um lugar muito aconchegante e bonito. Com mesas espalhadas pelo salão e algumas na calçada.

20190921_152413

O atendimento? Sensacional! Te tiram dúvidas, te dão dicas cobre as cervejas presentes no cardápio. Fora a simpatia.

cervejarias mineiras

Para beber: A casa oferece uma vasta carta de cervejas artesanais. São mais de 100 rótulos, todos mineiros. Legal, né?! Tem para todos os gostos e bolsos. Ah, não tem chope, somente garrafas e latas, que variam de R$12,90 a R$40. Tomamos alguns rótulos indicados. Além de cerveja, têm muitas opções de hidromel e destilados.  

50 tons de malte tireadentes

Além das cervejas geladinhas, você também encontra alguns rótulos na prateleira, para levar e alguns kits para presentear.

Para comer: Opção para comer é o que não falta também. Diversas porções de boteco. Como o famoso bombom de feijoada, pastel de angu com diversos recheios, porções de picanha, lombo, linguiça, fritas e por aí vai. Além de caldos e pratos executivos. Os valores variam de R$18,90 a R$69,90.

porcoes

cervejeira uai

Adorei ter essa opção em pleno Tiradentes, já que a praça principal foi tomada somente por duas cervejarias. Mas, tudo bem, o importante é que encontramos cerveja artesanal sem dificuldade!

50 Tons de Malte
Rua Frederico Ozanan, 345 – Loja D – Centro

Tiradentes- MG
Instagram: @50tonsdemalte

Ovelha Negra: Primeiro brewpub em São João del-Rei

Hoje, o Onde Beber Artesanal volta para o interior de Minas para dar uma dica muito legal.

são joão del rei

A dica é o primeiro e único brewpub de São João del-Rei: o brewpub da Cervejaria Ovelha Negra.

cervejaria ovelha negra

A Ovelha Negra é uma micro-cervejaria artesanal com uma produção máxima de 300 litros mensal. Comandada por três mulheres, que se juntaram para fazer o diferente, “descomplicado e fora dos padrões”, como elas mesmas dizem.

O local: O espaço é pequeno, porém aconchegante.  A dica, então, é chegar cedo, pois são poucas mesas espalhadas pelo salão, além das banquetas para sentar no balcão.

20190919_221438

20190919_220717

A decoração é 100% cervejeira e roqueira, com quadros e porta-copos espalhados pelas paredes. Um destaque para a parede de trás do balcão, linda, com muitos lúpulos. Já a parte do rock, fica no corredor que leva aos banheiros. Com desenho de vinis clássicos.

cervejas internacionais

20190920_000426

Como deve ser um brewpub, ali fica a fábrica da cervejaria, com paredes de vidro para podermos ver a fábrica. Como fui à noite, não estava funcionando. Achei bacana esse modo de expor a fábrica.

O cantor fica posicionado em frente à fábrica. Ótimo fundo, não é mesmo?

20190919_220647

20190919_221421

Para beber: o brewpub serve chopes artesanais próprios através de quatro biqueiras. Quando estive por lá, estavam plugados: Pilsen, Witbier, Stout e IPA. Como são produzidos mensalmente, pode ser que mudem as opções de acordo com a disponibilidade da fábrica.

20190920_000955

ovelha negra cervejaria

Além dos chopes próprios, a casa conta com um grande acervo de cervejas artesanais em garrafa. São rótulos nacionais e internacionais. Me surpreendeu, já que é difícil achar tantas opções assim em cidades do interior. Brilharam! Para quem não é da cerveja, tem outras bebidas alcoólicas também.

20190919_221100.jpg

Para comer: Têm opções para muitos gostos. O cardápio conta com hambúrgueres, tira-gostos (mineiro e alemão), porção de carne e sobremesa. Nós fomos de petiscos. Pedimos linguiça mineira com molho da casa e batatas rústicas com ervas.

20190919_230532

20190919_224710.jpg

Adorei conhecer a casa, que fica no coração de São João del-Rei, de muito fácil acesso.

Voltarei com certeza!

Ovelha Negra Cervejaria
Rua Getúlio Vargas, 145 – Centro
São João del-Rei – MG
Instagram: @ovelhanegracervejaria

Tijucana Pub: A casa do chope artesanal em Diamantina

tijucana

A dica de hoje para beber artesanal vai viajar para o interior mineiro novamente.

A dica da vez é o Tijucana Pub, Restaurante e Growler Station da Cerveja Arte Tijucana, de Diamantina.

Inaugurado neste ano, 2019, o pub é um achado! Andando pelos becos da cidade de Diamantina, você avista uma portinha com o nome do pub. Ao entrar, você não acredita no tamanho do pub. Por ser em Diamantina, o pub é bem espaçoso.

◊ O local: A iluminação baixa dá um charme dos pubs ingleses, além da manutenção da estrutura antiga, que nos remete às casas históricas.

20191116_210645

20191116_211231

No palco, toda semana se apresenta uma boa banda, tocando o melhor do rock nacional e internacional. O som é bem alto, talvez, por isso, não seja um lugar apropriado para levar crianças e também não dá para conversar quando a banda está no palco. Aproveite para curtir o som!

20191116_210637

Por lá, estão grupos de jovens, adultos, casais, todos com o objetivo de se divertir e aproveitar tudo que a casa tem de bom.

20191116_211332

O atendimento é excelente. Os garçons são super solícitos e animados, sem contar a cordialidade de um dos sócios-proprietário, Renato.

A casa tem uma vista privilegiada para a principal praça da cidade, a Praça do Mercado Velho. Delícia demais, pegar uma mesa na janela e sentir o clima diamantinense.

20181115_225843-e1574215623148.jpg

◊ Para beber: Humm.. e para beber não poderia ser diferente, muito chope e cervjejas artesanais. São 15 torneiras com chope das mais diversas cervejarias mineiras e dos mais variados estilos. De Pilsen a IPA.Os valores variam de acordo com o estilo. As de 500 ml vão de R$11 a R$17.  Além dos chopes e cerveja artesanal em garrafa, eles servem drinks, vinhos, cahcaça, whisky, água, suco e refrigerante.

20191116_211250

Eu fui e King’s Cross, uma Pale Ale da Verace, Dunkel da Krug Bier e Hop Corn, uma IPA da Wäls.

◊ Para comer: A casa oferece diversas opções para tira-gosto. Tem prato com comida brasileira,  americana e alemã.

Aos sábados, eles servem uma deliciosa feijoada. Hummm.

 

20191116_213716.jpg

Se tiver passeando por Diamantina, não deixe de conhecer o pub, além de tomar belas artesanais no local, você também pode encher seu growler para levar pra casa. Fica a dica!

Bora lá?!

♦ Tijucana Pub
Rua Maria Leopoldina, 160
Diamantina – MG
Intagram: @cervejaartetijucana

 

 

.