Número de cervejarias no Brasil aumenta 12%

Se alguém tinha dúvida, acho que agora não tem mais: o Brasil é um país cervejeiro! E quem confirma isso são os dados do “Anuário da Cerveja 2021”, divulgado, em 31 de agosto de 2022, pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

De acordo com o levantamento, o país possui 1.549 cervejarias. Com isso, houve um aumento de 12% em relação ao anuário do ano passado, referente à 2020. Só em 2021, foram registradas 200 novas cervejarias e outras 34 cancelaram os registros, o que representa uma expansão de 166 novas empresas no mercado cervejeiro no País.

“A gente está falando do Brasil como o terceiro maior produtor da bebida do mundo, ficando atrás apenas da China e dos EUA”, disse Carla Crippa, vice-presidente de assuntos corporativos da Ambev e do Sindicerv. O país é o terceiro maior produtor de cerveja no mundo, atrás da China e dos Estados Unidos, e em 2021, o volume de vendas atingiu o patamar de 14.3 bilhões de litros, de acordo com o levantamento realizado para a entidade da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International.

Lembrando que a “cervejaria cigana” ou contract brewing, aquelas cervejarias que produzem suas cervejas na fábrica de outra, não constam nesses dados, pois não são estabelecimentos passíveis de registro no Mapa, tendo em vista que não possuem estrutura própria de fabricação, de maneira que somente as cervejarias com fábrica própria constam das estatísticas apresentadas.

Ainda segundo o Anuário, a maior parte das cervejarias brasileiras encontra-se nas regiões Sul e Sudeste, somando 1.329 estabelecimentos. Isso, representa 85,8% do total de cervejarias do Brasil. São Paulo lidera em número de cervejarias registradas novamente, com 340, seguido do Rio Grande do Sul, com 285, Santa Catarina, com 195, e Minas Gerais, com 189 cervejarias registradas. Uma observação é que Santa Catarina e Minas Gerais inverteram a posição em relação ao anuário de 2020.  Antes, MG  estava na terceira posição com 178, e SC na quarta posição com 175.

Uma curiosidade em Minas é que a cidade de Juiz de Fora passou a capital mineira, Belo Horizonte, em números de cervejaria, com 16 estabelecimentos, uma a mais que BH. Nova Lima, que fica a 20km de BH, continua sendo o principal polo cervejeiro de Minas, com 22 cervejaria. A cidade é a quarta com mais cervejarias no Brasil, fica atrás somente das capitais São Paulo (51), Porto Alegre (43) e Curitiba (25).

A região Norte continua sendo a região com menos registros de cervejarias, com 1,9%. Porém, foi a que apresentou o maior aumento percentual no número de produtos, com evolução em 20,8%. Nessa região, foram abertas cinco novas cervejarias sendo duas em Rondônia (200%) e uma nos estados do Acre, Tocantins e Pará. Apenas dois estados tiveram redução no número de cervejarias em relação a 2020: o Rio Grande do Norte, que passou de 20 para 19 estabelecimentos, e o Amazonas, que reduziu de cinco para quatro cervejarias.

O Anuário da Cerveja 2021 revela ainda que em 672 municípios brasileiros há pelo menos uma cervejaria, o que representa um aumento da dispersão em 10,3% se comparado a 2020.

Com relação aos produtos, em 2021, o total de novos produtos registrados teve crescimento em 5,2%, em relação a 2020, totalizando 1.178 a mais. Atualmente, o Brasil possui 35.741 produtos em cervejaria e o estado de São Paulo lidera a lista com 10.104 produtos. A média brasileira é de 23,1 registros de produtos por estabelecimento.

O levantamento mostra ainda a densidade de cervejarias por habitantes. Santa Catarina tem o maior indicador, com um estabelecimento para cada 37.633 habitantes. Em nível nacional, o Brasil tem uma cervejaria registrada para cada 137.713 habitantes. “A nossa cadeia produtiva é extensa, ela vai do campo ao copo. Representa 2% do PIB, uma massa salarial de R$ 27 bilhões por ano, uma geração de tributos da ordem de R$ 25 bilhões. O setor é resiliente, passou bem pela pandemia, com percalços pontuais”, afirmou Luiz Nicolaewsky, superintendente do Sindicerv (Sindicato Nacional da Cerveja).

Quanto à exportação e à importação, o anuário aponta que houve um aumento de 66 milhões de quilos do volume exportado em relação ao ano anterior, representando um faturamento de mais de US$ 131,5 milhões. A América do Sul corresponde a 99% das vendas, tendo o Paraguai como principal destino, seguido por Bolívia, Chile, Argentina e Uruguai.

Em dez anos, as exportações brasileiras tiveram um aumento de 200% no volume, saindo de 80.331.760 quilos em 2011 e chegando a 241.116.776 quilos, em 2021.

Já a importação brasileira de cerveja reduziu 58,7% nesse período, de 44.607.806 kg em 2011 para 18.406.249 kg, em 2021. Ao todo, o Brasil exportou para 71 países em 2021 e importou de 27 países.

Clique aqui para acessar o Anuário completo.

O Mapa é o órgão responsável por registrar e autorizar as cervejarias a funcionarem, considerando a atividade e linha de produção, bem como a capacidade técnica e condições higiênico sanitárias. Todos os estabelecimentos produtores, padronizadores, engarrafadores, atacadistas, exportadores e importadores devem ser registrados, assim como todas as bebidas produzidas no país. O certificado de registro tem validade de 10 anos.

O Sindicerv é o Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (SINDICERV), fundado em 1948, representa os interesses das empresas responsáveis por mais de 80% da fabricação de cerveja no Brasil.