La Bière HopCast comemora 2 anos no ar com cerveja e música boa

Por Déborah Arduini
@cervejeirauai

Produzido e apresentado por Gleison Silveira e Danilo Soares, integrantes da banda La Bière Breja Music, o La Bière Hopcast comemorou, no mês de maio, dois anos no ar.

Em 2020, durante a pandemia, quando muitos estavam em casa, isolados, carentes de um bom papo na mesa de bar com os amigos, Gleison e Danilo resolveram criar o HOPCAST com o propósito de conectar diversos universos e aproximar as pessoas. Desde então, há dois anos eles vêm cumprido com esse objetivo. Em um clima descontraído, como de uma mesa de bar, eles recebem, quinzenalmente, convidados de diversas áreas. Os principais temas abordados no podcast são música, cerveja, artes visuais, comunicação e business, sempre correlacionando com a cerveja, que é a maior paixão dos apresentadores.

Ao longo dos 54 episódios, os ouvintes puderam degustar entrevistas marcantes, enriquecedoras, interessantes, emocionantes e inéditas. Através do amplo conhecimento nos temas abordados, Danilo e Gleison conseguem tirar muitas histórias, conhecimentos e informações de seus convidados. É um momento de descontração, mas sem deixar de lado o conhecimento, reflexão e, algumas vezes, até a emoção. Para Danilo, o HOPCAST representa um grande e caloroso abraço de boas-vindas do mercado cervejeiro nas pessoas que gostam de cervejas especiais, mas não estão inseridas totalmente nesse universo. “É um convite à experimentação conjunta da apreciação musical e cervejeira. Além disso, o Hopcast é o portal da construção de amizades maravilhosas.”, fala Danilo.

Foto: Divulgação

O canal vem crescendo, ganhando cada vez mais adeptos e registrando bons números de audiência. Hoje, ele está presente nas principais plataformas de streaming como o Spotify, o Deezer, a Apple Podcasts, o Google Podcasts e o Amazon Music. Ao todo, o podcast soma, aproximadamente, 11.300 plays desde seu lançamento. Ele já foi ouvido em mais de 30 países e os seus ouvintes mais presentes estão no estado de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Como resultado do bom trabalho, o HOPCAST já esteve no topo do ranking da Apple Podcasts na categoria “Entrevistas Musicais”. Os entrevistados que configuram na lista de top 5 do podcast são: Rogério Skylab, músico e ensaísta; Heitor Silva, embaixador craft do grupo Heineken no Brasil; Pri Colares, sommelière de cervejas e Marcelão, criador de mini-vídeos; Bia Amorim e Cilene Saorin, somelières de cerveja; e Felipe Vassão, produtor musical e compositor.

Com tantos números positivos, o canal passou a mostrar credibilidade e, hoje, conta com o patrocínio e apoio das empresas Part Comunicação, Escola Mineira de Sommelieria e Prussia Bier, além da contribuição de um grupo de apoiadores através da plataforma apoia.se/labierehopcast. Esse grupo é aberto para todos que queiram ajudar. São pré-estabelecidos valores que devem ser pagos mensalmente. Com isso, além de ajudar o projeto, o apoiador recebe recompensas. Gleison acredita que as pessoas que os apoiam estão ali não apenas pelas recompensas, mas pela possibilidade que têm de se expressar, interagir e fazer parte de um coletivo que busca construir e contribuir com algo positivo para a cultura através da cerveja e da música. “Nossos apoiadores trazem, de fato, uma possibilidade de nos reconhecermos, nos validarmos, nos inspirarmos e nos impulsionarmos juntos, como um time. Acredito que esse reconhecimento mútuo é o que motiva as pessoas a botarem suas fichas em um projeto que transpira devoção e entrega. Além de nos ajudar, eles têm alguns benefícios, que são ótimas ferramentas na construção dessa comunidade, principalmente os de valor quase intangível, como os contatos diretos que os apoiadores podem ter com os convidados e a possibilidade de participações diretas no programa. ”, ressalta Gleison.

Para celebrar momentos de conexões e comemorações, o La Bière Hopcast, em parceria com a Prussia Bier, lançou a Hopcast Lager, uma cerveja do estilo Hop Lager, aromática, leve, fácil de beber e de harmonizar com pratos e momentos. Ideal para acompanhar papos, playlists e ideias. A cerveja se esgotou rapidamente no e-commerce da cervejaria, porém algumas unidades estão sendo comercializada durante os shows da banda e sorteadas entre os apoiadores do programa enquanto houver estoque e enquanto aguardam uma nova produção.

Mas, a dupla não para por aí. O objetivo de Danilo e Gleison é expandir ainda mais com novos projetos envolvendo música e cerveja. Além de prosseguir com o trabalho iniciado no La Bière Breja Music, fazendo shows, e continuar com o podcast, a ideia deles é manter a gravação de alguns episódios de maneira presencial, o chamado La Bière ON TAP e, ainda, promover um evento com identidade própria, o La Bière ON TAP FEST. Esse evento, que promete agitar os sedentos por cerveja, música e conhecimento, é um projeto que já está sendo estruturado e encaminhado para os acertos finais.

Sobre o La Bière Breja Music

O projeto La Bière Breja Music foi fundado em Belo Horizonte, em 2017, e conta com Gleison Silveira (percussões/voz) e Danilo Soares (voz/cordas).

Esses amigos decidiram unir duas grandes paixões: a música e a cerveja. Com músicas autorais que inserem, de fato, o universo cervejeiro no palco, a banda já fez, aproximadamente, 100 show. Os shows acontecem, em sua grande maioria, na capital mineira, Belo Horizonte. Além de outras cidades mineiras, eles já se apresentaram na cidade do Rio de Janeiro e em Belém.

Musicalmente, escolhem roupagens diferentes e criativas que vão além do Rock’n Roll. Eles somam pitadas de elementos brasileiros em músicas autorais e releituras como: “Garçom” (Reginaldo Rossi), “O Que Se Chama Amor” (Só Pra Contrariar), dentre outras. Sempre abordando de maneira moderna e natural a cultura cervejeira. Assim, a dupla criou o conceito “Breja Music – Músicas Para Beber”.

Além dos shows, a banda está inserida no cenário cervejeiro artesanal nacional. Através das redes sociais, eles promovem intercâmbios criativos com o mercado cervejeiro. Nas cervejarias locais, nos pontos de vendas como bares e empórios e nos locais/eventos de cultura cervejeira eles atuam prestando serviços como músicos e produtores de conteúdo.

Para ficar por dentro de todas as novidades, acompanhe a banda através das suas redes sociais linktr.ee/labierehopcast e linktr.ee/labiereoficial !

Estilos de cerveja para beber no outono

Chegou o outono! Por ser uma estação que vem depois verão e antes do inverno é considerada um período de transição. Uma das principais características do outono é a redução gradativa das temperaturas diárias, que passam de elevadas a mais amenas, antecipando o período frio que vem na sequência. Assim como os dias amenos, ainda é possível sentir dias um pouco mais quentes, já que estamos saindo do verão.

Pensando nessas características, trouxe quatro estilos de cerveja que vão combinar muito bem com essa estação, seja em seus momentos quentes ou em seus momentos mais frios, com aqueles ventinhos gostosos.

Pega essas dicas, aproveite seu outono e beba com moderação!

– Red Ale: cervejas de corpo médio, leve dulçor de caramelo e baixa presença de lúpulo. Fácil de beber, com bastante realce para o malte, doce no início e mais torrada e seca para o final. Bem refrescante, ela vai descer fácil nos dias mais quentes do outono.

– Oktoberfest Bier ou Märzen Bier: O aroma dos maltes alemães é moderado. Sentem-se notas de pão, tostadas, e pouco a nenhum aroma de lúpulo. Na boca, o malte inicial sugere alguma doçura, mas o final é seco. Sente-se o tostado e é m pouco encorpada. Combina tanto com os dias quentes, quanto os dias mais amenos.

– Dry Stout: Uma cerveja preta com um sabor tostado pronunciado, muitas vezes semelhantes aos de café. O sabor tostado pode ser seco e como café, a um tanto achocolatado. Corpo médio, baixo amargor, e final seco. É fácil de beber, porém, consegue dar uma esquentadinha no corpo. Combina com os dias quentes ou com os dias frios.

– Belgian Dubbel: tem aromas complexos, possuem doces de malte, possivelmente contendo notas de chocolate, caramelo e/ou tostado. Há a presença de ésteres frutados moderados, podendo incluir banana ou maçã, e são comuns os fenóis picantes e os álcoois superiores. Os sabores deste estilo têm qualidades semelhantes ao aroma, contendo um complexo sabor de malte médio a médio-alto, e embora seja doce, acaba terminando moderadamente seco. Como é um estilo mais forte e mais alcoólico, cai muito bem com os dias mais frios.

Espero que tenha gostado dessas dicas. Se seguir alguma delas, me marca lá no Instagram @cervejeirauai !

Escola Mineira de Sommelieria entra em 2022 com novos projetos

A Escola Mineira de Sommelieria, EMS, abre as inscrições para a sua 21ª turma do já reconhecido curso de Sommelier de Cervejas com uma grande novidade: a escola vai iniciar seus trabalhos em 2022 em sede própria. Localizada na Rua Antônio de Albuquerque, 155 – Loja 1, em um ponto privilegiado na Savassi, o local conta com três andares bem estruturados que acabam de passar por reforma para atender às necessidades dos cursos especializados de bebidas.

“Pretendemos fazer da EMS um completo Centro de Educação Cervejeira, para ser referência no mercado mineiro e, em um futuro breve, nacional. Um projeto ousado que vai refletir positivamente no mercado. Neste espaço, além das aulas de Sommelier de Cervejas, teremos um co-working cervejeiro para fomentar negócios, aprendizados, treinamentos sensoriais e experiências gastronômicas, enfim, será um local todo destinado para o fomentar o mercado cervejeiro”, explica Jaqueline Oliveira, proprietária da escola.

Jaqueline já formou 20 turmas de Sommelier de Cerveja

O curso de Sommelier de Cerveja é ministrado pelo renomado Professor Carlos Henrique Faria de Vasconcelos e conta com profissionais de diversas áreas que agregam ao currículo do curso. Novos cursos como Gestão de Cervejarias e Abertura e Gestão de Micro cervejarias estarão nas grades curriculares da E.M.S. , serão ministrados por Ramon Garcia. Além de curso de produção, cursos  mais rápidos que atendam ao público que tem descoberto e se encantado pela cerveja artesanal,  jantares harmonizados e experiências com outras bebidas como café, cachaça e vinho.

As vagas para o curso de Sommelier de Cerveja já estão abertas e a nova turma começa em fevereiro.

Para mais informações, entre em contato pelo WhatsApp (31) 98402-6452 ou pelo e-mail emscerveja@gmail.com.

Sobre a EMS

Fundada em BH há 10 anos, hoje a escola pertence à Jaqueline Oliveira,  e já formou 20 turmas de Sommelier de Cerveja e é referência em indicações no mercado da cerveja. O objetivo da escola é formar o aluno para que ele tenha toda a vivência teórica e prática para atuar com destaque no mercado cervejeiro.

Sobre Jaqueline

Formada em Magistério, graduada em Pedagogia, Pós Graduada em Gestão Estratégica da Informação pela UFMG, com cursos na área de  Marketing Digital, Sommelier de Cerveja e CEO da E.M.S.

Sobre o professor

Carlos Henrique de Faria Vasconcelos é biólogo de formação e mestrando em Biotecnologia da UFOP. CH, como é conhecido, é o mestre cervejeiro da cervejaria alemã Hofbräuhaus em BH e professor do curso de gastronomia das Faculdades UNA e Arnaldo.

Minha experiência com a Escola

Quem me acompanha pelo Instagram @cervejeirauai, sabe que me formei na turma do ano passado, a 20ª Turma – Turma Segunda Dose. Foi muito aprendizado durante todo o curso, além de uma rica troca de experiência entre os professores e demais alunos. Eu tenho certeza que, depois do curso, fiquei muito mais preparada para estar no meio cervejeiro.

O curso é voltado tanto para quem quer trabalhar com cerveja quanto para quem ama esse líquido sagrado e quer aprender mais e entender melhor sobre cada cerveja degustada. Eu recomendo demais!

CURSO DE SOMMELIER DE CERVEJAS

Início das aulas: Fevereiro/2022
Valor: R$4.000,00. Pode ser parcelado em até 6 vezes, mediante depósito bancário.
À vista o curso sai por R$3680,00.
Local das aulas: Rua Antônio de Albuquerque,155 – Savassi – Loja 1
Contato: emscerveja@gmail.com

Mulheres contribuem com o aumento do consumo de cerveja

Não é novidade que as mulheres estão cada vez mais inseridas no mundo da cerveja. Temos visto a presença delas em todos os espaços cervejeiros: nas fábricas durante a produção, como especialistas formadas e qualificadas falando sobre o assunto, atrás dos balcões vendendo e nas mesas dos bares, apreciando o líquido sagrado. Essa tendência de aumento das mulheres no meio cervejeiros foi comprovado no recente relatório divulgado pelo Consumer Insights, feito pela multinacional Kantar.

@cervejeirauai

De acordo com a pesquisa, o terceiro trimestre de 2021 registrou o maior número de consumidores da cerveja desde o terceiro trimestre de 2019. Houve um aumento de 27% no consumo. E, segundo esses dados, o perfil que mais contribuiu para essa alta foi o composto por mulheres de 40 a 49 anos, pertencentes às classes A e B. Por outro lado, mesmo que tenha tido um aumento do público que consome cerveja, caiu a frequência com que as pessoas, no geral, bebem. A frequência caiu em 42% na comparação entre o terceiro trimestre de 2019 e 2021. Os homens que fazem parte da mesma faixa etária e classe social, citada anteriormente, foram os responsáveis pela queda na frequência do consumo.

O estudo também apontou que a alta do público que consome a bebida é consequência direta da flexibilização das regras de distanciamento da Covid-19 e da reabertura gradual do comércio. E que a consumação ocorre, principalmente, em dois momentos: locais públicos e casas de amigos e familiares.

Em locais públicos, a presença das mulheres, em geral, cresceu 6,7pp nos últimos 12 meses. Em setembro de 2020, essa participação era de 14,5%, 12 meses depois, foi para 21,2%. Nas casas de amigos e familiares, por sua vez, o consumo cresceu 4pp, atingindo 18,3%, segundo Hudson Romano, gerente sênior de consumo fora do lar da Kantar.

Ainda é importante ressaltar que a preferência por cerveja cresceu, principalmente, em momentos de happy hours e aos fins de semana. Neste contexto, o aumento foi de 10pp, chegando a 45% das preferências.

Lembrando que, não significa que as mulheres estão bebendo mais que os homens, mesmo porque fazer uma disputa dessa não é nada saudável. A pesquisa aponta apenas que mais mulheres passaram a consumir cerveja. E digo mais, esses números podem ter aumentado pelo fato de mais mulheres passarem a confirmar que tomam cerveja. Falo isso porque, há alguns anos, devido ao preconceito, muitas mulheres não bebiam ou não falavam que bebiam cerveja.

Como eu sempre digo, quanto mais mulheres estiverem no mercado e nas mesas de bares, falando sobre o assunto, bebendo cerveja com moderação e mostrando que mulher pode e entende de cerveja, outras se sentirão à vontade para entrar nesse mundo caso ainda não esteja ou, se já estiver, não ter receio de falar que é adepta à umas cervejinhas!

Alguém ainda tem dúvida que mulher combina com cerveja.

Oktoberfest Blumenau: Você tem que ir!

20181012_213056

Eu tanto desejei ir ao Oktoberfest Blumenau que minha hora chegou!

Antes de começar, uma dica: se você puder, vá fora do feriado de outubro. Além de conseguir passagens mais baratas, e hotéis disponíveis, com certeza a festa estará um pouco mais vazia e transitável.

Fui em 2018, e foi minha primeira vez. Achei muitooooo lotado em determinado horário. Espero voltar, sim! Mas, fora do final de semana do feriado. Só para você ter uma ideia, no sábado, dia 13 de outubro, passaram mais de 70 mil pessoas por lá. É gente pra caramba!!!

Minha experiência

20181012_215414

Eu amei cada pedaço que eu pisei, cada banda que escutei, cada comida que comi, cada cerveja que tomei, cada detalhe que eu vi.

A estrutura

A festa acontece dentro do Parque Vila Germânica, que já é uma Alemanha a parte. Dá vontade de morar lá dentro. No parque, tem algumas casinhas de estilo alemão, onde funcionam algumas lanchonetes com comidas típicas, algumas cervejarias com chopes e lojas com souvenir como: camisas, canecas, tirantes, chaveiros, abridores etc.

20181013_164001

20181013_182941

20181013_120134-e1539701089461.jpg

Segura mais essa dica: Antes de mais nada, se não tiver levado a sua caneca, compre uma lá (ou no centro) e um tirante, você vai precisar. Ah, pode entrar com canecas! Os chopes são servidos em copos de plástico e a probabilidade de alguém esbarrar e seu copo cair é de 90%. Com a caneca, você segura firme na alça e pode passar um trator, que sua cerveja vai no máximo respingar no chão. Vai por mim! E o tirante serviu para quando eu não queria ficar segurando a caneca vazia.

Outra dica: perto dessas casinhas do lado de fora do pavilhão (atrás do Bier Vila) tem banheiro com fila menor. Foi um achado da vida!

Dica exclusiva: Quer tomar alguma cerveja diferente, importada? Vai atrás do Bier Vila, tem uma janela onde eles vendem cervejas de garrafa. Fui lá só para tomar a Weihenstephaner. Que delícia! Foram 30 minutos de longos goles e pura felicidade sendo desengarrafada!

Voltando para o evento… Além desta parte externa com o pátio e as casinhas, o espaço conta com um parque de diversões do lado de fora, com acesso livre, onde as crianças e os adultos podem se jogar!

Além disso, a Vila conta com três enoooormes pavilhões + o espaço exclusivo da Eisenbahn (patrocinadora oficial do evento naquele ano), que além de vender somente os chopes da marca, tem a presença de mais uma convidada (nesse ano foi a Baden Baden, que tambpem faz parte do Grupo Heinken). Além das cervejas, tem o espaço das comidas e palco onde acontecem shows, o desafio do serrote (em que uma dupla tem que conseguir em menos tempo serrar um toco) e o desafio do chope de metro (que ganha quem acabar o chope – zero alcoól – de metro primeiro). Nos outros três pavilhões, acontecem também os shows principais, e as demais cervejarias da festa se dividem entre eles. Todos contam com banheiro.

Dica: Evite o banheiro do Pavilhão 1. É insuportável!

Ahhh, o banheiro. Pensa naquela vontade de fazer xixi… Não deixe ela chegar depois das 23 horas. É fato que você não vai aguentar. A minha única reclamação do evento é essa. Depois das 23h, as filas dos banheiros são enoooormes. Para você ter ideia, no primeiro dia, não fui ao banheiro. Mas eu sou E.T. pra isso, consigo beber litros e não ir ao banheiro, para compensar o marido que vai a cada meio copo…rs

Outra dica de banheiro: Na entrada , tem um container. A fila dele é menor. Vai por mim!

20181012_214428

20181013_191952.jpg

O que mais amei, além da decoração espetacular, foi ver muitas pessoas entrando no clima da Oktoberfest. Com as roupas típicas, e aquele clima mais fresquinho te dá uma sensação boa de estar na Alemanha. Eu amo lugares que fazem questão de valorizar a cultura local. Não sei se é porque aqui, em Minas, não tem isso, de festas que represente a cultura local, mas é lindo ver toda aquela gente vestida a caráter (dava para ver quem era turista e quem não era). Todos fazendo os passinhos iguaizinhos e cantando todas as músicas, seja em alemão ou em alemonês (alemão+português), cantavam tudo!! E você vê na cara deles a felicidade de estar ali vivendo aquele momento em família ou entre amigos. Tem de tudo, idoso, adulto, jovem, criança, bebê. Ninguém pode ficar de fora, não! É uma tradição que passa por gerações.

Outro momento cultural do evento é o desfile que acontece na XV de novembro e acaba na Vila, toda quarta-feira à noite e aos sábados à tarde. Se chover ele é cancelado. E advinha minha sorte??? Lógico que choveu e não teve. Mas, se isso acontecer, não fique triste! No dia do cancelamento, acontece um mini desfile dentro dos pavilhões. É lindo! E tome mais surra de cultura local. Cada bloco fazendo sua dança, cantando sua música, é sensacional. Esse mini desfile já me arrepiou, imagina se eu visse o desfile original que acontece na rua. Eu mudaria pra lá!

Os shows

Acontecem shows o tempo inteiro em todos os pavilhões. Algumas bandas cantam músicas mais conhecidas brasileiras, mas todas tocam as clássicas da Oktoberfest tipo a “Ein prosit”, “Um barril de chope, é muito pouco pra nós” (essa eu dormi cantando, de tanto ouvir), “Jetzt Geht’s Los”, “Cuida bem da tua marreca”, “Zig-zag, zig-zag, Hoi hoi hoi” e por aí vai. Interagem com a galera, fazem passinhos é uma delícia tudo. Dá vontade de sair pulando junto.

20181013_225219

Para comer

As comidas presentes são as típicas alemãs. Não perdi a oportunidade, já que estava me sentindo na Alemanha. Comi o tradicional salsichão com mostarda, batata recheada com linguiça Blumenau, PRETZEL (que eu mais amo. Aliás, fiquei uma hora na fila para comer meu Pretzel giga – outro ponto negativo – a fila do Pretzel. Se gosta, já chega indo pra fila) e Hambúrguer com carne de Pato e Onion rings. Queria ter comido mais, mas não cabia…rs

20181013_204335

Para beber

Além dos chopes da Eisenbahn, estavam presentes diversas opções de cerveja artesanal. Cada uma mais gostosa que a outra. Todas com valor fixo de R$11, exceto pilsen que era R$8, eu acho. Não bebi pilsen, céloko, tanta coisa diferente pra beber. Deixei a pilsen para quando chegasse em BH!

Bebi chope de todas as cervejarias presentes. TODAS! Mas tive muito tempo para isso. Cerveja América, Antídoto Cervejaria, Eisenbahn, Bierland, Cerveja Blumenau, Das Bier Cervejaria, Hemmer’s Bier, Wunder Bier. Não vou destacar nenhuma aqui, porque gostei de todas que bebi.

Dica valiosa: Se você não gosta de local muitoooo abarrotado, tente ir mais cedo, contando que você possa sair até umas 23h30. A festa vai até às 5h, mas, depois das 23h30 tudo fica impraticável: andar, comer, beber, ir ao banheiro, calor. Mas não é por falta de organização não. É porque fica cheio mesmo. Mas, se você não importa. Se joga!

Outra dica: Se puder ir no final de semana fora do feriado, melhor ainda, aí acho que você pode até desconsiderar essa dica de antes das 23h30. Mas, não sei, pois, fui no feriado. Só tenho a visão de quem foi no feriado. Veja esta foto abaixo que fiz 00h da sexta-feira!

20181013_005846

E tome dica: Se você for da balada, à tarde, no Tunga Choperia, na rua XV de novembro, em frente a Havan, fica cheio de jovens fazendo o esquenta para o Oktoberfest. Como se precisasse, né? Mas é um Oktober (carnaval) a parte!

Esquenta-do-TUNGA-CHOPERIA
Foto de 2015. Quando fui, em 2018, choveu muito no sábado e não tinha quase ninguém.

Tente aproveitar o máximo que você conseguir de tudo. Eu voltei com a coluna e pernas doloridas de tanto que andei (impossível achar lugar para sentar) e de tanto que aproveitei cada segundo desse feriado. Amei e já quero voltar!

Eu queria falar muito mais sobre todas as minhas impressões sobre o Oktoberfest Blumenau. Mas já começa a ficar cansativo para quem lê. Qualquer dúvida, pode me perguntar no Instagram @cervejeirauai que, se eu souber, respondo.

Pröst!!! E até breve Blumenau!!!

EISNENBAH

A Eisenbahn não é mais a cervejaria oficial da Oktoberfest Blumenau. O edital de licitação que fazia da marca a cervejaria oficial originalmente encerrou na edição de 2020.

A marca era a cervejaria oficial da Oktoberfest desde 2015. 

Oktoberfest 2022

A Oktoberfest de Blumenau vai acontecer entre os dia 5 e 23 de outubro de 2022.

Neste ano,  a Ambev foi anunciada como a cervejaria oficial da 37ª Edição da Oktoberfest Blumenau. Ela foi a única cervejaria que participou da licitação. Inclusive já comunicou que a Spaten foi a marca escolhida para representar a companhia durante a Oktoberfest.

Porém, não vai faltar opções.

Porém, não vai faltar opções.

Porém, não vai faltar opções. Ao todo, serão nada mais, nada menos, que 128 opções de cervejas de 17 cervejarias à disposição.

São desde tradicionais, como Bierland, Schornstein e Cerveja Blumenau, a novidades como Balbúrdia, Berghain, Borck, Segredos do Malte e Oma’s Haus, que integram um inédito consórcio de microcervejarias.

Além deles, a Ambev levará a Spaten (Alemanha), Patagonia (Argentina), Hoegaarden (Bélgica), Goose (EUA) e Colorado (Ribeirão Preto, São Paulo).

Todas as cervejas com preços pré-estabelecidos:

  • Pilsen – R$ 14
  • Especial – R$ 16
  • Superespecial – R$ 20

Para quem for, bom festejo!!

Termos Cervejeiros

cervejeiroA gente vê perfis de Instagram e blogs especializados em cerveja artesanal usando algumas palavras específicas no mundo dos cervejeiros. Algumas são tão usadas que a gente acaba acostumando, assimilando e entendendo o que significa. Mas, outras, a gente tem que “dar um Google”, não é mesmo?

Para te dar uma ajudinha, trago aqui 22 termos cervejeiros e seus significados para você se familiarizar e saber um pouco mais desse vasto mundo dos termos. Bora aprender mais um pouquinho!

ABV: sigla de Alcohol by Volume, “Álcool por Volume” em inglês. A grosso modo é o percentual de álcool que tem na cerveja. Seu cálculo é definido como o volume em ml de álcool puro em 100 ml. Ou seja, uma cerveja com 10% de ABV contém 10 ml de álcool a cada 100 ml de cerveja. Eita! Leia mais sobre ABV

ADSTRINGÊNCIA – É a sensação de contração e repuxamento na boca, em especial na língua. É a mesma sensação de quando você come uma banana verde. Isso ocorre quando acontece algum erro durante a produção da cerveja.

ANTIOXIDANTE – Substância colocada na cerveja para protegê-la contra a ação do oxigênio, evitando sua oxidação.

BUQUÊ – Sensação que traduz a complexidade dos aromas de cerveja produzidos por seus ingredientes e seu processo.

BJCP – Abreviatura de Beer Judge Certification Program. É uma associação americana que padroniza os parâmetros de julgamento de cervejas nos concursos. Desenvolveu um Guia de Estilos de Cerveja, usado no mundo inteiro, para produzir e julgar as cervejas.

BRASSAGEM – É uma das fases da fabricação da cerveja. É a etapa em que macera os maltes. Momento em que que os açúcares são extraídos dos grãos através da atuação de diferentes enzimas ativadas pelo aquecimento da água em diferentes temperaturas.

Mas a gente costuma usar a palavra “Brassagem” para falar que vai fazer cerveja. “Vou fazer uma brasagem hoje” = “Vou fazer cerveja hoje”.

CARBONATAÇÃO – É o teor de gás carbônico (dióxido de carbono – CO2) presente na cerveja. São bolhinhas que ajudam na formação da espuma. Se a cerveja estiver com muita espuma, ela estará muito carbonatada. Leia mais sobre a Espuma

CORPO – Sensação tátil da bebida em contato com a língua que nos dá a percepção de viscosidade e fluidez. Por exemplo: Ao beber, se sentir o líquido mais pesado na língua, se tiver uma sensação que ele é mais grosso, diz-se que a cerveja tem mais corpo ou é encorpada.

DRINKABILITY – É um conceito subjetivo usado para descrever o quanto uma cerveja é fácil e agradável de se beber. Uma cerveja com alta drinkability é uma cerveja fácil de beber, que sacia, que você toma vários copos tranquilamente. Cerveja com baixa drinkability, são cervejas que você não aguenta beber muito. São cervejas mais pesadas. Isso vai depender do paladar de quem está tomando.

EBC ou SRM – São escalas utilizadas para medir a cor das cervejas. Quanto maior o número, mais escura é a cerveja. Lei mais sobre EBC

FERMENTAÇÃO – Processo gerado pela levedura, no qual ocorre a conversão de açúcares do mosto em álcool e CO², transformando o líquido em cerveja.

IBU: Abreviatura de International Bitterness Units Scale é a Escala Internacional de Unidade de Amargor (IBU). Essa medida aponta o amargor de uma cerveja. Quanto maior o número, mais alto é o amargor dessa cerveja. Leia mais IBU

LÚPULO – É uma flor responsável por fornecer o amargor para a cerveja. Também oferece sabor e aroma variados, depende do perfil do lúpulo. Além disso, ele tem a função de conservar a cerveja por mais tempo. Leia mais Lúpulo

LEVEDURA – Grupos de micro-organismos usados para realizar a fermentação a partir do açúcar e produzir álcool e CO² (dióxido de carbono). Na verdade, é ela quem faz a cerveja! Leia mais sobre Levedura

LEI DA PUREZA – Em alemão, Reinheitsgebot. Lei estabelecida em 1516, pelos duques Wilhelm IV e Ludwing X, para regular a produção de cerveja à época. A partir de então, só foi permitida a fabricação de cervejas que utilizassem malte de cevada, água e lúpulo (fermento e fermentação eram desconhecidos). Em 1906, a Lei foi modificada para acrescentar o fermento (levedura) e admitir o trigo como adjunto. Seguir a Lei da Pureza é ter uma referência de qualidade em todo o mundo. Leia mais sobre Lei da Pureza

MALTE – Cereal que passou pelo processo de germinação e secagem para transformação do amido em açúcar fermentável. Ele que dá o aroma e o sabor às cervejas. Leia mais sobre malte.

MOSTO/MOSTURA – Caldo resultante da mistura fervida de malte e água, rico em açúcares fermentáveis. Esse caldo será filtrado, para receber o lúpulo e o fermento e ser transformado em álcool e gás carbônico. Enfim, em cerveja.

PINT – modelo de copo tradicionalmente utilizado em pubs ingleses e, posteriormente, bares norte-americanos. Os pints ingleses, chamados de Nonic Pint, tem capacidade de 568 ml, enquanto os pints americanos, chamados de Shaker Pint, tem capacidade de 473 ml. Leia mais sobre Tipos Copos

OFF-FLAVOR – Qualquer aroma desagradável ou indesejado percebido na cerveja. Pode ser causado por problemas de oxidação, falta de higiene, ingredientes deteriorados ou transporte/ armazenagem inadequados. Leia mais sobre off-flavor.

PICÂNCIA – Sabor como o da pimenta, que estimula, excita ou irrita o paladar.

RETROGOSTO – Sensação que permanece após a degustação e a ingestão da cerveja.

TURBIDEZ – redução da transparência de um líquido. Quando a cerveja fica turva. Nas cervejas é comum encontrar turbidez devido a presença de leveduras (por não serem filtradas) e partículas de lúpulo (geralmente quando emprega-se a técnica de dry hopping) em suspensão.


adeus.jpgEspero ter ajudado com esse e com os demais conhecimentos que passei para vocês por aqui.

Esse foi o último artigo que escrevo aqui no blog falando sobre assuntos e curiosidades no mundo cervejeiro (artigos de conhecimento).

Foi um ano e seis meses de muita pesquisa e aprendizado. É trabalhoso? É! Mas o retorno de ver muitas pessoas passando a entender sobre esse assunto, que para muitos antes era um bicho de sete cabeças, não tem preço. Acho que dei minha contribuição para a disseminação da cultura cervejeira.

Vou parar por aqui não porque quero, mas por pensar que já esgotei todos os assuntos cervejeiros que poderia tratar aqui. Afinal, o meu objetivo, desde o início, era escrever para aqueles que estão inciando no mundo cervejeiro. 😉

Claro que, se surgir novidades/assuntos, voltarei aqui. É apenas um ATÉ BREVE!

Mas, NÃO ME ABANDONEM! Vou parar apenas com esses artigos/textos de conhecimento, com caráter mais explicativo. O Instagram @cervejeirauai continua sendo atualizado. Onde trago sempre dicas boas de cervejas e muita história.

Valeu cervejeiras e cervejeiros de plantão. Fui e te espero lá no insta!

Loja da Fábrica Ouropretana: Um bar artesanal em meio a muita história

A dica para beber cerveja artesanal desta semana vai lá para Ouro Preto.

20181227_204429

Conhece a Ouropretana? Ainda não? É uma cervejaria de Ouro Preto/MG, fundada em 2011. Desde então, eles têm feito um excelente trabalho com cervejas de muita qualidade. A cervejaria produz, hoje, seis estilos de cervejas fixas, em garrafa e em chope, e produz também algumas receitas sazonais, todas elas sem adição de produtos químicos.

Em comemoração ao aniversário de 5 anos, em 2016, a cervejaria inaugurou a Loja da Fábrica Ouropretana, um espaço próprio, onde as pessoas podem degustar chopes da casa, provar tira-gostos bem mineiros (dão preferência para os regionais) e ainda levar produtos personalizados e exclusivos da Cervejaria Ouropretana.

20181227_215256

O local: A casa não é muito grande. Tem mesa compartilhada, mesa pra grupo de pessoas, para casais e balcão, pra quem gosta. O local é diversificado, frequentado por turmas de amigos, casais e famílias, como eu fui (levei meus pais desta vez).

Para beber: Tinham as cervejas da própria Ouropretana que são: Pilsen, Pale Ale, Amburana Brown Porter, Ginger IPA (feita com maracujá que é um sucesso por lá) e a Café Lager. Além disso, tem cerveja convidada. No dia era a Leuven. Experimentei algumas da Ouropretana e gostei de todas. Das tradicionais, o preço varia de acordo com o estilo e ml. 200Ml vai de R$4,90 a R$10,90, 300ml vai de R$5,90 a R$11,90 e a de 500ml vai de R$10,50 a R$18,50  Veja as fotos. Ah, pra quem não bebe cerveja tem vinho e espumante.

Para comer: Não é tão extenso o cardápio, tanto que é escrito na parede.

20181227_215059.jpg

Tudo parece tão bom, que a gente fica na dúvida do que pedir. Eles chamam de Tentativas de Delícias, que variam entre R$16 a R$35.

Dá ou não dá para ficar perdido? Claro que pedimos a famosa paçoca de carne, feita com carne seca. Que você come com a mão como um bom mineiro, ou na colher mesmo, se preferir. Além disso, comemos o Torresmo de Barriga, que é bem carnudo e vem com limão e geleia. E comemos também o bolinho de carne. As porções são bem econômicas, talvez seja assim para pedirmos mais opções. Tudo que comemos estava excelente!

Depois desse monte de cerveja boa e comida gostosa que falei, deu água na boca, não é mesmo? Já quero voltar em Ouro Preto!

Para quem ainda não conhece, é uma cidade deliciosa de passear e conhecer sua história. E, sabendo que tem bar exclusivo com chope artesanal, fica mais convidativa ainda!

20181228_154031

Gostou da dica? Vai lá no meu insta @cervejeirauai e comenta no post que dediquei à cervejaria.

20181227_214622
Selfie de papis 🙂

Loja da Fábrica Ouropretana
Rua Benedito Valadares, 250, bairro do Rosário
Ouro Preto/MG
www.ouropretana.com.br
@cervejariaouropretana