Cervejas que harmonizam com a Primavera

A primavera é uma estação que eu acredito que seja unanimidade entre as pessoas. Não que ela seja a preferida, mas, eu acredito que todos gostem dela. Conhecida como a estação das flores, ela deixa o clima mais alegre, os dias ficam mais longos e coloridos. Além disso, aquela friaca do inverno vai ficando de lado, e os dias começam a ficar mais quentes, com a temperatura variando entre agradável e alguns dias mais quentes. Todos esses ingredientes juntos nos fazem ter ainda mais vontade de abrir uma cervejinha para relaxar.

Cervejas com notas de frutas, flores, especiarias e cítricas ganham vez na Primavera, além do mais, as cervejas refrescantes harmonizam perfeitamente com as temperaturas que começam a se elevar nessa estação. Porém, não precisam ser cervejas tão leves quanto às indicadas para o verão.

Mas, então, quais estilos vão harmonizar com a primavera?

Para facilitar sua vida, trouxe aqui OITO dicas de cervejas mineiras que combinam com essa estação deliciosa! Mas, se você não é de Minas e não tiver acesso a essas cervejas, foca no estilo que eu deixei destacado em cada cerveja, escolha a cervejaria mais acessível para você e seja feliz!

Anota aí:
–  Abaporu – Cervejaria Verace – Estilo Catharina Sour: leve, refrescante, ácida e leva frutas.
– Lemon – Cervejaria Slod – Estilo American Wheat: destaca pelo sabor e aroma cítricos derivados do uso da casca de limão siciliano em sua receita. Uma cerveja leve e fácil de tomar.
– Áustria Hefe Weizen – Krugbier – Estilo Weiss (Cerveja de Trigo): refrescante, pouco amarga, com aroma remetendo ao cravo e banana. Uma cerveja mais encorpada.
– Berliner – Cervejaria Wäls – Estilo Berliner Wiesse: cerveja refrescante, levemente acidez, feita com frutas vermelhas, hibisco além do aroma de morango e o sabor ácido.
– Session IPA Lagoon – Estilo Session IPA: leve, porém com a presença do lúpulo trazendo notas cítricas marcantes.
– Rancor – Krugbier – Estilo India Pale Ale (IPA): Aromática, refrescante, lupulada e amarga.
– Newbie – Prussia Bier – Estilo New England IPA: A presença do lúpulo é bem intensa e é um pouco mais alcoólica. Há uma explosão de sabores e aromas com presença do cítrico e das frutas tropicais.

Gostou dessas dicas? Vai lá no Insta @cervejeirauai e veja o Reels que eu fiz com essas dicas. Se tiver outras dicas para a estação, manda lá também!

Boa primavera!

Cervejas trapistas: cervejas feitas por monges

Você sabia que existem cervejas feitas por monges?

Pois é. Essas, são as Cervejas Trapistas: produzidas e supervisionadas por monges da Ordem Trapista e fabricadas na própria Abadia/Mosteiro. Muitas das cervejarias possuem funcionários que não são monges, mas há sempre a supervisão de um monge dentro da cervejaria.

Os trapistas são monges que dedicam suas vidas à oração e ao trabalho, em uma vida comunitária.

Uma pequena parte do que os monges e freiras produzem em suas abadias é para uso próprio. A maior parte é destinada à venda. Os trapistas (monges) e trapistinos (freiras) usam os rendimentos para financiar as necessidades de suas comunidades religiosas. Qualquer coisa extra é dada a terceiros. Dessa forma, eles apoiam projetos em países em desenvolvimento e obras de caridade, enfim, oferecem ajuda a quem precisa.

E com a cerveja que eles fabricam e vendem não é diferente. Não pode ter fins lucrativos. Sim, eles também bebem!

Dos mais de 170 mosteiros trapistas existentes no mundo, somente treze são autorizados a marcar suas cervejas com o selo de autenticidade trapista, o Authentic Trappist Product (ATP), garantindo a origem monástica de sua produção.

Como um mosteiro recebe autorização para usar o selo?

Para poder usar o selo em um de seus produtos Trappist®, a abadia deve atender a estes três critérios rigorosos:

– Todos os produtos devem ser feitos nas imediações da abadia;
– A produção deve ser realizada sob a supervisão dos monges ou freiras;
– Os lucros devem ser destinados às necessidades da comunidade monástica, para fins de solidariedade dentro da Ordem Trapista, ou para projetos de desenvolvimento e obras de caridade. Ou seja, não pode ser um empreendimento lucrativo. A renda deve cobrir os custos de vida dos monges e o que sobrar deve ser doado.

Imagem ITA

Essa licença tem duração de cinco anos e pode ser renovada.

Uma observação importante é que todas as abadias trapistas têm o direito exclusivo de uso da marca Trappist®. Porém, o selo ATP só foi concedido para treze. Esse selo não só tem origem monástica, mas também garante que foi produzido de acordo com as rígidas diretrizes estabelecidas pelo Associação Trapista Internacional

Onde estão e quais são as Cervejas Trapistas autorizadas?

Todas estão na Europa. Veja como elas estão distribuídas:
– Seis na Bélgica: Trappistes Rochefort (Cidade de Namur), Achel (Limburg), Orval (Florenville), Westmalle (Westmalle), Westvleteren (Westvleteren) e Chimay (Hainaut);
– Dois na Holanda:  La Trappe (Tilburg) e Zundert (Zundert);
– Um na Áustria: Stift Engelszell (Engelhartszell an der Donau);
– Um na Itália: Tre Fontane (Roma);
– Um na Inglaterra: Mount St. Bernard Abbey (Tynt Meadow);
– Um na Espanha: Cardenã (Burgos);
– Um na França: Mont des Cats (Godewaersvelde).

Nos Estados Unidos, tinha a St. Joseph’s Abbey (Spencer- Massachusetts), única fora da Europa. Porém, ela fechou as portas em maio deste ano (2022).

Uma observação interessante é que outros produtos também podem se qualificar para receber o selo como: pães, queijos, licores e artefatos religiosos.

Imagem: Philip Rowlands 

A mais antiga cervejaria trapista é a Trappistes Rochefort, produzida desde o ano de 1595, dentro da Abadia de Notre-Dame de Saint-Rémy, próxima a vila de Rochefort, na Bélgica. Suas cervejas são o ápice de aroma e sabor, sendo suas receitas secretas e a entrada de visitantes na fábrica não é permitida. Porém, é possível conhecer o mosteiro, experimentar e comprar cervejas locais e souvenirs.

Como surgiu essa ideia de dar um selo para as cervejas?

A partir da segunda metade do século XX, as cervejas trapistas ganharam fama e começaram a inspirar outros produtores mundo afora, que passaram a colocar em seus rótulos “Estilo Trapista”, mesmo não tendo nenhum vínculo com a Ordem Trapista.

Em 1998, oito mosteiros trapistas se uniram e fundaram a International Trappist Association (ITA) – Associação Trapista Internacional, para evitar que empresas comerciais não-trapistas abusassem do nome Trappist (trapista). Com isso, essa associação privada criou o logotipo “Authentic Trappist Product“, para identificar as cervejas que pertencem à associação.

Hoje, a ITA conta com dezenove abadias trapistas em todo o mundo.

Uma lei da Câmara Belga do Comércio decretou que: “Cerveja Trapista é somente aquela que é produzida por monges Cistercienses, e não uma cerveja no estilo Trapista, a qual deve ser denominada cerveja de Abadia”.

Cerveja de Abadia

Com isso, surgiu o conceito Cerveja de Abadia ou cerveja do tipo Abadia (Abbey Beer).

Elas devem carregar a tradição vinda dos mosteiros, mas podem ser produzidas tanto por mosteiros e abadias que não pertencem à Ordem Trapista, quanto por empresas sem ligação com uma determinada ordem religiosa, e nem precisam mencionar um mosteiro específico.

Ou seja, podem ser consideradas Cervejas de Abadia as que são:
– Produzida por um mosteiro/abadia não trapista; ou
– Produzida por uma cervejaria comercial sob um acordo com um mosteiro existente; ou
–  Leve no rótulo o nome de uma abadia extinta ou fictícia por um cervejeiro comercial; ou
– Tenha uma marca vagamente monástica, sem mencionar especificamente o mosteiro, por um cervejeiro comercial.

As mais conhecidas são: Maredsous, Leffe e St. Bernardus.

Atenção! Trapistas e de Abadia não são estilos de cerveja!

Os nomes funcionam mais como referência e uma denominação ligada à tradição cervejeira oriunda dos monastérios.

E tem mais: Toda Cerveja Trapista é de Abadia, mas, nem toda cerveja de Abadia é Trapista.

Os estilos fabricados mais comuns, tanto para Trapistas quanto de Abadia são: Dubbel, Tripel, Quadruppel, Blond Ale, Bock, Belgian Pale Ale, Strong Dark Ale, dentre outros.

São cervejas complexas, de muita personalidade e muitas delas têm um alto teor alcoólico. Eu amo!

Fonte: www-trappist-be

Como saber por qual cerveja começar em uma sequência de estilos diferentes?

Eu sempre recebo mensagens de pessoas que estão com algumas cervejas para tomar perguntando por qual delas começar e qual sequência seguir.

Primeiro, lembro que não existe uma regra, mas, sim, orientações para que sua experiência durante a degustação seja mais completa e prazerosa. Isso, é para que um estilo não “atropele” o outro.

A sequência mais adequada é começar das mais leves para as mais fortes.

O que é cerveja leve e o que é cerveja forte?

Cervejas leves são as cervejas menos intensas, que têm um sabor sutil e o aroma quase não tem presença. As cervejas mais fortes, são aquelas com o sabor mais marcante que, mesmo depois do gole, você continua sentindo a presença dela no paladar. Por isso, não é adequado começar com uma cerveja muito intensa, pois, ao tomá-la, o paladar se acostuma com sabores acentuados e perde a sensibilidade para apreciar as sutilezas das cervejas mais leves. É como se você comece uma feijoada e depois fosse para a salada. Perde-se o paladar.

Com isso, para criarmos uma sequência ideal, levamos em consideração três critérios: álcool, amargor e cor. Sendo assim, vamos da menos alcoólica para a mais alcoólica, da menos amarga para a mais amarga e da mais clara para a mais escura.

Uma observação! Nem sempre as cervejas mais escuras são mais alcoólicas, como a Dry Stout, que é uma cerveja escura e costuma ter entre 4% e 5% de teor alcoólico. Nesse caso, se você tiver com uma Dry Stout, por exemplo, deixe-a entre as intermediárias.

Então vamos lá! Vou montar uma sequência de cinco cervejas para você entender melhor sobre tudo que falei.

1 – Comece pelas mais leves e delicadas, com menor teor alcoólico e baixo IBU como a American Lager. Começar pela American Lager, que algumas cervejarias chamam de Pilsen, nunca tem erro. Seu IBU vai de 8 – 18 e o ABV de 4,2 – 5,3%. Se quiser mais um exemplo, a Cream Ale (IBUs: 8 – 20 / ABV: 4.2 – 5.6%).

2- Pode começar a subir de intensidade e pegar um estilo que já tenha a presença de sabores um pouco marcantes, porém, ainda sutis como: Witbier (IBU: 8 – 20 / ABV: 4.5 – 5.5%), Weissbier (IBU de 8 – 15 / ABV: 4.3 – 5.6%) ou Munich Helles (IBU: 16 – 22 / ABV: 4.7 – 5.4%)

3 – Agora, você pode colocar mais cor. Cervejas que levam maltes tostados, que dão essa cor avermelhada a preta, costumam ter mais intensidade tanto no sabor quanto no aroma. Aí vão alguns exemplos: Märzen (IBU: 18 – 24 / ABV: 5.8 – 6.3%), Munich Dunkel (IBUs: 18 – 28 / ABV: 4.5 – 5.6%) ou Vienna Lager (IBU: 18 – 30 / ABV: 4.7 – 5.5%).

4 – Já aumentamos a cor e a intensidade. Agora, podemos aumentar o nível do amargor. São aquelas cervejas que apresentam o IBU mais alto. Veja alguns exemplos: Strong Bitter (IBU: 30 – 50 / ABV: 4.6 – 6.2%), English IPA (IBU: 40 – 60 / ABV: 5,0 -7,5%). American IPA (IBU: 40 – 70 / ABV: 5.5 – 7.5%).

5 – Para fechar, eu escolheria uma cerveja intensa em tudo, no ABV, no IBU e na cor como: American Strong Ale (IBU: 50 – 100 / ABV: 6.3 – 10.0%), English Barleywine (IBU: 35 – 70 / ABV: 8.0 – 12.0%) e Imperial Stout (IBU: 50 – 90 / ABV: 8.0 – 12.0%). Observe que, aqui, tanto o IBU quanto o ABV são bem altos.

Espero que tenha ajudado com essa dica. Qualquer dúvida, é só mandar por direct no Instagram.

Dicas extras:
– Use uma tulipa ou um Half Pint para a degustação, são copos coringas que não afetam a experiência;
– Lave bem o copo antes;
– Sirva as cervejas na temperatura ideal. Os rótulos costumam indicar essa temperatura. Ela não deve ser nem quente nem gelada demais. Saiba mais sobre temperatura ideal aqui;
– Beba água antes, durante e depois da degustação;
– Para limpar o paladar entre um estilo e outra, coma bolachas de água e sal, ou pães ou queijo canastra, que é neutro. Alguns alimentos mais intensos podem atrapalhar seu paladar.

Escola Mineira de Sommelieria entra em 2022 com novos projetos

A Escola Mineira de Sommelieria, EMS, abre as inscrições para a sua 21ª turma do já reconhecido curso de Sommelier de Cervejas com uma grande novidade: a escola vai iniciar seus trabalhos em 2022 em sede própria. Localizada na Rua Antônio de Albuquerque, 155 – Loja 1, em um ponto privilegiado na Savassi, o local conta com três andares bem estruturados que acabam de passar por reforma para atender às necessidades dos cursos especializados de bebidas.

“Pretendemos fazer da EMS um completo Centro de Educação Cervejeira, para ser referência no mercado mineiro e, em um futuro breve, nacional. Um projeto ousado que vai refletir positivamente no mercado. Neste espaço, além das aulas de Sommelier de Cervejas, teremos um co-working cervejeiro para fomentar negócios, aprendizados, treinamentos sensoriais e experiências gastronômicas, enfim, será um local todo destinado para o fomentar o mercado cervejeiro”, explica Jaqueline Oliveira, proprietária da escola.

Jaqueline já formou 20 turmas de Sommelier de Cerveja

O curso de Sommelier de Cerveja é ministrado pelo renomado Professor Carlos Henrique Faria de Vasconcelos e conta com profissionais de diversas áreas que agregam ao currículo do curso. Novos cursos como Gestão de Cervejarias e Abertura e Gestão de Micro cervejarias estarão nas grades curriculares da E.M.S. , serão ministrados por Ramon Garcia. Além de curso de produção, cursos  mais rápidos que atendam ao público que tem descoberto e se encantado pela cerveja artesanal,  jantares harmonizados e experiências com outras bebidas como café, cachaça e vinho.

As vagas para o curso de Sommelier de Cerveja já estão abertas e a nova turma começa em fevereiro.

Para mais informações, entre em contato pelo WhatsApp (31) 98402-6452 ou pelo e-mail emscerveja@gmail.com.

Sobre a EMS

Fundada em BH há 10 anos, hoje a escola pertence à Jaqueline Oliveira,  e já formou 20 turmas de Sommelier de Cerveja e é referência em indicações no mercado da cerveja. O objetivo da escola é formar o aluno para que ele tenha toda a vivência teórica e prática para atuar com destaque no mercado cervejeiro.

Sobre Jaqueline

Formada em Magistério, graduada em Pedagogia, Pós Graduada em Gestão Estratégica da Informação pela UFMG, com cursos na área de  Marketing Digital, Sommelier de Cerveja e CEO da E.M.S.

Sobre o professor

Carlos Henrique de Faria Vasconcelos é biólogo de formação e mestrando em Biotecnologia da UFOP. CH, como é conhecido, é o mestre cervejeiro da cervejaria alemã Hofbräuhaus em BH e professor do curso de gastronomia das Faculdades UNA e Arnaldo.

Minha experiência com a Escola

Quem me acompanha pelo Instagram @cervejeirauai, sabe que me formei na turma do ano passado, a 20ª Turma – Turma Segunda Dose. Foi muito aprendizado durante todo o curso, além de uma rica troca de experiência entre os professores e demais alunos. Eu tenho certeza que, depois do curso, fiquei muito mais preparada para estar no meio cervejeiro.

O curso é voltado tanto para quem quer trabalhar com cerveja quanto para quem ama esse líquido sagrado e quer aprender mais e entender melhor sobre cada cerveja degustada. Eu recomendo demais!

CURSO DE SOMMELIER DE CERVEJAS

Início das aulas: Fevereiro/2022
Valor: R$4.000,00. Pode ser parcelado em até 6 vezes, mediante depósito bancário.
À vista o curso sai por R$3680,00.
Local das aulas: Rua Antônio de Albuquerque,155 – Savassi – Loja 1
Contato: emscerveja@gmail.com

O que faz um Sommelier de Cerveja?

Afinal, o que faz um Sommelier de Cerveja?

O Sommelier, em geral, é aquele profissional que “executa o serviço especializado de bebidas”.

O papel do profissional sommelier é descobrir, interpretar e acolher os desejos do consumidor apresentando a ele todas as opções possíveis. O consumidor é sempre o foco principal do trabalho de um sommelier de cervejas. É para ele que voltamos nossa atenção. Sendo assim é preciso despir-se de qualquer preconceito em relação a gosto, preferências, simpatias ou antipatias em relação aos variados estilos de cerveja disponíveis.

O campo de atuação de um sommelier de cervejas é amplo no que se refere às várias fases do consumo. Ele pode atuar tanto diretamente com o consumidor final quanto nos bastidores.

São atividades de um sommmelier:

– Indicar e sugerir cervejas e harmonizações;

– Promover eventos de degustação e harmonização;

– Atuar em bares, restaurantes e hotéis e, desta forma:

· Elaborar cartas de cervejas de acordo com o perfil do estabelecimento

· Cuidar do armazenamento das bebidas para manter a qualidade

· Indicar e sugerir cervejas e harmonizações;

– Exercer papel fundamental dentro de importadoras, com a ajuda de seleção de rótulos e informações técnicas sobre os produtos;

– Treinar equipes de atendimento e vendas na área cervejeira;

– Disseminar conhecimento e cultura cervejeira;

– Ensinar em cursos básicos e avançados de profissionais sommelier.

– Preparar e executar o serviço de cerveja, ou seja, servir o cliente da forma adequada. Em alguns lugares, é o próprio sommelier quem serve;

– Prestar consultoria para empresas no ramo cervejeiro;

– Fazer parte do time de desenvolvimento dentro de cervejarias, ajudando na criação de novos produtos e tendências;

– Atender e resolver reclamações de clientes, aconselhando e informando sobre as características do produto.

São muitas possibilidades não é mesmo? Por isso, para ser um Sommelier de Cerveja, é preciso estudar e ler bastante, estar sempre atento às novidades e tendências do mercado. É essencial que o repertório de conhecimento sobre a história da cerveja, escolas e estilos seja conehcido e seja constantemente renovado. O sommelier de cervejas é, antes de tudo, um contador de história e seu público deve sempre ser instigado a querer conhecer mais.

Então, se sonha em trabalhar com cerveja ou apenas ter propriedade ao falar desse assunto, entender melhor esse mundo fascinante que é o mundo cervejeiro, busque uma escola de sommelier séria, que possa te dar uma base. E, depois, é com você, nunca pare de estudar pois o mercado cervejeiro é muito dinâmico, e sempre tem algo que a gente ainda não sabe.

Dica de Curso de Sommelier em Belo Horizonte

Em Belo Horizonte, eu indico a Escola Mineira de Sommelieria (EMS), onde eu me formei. A Escola é comandada pela Jaqueline de Oliveira, e tem como professor e coordenador o Carlos Henrique Vasconcelos, mais conhecido como C.H., dois profissionais renomados no mercado. A escola conta com um dos cursos mais completos do mercado, com cinco meses de duração, aulas semanais com ênfase em harmonizações e degustações de cerveja. Busca aí no instagram @e.m.sommelieria

Informações complementares:

– Em 2011, a Lei nº 12.467, regulamentou o exercício da profissão de sommelier. Porém, essa lei, cita apenas o profissional especializado em vinhos.

– Em 2021, enfim, a profissão de Sommelier de Cerveja passou a ser reconhecida pela Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), do Ministério da Economia. A CBO é o documento que centraliza, descreve e classifica todas as profissões do mercado de trabalho brasileiro.

– A titulação Sommelier de Cerveja, além de Sommelier de Cachaça e Sommelier de Saquê, será incluída na CBO, no início de 2022, quando o documento é atualizado. Ela entrará no código 5134-10, na família ocupacional 5134, que trata dos trabalhadores no atendimento em estabelecimentos de serviços de alimentação, bebidas e hotelaria.

Fonte:
– Site cervejaemalte.com.br
– Wikipédia;
– Material didádico da Escola Mineira de Sommelieria, elaborado pelo professor Carlo Henrique de Faria Vasconcelos.