Cervejas oficiais da Oktoberfest: Märzen e Festbier

Sabemos que a Oktoberfest é o maior evento da cerveja do mundo. Por isso, hoje, vim falar das cervejas oficiais da Oktoberfest de Munique.

Resumindo a história da Oktoberfest: Em 12 de outubro de 1810, o príncipe Ludwig von Bayern se casou com a princesa Therese von Sachsen-Hildburghausen e convidou a cidade inteira para a festa. A festa durou uma semana. Foi um sucesso tão grande, que passou a ser comandada pela população da cidade de Munique e se tornou anual. Se quiser saber mais sobre a história, eu contei aqui Oktoberfest.

Märzenbier

Voltando mais especificamente para a cerveja, em 1872, o verão muito quente, deixou os cervejeiros na mão, em Munique. A cerveja lager e a cerveja de verão (Sommerbier), reservadas para o festival, foram todas bebidas antes das comemorações chegarem ao fim. Com isso, a Cervejaria Spaten teve a ideia de comprar cerveja de outra cervejaria para revender. Assim, ela comprou a Märzenbier da Cervejaria Franziskaner-Leist e levou para vender no evento. Ela foi comercializada com o nome Märzen-Oktoberfest. A cerveja chamou tanta atenção, que todas as outras cervejarias passaram a comercializá-la e ela virou a cerveja oficial do Oktoberfest.

Por isso, as Märzen passaram a ser chamadas de Oktoberfest ou, para as cervejarias oficiais, Oktoberfestbier. Detalhe que somente as seis cervejarias oficiais do evento têm a permissão de usar a nomenclatura Oktoberfestbier. Por isso, as demais só usam Oktoberfest ou Märzen.

As únicas sei cervejarias que podem vender cerveja na Oktoberfest de Munique são essas: Hofbräuhaus, Augustiner, Paulaner, Hacker-Pschorr, Spaten e Löwenbrau. As cervejas têm que ser produzidas em Munique.

Esse estilo pode ser fabricado no mundo todo, desde que chamem apenas de Oktoberfest ou Märzen.

Festbier: Fim do reinado da Märzenbier

Somente em 1990, a Oktoberfest passa a ter outra cerveja oficial: a Festbier

Paulaner Oktoberfestbier

Em meados da década de 1970, a cervejaria Paulaner, uma das seis cervejarias oficiais, desenvolveu uma versão da Oktoberfestbier mais suave, que não deixava de ser maltada, mas de cor dourada, sendo mais leve e mais fácil de beber que a tradicional Märzen. O objetivo era criar uma cerveja que pudesse ser mais consumida durante a Oktoberfest.

Na década de 1990, a inovação da Paulaner caiu no gosto popular e tornou-se regra. Assim, essa Oktoberfestbier, mais leve, passou a ser a cerveja oficial do evento e todos os cervejeiros passaram a produzi-la. A partir dessa década, a cerveja passou a ser chamada de Festbier. Ou seja, um novo estilo foi criado, conhecido também como Wiesn, representando a moderna cerveja alemã. Hoje, diversas cervejarias do mundo produzem Festbier.

Portanto a Festbier também pode ser chamada de Oktoberfest ou Oktoberfestbier (pelas cervejarias oficiais).

Características da Festbioer segundo o BJCP: Uma Lager alemã suave, limpa e clara com um sabor maltado moderadamente forte e um caráter lupulado de pouca expressão. Habilmente equilibrada a intensidade e a drinkability, com uma impressão de paladar e impressão final que estimulam beber. Exibe sabores elegantes de maltes alemães, sem ser demasiadamente pesados ou cheios.

Concluímos então que, o estilo Märzen é diferente do estilo Festbier. Não devem ser confundidos. A Festbier é menos intensa e menos tostada que a Märzen. Porém, os dois podem ser chamados de Oktoberfest por esses motivos que citei.

Um pouco mais de história: Porque Märzen?

Em 1539, foi decretada a Bayerische Brauordnung (a lei Brauordnung da Baviera) que instituiu que as cervejas só poderiam ser produzidas entre os dias de São Miguel (29 de setembro) e São Jorge (23 de abril). Ou seja, a cerveja só poderia ser produzida nas estações mais frias, no outono e no inverno (do hemisfério norte). Isso se deu porque, durante as estações mais quentes, o tempo seco, junto com o intenso calor das cervejarias, estava causando muitos incêndios no local. Além disso, as cervejas feitas durante o verão, não tinham a mesma qualidade, já que, naquela época, não havia refrigeradores.

Como os meses de março e abril eram os últimos meses permitidos para a fabricação da cerveja, em março, as cervejarias começavam a produzir cervejas para serem estocadas. Daí, surgiu o nome Märzen, “de março” em alemão, Märzenbier – Cerveja de março. Naquela época, as cervejas demoravam 6 meses para ficarem prontas. Por isso, essas cervejas de março/abril só eram consumidas em outubro.

Como os cervejeiros não iriam poder fabricar mais cervejas depois daquele mês, eles utilizavam todo o estoque de malte e lúpulo que tinham. Por isso, a Märzen é um estilo de cerveja com coloração mais escura, encorpada, com um teor alcoólico alto.

De acordo com o livro, Historic German & Austrian Beers for the Home Brewer, de Andreas Krennmair, é possível calcular, pelos fatos históricos da época, que a cerveja tinha 16% de teor alcoólico.

Características da Märzenbier de acordo com o BJCP: Uma maltada Amber Lager alemã, elegante, com um sabor de malte limpo, rico, com notas de pão, tostado, amargor restrito e um final seco que incentiva outro gole. A impressão geral de malte é suave, elegante e complexa, com um rico retrogosto que nunca é enjoativo ou pesado.

Extra

Sabia que os Biergarten surgiram por causa da lei que proibiu a fabricação de cerveja?

Quando surgiu a Lei de 1539, que proibiu a fabricação de cerveja a partir de abril, os cervejeiros tiveram que usar a criatividade para descobrir como manter aquelas cervejas que foram fabricadas até abril.

Assim, os mestres cervejeiros alemães descobriram que o processo de fermentação era de qualidade muito superior em temperaturas mais frias, porém, naquela época, não havia refrigeradores. Com isso, as cervejarias cavaram grandes porões para manter o abastecimento durante a temporada proibida. Nesses porões, eles colocavam gelo nos barris para refrigerar.

Em cima desses porões, eles plantavam castanheiros de folhas largas que proporcionavam a proteção perfeita do sol, e o cascalho também ajudava a manter a área fresca. Aproveitando a afinidade do homem com as árvores, as cervejarias começaram a criar áreas de parque com caminhos de cascalho e mesas de piquenique. Assim, surgiram os Biergarten, traduzindo: Jardim da Cerveja.

Em 1812, Maximilian I, então rei da Baviera, autorizou as cervejarias locais a comercializarem seus produtos diretamente aos consumidores, em áreas ao ar livre, entre junho e setembro, oficializando, assim, a existência dos Biergarten.  

O restaurante Hirschgarten em Munique é conhecido por seu Biergarten, provavelmente o maior do mundo com capacidade para 8000 pessoas, foi fundado em 1791.

Pröst!