IBU: A medida do amargor da cerveja

Aprendemos sobre o ABV no último post, agora, vamos falar de uma outra sigla que está na maioria dos rótulos: o IBU. Lembrando que não é obrigatório incluir o IBU no rótulo. Mas muitas cervejarias têm incluído esse dado para auxiliar seus clientes.

O IBU é a sigla de ‘International Bitterness Units’, que representa a escala mundial para medir o amargor de uma cerveja. Quanto mais baixo for o valor, menos amarga a cerveja será e quanto maior o valor mencionado, mais amarga ela será.

Como eu já disse no post sobre lúpulos, o lúpulo é o principal responsável pelo amargorinvicta da cerveja. Sem esse gosto amargo do lúpulo, o doce do malte iria predominar e a cerveja ficaria muito doce e enjoativa.

O IBU pode ir de 0 a 120, que é o nível máximo que o paladar humano é capaz de sentir. Ou seja, para o paladar humano, se passar de 120, o amargor se torna indiferente. Algumas cervejas descrevem que têm um elevado nível de IBU, como a 1000 IBU da Invicta. Alguns dizem que tem mesmo, outros dizem não sentir tanto assim. Polêmica cervejeira!

Quantidade de IBU em uma cerveja

Cervejas com IBU baixo apresentam medida em torno de 5 a 15 IBU. Por exemplo a Skol Puro Malte tem 8 IBU e a Brahma tem 10 IBU. As cervejas mais populares levam lúpulo, porém, é tão poucos que fica  imperceptível.

Um pouco acima dessas, estão as cervejas premium como a Stella Artois, com 16 IBU, e Heineken com 19 IBU.

Com 35 IBU aproximadamente aparece um agradável realce de lúpulo. Acima de 40 IBU, a cerveja tem um caráter forte em relação ao amargor, que são encontrados.

lupuloIBU de algumas cervejas especiais:

Red Ale: de 18 a 28 IBU; Stout: de 25 a 45 IBU; American IPA: de 40 a 70 IBU; Double IPA: de 60 a 120 IBU.

Medindo o IBU

O IBU pode ser medido através de análise química em laboratório, onde também são usados equipamentos como o espectrofotômetro.

Existem algumas fórmulas específicas. Mas aí a gente deixa para os especialistas.

Bora beber?

Então você aprendeu, né?!

Gosta de cervejas mais leves, menos amargas: Pegue aquelas que indicam ter IBU baixo.

Agora, quer experimentar algo mais forte em relação ao amargor? Bora pros IBU’s lá no topo.

Eu prefiro as intermediárias! Assim, o amargor não atrapalha você sentir os outros sabores da cerveja. Mas, muita gente por aí é lupulomaníaco. Gosta do amargor lá no talo!

Curiosidades:

Alpha Fornication da Flying Monkeys, com 2.500 IBUs, é considerada a cerveja mais amarga do mundo. É uma Imperial IPA com 13,3% de teor alcoólico. Olha a cor dela.

ibu

A cerveja mais amarga do Brasil é a cerveja 1000 IBU da Cervejaria Invicta.

Cerveja Invicta 1000 IBU - 500ml - Marcas, Invicta- na Invicta E-Brejas

Dicas de cervejas para beber na Primavera

A primavera esta aí e, com ela, chegaram os dias mais longos e coloridos. Não sei vocês, mas esse clima me deixa mais animada e com uma vontade danada de abrir aquela cerveja no fim do dia.

Para facilitar sua vida, trouxe aqui OITO dicas de cervejas mineiras que combinam com essa estação deliciosa!

Anota ai:
–  Abaporu – Cervejaria Verace – Estilo Catharina Sour: leve, refrescante, ácida e leva frutas.
– Lemon – Slod – Estilo American Wheat: Refrescante, cítrica e aromática.
– Áustria Hefe Weizen – Krugbier – Estilo Weiss (Cerveja de Trigo): refrescante, pouco amarga, com aroma remetendo ao cravo e banana.
–  Sapiens – Rupbeer – Estilo American Pale Ale (APA): equilibrada e com médio amargor.
– Session Citra – Wäls – Estilo Session IPA: leve, porém com a presença do lúpulo trazendo notas cítricas marcantes.
– Rancor – Krugbier – Estilo India Pale Ale (IPA): Aromática, refrescante, lupulada e amarga.
– Newbie – Prussia Bier – Estilo New England IPA: superaromática, frutada e alcoólica.
– Monasterium – Falke Bier – Estilo Tripel: intensa, encorpada, frutada e alcoólica.

Mas, como sei que a maioria dessas cervejas não se acha em todo o Brasil, convidei a sommelière, Carol Jandoso*, para dar umas dicas gerais de cervejas ideais para se tomar na primavera!

Confira!

carol

As estações do ano influenciam muito nos nossos hábitos. Aquela sopinha de legumes do inverno já não parece tão apropriada para os dias ensolarados como os que estamos vivendo e aquela Imperial Stout deliciosa, com a chegada da primavera, está dando espaço para cervejas mais leves e refrescantes.

Essa sazonalidade não é de hoje. Os Bávaros têm orgulho de dizer que a cerveja é item indispensável em sua alimentação diária e que a única coisa que muda com o tempo é o tipo de cerveja escolhida, dependendo da estação, claro. No verão, as Weizenbier estão por todas as partes, espalhando seus aromas frescos de banana e cravo e refrescando o paladar com sua efervecência. O outono traz cervejas um pouco mais escuras e levemente mais potentes. Com a diminuição das temperaturas há um aumento no teor alcoólico, no início do inverno, os Bávaros escolhem Bocks para a ceia de Natal e nos dias mais frios embalam as noites com densas Doppelbocks. Agora, na primavera, é época das cervejas de outubro, as Oktoberfest.

A primavera chega renovando as coisas e trazendo com ela as Maibocks, uma bock clara, cerveja um pouco mais sequinha que as bocks escuras e que podem apresentar um perfil de lúpulo floral delicado e sútil.

Como pensar em primavera sem lembrar de flores e frutas aromáticas? É quase uma sinestesia, um cheiro colorido.

Historicamente os cervejeiros foram adaptando suas levas para oferecer o produto sensorialmente mais adequado para as condições climáticas, e por sua vez as condições climáticas influenciavam nas características sensoriais do produto. Temos como exemplo disso as Lambics que tradicionalmente são produzidas durante o inverno para consumo na primavera e no verão. As temperaturas amenas no início do inverno permitem a fermentação espontânea mais controlada, gerando uma cerveja mais agradável. Se o Master Blender for bom, o cervejeiro responsável pelas combinações de diferentes levas de Lambic para atingir a combinação perfeita, teremos uma cerveja refrescante e muito propícia para os dias mais quentes da primavera.

Agora vamos ao que interessa! Depois de todo esse papo de história da cerveja já estou com sede!

É com a acidez das Lambics que gostaria de começar as minhas indicações. Uma Fruit Lambic, como uma Kriek (cerejas), por exemplo, é uma ótima acompanhante para degustar com um chocolate branco, limpando o paladar e complementando o chocolate, dando a sensação de uma trufa de frutas vermelhas.

Ainda na temática “azedinhas” temos o primeiro estilo brasileiro, as Catharinas Sour, que são cervejas ácidas que levam frutas aqui das terrinhas tupiniquins. Uma boa cerveja desse estilo é capaz de acompanhar um queijo brie, neutralizando um pouco a gordura e a fruta escolhida funcionará como uma geleia, tipicamente servida junto ao queijo.

Mas nem só de acidez se vive uma primavera. Se você não abre mão de um IPA pode se aventurar tanto no mundo das Session IPAs, versões mais contidas de seu estilo original, quanto pode enveredar nos caminhos das ultra-aromáticas New Englands. Nessa categoria, encontramos cervejas tão cheirosas que muitas vezes, de olhos fechados, fica complicado identificar se é um suco de frutas tropicais ou uma cerveja. Aqui, só devemos tomar cuidado com o teor alcoólico, às vezes, uma cerveja muito potente, pode ser difícil de degustar nos dias mais quentes.

Pra finalizar, gostaria de dizer para que deixe sua imaginação fluir e seja levado pelos mais diversos estilos e sensações, faça suas apostas e avaliações. Para isso, vou deixar mais algumas dicas:

– Se está buscando acidez e refrescância, fora as Lambics e as Catharinas, aposte por exemplo em uma Gose, salgadinha e azedinha.

– Se as notas cítricas e resinosas te agradam mais, aposte em Session IPAs, Americans IPAs, White IPAs, NEs, APAs.

– Se você for um fã incondicional da escola Belga, pode escolher passar um momento ao lado de uma boa Saison, Blonde Ale ou Belgian Pale Ale, com suas inconfundíveis notas de condimentos e frutas.

– A Escola Alemã também é uma ótima opção quando estamos falando de cervejas leves. Estilos como Kölsch, German Pils, Bohemian Pilsner e Münich Helles são boas opções para a nossa primavera.

– Se você é um amante das cervejas de trigo, pode continuar degustando da sua Weiss em seu copão e, se quiser variar, pode apostar em uma Witbier ou American Wheat Beer e adicionar citricidade e um pouquinho mais de refrescância.

É isso! Lembre-se de se permitir testar e escolher seus estilos prediletos e não deixe de me contar como foi a experiência!

* Carol, além de Sommelière, é Bióloga e Mestre em Estilos. Nascida em Piracicaba, já trabalhou com produção de cervejas, treinou equipes de diversos bares e restaurantes, promoveu cursos e degustações guiadas e viajou por mais de 20 países, sempre buscando novas experiências e sabores que a fermentação pode oferecer. Veio para BH recentemente em busca de conhecer a cena cervejeira do que chamam de “a Bélgica brasileira”. Confira seu insta: @carolsommelier!

Espero que tenham gostado e aprendido um pouco mais sobre este vasto mundo das cervejas artesanais. 

Tendências do universo cervejeiro

O ano de 2021 começou com várias interrogações, e no mercado cervejeiro não foi diferente. Claro que, com as adversidades trazidas pela pandemia para o mercado em geral, as cervejarias ficam naquela dúvida entre manter com o que já tem, no nível de segurança, ou inova e arriscar.

Pelo que tenho observado o mercado mineiro, muitas decidiram se movimentar. Mesmo porque, algumas tiveram um crescimento nas vendas devido ao aumento do consumo em casa. Foram muitos lançamentos no primeiro semestre e, pelo visto, será assim também no segundo semestre.

Para este ano, existiram algumas apostas que vou citar aqui. Confira se essas tendências foram confirmadas.

Novos sabores

O mercado de cervejas tem buscado utilizar novas matérias-primas e insumos, com o objetivo de trazer novos sabores e aromas. E o Brasil se destaca por ter uma grande variedade de frutas e também pelos tipos de madeira utilizados no envelhecimento das bebidas.

Evolução das IPAs

As IPAs continuam dominando o mercado. Inúmeras variações vão surgindo. E já se fala das Triple New Engalnd IPA, estilo com alto amargor e teor alcoólico. Dica: A Roleta Russa já lançou a sua Tripel NEIPA.

Mercado fitness e inclusivo

Tem crescido a produção de cervejas low carb, sem álcool e sem glúten. O mercado passa a atender consumidores que atrelam o consumo da bebida ao conceito de uma vida saudável, assim como pessoas que não estão podendo tomar bebida alcoólica ou que têm intolerância.

Azedinhas vieram para ficar

Grande parte das cervejarias têm pelo menos uma opção de cerveja Sour. São cervejas mais acidas, leves, refrescantes com adição de frutas. A novidade são as Double/Imperial Sours, com teor alcoólico mais elevado.

Cervejas mais simples

Há uma tendência também da volta das cervejas mais simples, com a revalorização das Lagers. Mais especificamente os estilos clássicos simples como Bohemian Pilsner.

E aí? Acha que o mercado tem seguido essas apostas de tendências?

Fonte: Firjan Senai e Gazeta do Povo (Vozes/Blog da cerveja)

Sobre estilos: IPA

taça-ipa

Então, hoje, vamos falar da queridinha de muitos e que tomou conta do gosto e dos eventos cervejeiros? Sim, estou falando dela: A IPA. Os lupulomaníacos até choram!

Primeiro, vou começar com a história dela, que alguns dizem não ser verídica, mas… Eu não estava aqui pra ver, vamos ao que nos contaram.

Segundo historiadores, lá no século XVIII, quando os ingleses colonizaram a Índia, haviam oficiais britânicos que moravam na Índia. Naquela época, o calor era muito bravo e a água potável era bem escassa. Para resolver esse problema, os ingleses começaram a levar cervejas da Inglaterra para a Índia. Como o caminho era longo e as cervejarias não usavam conservantes artificiais, assim, as cervejas estragavam.

ipa-cerveja

O que eles pensaram? “Vamos colocar uma dose extra de lúpulo, que é um conservante natural (já falei sobre ele aqui), assim a cerveja resistirá alguns meses de viagem.”. Assim, eles passaram a colocar na tradicional Pale Ale (que também já falei aqui) uma quantidade maior de lúpulo. Com isso, a cerveja que era Pale Ale mudou sua característica, ficando com o aroma mais definido e fresco, mais amarga e com o teor alcoólico mais alto. Para diferenciá-la da outra, passaram a chamá-la de Índia Pale Ale, a famosa IPA.

Principais características

lúpulo-640x340O amargor marcante é sua principal característica. Nela, os maltes ficam bem discretos, mas têm aqui a função de contrabalancear com o lúpulo para a cerveja não ficar super amarga. Mas o lúpulo não vai dar somente o amargor, ele dita o aroma também. Uma boa IPA tem que ser arromática. Algumas, só de abrir a garrafa, já vem aquele aroma gostoso. Os mais encontrados são os cítricos. São cervejas super refrescantes.

Sua cor deve ser de dourado a acobreado. Apresentam um teor alcoólico que normalmente vai de 5,5 a 7,5%.

Seu IBU padrão vai de 40 a 70. Já uma Imperial IPA pode ir até 120. Vamos falar então desses sub estilos?

Alguns sub estilos de IPA: 

downloadAmerican IPA:  Tem um amargor acentuado como a IPA, porém, devido aos lúpulos americanos usados, ela tem aromas mais cítricos. Tem um pouco de dulçor, enquanto a “somente IPA” tem o final seco.

English IPA: Tem uma característica de malte mais acentuado que a versão americana e um aroma de lúpulo mais discreto. Tem notas terrosas e herbais dos lúpulos ingleses. É mais balanceada que os outros estilos.

black ipa

Black IPA: são chamadas assim pela utilização de maltes tostados. Costumam ser robustas, com notas de café, chocolate, caramelo, além do amargor comum a qualquer IPA.

Imperial IPA/Double IPA: É a versão mais hard da IPA. O amargor é ainda mais acentuado, com doses exageradas de lúpulo e teor alcoólico elevado. Com isso é preciso usar mais maltes também, mas sem equilibrar demais. Muito muito amarga, definitivamente, não é minha praia.

sitra

Session IPA: Diferente da Imperial essa é uma IPA com baixo teor alcoólico sem perder as características lupuladas. É aromática, menos amarga e com leve teor de álcool. Dá para tomar muitas. Esse é o outro sub estilo fácil de tomar.

NEIPA Haze
New England IPA /Juicy IPA: Têm aparência turva (a cor lembra de um suco de manga), contém trigo, centeio ou aveia na composição. São mais encorpada e aveludada, bastante frutada, lembrando frutas amarelas e tropicais. Tem uma quantia significativa de lúpulo e malte não caramelizado. Seu amargor é curto.

#TBT: Ipa Atomica – Asado – Mercado del Puerto (Montevidéu)

ipa atomica

O #tbt de hoje é, também, com uma cervejaria artesanal uruguaia.

Essa é a IPA Atômica, uma IPA da cervejaria Cabesas Bier. Ela tem um aroma cítrico e frutado. Seu sabor tem um amargor equilibrado pela doçura do malte acentuado pelo processo de decocção. Ela não é uma IPA para ipeiros, pois não é tão amarga. Tem um finalzinho amargo super bebível. Seu teor alcoólico é de 6.7% e o IBU é 50.

É uma cerveja bem premiada: Medalia de Bronze em Porto Alegre (2010); Medalia Bronze em Blumenau (2012); Medalia de Prata em Buenos Aires (2013) e Menção Especial em Montevidéu (2016).

Sobre a cervejaria, eu já falei em um post anterior!


20180406_145555O prato é uma comida típica do Uruguai: o Asado de Tiras, um corte nobre da costela do boi, macio e suculento. Ele vem com um molho para temperar, lembrando que as carnes do uruguai vem sem sal nenhum. E pedimos uma batata frita (que veio com casca).

Comemos no El Palenque, que fica no Mercado do Porto, que vai ser o Ponto Turístico desse TBT.

 

 

 


20180406_155854

O Mercado del Puerto como o nome diz, fica próximo ao porto de Montevidéu. Ele não é como os mercados centrais daqui que estamos acostumados, com muita coisa, muita gente, aquela bagunça organizada. Esse é mais arrumadinho, com vários restaurantes servindo as típicas parrilladas. O que achei bem chato são os garçons abordando a gente o tempo inteiro igual na Passarela do Álcool, em Porto Seguro.

O mercado não é grande. Vale a pena parar lá para almoçar.

Além dos restaurantes, tem bares com cervejas artesanais e importadas, lojinhas de artesanatos, lembranças da cidade e doces e chocolates locais.

20180406_14410420180406_144016

Aliás, foi lá que eu comi o melhor alfajor dessa viagem que fiz Uruguai-Argentina.

 

 

Se for em Montevidéu, não deixe de fazer esse passeio! 😉