Dicas de cervejas para beber na Primavera

A primavera esta aí e, com ela, chegaram os dias mais longos e coloridos. Não sei vocês, mas esse clima me deixa mais animada e com uma vontade danada de abrir aquela cerveja no fim do dia.

Para facilitar sua vida, trouxe aqui OITO dicas de cervejas mineiras que combinam com essa estação deliciosa!

Anota ai:
–  Abaporu – Cervejaria Verace – Estilo Catharina Sour: leve, refrescante, ácida e leva frutas.
– Lemon – Slod – Estilo American Wheat: Refrescante, cítrica e aromática.
– Áustria Hefe Weizen – Krugbier – Estilo Weiss (Cerveja de Trigo): refrescante, pouco amarga, com aroma remetendo ao cravo e banana.
–  Sapiens – Rupbeer – Estilo American Pale Ale (APA): equilibrada e com médio amargor.
– Session Citra – Wäls – Estilo Session IPA: leve, porém com a presença do lúpulo trazendo notas cítricas marcantes.
– Rancor – Krugbier – Estilo India Pale Ale (IPA): Aromática, refrescante, lupulada e amarga.
– Newbie – Prussia Bier – Estilo New England IPA: superaromática, frutada e alcoólica.
– Monasterium – Falke Bier – Estilo Tripel: intensa, encorpada, frutada e alcoólica.

Mas, como sei que a maioria dessas cervejas não se acha em todo o Brasil, convidei a sommelière, Carol Jandoso*, para dar umas dicas gerais de cervejas ideais para se tomar na primavera!

Confira!

carol

As estações do ano influenciam muito nos nossos hábitos. Aquela sopinha de legumes do inverno já não parece tão apropriada para os dias ensolarados como os que estamos vivendo e aquela Imperial Stout deliciosa, com a chegada da primavera, está dando espaço para cervejas mais leves e refrescantes.

Essa sazonalidade não é de hoje. Os Bávaros têm orgulho de dizer que a cerveja é item indispensável em sua alimentação diária e que a única coisa que muda com o tempo é o tipo de cerveja escolhida, dependendo da estação, claro. No verão, as Weizenbier estão por todas as partes, espalhando seus aromas frescos de banana e cravo e refrescando o paladar com sua efervecência. O outono traz cervejas um pouco mais escuras e levemente mais potentes. Com a diminuição das temperaturas há um aumento no teor alcoólico, no início do inverno, os Bávaros escolhem Bocks para a ceia de Natal e nos dias mais frios embalam as noites com densas Doppelbocks. Agora, na primavera, é época das cervejas de outubro, as Oktoberfest.

A primavera chega renovando as coisas e trazendo com ela as Maibocks, uma bock clara, cerveja um pouco mais sequinha que as bocks escuras e que podem apresentar um perfil de lúpulo floral delicado e sútil.

Como pensar em primavera sem lembrar de flores e frutas aromáticas? É quase uma sinestesia, um cheiro colorido.

Historicamente os cervejeiros foram adaptando suas levas para oferecer o produto sensorialmente mais adequado para as condições climáticas, e por sua vez as condições climáticas influenciavam nas características sensoriais do produto. Temos como exemplo disso as Lambics que tradicionalmente são produzidas durante o inverno para consumo na primavera e no verão. As temperaturas amenas no início do inverno permitem a fermentação espontânea mais controlada, gerando uma cerveja mais agradável. Se o Master Blender for bom, o cervejeiro responsável pelas combinações de diferentes levas de Lambic para atingir a combinação perfeita, teremos uma cerveja refrescante e muito propícia para os dias mais quentes da primavera.

Agora vamos ao que interessa! Depois de todo esse papo de história da cerveja já estou com sede!

É com a acidez das Lambics que gostaria de começar as minhas indicações. Uma Fruit Lambic, como uma Kriek (cerejas), por exemplo, é uma ótima acompanhante para degustar com um chocolate branco, limpando o paladar e complementando o chocolate, dando a sensação de uma trufa de frutas vermelhas.

Ainda na temática “azedinhas” temos o primeiro estilo brasileiro, as Catharinas Sour, que são cervejas ácidas que levam frutas aqui das terrinhas tupiniquins. Uma boa cerveja desse estilo é capaz de acompanhar um queijo brie, neutralizando um pouco a gordura e a fruta escolhida funcionará como uma geleia, tipicamente servida junto ao queijo.

Mas nem só de acidez se vive uma primavera. Se você não abre mão de um IPA pode se aventurar tanto no mundo das Session IPAs, versões mais contidas de seu estilo original, quanto pode enveredar nos caminhos das ultra-aromáticas New Englands. Nessa categoria, encontramos cervejas tão cheirosas que muitas vezes, de olhos fechados, fica complicado identificar se é um suco de frutas tropicais ou uma cerveja. Aqui, só devemos tomar cuidado com o teor alcoólico, às vezes, uma cerveja muito potente, pode ser difícil de degustar nos dias mais quentes.

Pra finalizar, gostaria de dizer para que deixe sua imaginação fluir e seja levado pelos mais diversos estilos e sensações, faça suas apostas e avaliações. Para isso, vou deixar mais algumas dicas:

– Se está buscando acidez e refrescância, fora as Lambics e as Catharinas, aposte por exemplo em uma Gose, salgadinha e azedinha.

– Se as notas cítricas e resinosas te agradam mais, aposte em Session IPAs, Americans IPAs, White IPAs, NEs, APAs.

– Se você for um fã incondicional da escola Belga, pode escolher passar um momento ao lado de uma boa Saison, Blonde Ale ou Belgian Pale Ale, com suas inconfundíveis notas de condimentos e frutas.

– A Escola Alemã também é uma ótima opção quando estamos falando de cervejas leves. Estilos como Kölsch, German Pils, Bohemian Pilsner e Münich Helles são boas opções para a nossa primavera.

– Se você é um amante das cervejas de trigo, pode continuar degustando da sua Weiss em seu copão e, se quiser variar, pode apostar em uma Witbier ou American Wheat Beer e adicionar citricidade e um pouquinho mais de refrescância.

É isso! Lembre-se de se permitir testar e escolher seus estilos prediletos e não deixe de me contar como foi a experiência!

* Carol, além de Sommelière, é Bióloga e Mestre em Estilos. Nascida em Piracicaba, já trabalhou com produção de cervejas, treinou equipes de diversos bares e restaurantes, promoveu cursos e degustações guiadas e viajou por mais de 20 países, sempre buscando novas experiências e sabores que a fermentação pode oferecer. Veio para BH recentemente em busca de conhecer a cena cervejeira do que chamam de “a Bélgica brasileira”. Confira seu insta: @carolsommelier!

Espero que tenham gostado e aprendido um pouco mais sobre este vasto mundo das cervejas artesanais. 

Cerveja no Inverno?

O inverno chegou de vez! E, para beber, do que a gente lembra?

stout

Antes da revolução das cervejas artesanais, a gente lembrava do vinho sim. Mas, graças aos nossos mestres cervejeiros e suas mil e uma possibilidade de criação, hoje, podemos encontrar no mercado diversificados estilos de cerveja para espantar de vez esse frio.

Para mim, qualquer cerveja pode ser tomada em qualquer época do ano, mas, temos que concordar que algumas têm determinadas características que combinam mais com o frio. São cervejas mais encorpadas, com sabores e aromas mais intensos e com teor alcoólico mais elevado, pois trazem uma sensação de aquecimento.

Exemplos de estilos que dão uma “esquentada no peito” são:  Russian Imperial Stout (RIS), Porter, Dubbel, Tripel, Bock, Weizenbock, Barley Wine, Scott Ale etc (Veja aqui sobre mais estilos). Amo todos esses estilos, assim como existem os “lupulomanícos” eu sou “maltemaníaca”.

Todas eles harmonizam muito bem com as comidas típicas de inverno como queijos, fondues, carne assada, chocolate e massas, que ficam excepcionais juntos!

Pra dar água na boca, vai aí dicas da mineirinha aqui, de cervejas mineiras para o inverno (observe o alto teor alcoólico delas):

loba

(estilo) Strong Scotch Ale – (cervejaria) Cervejaria Loba: Aroma profundamente maltoso, com caramelo frequentemente aparente. Esteres e álcool são presentes e lúpulo de baixo a moderado. Estão presentes notas de malte torrado ou defumado. Maltosa e frequentemente doce, sugerindo sobremesa. Corpo cheio, apresentado uma viscosidade espessa e pesada, com calor alcoólico macio, já que este equilibra com dulçor do malte. ABV: 9,0% / IBU: 60

BACKER-BRAVO

Imperial Porter -3 Lobos Bravo – Cervejaria Backer: Extremamente complexa e intensa, a Imperial Porter leva em sua receita maltes tostados, açúcar mascavo e passa por um período de maturação em madeira umburana. Robusta e aveludada traz notas amadeiradas, de canela, melaço e chocolate amargo. Seu final sutilmente adocicado traz consigo uma interjeição: Bravo! ABV: 9% / IBU: 42.5Trindade

Porter – Inhô Trindade -Cervejaria Brüder: Ela possui notas de chocolate e café extraídos unicamente de um malte muito especial, chamado Carafa. ABV: 7,0% / IBU: 20

black czarStout – Black Czar – Cervejaria Velho Brasa: Possui uma coloração escura, elaborada com maltes especiais torrados e achocolatados e tem a adição de quatro lúpulos especiais. Tem uma espuma deliciosamente cremosa além de ser bastante encorpada. ABV: 7,0%

mantrap

Barley Wine – Imperial Red Trap – Cevejaria Mantrap: É uma cerveja que leva, em sua receita, rapadura de beterraba. Sua cor é rubi intensa, enquanto sua espuma é marrom e duradoura. Seu corpo alto a torna praticamente “comestível”. Em seu sabor, impera a presença de caramelo associado à uma grande carga de lúpulos americanos, resultando numa cerveja muito bem equilibrada. ABV: 9,8% / IBU: 70

petroleumRussian Imperial Stout – Petroleum – Cervejaria Wäls: Produzida com diversos tipos de grãos escuros. Corpo aveludado, licoroso e denso. Aromas complexos de chocolate belga, café, toffee e caramelo. Amargor equilibrado. Espuma de baixa formação e longa durabilidade. Maturada com cacau extra bruto/torrado Belga. ABV: 12% / IBU: 70

jack

Dubbel – Dubbel Jack Daniel`s – Cervejaria Gerais. Foi a única que não tomei. Mas, tenho ótimas recomendações. Complexa, moderadamente forte, dulçor rico de malte, e de coloração avermelhada profunda. Elaborada com seis diferentes tipos de malte, além de um toque de baunilha. Maturada em barril de whiskey Jack Daniels. ABV: 7,1%

inocencia.png

Tripel – Inocência – Krug Bier: Esta cerveja de estilo Belgian Tripel tem aroma completo de fenóis que remetem a cravo e canela. Apresenta um fundo de frutas amarelas que fazem com que ela tenha um baixo amargor e ótimo drinkability. No entanto, apesar de parecer leve, sua alta concentração de álcool pode levar o indivíduo a agir de forma nefasta e trazer várias consequências. ABV: 8,0% / IBU: 27