Hofbräuhaus BH: Um pouco de Munique na capital mineira

A dica que vou dar hoje é de um lugar delicioso. Que eu já perdi as contas de quantas vezes fui.

Hofbrauhaus
Dia da inauguração – 2015

É a Hofbräuhaus Belo Horizonte, inaugurada em 2015, na região centro-sul da capital. Estive presente na inauguração, que foi um pouco turbulenta. Ficamos por 3h na fila só para entrar, devido à grande novidade na cidade. Mas sabe quando você fica na fila e acha que vai andar rápido, e depois vê a hora passando e pensa “já estou aqui mesmo”?! Foi isso que me fez durar este tempo em uma fila de restaurante. Ao entrar, tive a sensação que todo o tempo de espera compensou.

20151124_222225

No dia seguinte, a casa comunicou que iria ficar fechada por algumas semanas para se reestruturar, afinal estava em jogo o filme de um nome centenário. Enfim, deram a volta por cima e hoje é um sucesso!

hb  20151124_222723  20151124_222617  20171202_222140

A cervejaria alemã é a primeira unidade da Hofbräuhaus, carinhosamente chamada de HB, na América Latina. Sua sede principal fica em Munique, Alemanha.
Confira aqui a minha visita por lá.

As demais filiais se concentram na Austrália, Canadá, China, Estados Unidos e Itália. Conto também como foi minha visita na HB de Berlim.

◊ O local: A versão brasileira não perde muito para as alemãs. O atendimento daqui, inclusive, é muito melhor do que o de lá. Aqui tem mais atendentes, você não espera tanto nem para ser atendido nem para a chegada de seus pedidos. Além do ótimo atendimento, a casa é bastante animada. Em um determinado momento, a casa convida a todos para se levantarem nas cadeiras, cantarem e brindarem ao som de uma música típica da Bavária “Ein Prosit Der Gemütlichkeit!”. É muito legal!  Além disso, rolam músicas típicas durante o seu funcionamento.

20180403_195820

A casa tem três ambientes: Tem o ambiente interno que tem mesas para quatro pessoas ou aqueles mesões compartilhados e bancos no balcão; tem a varanda, com vista para a rua, com pequenas mesas; e tem o espaço externo, tipo biergarten, com ombrelones, árvores e vista para os tonéis, onde são fabricadas as cervejas, com mesas menores e compartilhadas também.

A decoração é 100% alemã. Muito parecida com a HB original. Inclusive o espaço onde vendem os souvenires da HB.

◊ Para beber: São quatro opções de cervejas que estão de acordo com a Lei da Pureza Alemã: Premium Lager, Dunkel, Hefe Weizen e Sazonal (cervejas especiais feitas a cada mês). As cervejas são exatamente como as da Alemanha, inclusive, existe um sistema em que é verificado lá da Alemanha se eles estão seguindo o padrão de qualidade. Os tamanhos são de 300ml, 500ml e 1 litro (essa dói a mão de tão pesada). Tomei todas e dos mais diversos tamanhos. Amo todas!

Além das cervejas, têm drinks, refrigerante, suco e água.

◊ Para comer:  A especialidade da casa são as tradicionais comidas da Baviera. Porém, eles deixam tantos % do cardápio ser diferente, que no caso daqui são comidas brasileiras. Além de tira-gosto, eles servem almoço executivo também.

20180623_173753.jpgComi algumas opções lá. Todas são maravilhosas. Mas, meu coração tem uma queda enorme pelo Pretzel, que estava muito salgado da última vez que pedi. Espero que tenham reparado esse erro. O Pretzel é um pão típico bávaro muito tradicional na Oktoberfest (100% original de Munique). Os preços dos pratos são bem variados e estão no site da HB.

20180403_195629

Eu amo o lugar. Sempre que vou, dá uma tristeza ter que ir embora!

Se estiver em BH, não perca essa experiência. Você se sente por algumas horas na Alemanha!

Extra: Além do local que é um evento à parte e dos shows ao vivo aos finais de semana, a casa oferece alguns eventos diferentes como:

20180403_210400– Keg Tapping: É uma tradição secular alemã, que consiste na martelada da torneira em um barril onde se encontra a cerveja sazonal daquele mês. A casa convida alguma personalidade de Belo Horizonte para dar a martelada. E, assim, inaugurar a nova cerveja.

Já participei de um. É bem legal. Antes da martelada, o mestre cervejeiro da HB fala sobre a nova cerveja. Em seguida da martelada, todos sobem a mesa para cantar e brindar. Tem brincadeiras com disputas entre os presentes. Eu participei, mas é bem difícil. Fiquei em 3º lugar. Somente o 1º que ganha um litro da nova cerveja. É divertido, vale a pena. Acontece toda primeira terça-feira do mês.

– Visita Guiada: Você paga um valor e faz uma visita guiada à fábrica da cerveja com direito à degustação da bebida e de comidas típicas. Já estou me organizando para ir! Acontece aos sábados. As datas estão no site e tem que fazer reserva.

– Experiência Gastrô:   Aqui, os clientes experimentarão um cardápio colaborativo, personalizado e criado exclusivamente para a noite. E claro, em plena harmonia com as cervejas e vinhos. O evento acontece sempre na segunda quinta do mês, e tem vagas limitadas com reservas.

– Noite das Mulheres: Toda quinta tem rodada dupla para as mulheres das 18h às 20h.

Curtiu?

♦ Hofbräuhaus Belo Horizonte
Av. do Contorno, 7613 – Cidade Jardim

Belo Horizonte – MG
http://www.hofbraubh.com.br

20171202_223751

Stadt Jever – o pub alemão e casa da Wäls (BH)

Na primeira dica do “Onde Beber Artesanal (O.B.A.)”, vou falar sobre um pub que tem espaço para todos os tipos de pessoas: o pub alemão, Stadt Jever.

20170903_023128.jpg

Eu digo isso porque lá a gente encontra pessoas das mais variadas idades e estilos: turma de adolescentes, de adultos, famílias reunidas e casais.

O ambiente do pub é propício para qualquer tipo de encontro. E a decoração tanto interna, quanto externa é típica dos pubs alemães, deixando o local ainda mais atraente. Tem mesinhas pequenas, mesões compartilhados, tipo daqueles biergarten alemão e, para quem curte, também tem a opção de “tomar uma” no balcão. Parece uma casa cheia de cômodos, um pouco escura, porém, nada que incomode.

 

São mais de 30 anos de história e experiência de sobra!

Então, vamos ao que interessa!

◊Para beber: Como a casa passou a ser administrada pela Cervejaria Wäls, lá é servido somente chopp Wäls. Se tiver alguma dúvida sobre qual estilo pedir, pode perguntar para o garçom que ele vai te ajudar. Destaque para o garçom Valdir, muito atencioso.

Fui de Verano (Pale Ale), 42 (Saison) e fechei com Petroleum (Russian Imperial Stout). 🙂

 

◊Para comer:  Para quem gosta de comida germânica, este é o lugar ideal. Os pratos harmonizam com os tipos diferentes de chopps. São tantas opções de petiscos, que a gente ficou muito na dúvida do que pedir. Fomos de Kassler (carne de porco) à palito com fritas. Quando o prato chegou, meu Deus! Porção gigante, diferente de muitos restaurantes /bares por aqui, em BH. Além de farta, estava uma delícia. Pedimos também o molho curry e a mostarda da casa. Fechou! Não deixe de pedir esses molhos.

20170902_235332.jpg

stadt jever

◊$:  Os preços praticados pela casa são normais, nem muito caro, nem muito barato. Nada de diferente do que é cobrado nos restaurantes/bares de BH. Caso queira saber os valores, no site do Stadt Javer tem o cardápio com os preços. Isso eu achei muito legal, também. Assim, você não é pego de surpresa.

◊Extra: Além de todos esses pontos, o atendimento da casa é ótimo. Os chopps chegavam gelados e rápido, com um dedo de espuma, como eu pedia. A porção foi rápida, também. Com destaque para o garçom Valdir, que foi superatencioso com a gente.  O único ponto negativo que achei foi o banheiro. Faltava papel higiênico e tinha papel “sujo” transbordando para fora da lixeira.

A casa também tem um jukebox para você mesmo escolher as músicas que quer ouvir no pub. E, no dia que fomos, a galera estava inspirada!

Então é isso. Fica esta dica para quem vem ou mora em BH e que gostam de viver novas experiência. Pröst!

 

♦ Stadt Javer
Av. do Contorno, 5771 – Funcionários – BH
www.stadtjever.com.br

 

#TBT: Beck’s – Piazzale Michelangelo (Florença)

becks

Não é uma cerveja italiana mas, como eu bebi ela lá, vou falar dela aqui.

Essa é uma excelente e bem feitinha tradicional cerveja alemã. Do estilo Premium American Lager, é uma cerveja leve, de sabor suave e refrescante. É um pouquinho amarga no final.  Essa dá pra beber aos montes.  Olha o teor alcoólico aí: 4.8% ABV .

Becks_Logo.jpgA Beck’s é uma cervejaria alemã, fundada em 27 de junho de 1873, na cidade de Bremen,  pelo mestre cervejeiro Heinrich Beck, o engenheiro Lüder Rutenberg e Thomas Bay. Com três ano de existência, fizeram uma grande inovação para a época, adotaram a garrafa verde, para que a luz não alterasse o sabor da cerveja. Antes, assim como as demais cervejarias, usavam garrafas de cor âmbar.

varias-becks.jpg

A chave que aparece nos rótulos da cerveja representa a “Key of Bremen”, ou seja, chave da cidade de Bremen.

Ela é vendida em mais de 90 países. Em 2002, foi vendida para o grupo belga Interbrew que por sua vez, em 2004, foi fundida com a AmBev para criar a InBev.

Hoje, a Beck’s é a quinta cerveja mais bebida da Alemanha e patrocina o clube de futebol alemão Sportverein Werder Bremen desde 1983.


IMG_2965O prato do dia é esse Spaghetti al Pomodoro que comemos em La Grotta di Leo Ristorante, um restaurante super aconchegante em Florença. Apesar do cardápio gigante, a gente precisava comer um macarrão da Itália, oras!  A birra (cerveja) servida lá era o chopp da Peroni, leve para encaram um pratinho de espaguete e depois andar quilômetros. Parece pouco mas o prato é bem fundinho.

 


20170528_183901

O ponto turístico deste #tbt é a Piazzale (Praça) Michelangelo, considerada a melhor vista panorâmica de Florença, ela fica bem no alto da cidade e, para chegar lá, só Deus sabe…rs

Alguns ônibus chegam lá. Mas, como somos aventureiros, fomos a pé. Não perdemos nada por isso, apesar de cansativo, pois é só morro, morro, morro, fora que estava quente demais, durante o caminho, foi possível ver várias paisagens lindas.

Antes de começar subir ladeira a cima, passamos pela Basilica di Santa Maria Novella. Uma Igreja linda feita de mármore verde e branco. Ela foi construída entre 1279 e 1357 e hoje tem a única fachada original entre todas as igrejas de Florença. Dizem que por dentro ela é linda. Mas não entramos, pois tinha muito chão para andarmos.

20170528_173201.jpg

c3a0b830f4b2ce7b1e936f0bc6f894b5

No caminho para a Praça Michelangelo, passamos pelo Giardino delle Rose (Jardim da Rosa), há cerca de 350 tipos de rosas e uma área verde muito bem conservada, onde muitas pessoas aproveitam para sentar, descansar, namorar, fazer piquenique etc.

Ao chegar na Praça Michelangelo, vimos aquela vista maravilhosa, que fez tudo valer a pena. Só as fotos vão poder descrever isso. A praça em si é sem graça. Tem a réplica em bronze do David de Michelangelo, algumas barracas de souvenir, bebidas e comidas e um restaurante. Mas a barraca destaque é a que tem jatinhos de água saindo…rs. Estava quente demais, Thiago parou por lá por alguns minutos.

Veja mais fotos desse passeio delícia!

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

#TBT: Veltins – Münchner Residenz (Munique)

IMG_2371

O #tbt de hoje é com uma german pilsner de personalidade: A Pilsner da Veltins. Seguindo a lei da pureza alemã: água , malte e lúpulo, essa cerveja tem o aroma predominantemente lupulado. Já o sabor tem um amargor floral mais forte que as demais pilseners e o adocicado do malte é bem discreto. Seu final é seco. Bem acima da média das alemãs que tomei. Se teor alcoólico é de 4,8%. E o IBUs: 21.

veltinsA Brauerei C & A Veltins  é uma cervejaria da cidade de Grevenstein, no oeste da Alemanha. A cervejaria fabrica o produto de acordo com a lei da pureza alemã desde 1824.

Clemens Veltins assumiu a cervejaria em 1852. O nome, Brauerei C & A Veltins, veio dos gêmeos Carl e Anton Veltins que assumiram a empresa de seu pai em 1893, e deram continuidade à produção em alto padrão de qualidade. Não é à toa que, em 2015, a Veltins ficou em quarto lugar entre as cervejas mais vendidas da Alemanha.

Hoje, além da Pilsener, eles fabricam a sem álcool, a Grevensteiner Original e as V+, que são cervejas misturadas (existem três: uma misturada com Limão, outra com cola e outra com Curuba). Sei se isso é bom não, mas lá na Alemanha eles têm essa mania de fazer

Schalke_04_Stadium_Veltins_Arena_002.jpg

essas misturas para “inovar”.

Uma curiosidade sobre a cervejaria é que ela possui os direitos de nomeação para o estádio de futebol Veltins-Arena do clube alemão Bundesliga FC Schalke 04 em Gelsenkirchen. É um dos estádios mais modernos da Europa.


IMG_2306.JPG

O ponto turístico é uma ostentação sem fim da família real da Baviera: o palácio chamado Residência de Munique (Münchner Residenz). Ele foi moradia oficial da família real e de políticos entre 1508 a 1918. É considerado o maior palácio urbano da Alemanha. É gigante mesmo, tanto que não conseguimos conhecer ele todo e, no final, estávamos exaustos.

IMG_5819.JPG

Além do museu, o local abriga uma sala de concertos, a Casa do Tesouro Real e o Teatro Cuvilliés.

O complexo é composto por dez pátios e o museu com 130 salas. É tudo muito grande, muito dourado. Saí de lá com o pescoço doendo. Mas, valeu a pena. Você consegue ver como a realeza vivia naquela época. Tem móveis, talhares e outros objetos da época. O áudio-guia em espanhol foi contando a história de muitos personagens que ali passaram.

Outro detalhe é o jardim Hofgarten, que fica em frente ao palácio. Foi mandado construir em 1.613, a pedido do rei Maximiliano I. É lindo e super bem cuidado.

IMG_5754.JPG

Aqui, as fotos dirão mais que o texto.

#TBT: Paulaner Dunkel – Allianz Arena (Munique)

claro.jpg

O #tbt de hoje volta com a Paulaner. Dessa vez falo sobre a Hefe-Weissbier Dunkel, que é uma cerveja de trigo, turva, com cor de chocolate, com sutil aroma floral e sabor maltado, bem frutado. É uma cerveja super cremosa e refrescante. E, pra variar, segue rigorosamente os padrões alemães de qualidade. É uma delícia, com a drinkability lá em cima. O final é bem equilibrado sendo levemente amargo e com algumas notas de banana e café.

A Hefe-Weissbier Dunkel é uma cerveja de trigo escura pois é feita com malte de trigo tostado. Ela não é filtrada antes do envasamento, as leveduras utilizadas em sua fermentação estão contidas na garrafa, deixando a cerveja saborosa. Contém 60% de malte de trigo e 40% de malte de cevada.

Quanto à breve história da cervejaria, eu falei no post “#TBT: Paulaner – Viktualienmarkt (Munique)”.

Esta nós tomamos em um dos diversos restaurantes da Paulaner que estão espalhados por Munique, na Paulaner zum Spöckmeier. Um lugar super agradável. Dentro, é bem grande, mas, como a temperatura estava agradável, ficamos no espaço de fora.

Garçons bem simpáticos. Além da Dunkel, tomamos a Helles também.

E como dá pra ver no fundo, o restaurante fica próximo a um dos pontos turísticos mais visitados de Munique: a Nova Prefeitura (Neues Rathaus ), que fica linda à noite. Pena que meu celular não ajuda em fotos noturnas. Para saber mais sobre o prédio, clique aqui.


O ponto turístico também tem Paulaner. Eitaaaa!!!

20170523_141946.jpg

É o Allianz Arena. Estádio supermoderno, inaugurado em 2005. Na época de sua construção, o contrato constava que ele seria dividido em 50% para os dois grandes rivais de Munique o Bayern de Munique e o Munique 1860. Porém, como o Munique estava mergulhado em dívidas indo à falência, em 2006, o Bayern de Munique, para ajudar o rival, comprou a outra metade de forma simbólica. Mesmo sendo rival, o Bayern colocou no contrato de compra uma cláusula que permitia a recompra dos 50% a qualquer momento. Bacana, né?!

bayern

Mesmo depois de perder os 50%, o Munique continuou jogando no Allianz, mas pagando aluguel. Mas, nem mesmo com essa camaradagem, a rivalidade diminuiu entre os times e torcidas. Durante nossa visita, a guia, que era torcedora do Bayern, disse que não podia falar o nome do outro time. Por isso, quando se referia a ele, falava “o outro” ou “o rival”. A gente, aqui em Minas Gerais, sabe como é, mesmo o rival sendo muito inferior, tendo menos títulos, a gente o considera…rs.

munique 1860

Brincadeiras à parte, e para finalizar a história no Munique, que já foi até campeão da Bundesliga, em 2017, caiu para a terceira divisão e, como não pagou a licença para disputar a competição, teve de ir para a liga regional, a quarta divisão!! Com isso, a diretoria decidiu não jogar mais no Allianz. Os jogos agora acontecem em um estádio que comporta cerca de 13mil torcedores (coincidência por aqui?!rs). Quanto à história do Mayern, a gente dispensa, né?!

Em 2015, a Allianz Arena passou por uma reforma para troca do gramado e ampliação de sua capacidade, que passou para 75.000.

Outra curiosidade é que aqueles gomos mudam de cor. Quando o mandante dos jogos é o Bayern, ele fica vermelho, quando era o Munique, ele ficava azul e da Seleção Alemã, ele fica branco.

O estádio fica aberto durante o ano todo para visitação.

O que vemos por lá?

O museu do Bayern: Onde conta a história campeã do time, com troféus, camisas e chuteiras de jogadores que participaram de algum momento histórico; áudios de momentos marcantes; salas que simulam salas de reuniões, inclusive com áudios de alguns momentos; uma sala onde mostra o que os jogadores comem antes.

O mais legal que achei foi um espaço onde você senta e coloca aqueles óculos de realidade aumentada e fone. Ele simula como se estivesse em dia de jogo, sentado na arquibancada, ouvindo gritos da torcida. Simula entrando no estádio cheio e outros momentos. Você escolhe. É muita coisa, como chegamos atrasados, porque pegamos o metro errado, não conseguimos ver muitos detalhes. Uma hora só não foi o suficiente.

A loja oficial do Bayern: Entramos felizões achando que estar ali seria mais em conta. Naaada. Saímos de mãos abanando. As camisas e outros acessórios estavam mais caros que aqui no Brasil.

O estádio por fora: é gigantesco. Você fica se imaginando em dia de jogo, deve ser muito legal. Quando fomos não ia ter jogo lá. Ainda bem, porque os ingressos são caríssimos.

As catracas são diferentes, são inteiras. Não sei explicar.

20170523_142356

Dependências do estádio:  já com a guia passamos pela parte dos bares (tudo super organizado), como teve jogo de algum time lá no dia anterior, o chão estava pregando por causa da cerveja. Passamos pelas cabines onde fica a imprensa e fomos sentar nas arquibancadas para escutar toda a história que a guia nos contava. De lá fomos para o túnel, onde saem os jogadores. É a parte mais emocionante, de arrepiar. A gente fez duas filas como se fossem jogadores mesmo quando começamos a andar em direção ao gramado, começou a tocar a música da Champions League. Legal de mais. Paramos em numa parte cercada do gramado, que dá pra ter a visão dos jogadores e ver o banco de reservas que é super chique..rs

Tive a impressão que lá dentro é pequeno, que inclusive parece ser menor que o Mineirão.

Depois visitamos a sala de coletiva de imprensa, os vestiários: tem o que os jogadores ficam antes do jogo e tem o que eles vão depois do jogo, que tem piscina de gelo, espaço para massagens e confraternização entre os times e de lá saímos no estacionamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Biergarten da Paulaner: Depois de muita história, fomos ao restaurante da Paulaner que fica dentro do estádio, e funciona também em dia de jogos. Tomamos uma Hefe-weissbier da Paulaner com carne de porco e salada de batata.

 

O que chamou nossa atenção foram os Playstations no restaurante. Ficamos sabendo que fica ligado sempre, inclusive em dia de jogos e é tudo 0800. Outra coisa que assustei foi com o banheiro. Além de limpo e lindo, tinha ESPELHO!!!!! Kkkk. Não sei se é assim em todos os estádios, mas, no Mineirão, não existe espelho já que pode virar uma arma.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Curiosidade:

O Bayern de Munique fez uma parceria com uma rede de hotéis e vai disponibilizar, em breve, uma suíte dentro do Allianz, onde torcedores do time terão a oportunidade de acompanhar partidas hospedados lá dentro. Com vista privilegiada, a suíte terá cama e acesso a um bar exclusivo.

Ufa! Hoje o texto foi grande. Mas, assim como a cerveja, o futebol também é minha outra paixão.

Surra de fotos eu com meu manto sagrado, mais conhecido como uniforme do Cruzeiro Esporte Clube “x”!

20170523_142501

20170523_142903.jpg