ABV – Volume de álcool na cerveja

Agora que já aprendemos sobre os ingredientes, vamos aprender um pouco sobre aquelas siglas que vêm nos rótulos para acertarmos na hora da compra?

cerveja-my-antonia-garrafa-rabada-harmonização-abv

ABV: é a abreviação de Alcohol by Volume. Ou seja, é uma definição adotada internacionalmente para indicar o percentual em volume da quantidade de álcool em uma bebida alcoólica. Enfim, esse valor indica o quanto de álcool tem em tantos ML de cerveja. Se o rótulo indica que a bebida tem 5% de ABV, ela tem 5mL de álcool para cada 100mL da bebida.

Algumas cervejas trazem a sigla APV, que significa Álcool Por Volume.

A medida é representada em pontos percentuais “%vol.”

E como colocam o álcool na cerveja?

Para, para, para! Se você se perguntou isso, significa que pulou o leveduras! Mas vou resumir aqui, tá?!

Ao adicionar as leveduras no mosto (líquido que está sendo preparado a cerveja), elas consomem os açucares da mistura e o transformam em álcool. Quanto mais alimentos der para a levedura consumir, mais álcool ela vai produzir.

E como calcular o álcool?

Existem diversas fórmulas que calculam o ABV de uma cerveja. A principal é:

%ABV = 131,25 * (Gravidade Inicial, a OG – Gravidade Final, a FG). Ai a gente deixa essa parte para os cervejeiros profissionais.

Pra que serve o álcool mesmo?

O álcool na cerveja tem como principal função de manter a estabilidade da cerveja, ele previne a propagação de microorganismos. Assim, cervejas com maior ABV podem ser conservadas por mais tempo.

E é claro que deixa a gente mais alegre também…rs

Enfim, existe teor alcoólico para todos os tipos de paladares e resistências!

E como vou saber se aquele ABV é fraco?

No Brasil, são classificadas como cervejas de baixo teor alcoólico as que tiverem de 0,5 a 2,0%,  de médio teor alcoólico as que tiverem de 2,0 a 4,5% abv e as com mais de 4,5% abv são as de alto teor alcoólico.

Existem também as cervejas de 0,0% ABV, que são as totalmente sem álcool. E são consideradas cervejas, sim! Pois ela passa pelo mesmo processo de uma cerveja normal e depois retira-se o álcool por destilação (essa é uma das formas de tirar o álcool).

Em algumas cervejas o teor alcoólico é tão alto que você sente perfeitamente o álcool tanto no aroma, quanto no sabor! Nuuu!

Eu considero forte as que estão acima de 6%. Mas, cada um tem seu paladar, tem uma resistência pro álcool. Experimente! Aprenda seu limite e seja feliz.

Não abuse do álcool! Além de fazer mal para a saúde, o dia seguinte fica terrível. Cabeça doi, corpo fica mole. Ressaca nunca é uma boa opção.

Eu, para variar um pouco, prefiro as intermediárias. Assim, dá para tomar mais e manter a compostura e a dignidade. 🙂

3875347

Curiosidade

A cerveja mais alcoólica do mundo tem o ABV em 70%. A Koelschip Mystery of Beer, da holandesa Brouwerij ‘t Koelschip. De acordo com um de seus donos, o máximo teor alcoólico que uma cerveja poderá chegar é de 80%.  A cerveja é vendida em garrafas de 330 ml por €45, mas também está disponível em porções de 40 ml, custando €10 a dose.

Koelschip-Mystery-of-Beer

No Brasil, em 2018, as cervejarias 5Elementos, do Ceará, e Augustinus, de São Paulo, lançaram a cerveja mais alcoólica do país: Dead In The Abyss. É uma Russian Imperial Stout e leva baunilha, lactose e café, chegando ao teor alcoólico de 20%.

Dead-in-the-Abyss

Veja o teor alcoólico das cervejas de massa:

Antárctica Pilsen e Skol: 4,7%
Brahma: 4,8%
Quilmes: 4,9%
Nortenã: 5%
Heineken: 5%
Bohemia Pilsen: 5%
Stella Artois: 5%
Serramalte: 5,5%

 

 

#TBT: Herzogliches – Olympiapark (Munique)

IMG_2372.JPG

O #tbt de hoje é com a Tegernseer Hell, uma munich helles fabricada pela Cervejaria Herzogliches Bräustüberl Tegernsee – Alemanha.  Com o teor alcoólico a 4.8% , é uma cerveja bem leve, com o sabor bastante suave. O malte aparece um pouco discreto e sente-se o lúpulo no final dando um sabor amargo bem fraquinho. Para quem gosta de cervejas mais leves, está aí a dica. Porém, ela só é encontrada nas redondezas de Munique.

tegernseer-logo_profile

A Herzogliches é uma cervejaria que surgiu em Tegernsee, em 1050, no distrito de Miesbach, localizado na Alta Baviera -Alemanha. A cervejaria está localizada na parte norte do antigo mosteiro Tegernsee e é de propriedade da duquesa Maria Anna na Baviera, a filha mais nova de Duke Max na Baviera.

Produzem diversas cervejas além da Hell: Tegernseer Spezial; Tegernseer Leicht; Tegernseer Dunkel Export; Radler; Russ`n; Original Schneider Weisse .

 

Essa nós tomamos numa praça central de Munique em frente à estação de Metrô. Descansando do bate perna que contarei a seguir.


O ponto turístico é o Olympiapark – o Parque Olímpico de Munique, construído para os jogos olímpicos de 1972, que é preservado em excelentes condições até os dias de hoje e se transformou em uma opção gratuita de lazer para os moradores de Munique, além de locais para esportes e entretenimento.

800px-Olympiastadion_Muenchen.jpg

IMG_5723

Ali foram construídos o aquário Sea Life, a Torre Olímpica (de onde dá pra ver Munique de cima, quando fomos estava reformando), o parque aquático e o Olympiastadion – Estádio Olímpico de Munique que, quando da sua inauguração, cabiam 80 mil espectadores.

O estádio foi usado na Copa do Mundo de 1974, em final de Eurocopa e Liga dos Campeões. Sua principal característica é o teto retrátil. Antes da construção da Allianz Arena, ele era a casa dos times da cidade: o Bayern de Munique e o Munique 1860. Hoje, além de alguns jogos, é palco de grandes shows e outros espetáculos como o Cirque du Soleil.

IMG_5716

Tirando o lago, bem sujo, o restante era tudo bem limpo e conservado. Subimos no topo de uma montanha artificial, haja perna. Lá vimos todo parque olímpico do alto, dizem que de lá se vê o mais bonito pôr do sol de Munique. Mas, quando chegamos lá em cima, começou a chuviscar. Quanta sorte!

Este slideshow necessita de JavaScript.

predio da BMWNo caminho para o Parque Olímpico, nos deparamos com o enorme prédio/museu da BMW.

Entramos para babar um pouco. Além do museu contando a história da marca (não entramos porque estávamos cansados), tem a parte administrativa, além da enorme exposição de carros novos, no prédio mega moderno, com uma loja de $ouvenir. Mas foi um passeio rápido…não tínhamos muito o que fazer lá, diferente das dezenas de árabes que ali estavam, rindo à toa com cara de “qual desses eu vou levar?”.

Uma palhinha para quem gosta de carros e motos…

 

#TBT: Paulaner Dunkel – Allianz Arena (Munique)

claro.jpg

O #tbt de hoje volta com a Paulaner. Dessa vez falo sobre a Hefe-Weissbier Dunkel, que é uma cerveja de trigo, turva, com cor de chocolate, com sutil aroma floral e sabor maltado, bem frutado. É uma cerveja super cremosa e refrescante. E, pra variar, segue rigorosamente os padrões alemães de qualidade. É uma delícia, com a drinkability lá em cima. O final é bem equilibrado sendo levemente amargo e com algumas notas de banana e café.

A Hefe-Weissbier Dunkel é uma cerveja de trigo escura pois é feita com malte de trigo tostado. Ela não é filtrada antes do envasamento, as leveduras utilizadas em sua fermentação estão contidas na garrafa, deixando a cerveja saborosa. Contém 60% de malte de trigo e 40% de malte de cevada.

Quanto à breve história da cervejaria, eu falei no post “#TBT: Paulaner – Viktualienmarkt (Munique)”.

Esta nós tomamos em um dos diversos restaurantes da Paulaner que estão espalhados por Munique, na Paulaner zum Spöckmeier. Um lugar super agradável. Dentro, é bem grande, mas, como a temperatura estava agradável, ficamos no espaço de fora.

Garçons bem simpáticos. Além da Dunkel, tomamos a Helles também.

E como dá pra ver no fundo, o restaurante fica próximo a um dos pontos turísticos mais visitados de Munique: a Nova Prefeitura (Neues Rathaus ), que fica linda à noite. Pena que meu celular não ajuda em fotos noturnas. Para saber mais sobre o prédio, clique aqui.


O ponto turístico também tem Paulaner. Eitaaaa!!!

20170523_141946.jpg

É o Allianz Arena. Estádio supermoderno, inaugurado em 2005. Na época de sua construção, o contrato constava que ele seria dividido em 50% para os dois grandes rivais de Munique o Bayern de Munique e o Munique 1860. Porém, como o Munique estava mergulhado em dívidas indo à falência, em 2006, o Bayern de Munique, para ajudar o rival, comprou a outra metade de forma simbólica. Mesmo sendo rival, o Bayern colocou no contrato de compra uma cláusula que permitia a recompra dos 50% a qualquer momento. Bacana, né?!

bayern

Mesmo depois de perder os 50%, o Munique continuou jogando no Allianz, mas pagando aluguel. Mas, nem mesmo com essa camaradagem, a rivalidade diminuiu entre os times e torcidas. Durante nossa visita, a guia, que era torcedora do Bayern, disse que não podia falar o nome do outro time. Por isso, quando se referia a ele, falava “o outro” ou “o rival”. A gente, aqui em Minas Gerais, sabe como é, mesmo o rival sendo muito inferior, tendo menos títulos, a gente o considera…rs.

munique 1860

Brincadeiras à parte, e para finalizar a história no Munique, que já foi até campeão da Bundesliga, em 2017, caiu para a terceira divisão e, como não pagou a licença para disputar a competição, teve de ir para a liga regional, a quarta divisão!! Com isso, a diretoria decidiu não jogar mais no Allianz. Os jogos agora acontecem em um estádio que comporta cerca de 13mil torcedores (coincidência por aqui?!rs). Quanto à história do Mayern, a gente dispensa, né?!

Em 2015, a Allianz Arena passou por uma reforma para troca do gramado e ampliação de sua capacidade, que passou para 75.000.

Outra curiosidade é que aqueles gomos mudam de cor. Quando o mandante dos jogos é o Bayern, ele fica vermelho, quando era o Munique, ele ficava azul e da Seleção Alemã, ele fica branco.

O estádio fica aberto durante o ano todo para visitação.

O que vemos por lá?

O museu do Bayern: Onde conta a história campeã do time, com troféus, camisas e chuteiras de jogadores que participaram de algum momento histórico; áudios de momentos marcantes; salas que simulam salas de reuniões, inclusive com áudios de alguns momentos; uma sala onde mostra o que os jogadores comem antes.

O mais legal que achei foi um espaço onde você senta e coloca aqueles óculos de realidade aumentada e fone. Ele simula como se estivesse em dia de jogo, sentado na arquibancada, ouvindo gritos da torcida. Simula entrando no estádio cheio e outros momentos. Você escolhe. É muita coisa, como chegamos atrasados, porque pegamos o metro errado, não conseguimos ver muitos detalhes. Uma hora só não foi o suficiente.

A loja oficial do Bayern: Entramos felizões achando que estar ali seria mais em conta. Naaada. Saímos de mãos abanando. As camisas e outros acessórios estavam mais caros que aqui no Brasil.

O estádio por fora: é gigantesco. Você fica se imaginando em dia de jogo, deve ser muito legal. Quando fomos não ia ter jogo lá. Ainda bem, porque os ingressos são caríssimos.

As catracas são diferentes, são inteiras. Não sei explicar.

20170523_142356

Dependências do estádio:  já com a guia passamos pela parte dos bares (tudo super organizado), como teve jogo de algum time lá no dia anterior, o chão estava pregando por causa da cerveja. Passamos pelas cabines onde fica a imprensa e fomos sentar nas arquibancadas para escutar toda a história que a guia nos contava. De lá fomos para o túnel, onde saem os jogadores. É a parte mais emocionante, de arrepiar. A gente fez duas filas como se fossem jogadores mesmo quando começamos a andar em direção ao gramado, começou a tocar a música da Champions League. Legal de mais. Paramos em numa parte cercada do gramado, que dá pra ter a visão dos jogadores e ver o banco de reservas que é super chique..rs

Tive a impressão que lá dentro é pequeno, que inclusive parece ser menor que o Mineirão.

Depois visitamos a sala de coletiva de imprensa, os vestiários: tem o que os jogadores ficam antes do jogo e tem o que eles vão depois do jogo, que tem piscina de gelo, espaço para massagens e confraternização entre os times e de lá saímos no estacionamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Biergarten da Paulaner: Depois de muita história, fomos ao restaurante da Paulaner que fica dentro do estádio, e funciona também em dia de jogos. Tomamos uma Hefe-weissbier da Paulaner com carne de porco e salada de batata.

 

O que chamou nossa atenção foram os Playstations no restaurante. Ficamos sabendo que fica ligado sempre, inclusive em dia de jogos e é tudo 0800. Outra coisa que assustei foi com o banheiro. Além de limpo e lindo, tinha ESPELHO!!!!! Kkkk. Não sei se é assim em todos os estádios, mas, no Mineirão, não existe espelho já que pode virar uma arma.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Curiosidade:

O Bayern de Munique fez uma parceria com uma rede de hotéis e vai disponibilizar, em breve, uma suíte dentro do Allianz, onde torcedores do time terão a oportunidade de acompanhar partidas hospedados lá dentro. Com vista privilegiada, a suíte terá cama e acesso a um bar exclusivo.

Ufa! Hoje o texto foi grande. Mas, assim como a cerveja, o futebol também é minha outra paixão.

Surra de fotos eu com meu manto sagrado, mais conhecido como uniforme do Cruzeiro Esporte Clube “x”!

20170523_142501

20170523_142903.jpg

 

TBT: Radeberger – QBA – Chocolateria Rausch Schokoladenhaus (Berlim)

O #tbt de hoje é com esta pilsner –  da RadRadebergereberger Exportbierbrauerei. Segue o padrão alemão de qualidade, com a Lei da Pureza “debaixo do braço”. Tem o sabor bem equilibrado, com o dulçor de malte perceptível no início e, no final, um leve amargor. Aliás, ela tem aromas e sabores marcantes de lúpulo, já que usam um pouco mais de lúpulo que a maioria das pilsners. Enfim, é uma cerveja excelente, refrescante. E, como não poderia ser diferente das pilsners alemãs, apesar de ser mais encorpada, sua drinkability está lá em cima. Seu teor alcoólico é de 4.8%, bem levinha!

Radeberger Logo BWV.svgRadeberger Exportbierbrauerei ou somente Radeberger Pilsner foi fundada em 1872, na cidade de Radeberg, nas proximidades de Dresden, Alemanha. Ela foi a primeira cervejaria da Alemanha a fabricar cerveja exclusivamente Pilsner. E até os dias de hoje ela somente fabrica este estilo, na mesma cidade. Eles não fabricam em outros locais, pois, segundo eles, isso faz com que a cerveja tenha um sabor consistente em todo o mundo. Ou seja, há mais de um século que eles fabricam a mesma cerveja com o mesmo padrão no mesmo lugar!

Mas isso de não fabricar em outros países para manter o padrão é meio controverso. Quantas cervejas importadas chegam aqui com o sabor alterado devido às longas viagens? Mas também existem cervejas que são fabricadas em vários países e que não mantêm o mesmo padrão.


logo

Essa nós tomamos em um restaurante cubano chamado QBA. Seu interior é todo decorado com alusões à Cuba. Os espaços interno e externo são pequenos. No dia em que fomos, estava lotado. Tinha uma banda cubana tocando músicas cubanas (claro) e estava super animado. Muitas pessoas de pé dançando, cantando. Diferente de todos os restaurantes/bares que entramos em Berlim. Ele fica no Mitte.

E a comida? Meu D-E-U-S do céu! Foi o único lugar que encontramos comida descente por lá. Arroz? Feijão? J-E-S-U-S amado!! E olha que nem sou fã de arroz e feijão assim. Era pra comer ajoelhados. O prato para dois veio farto. A gente não aguentaria comer tudo em circunstâncias normais. Mas era comida de verdade! Não era batata, salsichão, joelho de porco e bretzel!! Respira fundo “mô-fi”, que cabe mais!  🙂

20170520_221819

O prato que pedimos foi essa beleza aí chamada “Plato QBA” – filé de porco grelhado, mandioca, legumes frescos, congris (nosso arroz com feijão preto), bananas verdes cozidas e salada (25 euros). Não tem nada demais. Mas fica 4 dias comendo salsichão com batata pra você ver. A Radeberger custou 4,50 euros – 500 ml.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gostou? http://www.qba-restaurant.de


Hoje o post vai ficar grande, isso que dar ficar muito tempo sem escrever.

h

E o ponto turístico de hoje não é um monumento, igreja…mas que, mesmo assim, deveria ser parada obrigatória em Berlim: a Chocolateria Fassbender & Rausch ou Rausch Schokoladenhaus. Se eu rezei aquilo tudo ali em cima quando eu vi o arroz e o feijão, imagina o quanto eu rezei, babei, salivei quando entrei dentro dessa loja?

Fundada em 1863, é a primeira “chocolateria-café” da Alemanha.

Na loja, ao entrar você se depara com diversas réplicas de monumentos como a Torre de TV de Berlim, o Portão de Brandenburg, o Titanic, ursão, avião, todos feitos de chocolate!! Vontade de “cair de boca”. Fora essas maravilhas a parte, lá tem uma infinidade de bombons, barras, trufas que a gente não sabe qual escolher.

Já na chocolateria-café é servido as mini tortas artesanais, trufas, pralinês e outras sobremesas que vêm diretamente da fábrica de chocolate. Não é o paraíso? Seria, se os preços não fossem um pouquinho altos.

Se tiver por lá, não deixe de ir. Certeza que vai sair com pelo menos umas 10 trufas na mão! Aí vai o site porque eu não sou obrigada a salivar sozinha www.rausch.de :p

Mais fotos para você salivar comigo!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Chega né? Escrevi o post inteiro salivando..rs

#TBT: Allgäuer Büble Bier – Pergamonmuseum (Berlim)

20170520_001013.jpg

A cerveja do #tbt desta vez é Edel Weiss Bier da Allgauer Büble Bier. Uma cerveja de trigo de estilo alemão, feita com ingredientes nobres, que é o que sugere a palavra “Edel”. Feita com água, malte de cevada, extrato de lúpulo, lúpulo. Com o sabor frutado (banana), seguido de um aroma delicado de lúpulo, que também dá um pouco de amargor à cerveja. Uma cerveja agradável de tomar.

Álcool: 5,3%

A Allgauer Büble Bier faz parte do grupo Allgäuer Brauhaus AG, fundado em 1911, que tem sede e origem em Kempten (centro urbano da região campestre do Allgäu), localizado na Bavaria, Alemanha. O grupo fabrica uma grande variedade de cerca de 20 cervejas diferentes.

logoO rótulo da Allgauer Büble Bier trouxe muita polêmica na Alemanha, por ter uma criança segurando uma jarra de chopp. Porém, eles explicam que este rótulo simboliza um costume antigo em Allgäu: antes, quando a cerveja ainda não estava disponível no mercado para comprar, elas eram servidas apenas em barris e, para consumi-las, era necessário ir no local de fabricação. Com isso, os pais mandavam seus filhos nos locais para pegar a cerveja fresca, direto do barril, e levar para casa na jarra.

A Allgauer Büble Bier surgiu em 1950 e, hoje, contém 7 tipos de cervejas: Edelbrau, Bayrisch Hell, Edel Weiss Bier, Edel Weiss Alkoholfrei, Urbayrisch Dunkel, Radler, Fest Bier

todas.jpg


O ponto turístico do #tbt de hoje é com o Pergamonmuseum (Museu Pergamon), localizado na Ilha dos Museus, centro de Berlim, onde encontram-se mais quatro outros museus. Construído entre 1910 e 1930, hoje, ele é o museu mais visitado de Berlim. É enorme! Demoramos por volta de duas horas para explorar suas três alas monumentais.

avatar

 

O museu está organizado em três partes: Coleção de Antiguidades Clássicas;  Museu do Antigo Oriente Médio; e  Museu de Arte Islâmica.

O que mais me fascinou foi o de “Antiguidades Clássicas”, pois adoro as histórias da Grécia e Roma antiga. Ao entrar, você se sente dentro da história, pois há obras de arte da antiguidade grega e romana: arquitetura, esculturas, inscrições, mosaicos, bronze, jóias e cerâmica. E o áudio-guia conta cada detalhe. Parece mesmo que você está passando por aquela época.

Obs: Não tinha áudio-guia em português, tive que ouvir aquela mulher com voz estridente falando em espanhol. 🙂 

 

As principais exposições são: o Altar de Pérgamo, do século II aC, construído para Zeus, na antiga cidade grega de Pérgamo (que atualmente chama-se Bergama e faz parte da Turquia). Ele foi encontrado durante escavações, no final do século XIX, levado para Berlim e reconstruído em seu tamanho original. Foi feito com escadarias em mármore, colunas e friso em baixo-relevo que exibem a batalha entre os deuses e gigantes da mitologia. Não tivemos acesso, pois ficará fechado até 2020 para reforma. ☹

altar-de-zeus-en-pergamo
Imagem retirada do site: http://www.auladehistoria.org

E a outra atração é o Portão do Mercado de Mileto, com 17 metros de altura e 29 metros de largura, era um portal que dava acesso ao mercado da antiga cidade de Mileto (atualmente Turquia).

 

Saí de lá com o pescoço doendo. Mas, valeu a pena!

Veja mais fotos aí embaixo. Algumas ficaram ruins porque a câmera do meu celular não é muito boa para tirar fotos em locais com pouca luminosidade. E lá não pode entrar com câmera grande.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Berliner Kindl – Holocaust-Mahnmal (Berlim)

Berliner KindlO #tbt de hoje é essa deliciosa pilsner da Berliner Kindl, uma cerveja tradicional em Berlim. Onde íamos, ela estava na prateleira. É uma pilsner clássica, feita de acordo com a Lei da Pureza Alemã: água, malte, lúpulo (extra-finos) e leveduras. Como foi feita dentro dos padrões, o gosto é o mesmo das demais: amargor médio equilibrado com o leve doce do malte, no finzinho sente o amargo. Tem gosto de Berlim…rs

Com 5,1% de teor alcoólico, ela é uma cerveja clara, leve, ideal para dia a dia. Esta, nós bebemos no mesmo “butequinho” perto da Alexanderplatz.

A Cervejaria Berliner Kindl é uma das mais antigas da Alemanha, fundadcopoa em 1872 por um grupo de empresários com objetivo de produzir o tradicional estilo berlinense para enfrentar a então novidade das lagers bávaras. A cervejaria cresceu rapidamente Logomarcanos primeiros anos, mas, como toda Alemanha, sofreu muito nas duas grandes guerras. A retomada veio apenas na década de 50 através do suporte do mega grupo Raderberger.

 


Holocaust_memorial_tree

O ponto turístico deste #tbt é o Memorial aos Judeus Mortos da Europa, também Memorial do Holocausto (Holocaust-Mahnmal), localizado no Tiergarten, em Berlim. É um memorial, inaugurado em 2005 (60 anos do fim da Segunda Guerra Mundial), em homenagem aos seis milhões de judeus mortos durante o regime nazista. São 2.711 blocos de concreto, cinza escuro, em uma área de 19.000 metros quadrado com terreno ondulado. A altura dos blocos varia de 0,2m até 4,8 metros, dando um clima de confusão quando você caminha pelo labirinto que eles formam.

É muito grande, não dá para andar muito por ele. Além disso, o clima nele é péssimo, muito pesado. Eu, por exemplo, não consegui nem sorri para tirar foto, é estranho! Os turistas caminham por ele em silêncio. Tem uns “sem noção” que sobem nos blocos. Mas logo é repreendido por algum segurança.

20170518_171814

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não sei o que tem lá, mesmo você não tendo vivido nem de perto o que passaram, te faz ficar pensando naquelas pessoas que sofreram na mão dos nazistas. E olha que nós nem fomos no “Local de Informação”. Uma sala subterrânea, onde é documentado sobre a perseguição e o extermínio dos judeus, além de guardar os nomes de todas as vítimas conhecidas do Holocausto. Arrepio só de lembrar!

Vale a pena dar uma passadinho por lá e sentir um pouco dessa história.

Até breve!

Sobre a Cervejeira, uai!

Sou jornalista formada, moradora da capital dos botecos, Belo Horizonte. Talvez por isso eu tenha me interessado por este assunto tão fascinante que é a cerveja.

Conheci a cerveja artesanal por volta de 2012, desde então tenho experimentado as mais diversas marcas e estilos. Mas, como sou curiosa, não me dei por satisfeita em apenas bebê-las. Comecei a pesquisar mais sobre as cervejas que bebia, como eram feitas, por quem e onde. Com isso, comecei estudar sobre o assunto.

Estou no começo dos estudos, mas, como tenho tirado várias dúvidas que antes eu tinha, decidi criar este blog. Aqui, eu irei postar informações para quem não é profissional da cerveja mas tem interesse em saber sobre as curiosidades da cerveja e dos assuntos que estão ligados à ela.

E o nome Cervejeira, uai!: Sendo uma mulher, que gosta de cerveja, ainda vejo muitos pensamentos machistas de que mulher não combina com cerveja. “Mulher gosta é de drinks”. Pois eu sou CERVEJEIRA, UAI! Mas aceito drinks, também. 🙂

Boa leitura e saúde! 🍻

Déborah Arduini (@cervejeirauai)cropped-cropped-banner.png