Cervejas trapistas: cervejas feitas por monges

Você sabia que existem cervejas feitas por monges?

Pois é. Essas, são as Cervejas Trapistas: produzidas e supervisionadas por monges da Ordem Trapista e fabricadas na própria Abadia/Mosteiro. Muitas das cervejarias possuem funcionários que não são monges, mas há sempre a supervisão de um monge dentro da cervejaria.

Os trapistas são monges que dedicam suas vidas à oração e ao trabalho, em uma vida comunitária.

Uma pequena parte do que os monges e freiras produzem em suas abadias é para uso próprio. A maior parte é destinada à venda. Os trapistas (monges) e trapistinos (freiras) usam os rendimentos para financiar as necessidades de suas comunidades religiosas. Qualquer coisa extra é dada a terceiros. Dessa forma, eles apoiam projetos em países em desenvolvimento e obras de caridade, enfim, oferecem ajuda a quem precisa.

E com a cerveja que eles fabricam e vendem não é diferente. Não pode ter fins lucrativos. Sim, eles também bebem!

Dos mais de 170 mosteiros trapistas existentes no mundo, somente treze são autorizados a marcar suas cervejas com o selo de autenticidade trapista, o Authentic Trappist Product (ATP), garantindo a origem monástica de sua produção.

Como um mosteiro recebe autorização para usar o selo?

Para poder usar o selo em um de seus produtos Trappist®, a abadia deve atender a estes três critérios rigorosos:

– Todos os produtos devem ser feitos nas imediações da abadia;
– A produção deve ser realizada sob a supervisão dos monges ou freiras;
– Os lucros devem ser destinados às necessidades da comunidade monástica, para fins de solidariedade dentro da Ordem Trapista, ou para projetos de desenvolvimento e obras de caridade. Ou seja, não pode ser um empreendimento lucrativo. A renda deve cobrir os custos de vida dos monges e o que sobrar deve ser doado.

Imagem ITA

Essa licença tem duração de cinco anos e pode ser renovada.

Uma observação importante é que todas as abadias trapistas têm o direito exclusivo de uso da marca Trappist®. Porém, o selo ATP só foi concedido para treze. Esse selo não só tem origem monástica, mas também garante que foi produzido de acordo com as rígidas diretrizes estabelecidas pelo Associação Trapista Internacional

Onde estão e quais são as Cervejas Trapistas autorizadas?

Todas estão na Europa. Veja como elas estão distribuídas:
– Seis na Bélgica: Trappistes Rochefort (Cidade de Namur), Achel (Limburg), Orval (Florenville), Westmalle (Westmalle), Westvleteren (Westvleteren) e Chimay (Hainaut);
– Dois na Holanda:  La Trappe (Tilburg) e Zundert (Zundert);
– Um na Áustria: Stift Engelszell (Engelhartszell an der Donau);
– Um na Itália: Tre Fontane (Roma);
– Um na Inglaterra: Mount St. Bernard Abbey (Tynt Meadow);
– Um na Espanha: Cardenã (Burgos);
– Um na França: Mont des Cats (Godewaersvelde).

Nos Estados Unidos, tinha a St. Joseph’s Abbey (Spencer- Massachusetts), única fora da Europa. Porém, ela fechou as portas em maio deste ano (2022).

Uma observação interessante é que outros produtos também podem se qualificar para receber o selo como: pães, queijos, licores e artefatos religiosos.

Imagem: Philip Rowlands 

A mais antiga cervejaria trapista é a Trappistes Rochefort, produzida desde o ano de 1595, dentro da Abadia de Notre-Dame de Saint-Rémy, próxima a vila de Rochefort, na Bélgica. Suas cervejas são o ápice de aroma e sabor, sendo suas receitas secretas e a entrada de visitantes na fábrica não é permitida. Porém, é possível conhecer o mosteiro, experimentar e comprar cervejas locais e souvenirs.

Como surgiu essa ideia de dar um selo para as cervejas?

A partir da segunda metade do século XX, as cervejas trapistas ganharam fama e começaram a inspirar outros produtores mundo afora, que passaram a colocar em seus rótulos “Estilo Trapista”, mesmo não tendo nenhum vínculo com a Ordem Trapista.

Em 1998, oito mosteiros trapistas se uniram e fundaram a International Trappist Association (ITA) – Associação Trapista Internacional, para evitar que empresas comerciais não-trapistas abusassem do nome Trappist (trapista). Com isso, essa associação privada criou o logotipo “Authentic Trappist Product“, para identificar as cervejas que pertencem à associação.

Hoje, a ITA conta com dezenove abadias trapistas em todo o mundo.

Uma lei da Câmara Belga do Comércio decretou que: “Cerveja Trapista é somente aquela que é produzida por monges Cistercienses, e não uma cerveja no estilo Trapista, a qual deve ser denominada cerveja de Abadia”.

Cerveja de Abadia

Com isso, surgiu o conceito Cerveja de Abadia ou cerveja do tipo Abadia (Abbey Beer).

Elas devem carregar a tradição vinda dos mosteiros, mas podem ser produzidas tanto por mosteiros e abadias que não pertencem à Ordem Trapista, quanto por empresas sem ligação com uma determinada ordem religiosa, e nem precisam mencionar um mosteiro específico.

Ou seja, podem ser consideradas Cervejas de Abadia as que são:
– Produzida por um mosteiro/abadia não trapista; ou
– Produzida por uma cervejaria comercial sob um acordo com um mosteiro existente; ou
–  Leve no rótulo o nome de uma abadia extinta ou fictícia por um cervejeiro comercial; ou
– Tenha uma marca vagamente monástica, sem mencionar especificamente o mosteiro, por um cervejeiro comercial.

As mais conhecidas são: Maredsous, Leffe e St. Bernardus.

Atenção! Trapistas e de Abadia não são estilos de cerveja!

Os nomes funcionam mais como referência e uma denominação ligada à tradição cervejeira oriunda dos monastérios.

E tem mais: Toda Cerveja Trapista é de Abadia, mas, nem toda cerveja de Abadia é Trapista.

Os estilos fabricados mais comuns, tanto para Trapistas quanto de Abadia são: Dubbel, Tripel, Quadruppel, Blond Ale, Bock, Belgian Pale Ale, Strong Dark Ale, dentre outros.

São cervejas complexas, de muita personalidade e muitas delas têm um alto teor alcoólico. Eu amo!

Fonte: www-trappist-be

Cervejaria lendária belga adota rótulos após 75 anos

Cervejaria trapista belga Westvleteren passa a rotular suas garrafas pela primeira vez em 75 anos para atender demandas do mercado de cerveja

A cervejaria do mosteiro Westvleteren, localizada na Bélgica, cujas cervejas lendárias são produzidas por monges trapistas na abadia de Sint-Sixtus passará a rotular suas garrafas pela primeira vez em 75 anos.

Por mais de 75 anos, a cervejaria, que produz três das famosas cervejas trapistas da Bélgica, em homenagem à ordem ou dos monges que administram a abadia apresentou as suas garrafas sem rótulo e agora está mudando isso.

A produção da Westvleteren já possuiu rótulos até pouco tempo depois da segunda guerra mundial, quando suas cervejas passaram a ser produzidas de forma licenciada na cervejaria Saint Bernardus. Ainda nesta época a Westvleteren decidiu por não utilizar mais rótulos, concentrando todas informações na tampa da garrafa.

Mesmo quando os monges retomaram toda a produção para dentro dos muros da abada em 1992 as garrafas foram mantidas sem rótulo sendo vendidas no portão do monastério.

Os novos rótulos permitem que os consumidores diferenciem as quatro variedades de forma simples e rápida, porém um dos grandes pontos sobre a Westvleteren é sua exclusividade com os monges produzindo cerveja de forma bastante limitada e limitando também as suas vendas que ocorrem quase que exclusivamente no próprio mosteiro.

Os rótulos conterão todos os tipos de requisitos legais – valores energéticos, ingredientes em três idiomas e um código QR que vincula ainda mais informações que anteriormente os consumidores não tinham acesso.

Rótulo da Westvleteren é uma demanda de mercado pedida por seus consumidores

A gama completa de informações presentes no rótulo, não são exigidas legalmente, mas a cervejaria decidiu por adicioná-los devido a demanda dos consumidores.

Foto:  Francois Lenoir/Reuters

Os monges optaram por um design de etiqueta único, bastante próximo da aparência familiar. Os rótulos representam imagens estilizadas das tampas das garrafas. Existem três versões de rótulos, uma para cada uma das três cervejas trapistas da Abadia de Westvleteren diferenciadas por cores.

 “Estamos respondendo à demanda de muitos de nossos consumidores com esses rótulos. É simplesmente uma tendência no mundo da comida se comunicar muito abertamente. Nós também nos tornamos mais sensíveis a isso. Muitas vezes vejo alguns irmãos aqui analisando uma caixa ou um pacote.” explicou o Irmão Godfried, prior da abadia ao site belga Brussel Times.

A cervejaria destacou que está deixando para trás uma tradição para obter algo melhor em troca e de alguma forma progredir.

“Além disso, mantemos a aparência. Quando as garrafas estão na caixa, os rótulos são colocados de forma que não possam ser vistos, mas apenas as garrafas clássicas e escuras com o anel distintivo com a inscrição em relevo cerveja trapista.”

Cervejas trapistas. O que são?

Trapistas são Abadias – uma comunidade monástica cristã, originalmente católica – que produzem cervejas há muito tempo e seus monges vivem uma rotina de trabalho e oração.

Atualmente, existem apenas 13 cervejarias que podem estampar o selo trapista.

Existem mosteiros trapistas em todo o mundo. E apesar de não terem o selo, o modelo trapista está muito relacionado com a forma de produção e venda.

Para saber mais sobre elas, acesse esse resenha que fiz: Cervejas Trapistas

Fonte: Site Catalise

Monjas Trapistas de Santa Catarina planejam produzir cerveja

Quem gosta de estudar e entender melhor sobre o mundo cervejeiro já sabe da tradição dos monges em fabricar suas próprias cervejas. Devido ao apoio dos trapistas belgas, que ajudaram na construção do mosteiro em Rio Negrinho (SC), as monjas do mosteiro das Irmãs Trapistas de Boa Vista, viram na produção da cerveja uma alternativa para manter suas atividades.

Foto: Divulgação

Hoje, a comunidade já produz chocolates e geleias para comercialização para manter as atividades tanto em Rio Negrinho quanto em outras unidades da congregação.

Ao conhecer a iniciativa, a Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM) passou a subsidiar os equipamentos e os cursos de duas irmãs para que elas obtivessem mais conhecimento técnico e para que elas prossigam com o projeto. Uma formação à distância já foi concluída e agora elas estão presencialmente na instituição, em Blumenau, ampliando os estudos.

Se o projeto for concluído e a cerveja for fabricada, será a primeira cerveja trapista supervisionada por mulheres.

Zulema Jacquelin Jofre Palma é uma das monjas que está estudando na ESCM. Chilena, ela vive no Brasil há 12 anos e foi pega de surpresa com a missão. “Nós conhecemos e estudamos os mosteiros que produzem cerveja, mas não pensamos que seria possível nos envolvermos nesse projeto. Como gosto muito de estudar, estamos buscando conhecimento para evoluir e apoiar a nossa comunidade e outras comunidades no mundo”, diz.

Segundo Raquel Watzko, também monja e aluna da ESCM, a cerveja é uma forma de transmitir ao público que a vida monástica também é composta de alegrias. “Quero que, quando provem a nossa cerveja, as pessoas se conectem também com uma visão mais leve e feliz do que significa a nossa vocação religiosa, porque nós somos muito felizes vivendo desta forma”, diz.

Ainda não há um prazo para a comercialização das cervejas. Além disso, a comunidade das Irmãs Trapistas de Boa Vista ainda não faz parte da International Trappist Association (ITA), que designa oficialmente as cervejas trapistas no mundo. Ou seja, mesmo com a produção, a cerveja não pode receber a denominação de trapista, mas sim de cerveja de abadia.

Cervejas trapistas

 Trapistas são Abadias – uma comunidade monástica cristã, originalmente católica – que produzem cervejas há muito tempo e seus monges vivem uma rotina de trabalho e oração.

Atualmente, existem apenas 13 cervejarias que podem estampar o selo trapista.

Existem mosteiros trapistas em todo o mundo. E apesar de não terem o selo, o modelo trapista está muito relacionado com a forma de produção e venda.

Para saber mais sobre elas, veja essa resenha que fiz: Cervejas Trapistas

Sobre as Irmãs Trapistas de Boa Vista

A história do mosteiro das Irmãs Trapistas de Boa Vista é fruto dos movimentos da comunidade chilena de Nossa Senhora de Quilvo, que tinha o desejo de ampliar sua atuação, e da comunidade Novo Mundo no Brasil, casa masculina trapista que desejava ter uma casa da mesma Ordem para mulheres. Depois de dois anos de preparação, em 2010, as monjas chegaram à cidade de Rio Negrinho (SC) para iniciar a construção da casa. Depois de três anos em uma residência provisória, em 2013 elas passaram a viver no mosteiro, que foi totalmente concluído em 2017.

Por viverem do seu próprio trabalho e desejarem apoiar outras comunidades, elas passaram a produzir geleias e chocolates comercializados através do e-commerce http://www.trapistasboavista.com.br . Antes da pandemia, o mosteiro funcionava também como hospedaria.

Com informações Via Fly Viagens