8 dicas para curar a ressaca

Já falei por aqui sobre os efeitos do álcool no corpo e a importância de beber com responsabilidade. Mas, tem vez, que a gente acaba exagerando e o dia seguinte é uma verdadeira tortura. Ou seja, senta que lá vem ressaca.

A ressaca é uma série de sintomas físicos e mentais causados pela intoxicação que acontece quando bebemos demais.

Para tentar eliminar a bebida, o corpo passa por um verdadeiro desequilíbrio, sobrecarregando o fígado, o estômago e o intestino.  Essa reação natural do organismo diante de uma intoxicação pelo álcool é caracterizada por dores de cabeça, de estômago e no corpo, náuseas, vômitos, boca seca, irritação, sensibilidade à luz e mal-estar geral.

Ou seja, seu corpo está passando por tudo isso na tentativa de eliminar a bebida. Porém, até que todo o álcool seja metabolizado e excretado, você terá algumas longas horas de sofrimento pela frente.

O mal-estar só vai passar totalmente quando o corpo conseguir processar e se livrar de todo o álcool consumido. Porém, você pode sim seguir algumas dicas para ajudar seu organismo a sair dessa.

Confira aí 8 dicas para ajudar a curar a ressaca:

1 – Tome bastante água: No processo de embriaguez o corpo desidrata, perde muita água. Isso acontece devido ao alto teor diurético do álcool. Aquelas várias idas ao banheiro enquanto você bebe têm um preço. Portanto, para ajudar o seu corpo a se recuperar da ressaca mais rápido, beba muita água.

2- Tome sucos naturais, água de coco e isotônicos: As frutas contêm frutose, um açúcar natural que vai ajudar o corpo a queimar o álcool mais depressa.

Rica em nutrientes e com açúcar natural, além de muito saborosa, a água de coco pode ser uma excelente aliada na melhora dos sintomas da ressaca também.

Já os isotônicos também repõem sais minerais perdidos e dão uma injeção de energia!

3- Não exagere no café e tome chá: Uma xícara de café até pode te dar mais energia para enfrentar um dia de ressaca e ajudar a aliviar a dor de cabeça, mas você não deve exagerar.

O motivo para isso é que o café favorece a eliminação de água pela urina, agravando ainda mais os sintomas da desidratação. Por isso, restrinja seu consumo a apenas uma xícara pequena.

Chás de salsaparrilha, erva-picão, macela e erva-cidreira têm grande potencial para limpar o corpo das toxinas do álcool. Isso porque as ervas podem ajudar a renovar as células hepáticas, relevantes para o processo de desintoxicação no corpo. Assim, consumir algum chá herbal também é uma alternativa que ajuda a evitar os efeitos da ressaca.

4- Coma comidas salgadas e leves: Como o fígado, o estômago e o intestino estão sobrecarregados pelo excesso de álcool, é recomendável evitar o consumo de alimentos pesados para que esses órgãos possam se recuperar.

Dessa forma, vale a pena apostar em uma alimentação leve e com pouca gordura, como saladas, arroz integral, peito de frango grelhado ou uma boa sopa de legumes.

5-  Coma brócolis e outros alimentos com cisteína: Uma das coisas que ajuda na cura da ressaca é a liberação de todo o etanal ainda presente. Ele é uma toxina gerada pela reação do álcool em nosso corpo e pode causar tontura, náuseas e outros sintomas. A cisteína, encontrada em alimentos como brócolis, cebola, soja, pimenta e gérmen de trigo, é responsável pela eliminação do etanal, e pode dar um gás na cura.

6- Descanse o corpo: Enquanto bebemos, nosso organismo trabalha muito para absorver e metabolizar todo o álcool. Um esforço que resulta em muitos sintomas desagradáveis da ressaca. Recompense seu corpo pelo esforço com um bom descanso até que ele volte a executar adequadamente suas funções.

Evite fazer esforço físico e tenha uma boa noite de sono. Assim, você conseguirá se recuperar mais rapidamente.

7- Coloque mel no seu desjejum: É preciso fornecer energia ao seu corpo para que ele se recupere. Para facilitar, ao acordar, aposte em alimentos como torradas ou cereais, que são de fácil digestão, e acrescente uma colher de mel. Esse ingrediente é rico em frutose, o mesmo açúcar encontrado nas frutas, e tem propriedades anti-inflamatórias que ajudam seu organismo a se livrar do mal-estar.

8- Antes de dormir, coma!: Sei que é difícil lembrar disso, mas, ao chegar em casa, faça um lanche, de preferência usando pães integrais, que possuem carboidratos complexos, absorvidos mais lentamente do que os simples. Um bom suco de frutas também ajuda: o líquido vai combater a hipoglicemia, fornecendo uma boa quantidade de frutose.

Como eu já falei, o importante é beber com responsabilidade. Mas, se exagerou, espero ajudar com essas dicas.

Leia aqui sobre Bebendo cerveja de forma responsável
Você também pode gostar desse post: Misturar bebidas alcoólicas não faz mal!

Fontes: Site MedPrev
Site Unimed Fortaleza

Bebendo cerveja de forma responsável

No final de junho, assisti à palestra “O papel do álcool no processo civilizatório e consumo responsável”, que fez parte do Congresso “Cerveja é Gastronomia” organizado pela Abracerva e pelo Sindicerv.

As falas do Dr. Fernando Soléra, coordenador da Comissão de Controle de Doping da CBF e médico oficial de Controle de Doping da FIFA e Conmebol, que destacou o consumo responsável, me chamou atenção, por isso resolvi trazer esse assunto aqui para o blog.

De acordo com o Dr. Fernando, o álcool é absorvido pelo corpo de forma rápida. Dentro de uma hora, já absorvemos todo o álcool que consumimos. Porém, a velocidade vai depender da concentração de álcool que tem a bebida e do estado de nutrição da pessoa.

A absorção do álcool é mais rápida quando a bebida alcoólica é ingerida com estômago vazio, provocando um pico elevado de concentração no sangue. Agora, se tomar bebida alcoólica com proteínas, gorduras e carboidratos, que são os principais tipos de alimentos energéticos, a absorção é melhor. Por isso, NUNCA BEBA COM O ESTOMAGO VAZIO!

O álcool ingerido é transportado pelo sangue para todos os tecidos que contém água. As maiores concentrações encontram-se no cérebro, no coração, nos rins, no músculo e no fígado.

É no fígado que cerca de 90% a 95% do álcool ingerido é metabolizado.  Diferente da absorção, a metabolização do álcool é lenta. Ou seja, a expulsão do álcool do corpo acontece devagar. Pode demorar até 8 horas. O EFEITO É PROPORCIONAL A DOSE. Ou seja, quanto mais bebida ingerida, mais tempo ela vai ficar no seu corpo. E mais sentirá o efeito negativo do álcool.

Foto: Pixbay

Consumido em grande quantidade, nosso fígado não consegue metabolizá-lo, passando a atingir todo o organismo, incluindo o coração, o sistema nervoso central, o estômago e os rins, provocando diversas reações responsáveis pela “embriaguez”.

Além da dosagem, outros fatores interferem na metabolização do álcool. Cada corpo metaboliza o álcool de uma forma. Por isso, NÃO EXISTE UMA DOSAGEM IDEAL.

As diferenças no metabolismo do álcool podem colocar algumas pessoas em maior risco para desenvolver problemas relacionados ao álcool. Independentemente da quantidade que uma pessoa consome, o corpo pode metabolizar apenas uma certa quantidade de álcool a cada hora.

Por exemplo, as mulheres metabolizam o álcool mais lentamente que os homens e, consequentemente, apresentam uma concentração de álcool no sangue mais elevada após consumo da mesma quantidade de bebida.

A distribuição de gordura no corpo de homens e mulheres, por exemplo, é diferente e isso acaba impactando a circulação do álcool. Outra diferença está na quantidade de água no organismo, pessoas do sexo femino apresentam um volume um pouco menor e, ao ingerir a mesma dose de álcool, ficam com uma concentração maior no corpo. 

Além disso, geralmente, as mulheres contam com menos enzimas no fígado para metabolizar o álcool e isso pode fazer com que os efeitos da bebida persistam por mais tempo no seu corpo. Por tudo isso, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de outras autoridades médicas é a de que mulheres sempre bebam em menor quantidade do que os homens em uma mesma ocasião. 

Outros fatores que interferem além do sexo feminino ou masculino são: a idade, a estrutura física (altura, massa corporal), a vulnerabilidade genética, o estado de saúde o, padrão de consumo e os contextos relacionados à ingestão de bebidas alcoólicas (se bebe durante as refeições, por exemplo).

Além da alimentação, a hidratação durante e após o consumo da bebida alcoólica também é importante. Estar hidratado quando beber (um copo de água para cada um de álcool) e ingerir muito líquido também no dia seguinte ajuda a eliminar pela urina as toxinas que restam no corpo.

 Foto: IS/

Portanto, sabemos que o excesso de álcool é muito prejudicial à saúde.

Porém! Porém! Seu consumo responsável é benéfico. De acordo com o Dr. Fernando, existem pesquisas cientificas que falam sobre os benefícios do álcool para o organismo. Hoje, isso é um fato na medicina. Inclusive, já falei sobre isso aqui – Benefício da cerveja para a saúde

Outro dado interessante trazido pelo médico é que, no Brasil, 5% da população é alcoólatra. “Para uma população, 5% é muita coisa. Porém, devemos levar em consideração também outro dado: que o Brasil é o país com o menor percentual de pessoas alcoólatras. E isso é muito bom.”, finaliza.

Enfim, já sabemos o que devemos e o que não devemos fazer. Seja responsável, respeite os limites de seu corpo.

Fontes: Palestra Dr. , Dr. Fernando Soléra durante o Congresso “Cerveja é Gastronomia”
Site Universidade Federal do Ceará – Seara da Ciência
Site CISA – Centro de Informação sobre Saúde e Álcool
Site Dr. Jairo Bouer

Cenosilicafobia: A fobia do copo vazio

Você sabia que existe a fobia do copo vazio? Eu não sabia.

copo-de-cerveja-vazio-png

Nessas minhas pesquisas diárias, acabei descobrindo que existe um palavrão no meio cervejeiro que nem todos estão familiarizados.

A Cenosilicafobia é uma fobia caracterizada pelo medo irracional de ver copos vazios, principalmente um copo de cerveja ou outra bebida alcoólica.

Essa fobia pode ser percebida nos bares ou eventos sociais, com bebida alcoólica, em que a pessoa enche seu copo constantemente de mais e mais bebida.

A palavra Cenosilicafobia vem do grego “Kenos”, que significa vazio.

Essa mania, que pode virar uma fobia, pode ser muito perigosa para a saúde e a integridade física da pessoa que a tem.

É uma fobia comumente associada a pessoas dependentes de álcool. Por isso, seu diagnóstico é importante para que se possa tratar devidamente, quando relacionada com o alcoolismo.

Então, fique atento! Se você reparar que é assim, ou algum amigo ou familiar se porta dessa maneira nos encontros com bebida alcoólica, ligue o alerta!

Procurar ajuda não é vergonha nenhuma, viu!? Até mesmo uma conversa com um amigo pode já ser um começo para evitar um agravamento dessa fobia.
E, se ficar incontrolável, procure se tratar com um especialista para que não haja consequências piores.

A gente sabe que, às vezes, a gente perde o controle na bebida. Mas, lembre-se: Isso não pode virar rotina, mas sim, exceção!

Boa sorte. Beba com consciência!

Para mais informações sobre o mundo da cerveja acesse o meu Instagram http://www.instagram.com/cervejeirauai e me siga!