#TBT: Bitburger – Museu Madame Tussauds (Berlim)

20170520_011040-e1512954984383.jpg

O #tbt de hoje é com essa tradicional cerveja da Alemanha, a Bitburger. Tomamos essa Premium Pils, uma german pilsner fabricada a partir de selecionadas cevadas de março e lúpulos igualmente selecionados.  Uma cerveja leve, fácil de tomar, em que o amargor equilibra muito bem com o malte, não tendo um que se destaca mais. Uma autentica cerveja alemã. Essa mata sede!

Álcool: 4,8%

bitburger-logo.jpgA Bitburger é uma grande cervejaria alemã, fundada em 1817, na cidade de Bitburg. É a terceira cerveja mais vendida no país. Em 2015, produziram cerca de 710 milhões de litros de cerveja e bebidas sem álcool.

Hoje, eles têm diversos estilos tradicionais na Alemanha como Pilsen, Bock, Radler, 0,0%, além de refrigerantes e cidra.

Curiosidade: A Bitburger, patrocinadora oficial da Seleção Alemã de Futebol

20170520_010647-e1512955567733.jpg


gambrinus.jpgNós bebemos essa em um restaurante chamado Gambrinus Deutsche Küche ( Gabrinus Culinária alemã). É um restaurante de comidas típicas alemãs. O local é bem aconchegante, meio escuro (como todos que fomos). Mas se preferir, tem mesas do lado de fora. Era um dos poucos que estavam abertos e que serviam comida naquele nosso horário de sempre: 22h – 23h.

Fomos atendidos parece que pelo dono, um homem asiático (rs), que ironia. Aí você pensa: um lugar cujo dono tem os olhos puxadinhos vai nos servir comida tradicional alemã?!

20170520_012138.jpgEscolhemos um prato de sopa de carne com legumes. Meu Deus, que delícia! Eu queria ter lambido o prato :), mas… E não dava pra pedir outro, estava mais do que satisfeita. Foi uma das melhores e mais diferente comida típica que comi por lá.

Dizem que os asiáticos compraram o restaurante de um alemão mas não mantiveram a qualidade. Mas, com eu não entendo de culinária alemã, para mim estava ótimo!

O lugar fica numa pracinha na Krausnickstr. 1, 10115, Mitte, Berlim. Recomendo demais.


O ponto turístico é o Museu de Cera Madame Tussauds. É um famoso museu que possui a maior coleção de figuras de cera de celebridades. A sede principal do museu está em Londres, mas também existem 13 filiais e uma delas está em Berlim.

anne frank
Anne Frank

angelina jolieNele, encontramos personalidades de diversas áreas como política, religião, esportes, música, personagens de filmes e as estrelas de Hollywood. Além da perfeição dos detalhes e rostos, o que me chamou a atenção foi o boneco de Hitler. Ele é o único que fica isolado, dá pra vê-lo apenas através de uma janela. É bem protegido com câmeras em volta pois é proibido tirar foto. Li que, na inauguração, ele era protegido apenas por uma corda. E, um dos primeiros visitantes, ao entrar, pulou na estátua e decapitou Hitler. Não em protesto, foi uma aposta que o homem fez com seus amigos, em um bar, na noite anterior. Depois disso, resolveram blindá-lo.

IMG_5017

E como estamos em Berlim, nada mais justo que encontrarmos com figuras de diversas personalidades alemãs: como a chanceler Angela Merkel,  o físico Albert Einstein, os compositores Bach e Beethoven (no local toca músicas deles), Anne Frank (sobrevivente do Holocaustro),  Karl Marx, jogadores de futebol da seleção. Além dessas personalidades, o muro de Berlim também está lá. Nele, você pode simular que está derrubando o muro. Ao entrar na cabine, começa um barulho de marreta, assim como o que os moradores de Berlim ouviram por muito tempo, durante a queda do muro.

É muito interessante ver essas personalidades e o quanto são parecidos. Quando fomos estava tendo um especial do filme Stars Wars. Divertimos bastante.

Mais fotos:

#TBT: Tyskie Gronie – Campo de Concentração de Sachsenhausen

O #tbt de hoje é com essa cerveja polonesa, a Tyskie Gronie. Sim!! Nem só de vodka vivem os poloneses. Para termos uma ideia, a Polônia é o terceiro maior produtor em hectolitros de cerveja da Europa, atrás apenas da Alemanha e do Reino Unido. Quanto ao consumo médio per capita, ela está na 18ª posição do ranking mundial.

20170518_181439

A Tyskie Gronie é uma Premium American Lager,  feita com água, malte, lúpulo e leveduras. É uma cerveja clara, bem gostosa e equilibrada, com um leve amargor no final. Teor alcoólico: 5.6%

Ela é produzida pela Tyskie Brewery, uma das mais antigas cervejarias polonesas. Fundada em 1629 pela família Promnice em Tychy, sul da Polônia. Hoje, é a maior cervejaria do país, e é 100% controlada pela gigante SAB Miller.


Essa, nós tomamos em uma lanchonete turca chamada Café Handana, que tem de tudo, desde café, cerveja até prato feito e pizza. Para comer, nós escolhemos um enorme e delicioso Dürüm Döner. Vem com salada e muita carne no recheio, tipo kebab. A carne é tirada daquele espeto grande, giratório, vertical, com um montão de carnes ‘amontoadas’ assando de fora para dentro.

O lugar é bem sossegado, com mesas na rua o no interior. E o lanche, que é feito na hora, saiu bem rápido.


IMG_4805E o ponto turístico deste #tbt é um tanto quanto pesado: o Campo de Concentração Sachsenhausen. Construído na cidade de Oranienburg, em Brandemburgo, a 35 km de Berlim. Você gosta de história como eu? Está preparado para o textão? Senta ai e vambora!

O campo entrou em operação em 1936, três anos depois da chegada de Hitler ao poder e funcionou até 1945 sob o regime nazista. Ele é um dos mais antigos campos de concentração da Alemanha nazista. O maior é o campo de Auschwitz, que fica na Polônia (estima-se que 1,6 milhão de pessoas morreram nele).

O campo de concentração de Sachsenhausen (lê saquisenrrauzen) era usado para confinar ou liquidar em massa opositores políticos, judeus, ciganos, homossexuais, testemunhas de Jeová, professores universitários (contra o nazismo) e, posteriormente, milhares de prisioneiros de guerra.

Todo mundo deveria um dia ter a oportunidade de ir em um campo de concentração. É um aprendizado para a vida, é muito mais do que aquilo que a gente estuda no colégio. Aprendemos onde o preconceito pode chegar. Enfim, é de arrepiar!

20170518_104810

Ele fica perto de Berlim, é bem acessível.

Pegamos um metrô e, uma hora depois, estávamos na cidade de Oranienburg, cidadezinha gostosa. De lá pegamos um ônibus que passa na porta da estação e deixa na porta do campo. O ônibus demorou para chegar, po20170518_115107r isso, é bom saber os horários de partida dele. E leva uns 10 minutos para chegar no campo. Ao chegar, vamos em uma casa onde paga pelo guia (baratinho), tinha o presencial e o áudio-guia. Optamos pelo último, que além de te deixar livre, tinha em português!!! Ufa! \0/

A entrada é gratuita.

Logo no início, tem uma maquete gigante mostrando todos os locais do campo.

Em seguida, fomos para a entrada do campo. O caminho é de arrepiar, pois o áudio vai falando que por ali passavam os caminhões com centenas de prisioneiros, alguns, ficavam pelo caminho. Ai, você já tenta imaginar o que passava na cabeça daquelas pessoas durante este trajeto. Que triste!

Antes de entrar na área do campo, eu comecei a me sentir mal, e olha que eu não sou desse tipo, que passa mal e nem tinha visto nada ainda. É uma sensação ruim, parece que todo aquele sentimento de sofrimento, mesmo depois de 70 anos, continua ali. A respiração começou a ficar curta, comecei a arrepiar, ter calafrios e ficar estranha. Sentei num banco que tem antes do portão e esperei aquele “trem” ruim passar.

Depois desse portão, tem um espaço grande com alguns monumentos em homenagens aos mortos que são cuidados pelos seus familiares e, durante esse percurso, o áudio-guia apresenta depoimentos de sobreviventes, cartas lidas de pessoas que morreram. Foi o passeio mais realista que já fui na vida. É de arrepiar. Como existem pessoas para fazer aquilo tudo?!  Pra que isso? Arrepio só de lembrar.

Além desse espaço, antes de entrar no campo, têm museus que contam a história do lugar e mostram a forma como viviam os prisioneiros. Pra mim, umas das piores sensações foi uma sala que tem a imagem de alguns prisioneiros, em um tecido transparente, que movimenta enquanto você passa, por causa do vento que você mesmo faz. Você anda entre eles e eles ficam olhando no seu olho. Fora os livros com fotos de algumas covardias que eram feitas e de alguns milhares de corpos. Não dá pra ficar olhando tudo. É muito pesado.

20170518_134307

Enfim, passamos pelo portão principal, com o escrito  “Arbeit Macht Frei” (o trabalho te fará livre).  Aí, nos deparamos com aquele gigantesco espaço de tortura. Era tudo muito bem montado, bem pensado, parece um fábrica de torturar e matar pessoas. Os muros tinha cercas elétricas com placas falando para não ultrapassar. O áudio conta que muitos, por não aguentar tanto sofrimento, acabavam se jogando contra as cercas elétricas e morrendo.

IMG_4807IMG_4813

Cerca de 200 mil pessoas passaram por ali e 100 mil morreram de fome, por doenças adquiridas, trabalhos forçados, resultados de experiências médicas ou executadas a tiros ou nas câmaras de gás. E não eram só homens, tinham milhares de mulheres e crianças. Todos que ali entravam, perdiam suas identidades, eram chamados por números e tinham que usar o famoso uniforme listrado.

Uniformes
Uniforme dos prisioneiros

A minha vontade é de contar sobre cada espaço que vi, cada sala que entrei. Mas, é muito grande mesmo.

Teve lugar que nem fomos, pois não aguentávamos mais andar e não tem nenhum lugar para sentar. Durante todo o percurso, cada lugar que entrávamos passava um filme na minha cabeça, como se eu estivesse vendo tudo aquilo acontecer, pois o áudio conta detalhes de cada local. E eu tentava reconstruir tudo na cabeça. Eu cheguei a ter a sensação de um guarda na torre me olhando. Credo!

Enfim, saí de lá cansada, arrasada, triste, não querendo nem olhar para trás. Sem vontade de fazer mais nada no dia. Mas, Berlim nos aguardava. De lá fomos visitar partes do muro de Berlim e o Memorial do Muro, que contei aqui: Muro de Berlim.

Fiquem aí com mais fotos, que acho que dá para ter uma ideia do quanto eu saí horrorizada deste lugar de atrocidades.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A propósito, o campo comandado pelos nazistas acabou quando os soviéticos invadiram a Alemanha, derrotando os nazistas.

Sem esperanças, os nazistas ordenaram a evacuação dos prisioneiros na famosa Marcha da Morte, onde os incapacitados de caminhar foram mortos a tiros.

O restante dos prisioneiros foram liberados pelos soviéticos e então, Sachsenhausen tornou-se prisão para os nazistas sob o comando dos soviéticos.

SRM ou EBC: Escalas que medem a cor da cerveja

copo

E agora vamos falar da cor da cerveja?

Algumas cervejas trazem em seus rótulos a medida SRM ou EBC. Eu digo algumas, pois essa indicação, assim como o IBU, não é obrigatória. Mas o que é isso?

As duas siglas são escalas utilizadas para medir a cor da cerveja: a EBC, é a medida europeia, e a SRM, a medida americana.

design-de-rotuloA escala EBC (European Brewing Convention – Convenção de Cervejeiros da Europa), pode ser aplicada à cor da cerveja ou apenas à cor do malte.

Rótulo-Barba-Bier-Lime-Pils

O SRM (Standard Reference Method – Método de Referência Padrão), é uma escala usada nos Estados Unidos para determinar a coloração da cerveja.

Há uma terceira escala: a Degrees Lovibond (ºL) – a escala original – criada por Joseph Williams Lovibond, em 1983. Que equivale à SRM.

Para fazer a conversão de EBC em SRM, basta usar a fórmula SRM = EBC / 1.97. Alguns arredondam os valores.

Então, quando um rótulo traz essas siglas, está dizendo pra você a coloração da cerveja que está dentro daquela garrafa, já que a garrafa normalmente é marrom ou verde e não dá para ter uma noção exata da sua cor.

Os valores mais baixos correspondem a cores mais claras de cerveja e valores mais altos para cores mais escuras.

O que determina a cor da cerveja?

A cor está diretamente ligada à definição do tipo de cerveja. Se a cor não corresponde com o estilo, não foram usados os ingredientes corretos, mas não significa que a cerveja esteja ruim.

O principal responsável pela coloração de determinada cerveja é o malte utilizado e o seu grau de torreifação. Por exemplo, uma Stout tem que ser marrom escura pra preta, por isso usam maltes mais torrados. Já a Pilsen é mais clara, tem que ser feita com malte sem torreifação.

índice

Existem outros fatores que alteram a coloração como frutas e até mesmo corantes naturais (que são permitidos no Brasil para corrigir ou intensificar as cores de uma cerveja), como é o caso da Caracu, que é escura devido à adição de caramelo e xarope de açúcar. Eu falei sobre isso nesse post sobre Diferença entre Malzbier e Cerveja Especial Escura

EVERBREWSOUL.jpg
Berliner Weisse da EverBrew feita com adição de amora, morango e framboesa

Como calculam o SRM da cerveja?

Para determinar o SRM de uma cerveja, pode ser usado um espectrofotômetro, que mede a absorção de luz a 430 nm através de um centímetro de cerveja. Então é atribuído à cerveja um grau SRM variando de 2 a 40+ no grau de intensidade de cor, sendo 2 as cervejas mais claras e 40+ as mais escuras. Porém, muitos medem no “olhometro”. Existe um cartão de referência visual para corresponder a cor da cerveja à determinada cor do cartão.

Para termos ideia do SRM de uma cerveja: Uma Standard American Lager (que são as mais comercializadas, tipo Skol) tem SRM 2 a 3. Já uma Sout (cervejas escuras) tem entre 30 e 40+.

wall-of-beer-color-small1

Cores dos principais estilos de cervejas:

Pilsen: amarelo palha límpido
Witbier: dourado claro turvo
IPA: do âmbar pálido ao cobre avermelhado
Weiss: do amarelo palha ao dourado escuro turvo
Red Ale: do âmbar ao cobre avermelhado
Porter: marrom
Stout: do marrom escuro ao preto

Veja a cartela de classificação SRM e EBC (com valores arredondados):

imagem

Aqui eu já não tenho preferência. Desce qualquer cor! Cheers!

#TBT: Birrificio Poretti – Vaticano

20170529_010346

O #tbt de hoje é com mais uma cerveja original da Itália: a Tre Luppoli da Birrificio Angelo Poretti. Uma cerveja fabricada com três variedades de lúpulo. Mesmo assim,  é leve, sem muito amargor, com um sabor bem equilibrado e refrescante. É uma lager perfeita para o dia-a-dia. ABV: 4,8%

A Birrificio Angelo Poretti é uma cervejaria italiana, fundada em 1877, por Angelo Poretti, em Valganna, na Itália.  Em 1982, o Grupo Carlsberg comprou 50% das ações da empresa, seguido em 1998 por mais 25%. Em 2002, o grupo dinamarquês adquiriu os restantes 25% e, assim, obteve a propriedade total da Angelo Poretti.

logo angelo porettiSuas cervejas são baseadas em diferentes combinações de lúpulo. E o nome delas tem relação com a quantidade de lúpulos usados como a Tre Luppoli (3), 4 Luppoli, 5, 6…tem até 10 e as Reservas de Cervejaria como a Pale Ale e a Brown Ale.


O prato deste TBT foi a primeira massa que comi em Roma: o Nhoque com espargos e parmesão (Gnocchi con asparagi e grana). Uma delícia que comemos no Eden Barberini Bistrot.


20170530_103938-e1531272546398.jpg

O ponto turístico desta vez é um mundo à parte dentro de Roma: o estado do Vaticano.

Confesso que antes de ir, eu nunca havia lido ou estudado nada sobre o Vaticano. A única coisa que sabia que era a “cidade” do Papa, na Itália, onde ele fazia umas missas de vez em quando e que lotava de fiéis da Igreja Católica. Nada mais!

Quando cheguei lá, fiquei super curiosa pela história que gira em torno daquele Estado. Quando cheguei no hotel, não consegui dormir. Passei a noite no Google, lendo sobre aquele lugar e seus mitos e verdades.

Não vou falar tudo aqui, porque precisaria de um e-book para isso. Mas falarei sobre curiosidade e o que achei interessante por lá. Não, o Papa Francisco não estava na janelinha quando fui. Olha  a janelinha ae (essa do meio)!

20170530_100155

Curiosidades:

– Vaticano tornou-se um Estado em 1929.

– o Vaticano é um Estado independente, com selos e moeda própria e que tem como chefe de governo o Papa.  Os poderes executivo, legislativo e judiciário são comandados por ele;

– O local tem cerca de 800 habitantes, a maioria funcionários da igreja, de diversas nacionalidades. Aproximadamente 450 pessoas têm cidadania do Vaticano. Não é qualquer um que pode morar lá. Para ser habitante do Vaticano é preciso autorização.

guarda vaticano

– A segurança é constituída pela Guarda Suíça Pontifícia, composta por oficiais/guardas de nacionalidade suíça.

– Os soldados da Guarda Suíça, que são as Forças Armadas do Vaticano, devem ser celibatários, cumprir rituais litúrgicos e não podem dormir fora do Vaticano. Achei muito bonitinha a roupa deles…rs

– Por questões de ordem religiosa, solteiras de até 22 anos de idade de famílias constituídas residentes no Vaticano não podem morar nos limites do Estado. Hã?

– O Estado é cercado por um muro. Na foto abaixo o muro está no nosso lado esquerdo.

20170601_124732

Basilica di San Pietro

A fila para entrar, tanto na Basilica di San Pietro (São Pedro) quanto no Museu do Vaticano,  é gigantesca. A da Basílica anda rápido. A do museu não, por isso é importante comprar antes a entrada pro Museu.

20170530_093836-e1531273374561.jpg

Em frente à Basilica fica a Piazza di San Pietro, onde os fiéis aglomeram em dia de missa. A gente vê a Basílica assim de frente e não imagina o quanto ela é gi-gan-tes-ca! E tem uma verdadeira multidão dentro dela (fotos abaixo). Vocês vão reparar que lá dentro eu estou com outra camisa. Pois, não pode entrar com o ombros nem joelhos à mostra. Ah, e não sei porque, mas não podia pisar nessa faixa do meio que está aí nessa primeira foto.

20170530_11471320170530_113829

Dentro da Basílica, fica também a famosa estátua Pietà, de Michelangelo, feita em mármore. Ela fica protegida por vidros blindados depois da tentativa de depredação por um maluco. É difícil demais tirar uma foto dela. Gente demais!

Tem também a estátua de bronze de São Pedro, feita por Arnolfo de Cambio. A fila por ali é gigante, formada por fiéis que andam e passam a mão, beijam o pé da estátua. Passam somente no pé direito, tanto que eles está desgastado, nem dá pra ver a divisão dos dedos mais. Não tirei foto de perto pois não dá pra chegar perto. E chega de fila.

Outro monumento gigantesco é Baldaquino, feito por Bernini, de bronze dourado, com quase 30 metros de altura. É o altar papal. Somente o Papa pode celebrar missa ali. Ele está exatamente sobre o suposto Túmulo de São Pedro, que fica ali debaixo,na Necrópole.

20170530_113042.jpg

Você já ouviu falar em Necrópole? É uma cidade que fica embaixo do Vaticano, onde ficam túmulos e mausoléus de famílias romanas ricas e de alguns papas. É possível visitá-la, mas eles não divulgam muito isso. Não consegui agendar minha visita,  pois tem que ser com muitos meses de antecedência. Dentro da Basílica tem uns “bueiros”que dá pra ver que existe algo passando pelo subsolo.

Em uma das dezenas de capelas lá de dentro, está o túmulo do Papa João Paulo II. Nas capelas você pode entrar e rezar à vontade. Algumas podemos tirar foto, outras não. Os confessionários e as capelas com missa não podemos tirar fotos.

20170530_114931.jpg

Subi na cúpula, onde dá pra ve r o Vaticano lá do alto. Quem tem claustrofobia, não é muito legal de ir. Pois o espaço vai se estreitando a medida que você sobe. É terrível, passa morcego. Se você cansar ou passar mal, nem o Papa te tira de lá. Imagina você ter um mal estar nessa escada de caracol e tem uma fila gigantesca na sua frente e atrás de você? Aiaiai. Mas, vale a pena a vista. Fotos abaixo. A primeira foto é a casa do Papa.

Museu do Vaticano

É outro lugar a ser visitado no Vaticano. É gigante também.

Com esculturas, sarcófagos e pinturas dos mais conhecidos artistas. Aí depende do seu interesse para parar nas que tem mais interesse. Lá tem uma janela que dá pra ver o jardim da casa do Papa.

No final do museu, tem a Cappella Sistina, decorada com pinturas dos maiores mestres italianos, como Perugino, Botticelli, Cosimo Rosselli, Domenico Ghirlandaio, Pinturicchio, Piero di Cosimo, Luca Signorelli e Michelangelo, que pintou no teto o imenso e famoso Juízo Universal, obra que demorou cinco anos para ser terminada. É linda, realmente.

Antes de entrar, tem uma placa falando que é proibido tirar foto e falar lá dentro. Mas o que você mais vê é uns “João sem braço” fingindo que não estão tirando foto, e um bando de sem educação que não para de falar. É um lugar fechado, abafado e tem uma multidão lá dentro olhando pro teto. E essa falta de educação chega a irritar, porque agita o lugar e os seguranças ficam o TEMPO TODO GRITANDO: “NO FOTO, NO FOTO”. “SILENCE, PLEASE”; “SILENCIO”; “XIIIIU”; “É UM LOCAL SAGRADO”; “SACRO”.

Afinal, é lá na Capela Sistina que se realiza o conclave, processo de escolha do novo Papa. Lá você vê a chaminé de onde sai a fumacinha preta ou a branca: Habemus papam.

A foto abaixo não é minha peguei no google.

capela sistina

É muita informação. Não tem como fazer um post pequeno sobre o Vaticano. Mi scusi! Sorry! Desculpe me!

Mais umas fotos do lado de fora.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

#TBT: Tuborg – Piazza del Popolo (Roma)

20170528_212115.jpg

O #tbt de hoje é com esta pilsner dinamarquesa, a Green Tuborg. Uma cerveja comum, normal para os padrões internacionais. Feita com água, levedura, lúpulo e malte lager, um tipo de malte levemente tostado. Seu sabor é adocicado, super suave. No final, tem o típico amargor moderado de uma cerveja bem fabricada. ABV: 4,6%

logo tuborg

A Tuborg foi fundada em 1873 por Carl Frederik Tietgen, com sede em Hellerup, um distrito do norte de Copenhague. O nome Tuborg está relacionado ao nome da rua onde foi fundada a cervejaria. Ela produziu a primeira cerveja tipo pilsner da Dinamarca em 1880 e a embalou em garrafas com um rótulo verde distinto. Tornou-se instantaneamente popular entre os dinamarqueses.

Em 1969, foi comprada pela empresa Carlsberg. Hoje, a Tuborg se tornou uma marca internacional, presente em 70 países.


O prato é um divino Penne a Carbonara e uma lasanha do Restaurante Il Nuovo Faro di Angelo e Pierangelo. Deliciosos. Esse dia optei por um vinho da casa. A sobremesa foi o Tiramisù, uma sobremesa tipicamente italiana.


O ponto turístico do #tbt enfim chegou em Roma. Ahhh, Roma. Uma aula de história em cada esquina que se passa!

20170529_172459

Hoje vou falar da Piazza del Popolo (Praça do Povo), uma praça diferente que tem portal para entrar nela, local que, conforme a história, o imperador Nero morreu e foi sepultado. E, como tudo em Roma, é pura história.

A praça é gigante. Em seu centro, está o obelisco Flamínio, com seus 24 metros de altura, chegou em 1589, vindo do Egito.

Na entrada da praça, está a Santa Maria del Popolo (ou Basílica de Santa Maria do Povo), que abriga várias obras de artes. E, para quem gosta do filme Anjos e Demônios, aqui fica a Capela Chigi: Que tem uma pirâmide (símbolo pagão dentro de uma Igreja Católica) e o Anjo (estátua de Habacuque, de Bernini) que aponta para o chão da capela, que tem a pintura que chamam de Morte Alada.

Além dela, tem as duas igrejas gêmeas, como são chamadas por serem bem parecidas: a Santa Maria in Montesanto e Santa Maria dei Miracoli ou dos Milagres. Em uma delas tinha uma arte bem no centro, que era uma cabeça pendurada. Ai, não gostei daquilo.

Subindo uma escadaria de 135 degraus por ali, tem-se acesso à Piazza di Spagna, onde dá para ver a Piazza del Popolo pelo alto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

#TBT: Franziskaner Kellerbier – Burano (Veneza)

kellerbier franziskaner

O #TBT de hoje não é uma cerveja italiana, mas, como tomamos ela em Veneza, falarei dela aqui. Uai, tinha lá? Não, eu levei perdida na mala, de um país pro outro…rs

A Kellerbier da Franziskaner pode ser traduzida como Cerveja de adega, pois é uma cerveja engarrafada sem filtragem, dando a ela a cor âmbar característica e o sabor encorpado. O lúpulo Hallertau confere à cerveja um leve amargor. Tanto o aroma quanto o sabor são maltados, um pouco adocicados/frutados. Uma cerveja suave, cremosa, que desce redondo. Seu  teor alcoólico é de 5,2% ABV.

A história da Franziskaner eu já contei aqui em um #TBT de Munique, na Alemanha, cidade onde essa cerveja nasceu e é encontrada em todas as esquinas.


nero di seppia

Essa nós sentamos em um bar (sim, um bar) para tomar: Bar e Gelateria Sommariva Mario. Eles não ligavam de sentar com nossa bebida. Mas lá tinha Lowembrau! Tomamos também!

O prato do dia foi o Spaghetti al nero di seppia. Quando o prato chega dá um “nojinho” de comer. Esse trem preto, parece “macarrão ao petróleo”. E, saber os ingredientes, não ajuda em nada. Seppia é uma espécie de lula que possui uma bolsinha com um líquido preto, por isso fica dessa cor. Além do líquido, vem uns pedaços da lula também. Mas, ao colocar o primeiro garfo na boca…que delíiiiiiiiiicia, meu Deus! Será que tem isso em BH?


img_2605.jpg

A atração turística deste #TBT é a coisinha mais linda e charmosa que vi na região de Veneza: A ilha de Burano com suas casas coloridas. É uma ilha sossegada, como se fosse nosso interior aqui. Fica pertinho de Veneza, indo de Vaporetto dá uns 10 minutos.

Não tem muito o que fazer lá a não ser passear pela ilha, a pé mesmo, e admirar suas casinhas coloridas em que os moradores são obrigados a pintar a fachada periodicamente. Segundo a lenda, elas foram pintadas assim para, quando os pescadores voltassem para suas casas à noite, pudessem as identificar pelas cores.

Além disso, tem o inclinado campanário que pode ser visto de longe. Ele é tão inclinado que faz qualquer Torre de Pisa morrer de inveja. E tem também várias lojinhas com produtos cheios de renda, que é a arte dessa ilha.

Outra atração pelas redondezas é a vizinha Ilha Murano . Aqui as casas são pequenas iguais as de Burano, mas sem cor nenhuma. O foco da Ilha é nos vidros. Aqui encontramos as famosas, maravilhosas e caríssimas artes no vidro. Se lá já é caro, imagina quando chegam por aqui…

Algumas fábricas deixam ver e tirar fotos dos funcionários fazendo os vidros. É incrível a rapidez que eles fazem. Porém, a maioria das fábricas e lojas não deixam nem mesmo tirar foto das peças à venda. Achei uma bobagem. Detesto entrar em lugares que parecem ter mil olhos em cima de você, mas… deve ter um por que! Talvez por isso eu não tenha entrado em muitas lojas, mesmo porque eu não daria 20 euros num miiiiniiiiii boneco do Bob Esponja, por exemplo.

Aí vão algumas fotos de Murano (sem cor) e seus vidros.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O passeio durou a manhã toda. Valeu a pena! Além do passeio, durante o traslado, você tem a visão de Veneza de longe, é bem bonito!

 

#TBT: Birra Peroni – Piazza San Marco (Veneza)

20170525_195833.jpgA partir de agora, o #TBT muda de país. Sonho realizado é sonho compartilhado: Conhecer um pouco da Itália. Apesar de lá ter muita comida deliciosa, também achamos cervejas da melhor qualidade!

Para começar, falarei de uma das cervejas mais tradicionais da Itália: A Standard American Lager da Peroni. Mesmo sendo industrializada é uma cerveja de excelente qualidade. Tem um leve destaque de malte no sabor, já o amargor é mais discreto. O teor alcoólico é leve também de 4.7% ABV

logo_smallA Birra Peroni (Birra = Cerveja em italiano) foi fundada em Vigevano, na Itália, em 1846. Em 2003, Isabella Peroni, última proprietária da fábrica, vende a maioria das ações para a empresa sul africana SABMiller.

Atualmente, a Peroni tem três fábricas: em Roma, Bari e Padova. Além de um Malteria, a Saplo de Pomezia. A produção anual de cerveja  é de 5 milhões de hectolitros, dos quais mais de 1 milhão são exportados. Tá bom ou quer mais?

antico-fornoEsta nós tomamos em uma das milhares de pizzarias que oferecem pizza em pedaço em Veneza, a Antico Forno Venezia. É tipo um fast food de pizza, onde elas já estão prontas na estufa. Os sabores não são muito diversificados. Você escolhe o sabor, eles colocam no forno com lenha. Pronto, é sua. E come em pé. Nesta, a massa era gorda. Imagina a bagunça pra comer sem prato… E a cerveja se bebia em copo de plástico. Mas o que vale é a experiência e o sabor!

20170525_200245.jpg

20170525_200204.jpg

20170525_195840.jpg

 

 

 

 

 

 


20170525_151459

O ponto turístico é a Praça de São Marcos (Piazza San Marco), em Veneza (Venezia). O principal ponto turístico e a única praça de Veneza. Construída no século IX, foi estendida para a sua forma e tamanho atuais em 1177, quando o rio Batário e um porto foram aterrados.

Na praça, fica a Basílica de São Marcos (arquitetura bizantina), o Palácio Ducal de Veneza (também conhecido como Palácio do Doge, e uma obra-prima do gótico veneziano, gigantesco), o Campanário da Basílica e outros edifícios. É tudo muito grande e eu penso daqui: Como construíram esses monumentos em cima do rio e do mar, e naquela época?

Além desses monumentos, tem alguns cafés que, à noite, tem cantores/bandas apresentando músicas típicas italianas. Aí você sente realmente na Itália. De dia, a praça fica abarrotada, eu disse abarrotada de turistas e pombos também. Lá pede para não alimentá-los. Mas, não adianta muito.

A fila para entrar em tudo é grande, assusta! Mas anda bem rápido. Entramos na Basílica e subimos na Torre. Vale a pena. É alto, mas vai de elevador e dá pra ver Veneza toda lá de cima.

A Praça de São Marcos é o lugar mais baixo de Veneza, e quando a água sobe no Mar Adriático por tempestades ou excesso de chuva é o primeiro a inundar. A água drena diretamente para o Grande Canal. Mas quando a maré sobe tem o efeito inverso, e a água do canal escoa para a praça. Por isso, não é muito indicado ir para Veneza em época de chuva.

Nos próximos #TBT`s falarei mais sobre essa cidade, que é encantadora e difícil de entender como existe…rs

Enquanto isso, veja mais fotos da Praça de dia e de noite.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ahhhh, a Itália! Até o próximo!